11 de abril de 2021

Jejum e oração pelo Brasil em 29 de março de 2021 derrubaram ministro das Relações Exteriores envolvido em fascismo ocultista

 

Jejum e oração pelo Brasil em 29 de março de 2021 derrubaram ministro das Relações Exteriores envolvido em fascismo ocultista

Julio Severo

Líderes evangélicos obtiveram uma grande vitória para o Brasil em 29 de março de 2021, data que eles marcaram para jejum e oração pelo Brasil.

Presidente Jair Bolsonaro com líderes evangélicos

 

Conforme vídeo que o Pr. Silas Malafaia me enviou, líderes representando todas as igrejas evangélicas do Brasil estiveram com o Presidente Jair Bolsonaro em 29 de março de 2021 para lhe entregar oficialmente o jejum e oração.


 

Na ocasião, Bolsonaro disse: “Jejum pelo Brasil. Orações que mudam o destino de uma nação.”


 

De fato, as orações mudaram tudo, trazendo como grande efeito a queda, no mesmo dia, do ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, conhecido por admirar ocultistas.

Por exemplo, sobre o ex-Presidente Donald Trump, ele disse:

Para tentar entender Trump… convém ler… o mestre tradicionalista René Guénon (importante influência de Steve Bannon, ex‑estrategista‑chefe da Casa Branca e ainda central no movimento que levou Trump à presidência). Guénon, escrevendo nos anos 1920, acredita que o Ocidente moderno havia‑se distanciado completamente da “tradição” (o núcleo espiritual de todas as civilizações e que se manifesta diferentemente, mas de forma coerente em cada uma delas), tornando‑se um poço de materialismo e ignorância, cujo único princípio é a negação de qualquer espiritualidade.

Francês convertido ao islamismo e vivendo no Egito, Guénon acreditava, entretanto, que somente o cristianismo, e especificamente o catolicismo, poderia talvez recuperar um mínimo de espiritualidade no Ocidente e salvá‑lo da completa aniquilação numa profunda idade das trevas, pois somente a Igreja Católica, segundo ele, preservava – embora latentes e incompreendidos por ela própria – os elementos da grande tradição.

É impossível não ouvir ecos guenonianos em Trump.

Isto é, Araújo viu que a principal força de Trump eram ocultistas — ou bruxos. Na verdade, ele via Trump apenas como trampolim para os interesses de fascistas ocultistas no governo.

Parece tática de esquerda. Aliás, em seu artigo intitulado “Sequestrar e Perverter” em seu blog pessoal Metapolítica, Araújo disse:

“A tática da esquerda consiste essencialmente no seguinte: sequestrar causas legítimas e conceitos nobres e pervertê-los para servir ao seu projeto político de dominação total.”

Adeptos de Guénon sequestram tudo e todos para sua revolução ocultista. Nos EUA, eles sob Bannon eles tentaram sequestrar Trump. O livro “Barganha do Diabo” disse: “No verão de 2016, Bannon descreveu Trump como um ‘instrumento bruto para nós.’” No Brasil, os adeptos de Guénon também veem Bolsonaro como um instrumento bruto para a causa deles.

Mas Trump acabou acordando para a realidade. Bannon, que tem por Guénon a mesma simpatia que Ernesto tem, foi expulso da Casa Branca com toda a sua bagagem de tradicionalismo ocultista.

No Brasil, os adeptos de Guénon tentam sequestrar a onda conservadora, predominantemente evangélica, dizendo que seu criador é Olavo de Carvalho, adepto de Guénon.

É impossível entender Araújo sem entender Julius Evola, Guénon e Carvalho, suas principais influências.

Araújo disse: “Ocidente de Trump é o patrimônio simbólico mais profundo das nações que o compõem. Nesse quadro, Deus mesmo não deixa de ser um símbolo, o supersímbolo.” Ele mencionou símbolos várias vezes em seu artigo. Ele está apenas seguindo seu antigo professor, Carvalho, que escreveu vários livros ocultistas, inclusive:

* Questões de Simbolismo Astrológico. São Paulo: Speculum. (1983)

* Astros e Símbolos. São Paulo: Nova Stella. (1985)

São livros ligados à astrologia, pois Carvalho foi astrólogo profissional nacionalmente conhecido no Brasil nas décadas de 1970 e 1980.

Embora Araújo corretamente expusesse a infiltração marxista na sociedade, a solução dele para resolver isso era promover a infiltração ocultista.

Araújo louvava o “tradicionalismo” de Julius Evola, que era o guru do ditador fascista italiano Benito Mussolini. Evola escreveu vários livros defendendo o ocultismo e a ideologia direitista. Ele foi o discípulo mais proeminente do ocultista islâmico René Guénon. Não é surpresa, pois, que quem indicou Araújo para governo foi Olavo de Carvalho, o discípulo mais proeminente de Guénon no Brasil.

A admiração de Araújo por Evola era tão grande que ele escolheu um defensor de Evola como examinador para aprovar novos diplomatas do Brasil.

Do ponto de vista espiritual, o Brasil estava caminhando para o fascismo e o desastre, assim como a Itália caminhou para o fascismo e desastre seguindo os conselhos do direitista ocultista Evola.

Araújo criou polêmica ao comparar o Presidente Jair Bolsonaro com Jesus Cristo só porque Bolsonaro deu a Olavo de Carvalho a condecoração mais elevada do governo brasileiro. Foi sua suprema alegria ver o mais conhecido adepto de Guénon no Brasil ser condecorado.

Outra polêmica de Araújo, a qual foi condenada pelos judeus e por Israel, foi igualar comunismo e nazismo, como se fascismo e comunismo fossem iguais. Se tal noção fosse correta, Araújo deveria ser classificado como comunista, pois ele é admirador de Evola, guru do fascismo italiano.

Em seu comentário sobre nazismo e socialismo, Araújo disse:

“É uma coisa que eu falo muito e é muito uma tendência da esquerda. Ela pega uma coisa boa, sequestra e perverte, transforma em uma coisa ruim. Acho que é mais ou menos o que aconteceu sempre com esses regimes totalitários. Por isso que eu digo também que… fascismo e nazismo são fenômenos de esquerda.”

Mas no nazismo, os rótulos ideológicos são eclipsados por interesses ocultistas. Teria sido mais útil se Araújo tivesse confessado:

“É uma coisa que eu falo muito (quando cito Guénon e Evola) e é muito uma tendência do ocultismo. Ele pega uma coisa boa, sequestra e perverte, transforma em uma coisa ruim. Acho que é mais ou menos o que aconteceu sempre com esses regimes totalitários. Por isso que eu digo também que… fascismo e nazismo são fenômenos do ocultismo.”

Se ele tivesse feito tal comentário, ele teria acertado. Evola foi o autor de manuais de direita, inclusive o “Manual para Jovens Direitistas.” Ele também foi o autor de vários livros ocultistas, inclusive “Introdução à Magia: Rituais e Técnicas Práticas para os Bruxos.”

Julius Evola tentou usar o fascismo italiano para destruir a infiltração comunista na Itália. Mas ele e Mussolini levaram a Itália ao desastre.

Da mesma forma, Araújo tentou usar o fascismo de Evola para destruir a infiltração comunista no Brasil. Ele não conseguiu e nunca iria conseguir. O máximo que ele conseguiria seria trazer desastre para o Brasil.

Contudo, Deus teve misericórdia do Brasil e através do jejum e oração dos líderes evangélicos o Brasil foi liberto de Ernesto Araújo e sua admiração por Julius Evola, René Guénon, Olavo de Carvalho e outros bruxos, fascistas e ocultistas.

A queda de Araújo foi uma grande vitória do movimento evangélico conservador e suas orações e jejuns. Muitos outros adeptos de Olavo de Carvalho também já caíram, especialmente por escândalos. Um deles, Roberto Alvim, se tornou um escândalo internacional. Ele foi demitido como principal autoridade da cultura do Brasil depois de citar Josef Goebbels, ministro da propagnda da Alemanha nazista, enquanto falava sobre arte nacionalista em um vídeo que tinha o compositor favorito de Hitler tocando ao fundo.

Diferente do que dizem os adeptos de Guénon, o Brasil não está enfrentando somente uma infiltração comunista. Está também enfrentando uma infiltração de fascismo ocultista que, com a desculpa de eliminar o marxismo, quer implantar seu próprio sistema de doutrinação ideológica. Esse sistema ocultista vê a Reforma protestante como tão maléfica quanto o próprio comunismo.

Só jejum e oração poderão salvar o Brasil dessas duas ameaças.

Carvalho e sua má influência no governo Bolsonaro têm sido denunciados por Silas Malafaia, o maior evangelista do Brasil.

Apesar de que Carvalho posa como grande filósofo e é um imigrante autoexilado nos EUA há quase 20 anos, ele não conseguiu convencer nenhuma editora filosófica americana a publicar seus livros em inglês. Mas ele conseguiu convencer um jogador de baralho que tem uma minúscula editora pessoal. Misturar astrologia com jogo de baralho para simular filosofia ou conservadorismo é conduta típica de trapaceiros.

Em contraste, publiquei meu livro “Prophetic Prayers: Daily Prayer Guide Based on the Book of Proverbs” (Orações Proféticas: Guia Diário de Orações Baseado no Livro de Provérbios) pela WestBow Press, que pertence à Zondervan e Thomas Nelson, as maiores editoras evangélicas dos EUA.

Meu engajamento na exposição do movimento ocultista de Carvalho faz parte de minha missão de oração, que levo a sério há décadas. Só a oração quebra o encantamento dos trapaceiros.

O que está acontecendo no Brasil deveria ser um alerta para os cristãos do mundo inteiro de que precisamos sempre vigiar e orar — inclusive contra ameaças comunistas e esotéricas.

Versão em inglês deste artigo: Fasting and Prayer for Brazil on March 29, 2021 Overthrew Foreign-Affair Minister Involved in Occult Fascism

Fonte: www.juliosevero.com

Leitura recomendada:

Mentes escravas trabalhando para escravizar a mente das crianças do Brasil

Olavo de Carvalho e Julius Evola, paralelos de dois proeminentes ocultistas direitistas da Escola Tradicionalista

Política externa brasileira: do marxismo ao ocultismo

Defensor do ocultista Julius Evola foi escolhido como examinador para aprovar novos diplomatas do Brasil

Olavista compara Bolsonaro com Jesus Cristo depois que Bolsonaro deu a Olavo de Carvalho a condecoração mais elevada do governo brasileiro

Nazismo: Nacionalismo e socialismo a serviço do ocultismo

Silas Malafaia chama Olavo de Carvalho de covarde e astrólogo falido depois que Olavo ameaçou derrubar governo Bolsonaro

“Astrólogo idiota”: Resposta do televangelista Silas Malafaia a Olavo de Carvalho, que disse que “tudo o que acontece de mau no Brasil vem das igrejas evangélicas”

Um comentário :

Anônimo disse...

Eu creio que Deus ouve as orações dos que o buscam e creem, porque Ele é bom, e tem sido misericordioso. Só não entendo por que os líderes evangélicos não persistem num plano mais longo de jejuar e orar. O povo do Brasil veria revoluções que muitos chamariam de milagres.