25 de março de 2021

Pai enfrentando cadeia por chamar filha de “ela”

 

Pai enfrentando cadeia por chamar filha de “ela”

Bob Unruh

Um pai canadense foi preso por se referir como “ela” uma filha de 14 anos que acredita que é um menino.



Robert Hoogland de Surrey, Colúmbia Britânica, entregou-se a um tribunal canadense em 16 de março de 2021 e foi preso depois que o Secretário de Justiça Provincial emitiu um mandado de prisão por desacato, informou o site Federalist.

A Suprema Corte de Columbia Britânica em fevereiro de 2019 havia ordenado que a menina recebesse injeções de testosterona apesar das objeções do pai. O tribunal declarou ainda que se o pai e a mãe se referissem à menina com pronomes femininos ou por seu nome de nascimento, o pai seria considerado culpado de “violência familiar.”

O problema de Hoogland começou quando a escola de sua filha encaminhou a menina a um psicólogo que recomendou que ela começasse a tomar hormônios sexuais aos 13 anos. Hoogland, citando o alegado histórico de problemas mentais da filha, recusou-se a dar permissão. Mas os médicos da Hospital Infantil BC decidiram que a menina deveria receber injeções de testosterona, e o tribunal concordou.

Hoogland acusou que o governo estava usando sua filha como “uma cobaia em um experimento.”

O especialista constitucional Jonathan Turley disse que se ele estivesse nessa situação, ele iria “ceder à preferência da criança sobre como a criança é mencionada.”

“No entanto, a questão é se o Estado deve desempenhar um papel tão coercitivo e intrusivo em uma família,” argumentou Turley, professor de direito da Universidade de George Washington, em Washington, D.C.

“Ordenar que um pai não fale com seu filho sobre a questão ou prendê-lo por se referir ao gênero biológico da criança aumenta os direitos de liberdade de expressão e dos pais sérios em minha opinião,” escreveu ele em um comentário postado em seu site em 19 de março de 2021.

“Percebo que muitos especialistas acreditam que a oposição a essa transição de gênero é abusiva e prejudicial. Não descarto essa opinião. No entanto, essa é uma posição melhor deixada para meios persuasivos em vez de coercitivos. Podemos debater essa questão e muitos podem se opor ao uso de tais pronomes como abusivo. Contudo, prender um pai por continuar a se opor a tal transição ou se referir ao pronome errado é assustador. Há um total desrespeito dos interesses equivalentes e direitos dos pais nessas decisões.”

Em um site de levantamento de fundos, Hoogland disse que ele está “lutando contra a extrema esquerda com base em uma defesa de desobediência civil.”

Ele disse que estará de volta ao tribunal para um julgamento criminal de cinco dias de 12 a 16 de abril.

“Esse julgamento que poderá me levar à cadeia por até cinco anos por falar a verdade sobre o abuso infantil patrocinado pelo Estado,” disse ele.

O tribunal, Turley observou, exigiu que o pai “seja contido” de tentar persuadir sua filha a não conseguir o tratamento, se dirigir a ela por seu nome ou se referir a ela como “uma menina ou com pronomes femininos.”

Além disso, o pai foi banido de compartilhar qualquer informação sobre “sexo, identidade de gênero, orientação sexual, saúde mental ou física, status ou terapias mentais.”

Isso foi depois que os médicos no Hospital Infantil BC decidiram dar injeções para a menina.

O Federalist observou que a maioria das crianças que passam por procedimentos de transição no final abraçam seu sexo de nascimento como adultos.

Os tribunais no Reino Unido disseram que as crianças não devem passar por tais procedimentos porque não têm a maturidade para tomar tais decisões que alteram a vida.

Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Father facing jail for calling daughter 'she'

Fonte: www.juliosevero.com

Leitura recomendada:

Pais finlandeses perdem a custódia de sua filha por recusarem tratamento de mudança de sexo para transformá-la externamente em rapaz

Drag queen faz leitura de livro gay durante culto de louvor em uma Igreja Presbiteriana que está comemorando o mês do orgulho gay

Suécia: Orgãos genitais cantam e dançam em programa de TV para crianças

Dinamarca, uma das nações mais luteranas do mundo, lança programa infantil de TV sobre homem sem controle sobre seu pênis gigante

Putin contra o sexo dos anjos

TV russa denuncia programa infantil sueco como símbolo da decadência ocidental

A controvérsia olímpica de Putin

Suécia: um alerta contra o extremismo do Estado em suas políticas públicas para a família

Loucura da diversidade sexual: pré-escola da Suécia proíbe que crianças sejam tratadas como meninos e meninas

O Garotinho que Virou Heroína

Suécia: Orgãos genitais cantam e dançam em programa de TV para crianças

Doutrinação de gênero nas escolas: o perigo vem de longe

Uma nova Reforma para contra-atacar as grandes portas do inferno?

Quem comete “abandono intelectual”: as escolas públicas ou os pais que educam?

A Marca da Besta: A Educação do Futuro

Por que os políticos não querem mandar seus filhos às escolas públicas?

Desmascarando a agenda de controle populacional global

Chega de brinquedos somente para meninos ou meninas?

Lavagem cerebral infantil: Escolas de São Paulo começam “diversidade sexual” entre meninos e meninas

Crianças: inocentes peões da tirania ideológica

Pais como instrumentos para entortar sexualmente os filhos

Ministra da Inglaterra diz: Meninos Devem Brincar Com Bonecas

Violência contra crianças: quem é o grande culpado?

A investida pró-pedofilia da esquerda

Jim Jones & Harvey Milk: A História Secreta

Ministra Damares recebe ameaças esquerdistas terroristas, mas é ridicularizada pela esquerda por afirmar que a personagem Elsa, de Frozen, é uma lésbica que está transformando meninas em lésbicas

Nenhum comentário :