23 de fevereiro de 2021

O reavivamento cristão que definiu os Estados Unidos e derrotou o sistema da escravidão

 

O reavivamento cristão que definiu os Estados Unidos e derrotou o sistema da escravidão

Eddie Hyatt

Numa época em que a escravidão era aceita e praticada na África, Ásia, Oriente Médio e em todo o mundo, surgiu um movimento contra ela na América colonial. Um dos grandes intelectos de nossa época, o Dr. Thomas Sowell, que por acaso é negro, escreveu sobre isso, dizendo:

“A escravidão não era um problema, nem mesmo entre os intelectuais, muito menos entre os líderes políticos, até o século 18 — e então era um problema apenas na civilização ocidental. Entre aqueles que se voltaram contra a escravidão no século 18 estavam George Washington, Thomas Jefferson, Patrick Henry e outros líderes americanos. Você pode pesquisar toda a África do século 18 ou Ásia ou Oriente Médio sem encontrar qualquer rejeição comparável à escravidão lá.”

George Whitefield pregando


Esse movimento anti-escravidão resultou na escravidão na América tendo uma vida curta quando comparada com o resto do mundo. O falecido Dr. Walter Williams, professor [negro] de economia da Universidade George Mason, apontou isso, dizendo que a característica única da escravidão nos EUA foi a brevidade de sua existência e a revolta moral contra ela.

Mas qual foi a fonte dessa revolta moral que surgiu contra a escravidão na América colonial?

A fonte da revolta moral contra a escravidão

A fonte dessa súbita revolta moral contra a escravidão pode ser encontrada em um reavivamento cristão que ficou conhecido como o Grande Despertamento. Nesse reavivamento, que começou em 1726, parecia que cidades inteiras se arrependeram e se voltaram para Deus. Em sua autobiografia, Benjamin Franklin descreveu a incrível transformação de sua cidade natal, Filadélfia, em 1739. Ele escreveu:

“Foi maravilhoso ver a mudança logo ocorrida nas maneiras de nossos habitantes. De irrefletidos ou indiferentes em relação ao Cristianismo, parecia que todo o mundo estava se tornando cristão, de modo que não se podia andar pela cidade em uma noite sem ouvir salmos cantado em diferentes famílias de cada rua.”

Nesse reavivamento, barreiras raciais e culturais foram rompidas quando negros e brancos adoraram juntos e compartilharam o Evangelho com vizinhos e amigos, independentemente de raça ou posição social. Por exemplo, quando George Whitefield, em 1739, pregou noite após noite para milhares de pessoas na escadaria do tribunal da Filadélfia, negros faziam parte da audiência e não havia segregação.

Depois que Whitefield pregou seu sermão de despedida, muitos o seguiram até seu local de hospedagem, inclusive muitos negros. Mais tarde, ele registrou em seu diário: “Quase 50 negros vieram me agradecer pelo que Deus fez por suas almas.” Whitefield considerou isso uma resposta à oração, dizendo: “Tenho sido muito atraído em oração a eles, e os tenho visto forjados pela mensagem pregada.”

Evangelistas do Grande Despertamento, aliás, consideram os negros entre os mais receptivos à mensagem do Evangelho. Gilbert Tennent, por exemplo, ficou encantado que durante uma viagem de pregação em Massachusetts, “Multidões foram despertadas e várias pessoas receberam grande consolo, especialmente entre os jovens, crianças e negros.”

Mais ao sul, Samuel Davies deu atenção especial aos negros, inclusive escravos, durante seu ministério na Virgínia. Ele foi muito encorajado por sua resposta entusiástica ao Evangelho e escreveu:

“Meu principal incentivo ultimamente tem sido entre os pobres escravos negros; na terra de sua escravidão, eles foram conduzidos à gloriosa liberdade dos filhos de Deus.”

Davies não apenas pregou para libertar negros e escravos, mas os tratou como irmãos e irmãs em Cristo, convidando-os a participar das cerimônias regulares da igreja, inclusive a Ceia do Senhor. Em 1757 ele escreveu:

“O pouco sucesso que tenho tido ultimamente tem sido principalmente entre os extremos de cavalheiros e negros. Na verdade, Deus tem trabalhado notavelmente entre esses últimos. Batizei 150 adultos; e na última solenidade sacramental, tive o prazer de ver a mesa enfeitada com 60 rostos negros.”

Embora esses primeiros evangelistas não tenham atacado a instituição da escravidão, a mensagem inclusiva do Evangelho que eles pregavam e seu tratamento compassivo para com os negros criaram um clima favorável aos sentimentos anti-escravidão que irromperiam na próxima geração de pregadores do Despertamento.

Pregadores do Despertamento da Segunda Geração Atacam a Escravidão

De fato, os revivalistas que vieram depois de Whitefield, Tennant e Jonathan Edwards levaram a mensagem de seus predecessores à sua conclusão lógica. Se somos todos criaturas do mesmo Criador e se Cristo morreu para que todos pudessem ser salvos, como é possível justificar a escravidão?

Portanto, eles começaram um ataque violento à instituição da escravidão. É a isso que o historiador Benjamin Hart se referia quando escreveu: “Entre os mais ardentes opositores da escravidão estavam os pastores, particularmente os puritanos e pregadores reavivalistas.”

Esses “opositores ardentes da escravidão” incluíam os seguidores de Edwards que expandiram sua ideia da dignidade essencial de todos os seres criados e a aplicaram aos negros da América colonial. Eles incluíam Levi Hart em Connecticut; o filho de Edwards, Jonathan Jr., também em Connecticut; Jacob Green em Nova Jersey e Samuel Hopkins em Rhode Island.

Esse artigo é derivado do livro do Dr. Eddie Hyatt, 1726, disponível na Amazon e seu site em eddiehyatt.com. O Dr. Hyatt também é o fundador do “Projeto 1726,” cujo objetivo é espalhar a mensagem do nascimento único da América a partir do Primeiro Grande Despertamento e chamar os crentes de todos os lugares para orar por outro Grande Despertamento em toda a terra.

Traduzido do original em inglês da revista Charisma: The Christian Revival That Defined America and Broke Slavery's Back

Fonte: www.juliosevero.com

Leitura recomendada:

Ativista negro que é professor de psicologia na Universisade de Columbia admite ser um orgulhoso viciado em heroína

África chama os negros americanos para voltarem para seu lar original na África

Teólogo batista esquerdista defende BLM contra evangélicos conservadores e diz que grupos pró-vida e pró-família se enquadram na Lei Antiterrorismo

Teólogo evangélico esquerdista afirma que grupos pró-vida e pró-família se encaixam na Lei Antiterrorismo

Respondendo a um ativista gay e suas tolices sobre Arábia Saudita, escravidão, direitos das mulheres e a deidade da homossexualidade

Não se desvie da verdade de Deus

Charles Finney: O homem que redefiniu o caráter dos Estados Unidos

Igreja protestante fundada por George Washington o rejeita e adota o feminismo e a teologia da libertação

A guerra racial do Google contra os brancos?

Pai da escravidão nos EUA era negro

Um comentário :

Flávio disse...

O ocidente foi o lugar mais livre que Já existiu, agora tudo esta se perdendo porque as tradições cristãs foram abandonadas.