12 de fevereiro de 2021

Nigéria e outras nações africanas preocupadas com a ameaça do imperialismo LGBT de Joe Biden

 

Nigéria e outras nações africanas preocupadas com a ameaça do imperialismo LGBT de Joe Biden

Julio Severo

O presidente dos EUA, Joe Biden, emitiu um memorando presidencial em 4 de fevereiro de 2021 com o objetivo de punir as nações, empresas e indivíduos em todo o mundo que se opõem à agenda homossexual. A punição incluirá várias sanções diplomáticas e financeiras.



Biden anunciou sua campanha homossexual durante um discurso no Departamento de Estado, prometendo usar a agenda gay para “reconstruir a credibilidade dos EUA em todo o mundo.”

Enquanto George Washington e outros presidentes dos EUA usavam os valores cristãos evangélicos para dar credibilidade aos EUA em todo o mundo, Biden substituiu os valores cristãos de Washington por valores homossexuais.

Das cinzas de uma Sodoma destruída pelo próprio Deus por causa da homossexualidade predatória desenfreada, Biden quer engrandecer os EUA como um modelo internacional de Nova Sodoma.

Biden vê a promoção forte da agenda LGBT como essencial para a liderança internacional dos Estados Unidos. “Para consertar ainda mais nossa liderança moral, também estou emitindo um memorando presidencial às agências para reforçar nossa liderança nas questões LGBTQI e fazer isso em nível internacional,” disse ele.

O memorando, de acordo com a Reuters, “instrui as agências a considerarem as respostas apropriadas, inclusive a totalidade de instrumentos diplomáticos e, potencialmente, sanções financeiras e restrições de visto, quando governos estrangeiros restringirem direitos de indivíduos LGBTQ.”

Em uma reportagem de 11 de fevereiro de 2021 intitulada “Ameaça pró-LGBTQI de Biden: a piada está sobre eles,” Richard Murphy disse:

A implicação é que os Estados Unidos terão como alvo autoridades na Nigéria e outros países que não são amistosas com a agenda LGBTQI com uma “totalidade de instrumentos diplomáticos e, potencialmente, sanções financeiras e restrições de visto,” conforme informado pela agência de notícias. Normalmente, as sanções financeiras incluirão congelamento de capitais e nacionalização de empresas conectadas às autoridades visadas. A restrição de viagens se estenderá além dos Estados Unidos, o que alavancará suas relações com as nações colaboradoras para pressionar as autoridades visadas e seus parentes.

Murphy disse que a pressão de Biden pode levar as autoridades nigerianas a procurar

“maneiras de enfraquecer a Lei de Proibição do Casamento entre Pessoas do Mesmo Sexo de 2013, para que possam continuar a visitar os Estados Unidos sem restrições e, ao mesmo tempo, ter acesso irrestrito a seus capitais e negócios naquele país. Essa capitulação terá um custo mais alto para a Nigéria, pois o que Biden está oferecendo ameaça contaminar a Nigéria e tornar todos os nigerianos abomináveis diante de Deus.”

Apesar da pressão do ex-presidente dos Estados Unidos Barrack Hussein Obama, o ex-presidente da Nigéria Goodluck Jonathan assinou a Lei (de Proibição) do Casamento entre Pessoas do Mesmo Sexo em janeiro de 2014. Mas Biden está mostrando que não deixará impune a Nigéria ou outras nações que tentarem fazer qualquer resistência ao imperialismo homossexual dos EUA.

As leis anti-sodomia na Nigéria, um dos países mais anti-sodomia na África, prescrevem entre 10 e 14 anos de prisão para qualquer indivíduo flagrado desrespeitando a lei seja por coabitação entre parceiros sexuais do mesmo sexo, propaganda de relacionamento do mesmo sexo, registro, operação ou participação em clubes, sociedades e organizações gays, entre outros.

Murphy disse que a punição de Biden incluiria vasculhar as contas de mídia social de nigerianos em busca de conteúdo anti-LGBTQI. Ele disse:

“A situação deles é agravada pela possibilidade de que seus dispositivos móveis (notebooks e smartphones) possam ser vasculhados em busca de tais conteúdos ao entrarem nos Estados Unidos, e com isso dá para se concluir que os vistos não tenham sido negados com base em suas atividades nas redes sociais?”

Murphy disse que “para proteger os direitos LGBTQI e avançar sua agenda, [Biden] está disposto a ir ao extremo contra os países, independentemente do fato de que eles têm o direito de administrar seus próprios assuntos internos da maneira que considerarem adequada.”

Murphy propôs uma lista de possíveis sanções que podem ser impostas aos Estados Unidos por serem pró-LGBTQI, inclusive o desreconhecimento de todos os “casamentos” gays feitos nos EUA e todas as outras sanções.

O problema é que, como os EUA são a única superpotência no mundo, os presidentes socialistas dos EUA pensam que têm o direito especial de ordenar e desordenar nações, empresas e indivíduos em todo o mundo.

Os EUA sancionam nações que não representam ameaça aos seus interesses nacionais. E se essas nações inocentes tentam reagir às sanções injustas dos EUA, os EUA podem ver essa reação como um “ato de guerra.”

Ao instruir as agências dos EUA a considerarem as respostas apropriadas, inclusive a totalidade de instrumentos diplomáticos e, potencialmente, sanções financeiras e restrições de visto contra nações, empresas e indivíduos, o memorando de Biden é uma ameaça internacional ao conservadorismo, especialmente ao Cristianismo.

Esse memorando não é uma ameaça apenas contra a Nigéria. Qualquer governo, empresa e indivíduo pode ser visado por Biden. Durante o governo Trump, o Departamento de Estado dos EUA freqüentemente sancionava nações, empresas e indivíduos. Significa congelamento de capitais de nações e empresas por terrorismo. Agora, no que depender de Biden, o Cristianismo conservador é terrorismo.

As sanções financeiras de Biden podem trazer uma nova onda de perseguição ao tornar os cristãos vítimas e alvos para perder suas contas bancárias, já que os bancos estarão sob medo e pressão para punir clientes que pregam contra a sodomia ou a agenda gay.

Uma lista negra financeira homossexualista visando cristãos e conservadores não é uma coisa nova. Em 2011, depois de uma campanha internacional de um grupo homossexual dos EUA, o PayPal aceitou sua queixa de que “Eu prego a homofobia” e encerrou minha conta, que apenas recebia contribuições financeiras para a sobrevivência de minha família. Esse caso foi manchete no WorldNetDaily, um dos maiores sites conservadores do mundo.

Há também a lista negra de grandes empresas de tecnologia dos EUA. Em 2018, o Facebook puniu minha conta porque eu havia postado este versículo bíblico: “Não se deitará com um homem como com uma mulher. É abominação.” (Levítico 18:22) Esse caso também foi manchete no WorldNetDaily. Em 2020, pouco antes da eleição presidencial nos EUA, meu perfil oficial de Facebook, com milhares e milhares de seguidores, foi banido permanentemente pelo Facebook.

Biden está criando um clima mundial de ódio, em palavras e ações, contra os cristãos e outras pessoas conservadoras que se opõem à imoralidade e à ameaça da homossexualidade predatória.

Ao engrandecer os EUA na liderança internacional da promoção e propaganda da sodomia, Biden busca aumentar as verbas para organizações e campanhas gays e fácil entrada de homossexualistas nos Estados Unidos, e inversamente sua política pró-sodomia busca punir os cristãos e outros conservadores cortando seus recursos financeiros, congelando seus capitais e potencialmente impedindo a entrada de muitos cristãos nos Estados Unidos.

Assim, o paraíso homossexual imperialista de Biden promete abundantes “bênçãos” financeiras, às custas dos americanos que pagam impostos, para o movimento homossexualista mundial e, ao mesmo tempo, promete abundantes maldições, punições e provações financeiras para cristãos e conservadores em todo o mundo que se opõem à homossexualidade predatória e seu casamento profano.

A ideia de Richard Murphy da Nigéria sancionar os EUA por sua liderança pró-sodomia não é ruim. Mas sem o apoio em massa de outras nações conservadoras, a Nigéria será arruinada pelas infames sanções dos EUA. Quem pode resistir à superpotência pró-sodomia?

O único homem que poderia ter lutado contra tal insanidade no governo dos EUA e em seu Departamento de Estado era o ex-presidente Donald Trump. Mas em vez de lutar contra a homossexualidade predatória e seu casamento profano, Trump escolheu o caminho mais fácil de apoiar o “casamento” gay e lançar uma campanha internacional para tornar a sodomia legal.

Em certo sentido, Biden está sendo apenas mais politicamente violento, diplomaticamente selvagem e ideologicamente perverso nos mesmos objetivos pró-sodomia que Trump e Obama, em escala maior ou menor, promoveram.

Apesar da campanha homossexual internacional de Trump, as grandes empresas de tecnologia dos EUA, inclusive Facebook e Twitter, encerraram as contas dele, porque elas exigem um compromisso total, não parcial, com a agenda esquerdista. Mesmo tendo um discurso pró-sodomia, Trump fazia um discurso pró-vida.

Para muitos líderes conservadores, as posturas pró-sodomia de Trump eram perdoáveis enquanto ele era leal à causa pró-vida. Mas para os esquerdistas, inclusive Facebook e Twitter, seu discurso pró-vida era imperdoável.

Portanto, mesmo os líderes políticos conservadores dos EUA são incapazes ou não querem lutar contra a homossexualidade predatória e seu casamento profano.

Se George Washington, o primeiro presidente dos Estados Unidos que expulsou homossexuais de seu exército, pudesse ver hoje a América engrandecendo a sodomia em todo o mundo, ele desfundaria a República dos Estados Unidos e choraria na presença de Deus.

O governo de Biden é tudo o que o governo original dos EUA não era e não aceitava. Para Washington, a homossexualidade ou sodomia era inaceitável. Para Biden, a defesa e imposição internacional da sodomia é um sinal de liderança dos EUA — uma liderança perversa que Washington teria destruído com as próprias mãos.

Oremos pela Nigéria. Deus pode levantar os nigerianos para liderar o mundo para confrontar o “império do mal” da homossexualidade predatória promovida por Biden.

Oremos para que Deus levante cristãos conservadores em outras nações para confrontar o império do mal.

Com informações da Reuters, Vanguard of Nigeria e Naija 247 News.

Versão em inglês deste artigo: Nigeria and Other African Nations Worried about the Threat of Joe Biden’s LGBT Imperialism

Fonte: www.juliosevero.com

Leitura recomendada sobre o imperialismo homossexualista de Obama:

Liderando o mundo pelo mau exemplo: Obama e o “casamento” gay

Obama: Jesus é a base do apoio ao “casamento” gay

Obama: Meu governo é o mais pró-homossexualismo da história

Sob Obama, EUA importarão gays

Hillary Clinton: Objeções religiosas à homossexualidade são como apoiar assassinatos de honra e queimar viúvas

Estados Unidos: entre a Gaylândia e a Maomelândia

Ministério de Segurança Nacional dos Estados Unidos monitorando Julio Severo?

Obama quer EUA como agência policial mundial a favor do homossexualismo

Obama declara junho o mês do orgulho gay

Rússia versus globalistas LGBT

“Casamento” gay: Obama mentiu, Rick Warren acreditou

EUA nomeiam primeiro embaixador mundial da agenda homossexual

EUA querem combater movimento anti-homossexualismo no mundo inteiro

Trump e Obama: O que mudou entre eles sobre homossexualidade e Arábia Saudita?

Obama: Jesus é a base do apoio ao “casamento” gay

Leitura recomendada sobre o imperialismo homossexualista de Trump:

Ganhando or Perdendo? A Guerra, ou ex-Guerra, contra a Homossexualidade Predatória e Seu “Casamento” Profano

É esta a verdadeira razão pela qual Trump perdeu a eleição — e o favor de Deus?

Reeleição de Trump: As profecias evangélicas falharam

O aparelhamento direitista da homossexualidade, um desafio para os cristãos

Steve Bannon e suas opiniões sobre homossexualismo

Como os líderes evangélicos podem criticar o ativismo homossexual no governo Trump se eles estão envolvidos em escândalos sexuais?

Maior revista gay dos EUA furiosa com protesto evangélico contra iniciativa do governo dos EUA de descriminalizar a homossexualidade em todo o mundo

Defesa da pedofilia derruba proeminente gay “conservador”

Maior conferência conservadora dos EUA bane organização cristã pró-família e aprova grupo homossexualista

Apoiadores de Trump não sabem que ele está apoiando a agenda gay

Trump é o “presidente mais pró-homossexualismo da história americana,” de acordo com republicano Richard Grenell

Trump é o presidente republicano mais pró-sodomia da história dos Estados Unidos

Os profetas e os políticos adúlteros

Embaixada dos EUA em Moscou celebrou despeitosamente o mês do “orgulho” LGBT na Rússia

Embaixada dos EUA no Brasil celebrou Dia do “Orgulho” LGBTI

Casa Branca de Trump está aberta para ouvir algumas partes da Bíblia, mas nenhuma condenação bíblica do sexo de homens com homens

Trump louvou “casamento” gay na véspera de visita à Índia

Tony Perkins, do Conselho de Pesquisa da Família, e ativismo cristão emasculado

Governo Trump usa linguagem esquerdista para repreender a Zâmbia por suas leis contra a homossexualidade

Governo Trump impondo a agenda LGBT no país da Geórgia, mas o povo resiste

Engrandecendo a sodomia de novo: Trump se torna o primeiro presidente do Partido Republicano a celebrar o Mês do Orgulho LGBT ao lançar campanha para legalizar a homossexualidade em todo o mundo

Quem está incomodado que pedi mais energia conservadora do Conselho de Pesquisa da Família contra a agenda gay? O Observatório da Direita, da organização esquerdista People for the American Way!

Conselho de Pesquisa da Família: Servindo ao conservadorismo ou servindo ao Partido Republicano?

Trump apoia o “casamento gay” enquanto seus apoiadores cristãos conservadores permanecem em silêncio

Governo Trump busca legalização da homossexualidade em todo o mundo enquanto crianças e outras vítimas da homossexualidade são esquecidas

Pelo segundo ano, Departamento de Estado de Trump reconhece junho como Mês do Orgulho LGBTI

O que os EUA ganharão engrandecendo a sodomia?

EUA, União Europeia, Brasil, Argentina, Chile e Israel pressionam Romênia a adotar o ativismo homossexual

Trump faz discurso pró-vida histórico, mas comete a gafe de congratular republicanos homossexuais

Departamento de Estado de Trump reconhece junho de 2017 como Mês do Orgulho LGBTI

Ivanka Trump posta mensagem de apoio ao Mês do Orgulho LGBTQ nos EUA

Embaixadas americanas sob Trump avançam a agenda LGBT

Trump continua o imperialismo homossexual de Obama e frustra conservadores cristãos

Trump e Obama: O que mudou entre eles sobre homossexualidade e Arábia Saudita?

Governo Trump mostra resposta progressista à agenda gay

O esquerdista, o direitista e o bolo

3 comentários :

Anônimo disse...

Edmond Burke dizia que a alta burguesia tende a ser a mais degenerada, um estado cristão é necessário para impedir isso regulando o mercado com tradições e costumes. Sem isso o resultado é uma potência capitalista pior que o socialismo e o fascismo. Agora nós estamos vendo que isso é verdade.

Thel disse...

Mais culpa diante de Deus tem o povo americano que colocou esse filhote de Satanás no poder. Esses que votaram em Biden não sabiam que ele era anticristão?

Cicero disse...

Mais sodomia? Então haverá mais incêndios nos EUA!🔥