13 de fevereiro de 2021

A vida secreta e dupla de Ravi Zacharias: famoso apologista reformado abusou sexualmente e estuprou massagistas e tinha centenas de fotos de moças em seu telefone, revela um escritório de advocacia contratado por sua igreja

 

A vida secreta e dupla de Ravi Zacharias: famoso apologista reformado abusou sexualmente e estuprou massagistas e tinha centenas de fotos de moças em seu telefone, revela um escritório de advocacia contratado por sua igreja

Julio Severo

O apologista reformado e pastor Ravi Zacharias levava uma vida dupla na qual ele abusava sexualmente de massagistas, de acordo com um relatório contundente e profundo de um escritório de advocacia contratado por seu próprio ministério.

Ravi Zacharias


O apologista reformado indiano-americano morreu aos 74 anos em maio de 2020 de câncer, depois de negar alegações tornadas públicas pela primeira vez em 2017 por uma ex-seguidora, Lori Anne Thompson e seu marido.

Os livros de Zacharias têm sido favoritos entre os apologistas reformados por décadas e Ravi Zacharias International Ministries (RZIM) opera em 15 países com 300 funcionários.

Em 2013, ele esteve no Brasil como palestrante principal na conferência da VINACC (hoje conhecida como Visão Nacional da Consciência Calvinista). Ele já esteve também na Universidade Presbiteriana Mackenzie.

O então vice-presidente dos EUA Mike Pence palestrou em seu culto fúnebre, elogiando-o como um grande pregador expositivo.

Entretanto, em 11 de fevereiro de 2021, o escritório de advocacia com sede em Atlanta, Miller e Martin, contratado por RZIM, divulgou um relatório no qual alegava que ele mentiu em 2017, quando ele afirmou “Nunca me envolvi com qualquer tipo de comportamento impróprio.”

O relatório descobriu que cinco massagistas alegaram que ele as tocou de forma imprópria, e uma disse que foi estuprada.

Investigadores que pesquisaram os dispositivos móveis de Zacharias disseram que encontraram mais de 200 fotos de mulheres mais jovens, inclusive imagens nuas de uma funcionária de um salão na Malásia, conforme informado pela Associated Press.

A diretoria de RZIM publicou uma resposta de quatro páginas em 11 de fevereiro de 2021, onde se desculpou à equipe que questionou Zacharias e foi rejeitada ou punida, e aos Thompsons pelos anos que “eles foram caluniados… e seu sofrimento foi muito prolongado e intensificado.”

A diretoria se desculpou por declarações anteriores que menosprezaram as acusadoras e prometeram medidas para apoiar as vítimas, combater o abuso e o assédio e reavaliar a estrutura de gestão, que é supervisionada pela filha mais velha de Zacharias, presidente do ministério Sarah Davis.

“Estamos arrasados com o que a investigação mostrou e cheios de tristeza pelas mulheres que foram feridas por esse terrível abuso,” disse a diretoria.

Zacharias foi um escritor e palestrante amplamente popular, com muitas celebridades e líderes cristãos proeminentes entre seus admiradores.

Ele fundou seu ministério internacional, conhecido como RZIM, em 1984, com a missão de se envolver na “apologética cristã” — defendendo o Cristianismo com argumentos intelectuais reformados.

Por causa de várias alegações de má conduta sexual, RZIM acabou contratando o escritório Martin & Miller em outubro de 2020, o qual por sua vez contratou uma empresa de investigação privada composta por ex-policiais federais.

O escritório de advocacia disse que mais de 50 pessoas, inclusive mais de uma dúzia de massagistas, foram entrevistadas, e os investigadores puderam acessar dados de quatro dispositivos móveis usados por Zacharias.

Zacharias cometeu os supostos abusos contra um grande e ainda desconhecido número de mulheres ao longo de mais de uma década, disse o relatório de 12 páginas do Ministério Internacional Ravi Zacharias.

O relatório não apenas confirmou as alegações de abuso nas casas de massagens (de propriedade de Zacharias), mas também encontrou evidências de que Zacharias havia abusado de mulheres na Tailândia, Índia e Malásia. Eles também descobriram que ele recebeu centenas de imagens de mulheres jovens, que ele mentiu sobre não estar sozinho com mulheres além de sua esposa e filhas — que ele mantinha em um plano de internet sem fio separado de RZIM — e usou dezenas de milhares dólares do dinheiro de “campanhas humanitárias” de seu ministério para sustentar quatro massagistas. Um das massagistas disse aos investigadores que “depois de providenciar para que o ministério desse apoio financeiro a ela, ele exigiu que ela fizesse sexo,” em uma transação que ela chamou de estupro.

É difícil entender por que um pastor cristão precisaria de um SPA com massagens, já que esses lugares às vezes encobrem atividades que envolvem prostituição. Mas Zacharias tinha duas casas de massagem.

Zacharias usava o fundo discricionário do RZIM, chamado “Touch of Hope” (Toque de Esperança), para pagar por grande parte de suas leviandades secretas, de acordo com o relatório do escritório de advocacia.

O apologista também usava vários telefones e mantinha vários endereços de e-mail privados, nenhum dos quais acessível ao RZIM. Ele argumentou na época que fez isso por “razões de segurança.”

“O resultado final,” afirmou o relatório, “foi que ninguém no RZIM teria acesso administrativo a seus dispositivos ou comunicações por e-mail.”

Das massagistas que os investigadores entrevistaram, várias disseram que Zacharias tocava nos órgãos genitais dele e/ou pedia que elas os tocassem enquanto realizavam sessões de massagem. Cinco alegaram que ele “as tocou ou esfregou de forma imprópria,” inclusive nos seios e genitais delas.

A investigação também levou à descoberta de uma série de fotos explícitas — muitas de mulheres muito mais jovens do que o apologista — em poder de Zacharias. Um exame de seus quatro telefones revelou que Zacharias estava envolvido em numerosos “relacionamentos baseados em texto e e-mail com mulheres que não eram sua esposa.” Os investigadores também encontraram “mais de 200 fotografias de mulheres no estilo ‘selfie’.”

Apologistas reformados costumam se ver como moralmente superiores aos outros cristãos, a quem atacam, e veem a teologia reformada (calvinista) como acima de qualquer outra teologia. Normalmente, eles mencionam qualquer escândalo sexual entre neopentecostais e pentecostais como “evidência” de que eles têm uma teologia ruim. Não se sabe como eles mencionarão os escândalos sexuais em um de seus principais apologistas.

Na verdade, o apologista que defendia que conhecia a Verdade Suprema não queria que ninguém soubesse verdades sobre ele e seu comportamento que contradiziam o verdadeiro Cristianismo. Ele estava em estado de escravidão a pecados sexuais, necessitando de libertação espiritual, não de liderança em um ministério.

Várias estações de rádio abandonaram os programas de RZIM, as livrarias retiraram os livros de Zacharias de suas promoções e uma rede de equipes missionárias lideradas por estudantes operando nos universidades britânicas pediu aos palestrantes filiados à RZIM que se retirassem dos próximos eventos.

Apesar das más notícias, há boas notícias. RZIM acabou reconhecendo que havia um problema sério. Parcialmente, sua declaração diz:

Carta aberta da diretoria internacional de RZIM sobre a investigação de Ravi Zacharias

Depois das alegações feitas no final de agosto de 2020 de que Ravi se envolveu em má conduta sexual e abuso sexual em conexão com casas de massagens, contratamos Miller & Martin PLLC, um escritório de advocacia com experiência em investigações de crimes sexuais e corporativos, para conduzir uma investigação independente.

Tendo recebido os resultados da investigação, estamos divulgando publicamente o relatório da investigação na forma exata em que o recebemos.

Ser vítima de contato sexual, avanços e comportamento indesejado é horrível. É diametralmente oposto a tudo o que acreditamos sobre o valor e a dignidade de cada pessoa. Acreditamos não apenas nas mulheres que tornaram suas denúncias públicas, mas também em outras mulheres que não haviam feito denúncias públicas contra Ravi, mas cujas identidades e testemunhos foram descobertos durante a investigação. Tragicamente, testemunhas descreveram encontros que incluíam sexting, toque indesejado, abuso espiritual e estupro. Estamos arrasados com o que a investigação mostrou e cheios de tristeza pelas mulheres que foram feridas por esse terrível abuso.

Estamos chocados e tristes com as ações de Ravi. Como Ravi Zacharias foi o fundador de nosso ministério e o líder de nossa equipe, comunidade e time, também sentimos uma profunda necessidade de arrependimento coletivo.

Como seguidores de Cristo que acreditam apaixonadamente que cada pessoa carrega a imagem de Deus, detestamos qualquer pecado de abuso. Agora sabemos, com base na investigação, que Ravi se envolveu em uma série de extensas medidas para ocultar seu comportamento de sua família, colegas e amigos.

Lamentamos ter permitido que nossa confiança inapropriada em Ravi resultasse em menos supervisão e prestação de contas do que seria sábio e amoroso. Lamentamos também a maneira como muitos de nós exaltamos publicamente o caráter de Ravi e o impacto que isso terá nas vítimas de seu abuso. Agora sabemos que nossas palavras foram dolorosas e isso nos causa profunda tristeza. Além disso, na esteira das acusações feitas contra Ravi pelos Thompsons em 2017, comunicamos nossa confiança na negação de Ravi acerca dessas acusações, e outros confiaram em Ravi porque confiaram em nós. Devido ao nosso fracasso, tornamos mais difícil para as vítimas se apresentarem. Isso nos entristece intensamente e nos torna muito gratos porque a verdade foi finalmente revelada.

As descobertas dessa investigação nos convenceram mais do que nunca da necessidade e suficiência do evangelho. Ninguém está isento da necessidade de um salvador. O pecado reside no coração de cada ser humano. Jesus é a única pessoa que é exatamente quem diz ser e o único salvador digno de nossa confiança e adoração. Jesus tem compromisso total com a verdade e a justiça, e ele está incondicionalmente ao lado das vítimas.

Com informações do DailyMail, do New York Post, CBN e de Ravi Zacharias International Ministries.

Versão em inglês deste artigo: The dark, double life of Ravi Zacharias: Famous Reformed apologist sexually abused and raped massage therapists and had hundreds of photos of young women on his phone, law-firm hired by his church reveals

Fonte: www.juliosevero.com

Leitura recomendada sobre apologista reformado:

Hank Hanegraaff e confusões

7 comentários :

Cicero disse...

Maldito o homem que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do SENHOR!
Jeremias 17:5.

IMC Ministries, USA disse...

Aquele que pensa estar de pé, cuide-se para que não caia! 1 Coríntios 10:12
Vigiar constantemente é preciso!

Mateus disse...

Lamentável, muito lamentável, só uma observação, ele não era reformado, ele participou de alguns rebentos promovidos por reformados(a Ligonier já até removeu as pregações dele), mas ele era arminiano e defendia veemente o livre arbitrio, não sei de onde tiraram que ele era reformado. Enfim, que Deus tenha misericórdia da família dele. É horrível ter mais um escândalo ao evangelho, que Deus nos livre.

Julio Severo disse...

Mateus: O que é realmente lamentável é que toda vez que um líder calvinista cai, os outros varrem tudo para debaixo do tapete e simplesmente dizem que o caído era arminiano. Em sua visita ao Brasil, Ravi só esteve em eventos calvinistas. A Ligonier, que acompanho, só publica livros CALVINISTAS. E os eventos da Ligonier só tem palestrantes CALVINISTAS. Não sei pois de onde foi que você tirou que a Ligonier daria espaço para não calvinistas.

Mateus disse...

O mais lamentável pra mim é a vergonha ao evangelho, muito mais lamentável do que envergonhar uma denominação ou tradição religiosa seja ela calvinista ou arminiana, eu consumo muita coisa da Ligonier, eles citam e algumas vezes convidam irmãos cristãos arminianos sim. Mas posso te afirmar que Ravi era arminiano sim, mas independente da posição soteriológica dele, é vergonhoso o que ele fez, e triste saber que não demonstrou o mínimo de arrependimento até mesmo no leito de morte(alguns canais reformados como o Living Waters soltaram algumas notas lamentando o ocorrido). Concordo com você quanto ao orgulho de muitos calvinistas, infelizmente muitos deixam de lado a simplicidade do evangelho, e começam a ter as coisas por garantidas. Mas não podemos colocar todos no mesmo saco, da mesma maneira que não podemos colocar teólogos sérios como Ciro Zibordi(que eu admiro muito) e uns malucos como Flordelis e cia no mesmo saco, ambos são pentecostais, mas há uma diferença enorme de caráter entre eles. Lendo outros artigos do seu blog entendi porque você reitera tanto o termo calvinista de forma pejorativa, é uma pena que você não nos considere irmãos em Cristo e use o termo de forma forçada e injusta para favorecer a sua narrativa de demonizar os reformados(sou calvinista, mas detesto o termo calvinista). Enfim, não vou tentar mais ter algum diálogo aqui sobre isso pois já entendi do que se trata quando você solta calvinista em caixa alta. Artigo do Dr. Leighton Flowers sobre porque o Ravi rejeita o calvinismo: https://soteriology101.com/2017/06/16/why-ravi-zacharias-rejects-calvinism/

Julio Severo disse...

Mateus: Use dedução lógica. Se Ravi rejeitasse o calvinismo, conforme alega o site desconhecido que você menciona, Ligonier nunca o convidaria para nada, a VINACC nunca o convidaria para nada e a Universidade Presbiteriana Mackenzie nunca o convidaria para nada. Pelo contrário, todos eles o convidaram para dar palestras especiais. Oficialmente, o Ministério de Ravi Zacharias disse em 2015 que eles não têm uma postura oficial sobre calvinismo e arminianismo e não são contra essas duas teologias, acrescentando que esse ministério sempre englobou tanto calvinistas quanto arminianos. Confira aqui: https://archive.is/dScEk

CRISTO-REI disse...

Li muito no site Apologética cristã assuntos importantes. Infelizmente leio essa triste notícia. Como Paulo escreveu:Quem está em pé cuide para que não caia.