17 de agosto de 2020

Trump é o presidente republicano mais pró-sodomia da história dos Estados Unidos


Trump é o presidente republicano mais pró-sodomia da história dos Estados Unidos

Julio Severo
O site do Partido Republicano dos EUA publicou, em 11 de junho de 2020, uma série de ações do governo do presidente Donald Trump para normalizar a homossexualidade nos Estados Unidos e no mundo. Aliás, Trump é, de acordo com esse registro do Partido Republicano, o presidente republicano mais pró-homossexualidade da história dos EUA.
O fato de que o relatório republicano foi publicado em junho foi para agradar aos ativistas gays, que escolheram junho para celebrar, durante um mês inteiro, a homossexualidade como um “orgulho.” E eles querem todo mundo mais celebrando com eles.
O relatório do Partido Republicano é intitulado “Presidente Trump Vem Adotando Medidas Sem Precedentes para Proteger a Comunidade LGBTQ,” como se os homossexuais fossem vítimas de perseguições sem precedentes, mas omitindo totalmente milhares e milhares de meninos que são vítimas de predadores homossexuais. O relatório foi escrito com malícia esquerdista. Os socialistas armam seus relatórios se retratando como protetores. Por exemplo, se eles tivessem escrito um relatório sobre o aborto, o título certamente teria sido “Presidente Obama Vem Adotando Medidas Sem Precedentes para Proteger as Mulheres em Suas Necessidades de Aborto,” desconsiderando totalmente a vida dos bebês em gestação.
O relatório republicano elogiando as ações de Trump para promover a homossexualidade nos EUA e em todo o mundo desconsidera totalmente milhares e milhares de meninos que são vítimas de propaganda, doutrinação e abuso psicológico e físico e estupros cometidos por predadores homossexuais.
O relatório republicano disse: “Durante seu mandato, o presidente Trump vem promovendo políticas para ajudar a proteger a comunidade LGBTQ nos EUA e no exterior.” Em tom covarde, o relatório diz “Protejer os LGBTQ” em vez de “Promover a Sodomia.” Se fosse um relatório honesto e conservador, focaria em proteger as crianças, que é um objetivo muito mais honroso do que promover as ambições ideológicas de uma minoria de degenerados sexuais.
Esse tom covarde era também usado pelo governo Obama, que armava seu discurso em termos de “proteção aos LGBT” em vez de confessar a realidade óbvia: promoção da agenda gay.
Uma das ações hipócritas do governo Trump são suas embaixadas fazendo propaganda da homossexualidade desde o Brasil até a Rússia, que não executam homossexuais, mas não fazendo propaganda de quaisquer direitos homossexuais na Arábia Saudita, que executa homossexuais.
Muitos líderes pró-vida proeminentes evitam expor as posturas pró-sodomia de Trump porque temem que protestando contra suas ações homossexualistas eles perderiam o acesso a ele ou o veriam perder o interesse pela causa pró-vida.
Os líderes pró-vida rotulam Trump como o “presidente mais pró-vida de todos os tempos.” No entanto, esse título é contestado por Warren Cole Smith, que em seu artigo pró-vida “Como está indo a iniciativa do governo Trump de cortar verbas para a maior rede de clínicas de aborto dos EUA?” mostrou que o governo Trump tem concedido à indústria do aborto mais dinheiro de impostos do que o governo Obama dava. Aliás, nenhum outro governo americano deu a essa indústria mais dinheiro de impostos do que o governo Trump.
Trump tem sido muito bom retoricamente contra o aborto, mas não bem-sucedido em cortar seu financiamento e muito bem-sucedido em financiá-lo.
Portanto, não há razão para que os líderes pró-família, em sua relutância em confrontar as posturas pró-sodomia de Trump, usem como desculpa que ele é o “presidente mais pró-vida de todos os tempos.”
Outra razão por que muitos líderes proeminentes não expõem as posturas pró-sodomia de Trump é que ele é “o presidente mais cristão de todos os tempos.”
Entretanto, embora em sua campanha de 2016 Trump tivesse prometido ajudar os cristãos perseguidos, nos primeiros seis meses de 2018 o governo Trump recebeu apenas 21 cristãos perseguidos, e milhares e milhares de muçulmanos.
Portanto, as desculpas que os líderes pró-família e cristãos usam para não expor as posturas pró-sodomia de Trump não são válidas, porque Trump é retoricamente eloquente para defender a vida e o Cristianismo, mas de maneiras práticas seu governo tem derrotado sua retórica, ao ser um campeão de financiamento à indústria do aborto, ao não ajudar cristãos perseguidos e ao premiar um feiticeiro esquerdista brasileiro.
Em retórica, Trump tem sido um campeão absoluto da vida e do Cristianismo, mas a eloqüência e a retórica não estão à altura das ações de seu governo no que se refere ao aborto e aos cristãos perseguidos.
Embora Trump tenha um histórico de apoio a Obama, Hillary Clinton e outros esquerdistas, ele não é como os democratas, que são ideólogos radicais. Trump é apenas um empresário, usando qualquer indivíduo ou causa como negócio. Portanto, enquanto os democratas podem promover a sodomia e o aborto sem se preocupar com os sentimentos do povo americano, Trump vem promovendo, especialmente a sodomia, com os ouvidos atentos aos seus eleitores, mas sua base de eleitores evangélicos tem permanecido em silêncio.
Não é hora de ficar em silêncio. Enquanto os democratas estão fechados à voz conservadora, Trump está aberto à sua voz. Portanto, não faz sentido que, temendo perder o acesso à Casa Branca, líderes evangélicos proeminentes não protestem contra as posturas pró-sodomia de Trump.
Mesmo que a Casa Branca de Trump não goste de ouvir nada negativo sobre a homossexualidade, inclusive o que Deus diz contra esse pecado, os líderes cristãos têm o dever de falar abertamente.
Enquanto eles não abrem a boca, o Partido Republicano publicou seu infame relatório elogiando as ações pró-sodomia de Trump, entre elas as seguintes.
O relatório republicano disse:
“Durante seu tempo como candidato, o presidente Trump se tornou o primeiro candidato republicano a mencionar os direitos LGBTQ em seu discurso de aceitação na Convenção Nacional Republicana. Durante seu discurso de aceitação da indicação republicana, o então candidato Donald Trump disse: ‘como seu presidente eu farei fazer tudo ao meu alcance para proteger os cidadãos LGBTQ.’”
Tradução: “como seu presidente, farei tudo ao meu alcance para promover as questões LGBTQ.” Não é por acaso que as embaixadas dos EUA se tornaram explícitas sobre propaganda homossexual.
O relatório republicano mencionou um proeminente ativista gay convidado por Trump:
“O cofundador do PayPal, Peter Thiel, se tornou o primeiro homem assumidamente gay a falar na Convenção Nacional Republicana. Thiel disse que o então presidente eleito Trump apoiava muito os direitos homossexuais e ele não o teria apoiado se pensasse o contrário.”
Se você acha que o PayPal, uma organização fundada por um ativista gay, se tornou um reflexo de liberdade, basta observar que minha conta do PayPal, que eu precisava para sustentar minha família numerosa, foi encerrada em 2011 depois de uma campanha internacional realizada por uma organização homossexualista com sede nos Estados Unidos que pediu ao PayPal que me excluísse de seus serviços sob a acusação de que minha mensagem bíblica sobre homossexualidade é “discurso de ódio.” Veja a tradução da reportagem do WND (WorldNetDaily) “PayPal coloca escritor cristão na lista negra.”
O relatório republicano disse:
“O presidente Trump escolheu Richard Grenell para ser o diretor interino da Inteligência Nacional, tornando Grenell a primeira pessoa assumidamente gay a ocupar um cargo ministerial. Grenell serviu anteriormente como o primeiro embaixador assumidamente gay nomeado pelo presidente Trump… Na posição de Grenell como embaixador, ele trabalhou com outros ativistas LGBTQ em toda a Europa para discutir uma ‘campanha específica’ para descriminalizar a homossexualidade em todo o mundo.”
O relatório republicano também disse:
Em 2019, a primeira candidata judicial LGBTQ do presidente Trump, Mary Rowland, foi confirmada no Tribunal Distrital do Distrito Norte de Illinois.
Em 2018, o presidente Trump indicou seu segundo candidato judicial LGBTQ, Patrick J. Bumatay, para o Tribunal de Apelações do 9º Circuito dos EUA.
Recentemente, o governo Trump anunciou uma nova política que permitirá que “mais dezenas de milhares de americanos doem sangue, inclusive gays e bissexuais.”
O relatório republicano disse:
“O presidente Trump assumiu a liderança no aumento do apoio ao HIV nos EUA e no exterior. Em 2017, o governo Trump disse que o financiamento contínuo para programas de HIV/AIDS está entre as ‘maiores prioridades’ no orçamento.”
Estrategicamente, grupos homossexuais em todo o mundo parasitam os orçamentos do HIV, desde nações até as Nações Unidas. Portanto, se o financiamento do HIV é uma das maiores prioridades no orçamento do governo Trump, isso significa que dinheiro de impostos dos EUA está financiando grupos homossexuais em todo o mundo sob o pretexto de “prevenção” do HIV. Acredite se quiser, eles “previnem” o HIV, financiados por impostos, espalhando a doutrinação homossexual.
O relatório republicano disse:
“Em março de 2019, o governo Trump solicitou US$ 291 milhões do orçamento anual da Casa Branca para uma campanha de HIV.”
Não é por acaso que o relatório republicano juntou homossexualidade e HIV. Ambas as questões estão envolvidas, em causas e benefícios, com grupos homossexuais recebendo milhões de dólares de orçamentos para HIV.
Sob o título “GOVERNO TRUMP ESTÁ LUTANDO PARA DESCRIMINALIZAR A HOMOSSEXUALIDADE EM OUTROS PAÍSES,” o relatório republicano listou as ações de Trump:
Desde que foi eleito, o presidente Trump selecionou cinco pessoas assumidamente gays para posição como embaixador dos EUA, inclusive Robert Gilchrist, Richard Grenell, Randy Berry, Eric Nelson e Jeff Daigle.
O governo Trump está convocando políticos, governos democráticos da ONU, diplomatas e pessoas em todos os lugares, afirmando que eles precisam falar em voz alta sobre a descriminalização da homossexualidade.
O governo Trump pressionou as autoridades do governo russo para que se manifestem sobre essa campanha.
O relatório republicano disse,
O secretário de Estado, Mike Pompeo, tem apoiado ativamente “o trabalho das embaixadas dos EUA para combater a violência e a discriminação contra as pessoas LGBTQ.”
Em setembro de 2019, o presidente Trump fez um discurso diante da ONU pedindo uma campanha mundial para “descriminalizar a homossexualidade em mais de 70 países onde ela continua ilegal.”
O governo Trump disse que os Estados Unidos não tolerariam outros países que criminalizam a homossexualidade.
O governo Trump lançou uma campanha mundial “para acabar com a criminalização da homossexualidade,” já que dezenas de nações ainda criminalizam as pessoas por sua sexualidade.
A campanha será impulsionada pelo governo Trump para encorajar outros países a implementar leis seguras para a comunidade LGBTQ.
Portanto, de acordo com as palavras do Partido Republicano, a campanha de Trump visa pressionar outras nações a descriminalizar a homossexualidade e implementar leis pró-homossexualidade.
Sobre a retórica de Pompeo de “combater a violência e a discriminação contra pessoas LGBT,” essa foi a retórica exata de Obama para promover a agenda gay.
Sobre o governo Trump dizer que os Estados Unidos não aceitariam outros países que criminalizam a homossexualidade, a Arábia Saudita faz isso. Os EUA vão parar de aceitar bilhões e bilhões de dólares sauditas na compra de armas dos EUA?
O relatório republicano deixou claro que O GOVERNO DO TRUMP ESTÁ LUTANDO PARA DESCRIMINALIZAR A HOMOSSEXUALIDADE EM OUTROS PAÍSES.
Assim que a campanha de Trump foi lançada no início de 2019, eu a denunciei, e The Advocate, a maior revista gay dos EUA, mencionou minha postura contra essa campanha.
O que os cristãos conservadores deveriam fazer agora? Eles não devem permanecer em silêncio por medo de que sua pressão sobre Trump possa colocar em risco a retórica pró-vida de Trump. A agenda homossexualista avança às custas da segurança psicológica e física das crianças.
As concessões de Trump para a agenda gay são muito sérias e perigosas, já que a sociedade dos EUA está mergulhada na propaganda gay. As crianças são as principais vítimas. A Disney, que costumava entreter as crianças, hoje está ocupada levando-as à bruxaria e à homossexualidade.
Quando uma nação não tem leis que protegem as crianças contra a propaganda homossexual, ela acabará tendo leis que protegem a propaganda homossexual para crianças. É o que está acontecendo nos EUA.
Com presidentes democratas e republicanos, os EUA se tornaram a Sodoma moderna. À custa das crianças e de sua segurança, o governo Trump está trabalhando para proteger (promover) a homossexualidade em todo o mundo.
Se hoje os cristãos conservadores permanecem em silêncio enquanto o governo Trump trabalha para promover a agenda gay em todo o mundo, quem ficará surpreso quando o Partido Republicano também tiver seu primeiro candidato pró-aborto? Embora, de certa forma, Trump possa ocupar esse cargo, porque seu governo vem financiando a indústria do aborto como nenhum outro governo americano já financiou.
Leitura recomendada:

Um comentário :

Flávio disse...

Oposição controlada. Essa é a verdade sobre os republicanos, porque Trump não criou leis protegendo a liberdade de expressão? Seus seguidores influentes são expulsos de onde exerciam influência. Sera que ele é idiota?

Se o nível de tolerância com agenda gay esta assim, em breve teremos um aborteiro. Republicanos são centro esquerda agora.