4 de março de 2020

Trump louvou “casamento” gay na véspera de visita à Índia


Trump louvou “casamento” gay na véspera de visita à Índia

Controle populacional homossexualista como um novo NSSM 200 pode estar por trás da insistência de Trump em louvar o “casamento” gay e outras questões gays

Julio Severo
O presidente americano Donald Trump provocou confusão entre seus apoiadores conservadores em 21 de fevereiro de 2020 depois de louvar um filme de Bollywood que defende o “casamento” gay antes de sua viagem à Índia.
“Ótimo!” Trump tuitou em resposta ao ativista homossexualista Peter Tatchell, que escreveu no Twitter que o filme de “casamento” gay, intitulado “Shubh Mangal Zyada Saavdhan,” pretende convencer os indianos a apoiar a “normalização” da homossexualidade.
O tuíte de Trump surpreendeu muitos de seus apoiadores quando ele retuitou o post do ativista homossexualista e apoiou o “casamento” gay porque a maioria de seus apoiadores, que são evangélicos conservadores, não apoia o ativismo gay e o “casamento” gay. Veja o artigo do WND “O erro mais perigoso do presidente Trump,” de Scott Lively.
Há um enorme problema de meninos espreitados e estuprados por homossexuais, mas Trump ignorou sua situação difícil. E quando a Índia tem um enorme problema de cristãos sendo perseguidos e mortos por hindus, ele se concentra na perversão de mesmo sexo. Ele louvou um casamento falso feito por perversão sexual. Por que não se concentrar na violência homossexual e na doutrinação gay predatória contra meninos?
Se evangélicos conservadores desejassem ativismo gay e “casamento” gay, eles teriam votado em Hillary Clinton, que prometeu apoiar essas questões. Aliás, eles votaram em Trump porque estavam cansados do ex-presidente Barack Hussein Obama já fazendo essas mesmas coisas.
Eles estavam cansados de ver o governo Obama louvando e até pressionando para descriminalizar a homossexualidade em países ao redor do mundo. Mas o que eles veem agora? As mesmas coisas.
Mesmo assim, Perkins parecia não acreditar que Trump estava por trás da campanha, porque ele disse que “não parece que o presidente Trump — ou qualquer outra pessoa do governo — tenha autorizado essa ‘campanha.’”
Perkins mostrou vontade de apoiar essa campanha apenas para acabar com a violência contra homossexuais, sem levantar questões sobre por que colocar a violência contra homossexuais acima da violência homossexual contra crianças, através de violência sexual ou doutrinação predatória, e não questionar se havia mais do que o olhos podem ver.
Minhas críticas à postura suave de Perkins e do Conselho de Pesquisa da Família (CPF) sobre esse assunto chamaram a atenção do Right Wing Watch (Observatório da Direita), uma organização esquerdista dos EUA que monitora conservadores, que ficou do lado de Perkins e CPF contra mim.
Como suspeitei, havia mais do que os olhos podem ver. De acordo com LifeSiteNews:
Em uma entrevista em vídeo com um colega gay, Dave Rubin, do Rubin Report, publicada nesta semana, Grenell talvez tenha confessado que ele poderia estar buscando mais do que apenas a descriminalização da homossexualidade:
Estamos fazendo muito progresso [com a campanha de descriminalização]. É verdade que essa será uma luta longa, tentando convencer 69 países a fazer uma mudança nas leis nacionais, a não criminalizar a homossexualidade.
Grenell não parou por aí. Ele acrescentou:
E isso é tudo o que é ‘etapa um,’ é apenas para trabalhar na criminalização. Outros estão trabalhando nas etapas de dois a vinte.
Grenell não explicou quais seriam as etapas 2 a 20, deixando muito espaço para a interpretação dos conservadores pró-casamento e pró-família.
Assim, nas palavras de Grenell, o homossexualista mais promovido e louvado por Trump, a descriminalização é apenas o primeiro de muitos outros passos “desconhecidos” na escada do expansionismo homossexualista.
Quando Obama e Hillary falavam sobre descriminalização da homossexualidade em todo o mundo, os conservadores entendiam que havia uma estratégia e a descriminalização era apenas o começo. Por que, no caso de Trump, eles querem acreditar que não há estratégia? Eles deveriam ser mais prudentes, porque Trump tem um histórico de apoio a conservadores e esquerdistas ao mesmo tempo. Como bilionário, ele costumava dar dinheiro para Billy Graham e grupos abortistas e homossexuais, talvez para agradar tanto a conservadores quanto esquerdistas.
O fato é que, assim como Obama tinha uma estratégia para usar a descriminalização como plataforma de lançamento para muitas outras questões gays, Trump tem a mesma estratégia, e seu estrategista é um homossexualista radical. E provavelmente existem estratégias maiores por trás da descriminalização. Afinal, como explicar que o esquerdista Obama e o direitista Trump tenham a mesma obsessão de descriminalizar a homossexualidade em todo o mundo?
Enquanto o governo dos EUA promoveu o “casamento” gay através dos esforços do presidente esquerdista Obama, agora o governo dos EUA, sob Trump, promove o mesmo casamento falso. No que diz respeito ao “casamento” gay, esquerda e direita nos Estados Unidos são dois lados da mesma moeda.
O que está por trás disso? Minha opinião é que algum tipo de NSSM 200 modernizado e sofisticado está em operação. O Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, o órgão mais elevado de decisões sobre política externa nos EUA, promulgou, em 10 de dezembro de 1974, um documento extremamente confidencial intitulado Memorando de Estudo de Segurança Nacional 200 (do original em inglês “National Security Study Memorandum 200,” cuja sigla é NSSM 200), também conhecido como Relatório Kissinger. Seu assunto era “Implicações do Crescimento da População Mundial para a Segurança e Interesses Externos dos EUA.” Esse documento foi o resultado da colaboração entre a Agência Central de Inteligência (CIA), a Agência de Desenvolvimento Internacional dos EUA (USAID) e o Departamento de Estado e o Ministério da Defesa dos EUA.
O NSSM 200 é o documento mais abrangente e importante sobre controle populacional já elaborado por um governo.
O NSSM 200 continua a ser o documento fundamental sobre controle populacional elaborado pelo governo dos Estados Unidos. Portanto, o NSSM 200 continua a representar a política oficial dos Estados Unidos sobre controle populacional.
O NSSM 200 é decisivamente importante para todos os líderes pró-vida do mundo inteiro, pois expõe completamente as motivações e métodos repulsivos e antiéticos do movimento de controle populacional.
Se o objetivo da CIA, da USAID, do Departamento de Estado e do Ministério da Defesa dos EUA é reduzir a população mundial, que método é melhor que a homossexualidade, que é o “controle de natalidade” perfeito?
Alguns poderiam dizer que apenas presidentes esquerdistas na Casa Branca, presidentes do Partido Democrata, poderiam avançar algo semelhante ao NSSM 200. A verdade é que o NSSM 200 original foi produzido pela CIA, USAID, Departamento de Estado e Ministério da Defesa sob o governo conservador republicano de Gerald Ford. Portanto, o NSSM 200, como estratégia de controle populacional, é um produto 100% republicano.
Tanto esquerdistas quanto direitistas na Casa Branca estão comprometidos com a missão, provavelmente pressionados por algum objetivo mais elevado do governo dos EUA, de reduzir a população mundial. Não há outra razão pela qual o esquerdista Obama e o direitista Trump participariam da infame campanha mundial para descriminalizar a homossexualidade enquanto milhares de meninos são estuprados, psicológica e fisicamente, por homossexualistas predadores.
Provavelmente por causa de estratégias maiores de um sofisticado NSSM 200 homossexualista, com sua campanha mundial para descriminalizar a sodomia Trump dissipou a falsa noção entre os conservadores de que Obama tinha o monopólio da defesa do “casamento” gay. Não, o monopólio pertence ao governo dos EUA, sob esquerdistas e direitistas.
O “casamento” gay cumpre totalmente o objetivo do NSSM 200. Esse casamento falso é infértil e destrói a missão do casamento real: a procriação.
O NSSM 200 busca redução de nascimentos. O “casamento” gay faz isso com sucesso.
Sob esquerdistas e direitistas, apoiados generosamente por Hollywood, os EUA se tornaram uma máquina de propaganda para o “casamento” gay. Com Trump não é diferente, ainda que ele tenha um relacionamento muito especial com os evangélicos, que são seus principais apoiadores políticos e são contra esse casamento falso. Nessa questão, o relacionamento deles é marcado pelo silêncio. Trump tem permanecido calado sobre a perseguição LGBT contra o evangelista Franklin Graham, seu mais proeminente defensor evangélico, enquanto Graham tem permanecido calado sobre Trump apoiar o “casamento” gay e outras questões homossexuais.
Se a CIA, a USAID, o Departamento de Estado e o Ministério da Defesa não tivessem pervertido a missão do governo dos EUA com o NSSM 200, Trump entenderia que muito mais importante do que valorizar, louvar e proteger a homossexualidade é proteger as crianças da doutrinação homossexual predatória e violência homossexual. A proteção das crianças, não a homossexualidade, deveria ser prioritária.
Os evangélicos conservadores de hoje correm o risco de serem rotulados de hipócritas pelas futuras gerações de evangélicos conservadores. Se Obama nunca foi poupado por louvar um filme de “casamento” gay de Bollywood, por que Trump é poupado? Por que muitos conservadores evangélicos estão calados? Por que eles não conseguem ver o plano maior, um NSSM 200 homossexualista, por trás de Obama e Trump?
A mesma Bíblia que condena Obama por louvar o “casamento” gay também condena Trump pelo mesmo pecado. Os conservadores evangélicos jamais deveriam se esquecer disso.
Os esquerdistas não louvam os elogios de Trump pelo “casamento” gay porque o odeiam em outras questões em que ele mostra posturas conservadoras. Por exemplo, a revista esquerdista Christianity Today criticou Trump por tudo, até dizendo que ele deveria sofrer impeachment, mas poupou-o numa coisa: sodomia.
Se por trás da propaganda de serviços acessíveis de planejamento familiar o governo dos EUA tinha uma agenda muito mais sombria de controle populacional por meio do NSSM 200, deveria ser surpresa se, por trás da propaganda da “descriminalização da homossexualidade,” haja uma agenda muito mais sombria de expansionismo e imperialismo homossexualista para o objetivo de controle populacional?
Esperemos que Tony Perkins, o Conselho de Pesquisa da Família e outras organizações evangélicas não digam desta vez: “não parece que o presidente Trump tenha autorizado a si mesmo a louvar o filme de ‘casamento’ gay de Bollywood.”
Passou da hora de Tony Perkins e o Conselho de Pesquisa da Família denunciarem os elogios não autorizados de Trump ao “casamento” gay.
Com informações do Daily Mail e Fox News.
Leitura recomendada:

5 comentários :

Cicero disse...

Então Deus vai derramar fogo sobre os EUA inteiro e não somente sobre a Califórnia sodomita hollywoodiana.

Alexandre disse...

Sinceramente não me surpreendeu em nada essa ação de Trump, afinal o mesmo se encontra em plena campanha eleitoral e irá apelar para todos os meios possíveis para se manter no poder.

Lucas disse...

Júlio, como faço para entrar em contato contigo? Tem algum e-mail?

Julio Severo disse...

juliosevero@hotmail.com

Dener disse...

Nós não precisamos de conservadores. Conservar o que aí está? Já os temos bastante. Precisamos de restauradores, de reacionários.