18 de fevereiro de 2020

Vladimir Putin diz que “casamento é uma união de homem e mulher” ao declarar apoio aos valores familiares tradicionais e rejeitar o “casamento” homossexual


Vladimir Putin diz que “casamento é uma união de homem e mulher” ao declarar apoio aos valores familiares tradicionais e rejeitar o “casamento” homossexual

Julio Severo
O presidente russo Vladimir Putin em 13 de fevereiro de 2020 enfatizou que o casamento deve ser apenas a união de um homem e uma mulher.
“Casamento é uma união de homem e mulher,” disse ele em uma reunião com um comitê nomeado pelo Kremlin que está discutindo novas emendas à constituição russa.
Ele deixou claro que não permitiria que a noção tradicional de mãe e pai fosse subvertida por homossexualistas que buscam transformar pai e mãe apenas no neutro “progenitor número 1” e “progenitor número 2” até mesmo em certidões de nascimento e passaportes, como já está acontecendo em alguns países ocidentais.
“No que se refere a ‘progenitor número 1’ e ‘progenitor número 2,’ eu já falei publicamente sobre isso e repetirei novamente: enquanto eu for presidente, isso não acontecerá. Haverá pai e mãe,” disse Putin.
Durante suas duas décadas no poder, Putin vem se alinhando estreitamente com a Igreja Ortodoxa Cristã e procurando distanciar a Rússia dos valores ocidentais esquerdistas, inclusive a agenda homossexual.
Sua liderança vem produzindo políticas mais conservadoras, com grupos promovendo visões cristãs ortodoxas tornando-se mais fortes e posturas esquerdistas e homossexualistas atacadas.
Suas ações visam agradar à Igreja Ortodoxa Cristã, que rejeita o “casamento” homossexual e defende apenas o casamento como uma união de homem e mulher.
The Advocate, a maior revista gay do mundo, disse: “A Rússia de Putin é um lugar muito homofóbico e transfóbico.”
A evangélica americana Paulie Heath disse:
“Estando atento à política mundial e à vasta pressão que o presidente Trump está exercendo sobre outros países para adotarem o mal da sodomia; até mesmo ameaçando reduzir o apoio a esses países se eles não adotarem o mal, posso ver exatamente por que Putin quer deixar sua postura clara — eles não estão confusos sobre a intenção de Deus para a sexualidade. Grande contraste com os EUA moralmente decadentes.”
Os presidentes de nações cristãs também deveriam agradar ao seu Cristianismo nacional. Por exemplo, os Estados Unidos foram fundados por uma população de 98 por cento evangélica. E o evangelicalismo deles era conservador. Portanto, não é de admirar que os principais eleitores do presidente Donald Trump em 2016 foram evangélicos.
Entretanto, Trump não expressa nenhuma rejeição ao “casamento” homossexual. Ele também não manifesta nenhum apoio claro ao casamento como uma união de homem e mulher. Pelo contrário, ele disse a Geraldo Rivera, personalidade da Fox News, que estaria disposto a votar em um homossexual para presidente dos Estados Unidos.
Rivera entrevistou Trump em 13 de fevereiro de 2020 e perguntou: “Os americanos votariam em um gay para ser presidente?”
“Acho que sim,” respondeu Trump. “Acho que haveria alguns que não votariam, e você sabe, eu não estaria nesse grupo, para ser honesto com você.”
Ativistas homossexualistas não colocaram Trump na Casa Branca. Os evangélicos conservadores fizeram isso. Trump não pode respeitar e honrar seus eleitores evangélicos conservadores rejeitando abertamente o “casamento” gay e apoiando apenas o casamento entre um homem e uma mulher exatamente como Putin está fazendo por seus eleitores cristãos ortodoxos?
Com informações do Daily Mail, Reuters, The Advocate e LifeSiteNews.
Leitura recomendada:

Um comentário :

Cicero disse...

Parabéns Putin, pela coragem em ir contra a agenda gay-islamica da ONU!
Quanto a Trump, vai colher os frutos amargos e podres de suas escolhas!