30 de janeiro de 2020

Pregador evangélico americano Franklin Graham escreve carta aberta depois que organizadores cancelaram seu evento no Reino Unido por “opiniões incompatíveis” sobre “casamento” gay


Pregador evangélico americano Franklin Graham escreve carta aberta depois que organizadores cancelaram seu evento no Reino Unido por “opiniões incompatíveis” sobre “casamento” gay

Julio Severo
Um famoso pregador evangélico americano escreveu uma carta aberta depois que os organizadores decidiram cancelar seu evento no Reino Unido, após pressão e reclamações de ativistas LGBT.
Franklin Graham deveria visitar Glasgow, Newcastle, Sheffield, Liverpool, Cardiff, Milton Keynes, Birmingham e Londres no final de 2020.
Mas o centro de conferências ACC Liverpool decidiu cancelar o programa do pregador de 67 anos depois de classificar suas opiniões como “incompatíveis” com seus valores, acrescentando: “Não podemos reconciliar o equilíbrio entre liberdade de expressão e o impacto divisivo que este evento está causando em nossa cidade.”
A decisão de cancelar o programa veio depois que uma petição foi iniciada pela Rede Trabalhista LGBT de Liverpool.
Graham foi rotulado de “pregador de ódio homofóbico” pela Rede Trabalhista LGBT, que escreveu em uma carta dizendo que eles temem que “a aparência de Graham possa incitar uma mobilização odiosa e arriscar a segurança de nossa comunidade LGBTQ +.”
Graham, que é um defensor enérgico de Donald Trump e filho do falecido evangelista internacional Billy Graham, já havia descrito o “casamento” gay como um pecado e defende crianças contra a doutrinação homossexual nas escolas.
Ativistas LGBT em várias cidades britânicas que ele deveria visitar também pressionaram autoridades governamentais e líderes políticos a impedi-lo de falar.
O prefeito de Sheffield, Dan Jarvis, criticou o pastor americano e disse em um comunicado: “Sheffield é uma cidade de santuário [para homossexuais e muçulmanos]. Congratulamo-nos com pessoas de todas as origens, independentemente de raça, religião, crença ou sua sexualidade. Como cidade e região, temos orgulho de defender igualdade, diversidade, respeito e compaixão. Acredito na liberdade de expressão e no direito à liberdade de expressão, dentro dos parâmetros da lei. Mas também acredito no direito das pessoas de discordar de crenças extremistas, como as pregadas por Franklin Graham. A intolerância não pode ser acolhida aqui em South Yorkshire.”
A deputada Heather Paterson disse: “Franklin Graham promove de forma frequente e pública suas crenças homofóbicas, inclusive, entre outras, tachar a homossexualidade como pecado. Acreditamos que essas declarações ultrapassam em muito a liberdade de expressão e são incitação direta ao ódio e incitação à violência contra comunidades e indivíduos LGBTQ +, que não devem ser bem-vindas em nossa cidade ou em qualquer outro lugar.”
Kelvin Holdsworth, reitor da Catedral de Glasgow, disse no Twitter: “Acabei de saber que Franklin Graham está vindo para a SSE Hydro em Glasgow no próximo ano. Muito surpreso de saber que o @SSE quereria ser associado a ele. #homofobia.”
Peter Nimmo, pastor da Igreja Presbiteriana da Escócia em Inverness, fumegou: “A turnê de Franklin Graham inclui Glasgow. Confio em que as igrejas escocesas também o tratarão com desprezo.”
Graham está enfrentando protestos no Reino Unido por causa de sua postura contra o “casamento” gay e porque ele disse que o comportamento homossexual é pecado. Quando as leis apoiam o comportamento homossexual, as pessoas que não o apoiam são perseguidas.
Em uma reportagem intitulada “Odioso Homofóbico Franklin Graham Cancelado por Cidade do Reino Unido,” The Advocate, a maior revista gay dos EUA e do mundo, explicou a “homofobia” de Graham:
Graham, presidente da Associação Evangelística Billy Graham, fundada por seu falecido pai, tem um longo histórico de declarações anti-LGBTQ. Em uma das mais recentes, ele tuitou que o candidato democrata à presidência dos EUA, Pete Buttigieg, que é gay e cristão, deveria se arrepender do “pecado” da homossexualidade. Em 2018, em resposta à circulação de uma citação antiga do ex-presidente Jimmy Carter, dizendo que Jesus Cristo não teria problemas com o casamento entre pessoas do mesmo sexo, ele disse que Carter estava “absolutamente errado” e que Deus havia destruído as cidades de Sodoma e Gomorra porque abraçaram a homossexualidade. (Essa passagem da Bíblia está aberta a outras interpretações.)
Em 2016, ele defendeu o Projeto de Lei 2, legislação aprovada pelo seu estado natal, Carolina do Norte, para impedir que indivíduos trans usem banheiros e vestiários que correspondam à sua identidade de gênero. Essa lei “protege a segurança e a privacidade de mulheres e crianças e preserva os direitos humanos de milhões de cidadãos religiosos desse estado,” disse Graham na época, o que sugere que as pessoas trans são uma ameaça. Esse comentário fez com que o Facebook o banisse por um breve período dois anos depois.
Ele também elogiou a lei da Rússia que bane a chamada propaganda gay, a qual proíbe qualquer menção favorável da identidade LGBTQ que possa ser ouvida ou visualizada por menores. “Sou muitíssimo grato que o presidente Putin está protegendo as crianças e jovens russos contra a propaganda homossexual,” disse Graham a um jornal russo em 2015. “Apenas para dar [às crianças] a oportunidade de crescer e tomar uma decisão por si mesmas. Além disso, os homossexuais não podem ter filhos, mas podem pegar os filhos de outras pessoas.”
Além das pessoas LGBTQ, os alvos da ira de Graham incluem a Federação de Planejamento Familiar [a maior rede de clínicas de aborto dos EUA], que ele descreveu como “hitlerista,” e o islamismo, que ele chamou de “mal.”
Graham é um grande defensor, porém, de Donald Trump.
Contudo, não é apenas Graham que defende Trump. Quando eu e vários líderes evangélicos dos EUA criticamos em 2019 a campanha de Trump para legalizar a homossexualidade em todo o mundo, o que The Advocate fez? Criticou a mim e a esses outros líderes evangélicos e, incrivelmente, defendeu Trump contra nós evangélicos.
Franklin Graham tem ficado em silêncio sobre a campanha homossexualista de Trump. Embora o presidente dos EUA goste muito de Graham e até o convidou para sua reunião pessoal com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, Trump também tem ficado em silêncio sobre a campanha LGBTQ contra Graham no Reino Unido.
Mesmo sendo conselheiro espiritual de Trump, Graham não está recebendo nenhuma ajuda presidencial. Trump, que costuma intervir em muitas questões internacionais envolvendo americanos, não disse nada sobre a perseguição homossexualista contra Graham, que sempre expressa apoio público a Trump.
Graham tem sido um defensor apaixonado de Trump. Ele o defende em tudo. Por exemplo, quando Christianity Today (Cristianismo Hoje), a maior revista evangélica liberal dos EUA, criticou Trump em dezembro de 2019 dizendo que ele merecia sofrer impeachmente e sugerindo que os evangélicos não deveriam apoiá-lo, Graham fez uma defesa muito forte de Trump contra Christianity Today.
Por que o silêncio de Trump agora? Defender cristãos ou mesmo defender um cidadão americano vítima de bullying homossexual é menos importante do que defender uma campanha do governo dos EUA para legalizar a homossexualidade em todo o mundo? O governo Trump não tem ficado em silêncio sobre criticar nações cristãs que rejeitam a homossexualidade, mas se cala sobre a Arábia Saudita, aliada dos EUA, que executa homossexuais.
Sem o apoio de Trump, Graham dirigiu-se a ativistas LGBTQ no Reino Unido. Em sua “Uma carta para a comunidade LGBTQ no Reino Unido,” Graham explicou que não tem ódio aos homossexuais. Ele disse:
Alguns dizem que estou indo ao Reino Unido para trazer um discurso de ódio à sua comunidade. Mas isso simplesmente não é verdade. Estou vindo para compartilhar o Evangelho, que é a Boa Notícia de que Deus ama o povo do Reino Unido e que Jesus Cristo veio a esta terra para nos salvar de nossos pecados.
O problema, penso eu, é se Deus define a homossexualidade como pecado. A resposta é sim. Mas Deus vai ainda mais longe, dizendo que somos todos pecadores — inclusive eu. A Bíblia diz que todo ser humano é culpado de pecado e precisa de perdão e limpeza. A penalidade do pecado é a morte espiritual — separação de Deus por toda a eternidade.
Por isso Jesus Cristo veio. Ele se tornou pecado por nós. Ele não veio para condenar o mundo, veio para salvar o mundo, dando Sua vida na cruz como sacrifício pelos nossos pecados. E se estivermos dispostos a aceitá-Lo pela fé e nos afastarmos dos nossos pecados, Ele nos perdoará e nos dará uma nova vida — vida eterna — nEle.
Minha mensagem para todas as pessoas é que elas podem ser perdoadas e podem ter um relacionamento correto com Deus. Isso é boa notícia. Essa é a esperança que as pessoas em todos os continentes do mundo estão procurando. No Reino Unido e nos Estados Unidos, temos liberdade religiosa e liberdade de expressão. Não estou indo ao Reino Unido para falar contra ninguém, estou indo para falar a todos. O Evangelho é inclusivo. Não estou indo movido por ódio, estou indo movido por amor.
Convido todos na comunidade LGBTQ a ouvirem por si mesmos as mensagens do Evangelho que trarei da Palavra de Deus, a Bíblia. Você é absolutamente bem-vindo.
Outro desafio que Graham enfrenta no Reino Unido é o islamismo. Esta nação outrora evangélica agora está rapidamente sucumbindo ao islamismo, e Graham descreveu o islamismo como uma “religião má e muito perversa.”
Os cristãos estão vivendo tempos difíceis. Se Franklin Graham, que é um dos líderes evangélicos mais poderosos dos Estados Unidos, pode sofrer hostilidade e intimidação por pregar o Evangelho em uma nação com um forte histórico cristão, o que acontecerá com muitos outros cristãos que expressam a mensagem bíblica sobre homossexualidade?
Estes são tempos fáceis para cristãos covardes e silenciosos. Mas chegará o tempo em que até os covardes serão atacados pelos mesmos fanáticos que perseguem cristãos corajosos hoje, porque mais cedo ou mais tarde os fanáticos exigirão não apenas silêncio, mas também total conversão ao fanatismo deles, seja homossexual ou islâmico.
Com informações do Daily Mail, The Advocate e Fox News.
Leitura recomendada sobre Franklin Graham:
Leitura recomendada sobre Trump e homossexualidade:

Um comentário :

Flávio disse...

A igreja da Inglaterra afirmou que sexo é só para casais hetero. Ela é a última igreja de estado que ainda não se ajoelhou pras travecas e gays. Mas isso pode mudar com o seu segundo posto mais importante estando nas mãos de um progressista autoritário, Stephen Cotrell.