17 de janeiro de 2020

Dívida deixou os EUA presos aos petrodólares… e à Arábia Saudita


Dívida deixou os EUA presos aos petrodólares… e à Arábia Saudita

Ryan McMaken via The Mises Institute
O regime iraniano e o regime da Arábia Saudita são inimigos de longa data, e ambos disputam o controle da região do Golfo Pérsico. Parte do conflito decorre de diferenças religiosas — diferenças entre grupos muçulmanos xiitas e sunitas. Mas grande parte do conflito decorre de desejos triviais de estabelecer domínio regional.
Contudo, por mais de quarenta anos a Arábia Saudita tem uma importante carta na manga em termos de sua guerra com o Irã: o apoio contínuo dos EUA ao regime saudita.
Mas por que os EUA deveriam continuar a apoiar com tanta força esse regime ditatorial? Certamente, essas relações estreitas não podem ser devido a algum apoio americano à democracia e aos direitos humanos. O regime saudita é um dos regimes mais intolerantes e antidemocrático do mundo. Sua classe dominante tem sido repetidamente conectada a grupos terroristas islâmicos, com a revista Foreign Policy no ano passado chamando a Arábia Saudita de “o coração pulsante do wahabismo — o credo religioso absolutista e rígido que ajudou a semear as cosmovisões da al-Qaeda e do Estado Islâmico.”

Sauditas por trás do petrodólar

A resposta está no fato de a Arábia Saudita estar no centro dos esforços dos EUA para manter o dólar como moeda de reserva mundial e garantir a demanda global pela dívida dos EUA. As origens desse sistema remontam a décadas.
Em 1974, o dólar americano estava em uma posição precária. Em 1971, graças aos gastos excessivos em guerras e assistencialismo interno, os EUA não conseguiram mais manter um preço global definido para o ouro, em linha com o sistema de Bretton Woods estabelecido em 1944. O valor do dólar em relação ao ouro caiu à medida que a oferta de dólares aumentou como subproduto dos crescentes gastos com déficit. Governos e investidores estrangeiros começaram a perder a fé no dólar, e tanto a Suíça quanto a França exigiram ouro em troca de dólares, conforme estipulado por Bretton Woods. No entanto, se isso continuasse, as ações em ouro dos EUA logo se esgotariam. Além disso, o dólar estava perdendo valor em relação a outras moedas. Em maio de 1971, a Alemanha deixou o sistema de Bretton Woods e o dólar caiu diante da moeda alemã.
Em resposta a esses acontecimentos, o Presidente Richard Nixon anunciou que os EUA abandonariam o sistema de Bretton Woods. O dólar começou a flutuar diante de outras moedas.
Não é de surpreender que a desvalorização do dólar não tenha restaurado a confiança no dólar. Além disso, os EUA não fizeram nenhum esforço para conter os gastos deficitários. Portanto, os EUA precisavam continuar encontrando maneiras de vender a dívida do governo sem aumentar as taxas de juros. Ou seja, os EUA precisavam de mais compradores para sua dívida. A motivação para um ajuste aumentou ainda mais depois de 1973, quando o primeiro choque com a alta do preço do petróleo agravou ainda mais a inflação de preços provocada pelo déficit que os americanos estavam enfrentando.
Mas em 1974, a enorme enxurrada de dólares dos EUA para a maior exportadora de petróleo da Arábia Saudita indicou uma solução.
Naquele ano, Nixon enviou o novo secretário do Tesouro dos EUA, William Simon, à Arábia Saudita com uma missão. Conforme relatado por Andrea Wong na Bloomberg, o objetivo era neutralizar o petróleo bruto como arma econômica [contra os EUA] e encontrar uma maneira de persuadir uma Arábia Saudita hostil a financiar o crescente déficit dos EUA com sua nova riqueza em petrodólares…
A estrutura básica era surpreendentemente simples. Os EUA comprariam petróleo da Arábia Saudita e forneceriam ajuda e equipamento militar à Arábia Saudita. Em troca, os sauditas devolveriam bilhões de sua receita de petrodólares ao Tesouro dos EUA e financiariam os gastos dos EUA.
Do ponto de vista das finanças públicas dos EUA, isso parecia ser um ganho mútuo. Os sauditas receberiam proteção contra inimigos geopolíticos e os EUA receberiam um novo local para descarregar grandes quantidades de dívida do governo. Além disso, os sauditas poderiam deixar seus dólares em investimentos relativamente seguros e confiáveis nos Estados Unidos. Isso ficou conhecido como “reciclagem de petrodólares.” Ao gastarem em petróleo, os EUA — e outros importadores de petróleo, os quais agora eram obrigados a usar dólares — estavam criando uma nova demanda pela dívida americana e dólares americanos.
Esse acordo do dólar também não se limitou à Arábia Saudita. Já que a Arábia Saudita dominava a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), o acordo do dólar foi estendido à OPEP em geral, o que significava que o dólar se tornou a moeda preferida para compras de petróleo em todo o mundo.
Esse esquema garantiu o lugar do dólar como uma moeda de imensa importância mundial. Isso foi especialmente importante durante a década de 1970 e início da década de 1980. Afinal, até o início da década de 1980, a OPEP desfrutava de 50% de participação no mercado de petróleo. Entretanto, graças ao segundo choque com o aumento nos preços de petróleo, grande parte do mundo começou a buscar uma ampla variedade de maneiras de diminuir sua dependência para com o petróleo. Em meados da década de 1980, a participação da OPEP havia diminuído para menos de um terço.
Hoje, a Arábia Saudita está atrás da Rússia e dos Estados Unidos em termos de produção de petróleo. A partir de 2019, a participação da OPEP permanece em torno de 30%. Isso diminuiu o papel do petrodólar em comparação com os dias emocionantes da década de 1970. Mas a importância do petrodólar certamente não foi destruída.
Podemos ver a importância contínua do petrodólar na política externa dos EUA, a qual continuou a antagonizar e ameaçar qualquer grande país exportador de petróleo que tentasse acabar com sua dependência no dólar.
Como observado por Matthew Hatfield na revista Harvard Political Review, não é mera coincidência que a política externa americana especialmente beligerante tenha sido aplicada aos regimes iraquiano, líbio e iraniano. Hatfield escreve:
Em 2000, Saddam Hussein, então presidente do Iraque, anunciou que o Iraque estava se movendo para vender seu petróleo em euros, em vez de dólares.
Depois do atentado de 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos invadiram o Iraque, depuseram Saddam Hussein e converteram as vendas de petróleo do Iraque de volta ao dólar americano.
Esse padrão exato foi repetido com Muammar Kadafi quando ele tentou criar uma moeda africana unificada, apoiada pelas reservas de ouro da Líbia, para vender petróleo africano. Logo depois que ele anunciou isso, rebeldes armados pelo governo e aliados dos EUA derrubaram o ditador e seu regime. Depois de sua morte, a ideia de que o petróleo africano fosse vendido com outra coisa que não o dólar desapareceu rapidamente.
Outros regimes que pediram para abandonar o petrodólar incluem o Irã e a Venezuela. Os EUA estão pedindo mudanças de regime nesses dois países.

Exportadores de petróleo controlam ativos dos EUA

Contudo, as ameaças podem ser apontadas em ambas as direções. No ano passado, por exemplo, a Arábia Saudita ameaçou “vender seu petróleo em outras moedas que não o dólar” se o governo dos EUA “aprovar uma lei que expõe os membros da OPEP a ações antitruste dos EUA.” Ou seja, o regime saudita sabe que tem pelo menos alguma influência com os EUA por causa da posição saudita no centro do sistema de petrodólares.
A Arábia Saudita é um dos poucos países que podem até fingir blefar diante dos EUA em questões como essas. Como ficou bastante claro pela política dos EUA nas últimas décadas, os EUA estão mais do que dispostos a invadir países estrangeiros que colidem com o sistema de petrodólares.
Entretanto, no caso da Arábia Saudita , a posição saudita como antagonista do Irã — e como o terceiro maior exportador de petróleo do mundo — significa que os EUA provavelmente evitarão conflitos desnecessários.
Além disso, é provável que as ações sauditas de dívida e outros ativos nos EUA sejam significativas. Quando os sauditas fazem ameaças, isso implicitamente também “inclui liquidar as ações da Arábia Saudita nos Estados Unidos.” Como informou a Bloomberg, a Arábia Saudita também “avisou que começaria a vender até US$ 750 bilhões em títulos do Tesouro dos EUA e outros ativos se o Congresso dos EUA aprovar uma lei que permite que a Arábia Saudita seja responsabilizada nos tribunais dos EUA pelos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.”
Frequentemente ouvimos falar sobre como a China e o Japão compraram uma grande parte da dívida dos EUA e, portanto, mantêm alguma influência sobre os EUA por causa disso. (O problema aqui é que, se os estrangeiros se livrassem dos ativos dos EUA, eles cairiam de preço. Se a dívida dos EUA cair de preço, a dívida dos EUA vai aumentar em rendimento, o que significa que os EUA deverão pagar mais juros sobre sua dívida.) Mas há boas razões para acreditar que a Arábia Saudita também comprou grande parte da dívida dos EUA. No entanto, é difícil rastrear o tamanho dessas ações, porque o regime saudita trabalha em estreita colaboração com o governo americano para manter em segredo as compras sauditas de ativos americanos. Quando o Tesouro dos EUA informa sobre os estrangeiros que compraram a dívida dos EUA, a Arábia Saudita se une a vários outros países para ocultar a natureza exata do que os sauditas compraram. Contudo, como Wong afirma, o regime saudita é “um dos maiores credores estrangeiros dos EUA.”

O problema cresce à medida que a dívida dos EUA cresce

É claro que os EUA deveriam estar ficando menos dependentes de seus credores estrangeiros. Isso deveria ser especialmente verdadeiro com relação à dívida saudita e detida pela OPEP, já que o papel global da OPEP e dos sauditas vem diminuindo em termos de participação global.
Mas em vez disso os EUA vêm acumulando quantias cada vez maiores de dívidas nos últimos anos. Em 2019, por exemplo, o déficit anual superou um trilhão. Em uma época passada em que os EUA não gastavam tanto, esse tipo de geração de dívidas seria reservado apenas para tempos de guerra ou períodos de depressão econômica. Contudo, hoje esse imenso crescimento nos níveis de dívida torna o governo americano mais sensível às mudanças na demanda pela dívida americana, e isso tornou o governo americano cada vez mais dependente da demanda externa por dívida e dólar. Ou seja, para evitar uma crise, os EUA precisam garantir que as taxas de juros permaneçam baixas e que os estrangeiros desejem comprar dólares e dívidas dos EUA.
Se os petrodólares e a reciclagem de petrodólares desaparecerem, isso teria um efeito duplo nas finanças do governo dos EUA: um declínio considerável na reciclagem de petrodólares forçaria um aumento significativo nas taxas de juros. O resultado seria uma crise orçamentária para o governo dos EUA, por precisar dedicar quantias cada vez maiores do orçamento federal aos pagamentos da dívida. (A outra opção seria fazer com que o banco central dos EUA monetizasse a dívida comprando quantias cada vez maiores de dívida dos EUA para compensar a falta de demanda externa. Isso levaria ao aumento da inflação de preços.)
Além disso, se os participantes começassem a sair do sistema de petrodólares (e, digamos, vender petróleo em euros), a demanda por dólares cairia, agravando os cenários em que o banco central está monetizando a dívida. Isso também geralmente contribuiria para uma maior inflação de preços, já que menos dólares são sugados para fora dos EUA por estrangeiros que compraram as dívidas dos EUA.
O resultado pode ser o declínio contínuo dos gastos do governo americano em serviços e o aumento da inflação de preços. A capacidade do governo americano de financiar sua dívida diminuiria significativamente, e os EUA precisariam recuar em compromissos militares, aposentadorias e muito mais. Ou isso, ou continuar gastando na mesma proporção e enfrentar uma espiral inflacionária.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do Zero Hedge: US Debt Got Us Hooked On Petrodollars... And On Saudi Arabia
Leitura recomendada:

3 comentários :

Marcos Zequias disse...

Eu li sobre a guerra do golfo, e como o regime de Saddam ameaçava o monarquia saudita, Osama Bin Laden ofereceu ajuda ao rei saudita, porém o regime saúdita aceitou a ajuda americana, no qual foi instalado bases americanas na arábia saudita,dessa forma a inimizade entre o Osama e o EUA começou, vale destacar que durante a ocupação soviética no Afeganistão, Osama era chamado de "combatente da liberdade" depois ficou clássificado como terrorista

Alexandre disse...

Soma-se a tudo isso o fato de que o maior consumidor de petróleo do planeta e todos os seus derivados ser simplesmente a máquina militar americana, a maior do mundo, ou seja, a menos que os americanos queiram esgotar suas próprias reservas, essa dependência pelo petróleo árabe irá perdurar por um bom tempo.

Cicero disse...

Há profecias de queda na economia americana pra este ano.