11 de dezembro de 2019

Igrejas fechando e mesquitas sendo abertas nos Estados Unidos


Igrejas fechando e mesquitas sendo abertas nos Estados Unidos

Julio Severo
Mais de 70% dos cidadãos dos EUA afirmam ser cristãos. Mesmo assim, 6.000 a 10.000 igrejas morrem a cada ano nos EUA — e esse número está crescendo. A maioria das denominações está em declínio como resultado de uma população cristã em declínio. É um problema tão sério que o jornal The Atlantic produziu a manchete “Epidemia de igrejas vazias nos EUA.”
Presidente republicano direitista americano Dwight D. Eisenhower inaugura grande mesquita em Washington DC em 1957
Enquanto as igrejas cristãs estão fechando na maior nação evangélica do mundo, mais e mais mesquitas estão sendo abertas. Havia cerca de 100 mesquitas nos EUA em 1970, mas a imigração islâmica levou à construção de centenas mais. Em 2000, havia 1.209 mesquitas nos EUA, que subiram para 2.106 em 2010 — um aumento de 74%.
Por que as igrejas estão fechando e mesquitas estão sendo abertas?
Dados do recenseamento dos EUA de 1850, quando os EUA tinham uma população de mais de 90% de evangélicos, mostram que as famílias tinham geralmente de seis a nove filhos. Hoje, as famílias dos EUA geralmente têm 1 ou 2 filhos, enquanto os imigrantes muçulmanos têm mais de 3 filhos.
Como as igrejas dos EUA vão parar de fechar se suas famílias não estão tendo bebês suficientes por décadas? Como as mesquitas islâmicas vão parar de crescer se suas famílias estão tendo muitos bebês?
Alguns poderiam culpar o presidente democrata esquerdista Barack Hussein Obama pela islamização dos EUA, mas a facilitação da islamização começou antes. Embora seu nome seja 100% islâmico, ela não começou com ele. Não começou também com o presidente republicano direitista George W. Bush, embora depois do atentado de 11 de setembro de 2001 ele tenha tratado o islamismo como “religião da paz.”
Provavelmente, começou com o presidente republicano direitista Dwight D. Eisenhower, que participou da cerimônia de inauguração de uma mesquita em Washington DC em 1957. Em seu discurso, Eisenhower falou sobre a beleza do islamismo e a liberdade religiosa nos EUA. Agora, o islamismo está desfrutando da liberdade religiosa dos EUA para se expandir na América e, em troca, os americanos estão desfrutando da “beleza” do islamismo: o 11 de setembro e muitos outros atentados terroristas islâmicos.
Eisenhower foi o primeiro presidente dos EUA a entrar em uma mesquita. Ele tirou os sapatos ao entrar. Esse é um ato de submissão, e o islamismo significa exatamente isso: submissão.
Tirar os sapatos é uma demonstração de respeito profundo. Só Deus, não o islamismo, merece tal respeito. Deus disse a Moisés:
“Tira as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é uma terra santa.” (Êxodo 3:5 King James Atualizada)
Uma mesquita não é terra santa e a presença de Deus não está naquele lugar. Uma mesquita é um lugar de islamismo, e islamismo é uma ideologia religiosa de violência.
Você pode tirar seus sapatos onde Deus está. Mas tirar seus sapatos num lugar onde Deus é ofendido é uma afronta a Deus. Um cristão jamais deveria tirar seus sapatos num lugar em que o islamismo é adorado.
Daniel na Babilônia mantinha um elevado cargo governamental sem “tirar seus sapatos” para outros deuses. O islamismo é outro deus, e se os presidentes americanos acham que o islamismo e o evangelicalismo americano são a mesma coisa, eles estão fazendo o que Daniel não fez: vendendo seu Cristianismo por amor de interesses comerciais dos EUA.
Daniel nunca vendeu seu Deus por amor dos interesses comerciais da Babilônia.
Em seu discurso na mesquita, o Centro Islâmico, Eisenhower disse:
É um privilégio participar desta cerimônia de inauguração. Encontrando-me com vocês agora, em frente a um dos prédios mais novos e mais bonitos de Washington, é apropriado que nos redediquemos ao progresso pacífico de todos os homens sob um único Deus.
E gostaria de garantir a vocês, meus amigos islâmicos, que, de acordo com a Constituição dos EUA, sob a tradição americana, e no coração dos americanos, esse Centro, esse local de culto, é tão bem-vindo quanto seria bem-vindo um prédio semelhante de qualquer outra religião. Aliás, os EUA lutariam com todas as forças pelo direito dos muçulmanos terem aqui sua própria igreja e adoração de acordo com sua própria consciência.
Esse conceito é na verdade uma parte importante dos EUA e, sem esse conceito, os americanos seriam algo que não são.
Os países que patrocinaram e construíram este Centro Islâmico contribuíram durante séculos para a construção da civilização. Com suas tradições acadêmicas e cultura rica, os países do islamismo acrescentaram muito para o avanço da humanidade. Inspirados por um senso de fraternidade, comum às nossas crenças mais íntimas, podemos aqui juntos reafirmar nossa determinação de garantir o fundamento de uma paz justa e duradoura.
A civilização deve ao mundo islâmico algumas de suas ferramentas e conquistas mais importantes. Das descobertas fundamentais da medicina aos mais altos mapas da astronomia, a genialidade muçulmana acrescentou muito à cultura de todos os povos. Essa genialidade tem sido um manancial de ciência, comércio e artes e proporcionou a todos nós muitas lições de coragem e hospitalidade.
Considero uma grande honra pessoal e oficial inaugurar o Centro Islâmico.
Eisenhower era um direitista profundamente anticomunista. Se você quiser saber o que um presidente direitista dos EUA pensa sobre o islamismo, basta ler as palavras de Eisenhower. Ou você também pode ler as palavras do presidente dos EUA, George Bush, que imediatamente depois do atentado terrorista de 11 de setembro de 2001 visitou o mesmo Centro Islâmico para fazer um discurso para dizer ao público americano e aos muçulmanos ao redor do mundo de que os terroristas islâmicos sauditas que atacaram os EUA não representam o verdadeiro islamismo. Ele disse:
A tradução para o inglês não é tão eloquente quanto o árabe original, mas permita-me citar o próprio Alcorão: “A longo prazo, o mal extremo será o fim daqueles que praticam o mal. Por isso eles rejeitaram os sinais de Alá e os levaram ao ridículo.”
A face do terrorismo não é a verdadeira fé do islamismo. Não é disso que se trata o islamismo. Islamismo é paz.
Quando pensamos no islamismo, pensamos em uma fé que traz conforto a um bilhão de pessoas em todo o mundo — bilhões de pessoas encontram conforto, consolo e paz.
Se os muçulmanos e sua religião representam a paz, quem não representa a paz? De acordo com Bush em seu discurso no Centro Islâmico, os americanos que se opõem ao islamismo “não representam o que é de melhor nos Estados Unidos. Eles representam o pior da humanidade e deveriam se vergonhar desse tipo de comportamento.”
Portanto, nessa definição, se você se opõe ao islamismo, você é antiamericano. Eu seria rotulado de “antiamericano” por dizer que o islamismo é o maior perseguidor de cristãos do mundo? Eu seria rotulado de “antiamericano” por dizer que o islamismo está por trás da maioria dos atentados terroristas no mundo?
Bush terminou seu discurso assegurando que os muçulmanos “amam os EUA tanto quanto eu.”
Depois de ler como os presidentes direitistas Eisenhower e Bush louvaram o islamismo e os muçulmanos como “pacíficos,” por que se preocupar com o que o presidente esquerdista Obama disse sobre o islamismo? Obama foi apenas o resultado natural da tolice de Eisenhower e Bush, a qual pode produzir muitos outros muçulmanos proeminentes na política dos EUA, inclusive presidentes.
O fundamento da islamização dos EUA se encontra na tolice direitista de Eisenhower.
Se o terrorismo, a violência e a perseguição maciça de cristãos não representam o islamismo, então por que, há mais de 100 anos, Winston Churchill descreveu sobre o islamismo a mesma realidade que vemos hoje? Ele disse,
“A religião muçulmana aumenta, em vez de diminuir, a fúria da intolerância. Foi originalmente propagada pela espada e, desde então, seus devotos têm sido sujeitos, acima do povo de todos os outros credos, a essa forma de loucura… Quão terríveis são as maldições que o islamismo lança sobre seus devotos! Além do frenesi fanático, que é tão perigoso em seres humanos quanto a hidrofobia em cães, existe essa apatia fatalista terrível. Os efeitos são evidentes em muitos países. Hábitos desleixados, sistemas de agricultura desleixados, métodos de comércio lentos e insegurança da propriedade existem onde quer que os seguidores de Maomé governem ou morem.”
Quem mentiu? Eisenhower e Bush viam o islamismo como uma fonte de paz e progresso, mas Churchill via o islamismo como uma fonte de violência e decadência. Pelos padrões de Eisenhower e Bush, Churchill seria rotulado como “antiamericano.”
Pergunto-me por que Eisenhower, como presidente direitista, “abençoou” a inauguração de uma mesquita na capital do governo dos EUA. Presidentes de nações islâmicas nunca participam da inauguração de igrejas cristãs. Eles nem tentam, muitas vezes, impedir a perseguição maciça de cristãos em suas nações.
O prédio do Centro Islâmico em Washington DC foi financiado pela Turquia e outras nações islâmicas. Nunca vejo presidentes islâmicos tirando os sapatos para entrar em uma igreja cristã e inaugurá-la. Nunca vejo presidentes islâmicos louvando o Cristianismo e abençoando a inauguração de uma igreja cristã em suas próprias nações, apenas como uma retribuição justa aos louvores pró-islamismo de Eisenhower e Bush. Aliás, nunca vejo o presidente da Turquia devolvendo aos cristãos Hagia Sophia, a mais antiga catedral cristã do mundo, e centenas de igrejas armênias tomadas por muçulmanos.
Enquanto os presidentes dos EUA louvam o islamismo e seu crescimento nos EUA, os presidentes islâmicos não louvam o Cristianismo e fazem tudo o que podem para impedir seu crescimento. Então, quem é verdadeiramente submisso? Enquanto os muçulmanos estão tornando os ocidentais submissos ao islamismo, os próprios ocidentais estão aceitando ser submissos.
Vejamos a matemática que trouxe a islamização para os EUA: direitista pró-mesquita Eisenhower + direitista pró-mesquita Bush = esquerdista pró-mesquita Obama. Os presidentes direitistas pró-mesquita conseguiram o que pediram: um presidente esquerdista pró-mesquita.
Portanto, os direitistas não podem se queixar da islamização dos EUA. Eles são a parte fundamental do problema. Eles, não os esquerdistas, foram pioneiros em atitudes pró-mesquita.
Os evangélicos, que desde os peregrinos eram a força fundamental no nascimento dos EUA, são a verdadeira esperança dos EUA na crença de que somente Jesus Cristo e Sua poderosa Palavra podem ajudar os EUA. Os evangélicos, mais do que direitistas e esquerdistas, podem recuperar o antigo padrão americano da Bíblia como o centro da cultura.
No entanto, como os evangélicos conseguirão ajudar os EUA se eles não estão cuidando de seu próprio futuro e do futuro de suas igrejas tendo o mesmo número de bebês que as famílias evangélicas americanas tinham 150 anos atrás?
O mesmo Eisenhower que foi o primeiro presidente americano a louvar o islamismo dentro de uma mesquita também pediu controle de natalidade a todos ao redor do mundo. E o controle da natalidade é a chave para o islamismo avançar no Ocidente. Eisenhower não percebeu que estava implementando as medidas exatas que estão facilitando a expansão islâmica nos EUA e em outras nações ocidentais.
Com o presidente democrata americano Harry Truman, Eisenhower atuou como co-presidente de um comitê de Planned Parenthood. Planned Parenthood é a maior organização de planejamento familiar e aborto do mundo.
Felizmente, o presidente republicano conservador dos EUA Ronald Reagan não tinha o mesmo amor de Eisenhower por Planned Parenthood. Reagan removeu o financiamento à organização do aborto em todo o mundo. Para o governo Reagan, mais pessoas significavam mais idéias, mais produtividade e mais consumidores.
Embora Reagan tenha se destacado em posturas pró-vida e anticomunistas, houve uma grande tragédia: sob seu governo direitista os EUA começaram a importar muçulmanos da Somália.
A “glória” de louvar o islamismo e “abençoar” a inauguração da primeira e maior mesquita da capital dos EUA não pertence a um presidente esquerdista. Pertence a um presidente direitista. Quando Eisenhower louvou o islamismo e “abençoou” a inauguração de uma mesquita em Washington DC, os EUA acolheram o islamismo e seus espíritos assassinos.
Jesus deu a seus discípulos a autoridade para expulsar demônios. Como a maior nação evangélica do mundo, os EUA deveriam saber como lidar com espíritos islâmicos. Mas também existem medidas não espirituais. Proibir a imigração islâmica, uma promessa (não-cumprida) de Trump em 2016, é uma boa medida.
O problema da imigração aumentou porque as famílias americanas não estão tendo bebês suficientes. Onde a população não está se reproduzindo em número suficiente, a imigração é necessária.
Portanto, por não ter de 6 a 9 filhos por família cristã, os EUA estão vendo menos e menos bebês cristãos por ano, fechando milhares de igrejas por ano, acolhendo milhares de imigrantes islâmicos por ano e vendo um aumento ininterrupto de bebês e mesquitas islâmicos.
O islamismo louvado por Eisenhower está abrindo mesquitas nos EUA. O controle da natalidade louvado por ele está fechando as igrejas cristãs reduzindo as famílias cristãs nos EUA. Se você louva a tolice, você colhe a tolice.
Com informações de The Atlantic, White House History, Oldest, WND, New York Times, Marie Claire, Wikipedia e Quartz.
Leitura recomendada:

6 comentários :

Marcelo Victor disse...

TRATA-SE DE UM MOVIMENTO DIABÓLICO MUNDIAL, DE TAL FORMA QUE, SE NÃO FOR POR FALTA DE MÃO DE OBRA, OS MUÇULMANOS ACABAM INVADINDO AS NAÇÕES EM TROCA DE DINHEIRO, COMO OCORREU COM O BRASIL DO PATRIOTA BOLSONARO.
ATRÁS DE POPULARIDADE, BOLSONARO ACEITOU ESMOLAS DOS ÁRABES E SE VANGLORIOU DE QUE ESTAVA FAZENDO UM GRANDE NEGÓCIO PARA O FUTURO DA NAÇÃO...RESULTADO: ESCANCAROU NOSSAS FRONTEIRAS PRA ESSA DOUTRINA TERRORISTA DO INFERNO.

Thel disse...

Estamos vivendo a apostasia e os últimos momentos na Terra.
As igrejas de portas largas, as mega-igrejas que não pregam contra o pecado e contra o secularismo, estão cheias de almas a caminho da perdição. Essas não fecham, porque elas agradam a Satanás.
Nunca vi uma geração de crentes tão vazia e sem o Espírito Santo de Deus como essa, até para expulsar demônios é difícil.
O livro de Apocalipse está perto de ser cumprido.
Aquele que é limpo, limpe-se mais; aquele que é sujo, suje-se mais. Jesus está às portas!

Marcelo Victor disse...

Nessa realidade caótica, não sei como irá se encaixar o dito escriturístico:
Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição. 1 Tessalonicenses 5:3

Edgar disse...

Churchil pregou contra o islamismo mas sempre teve a dinastia Saud como aliada de primeira ordem. Muito dinheiro britanico ajudou a dinastia Saud a implementar o wahhabismo, uma ideologia sunita radical que esta por tras dos principais grupos terroristas islamicos (Estado Islamico).
O numero elevado de filhos nao tem haver com religião, mas com o sistema economico. No Irã que tem uma economia mais avancada, o indice de natalidade é semelhante aos paises ocidentais. Na Africa subsariana, as familias cristãs costumam ter muitos filhos.

Pr Henrique EBD NA TV 99-99152-0454 disse...

Falta de DEUS na Igreja Americana. O mesmo fenômeno está acontecendo no Brasil. Muita Teologia sem o TEOS. Nem metade da Igreja Pentecostal é batizada no ESPÍRITO SANTO. Menos de 1% dos membros possuem algum Dom do ESPÍRITO SANTO. A EBD não atinge mais 30 % de seus membros. É o Caos se instalando.

ÉLQUISSON disse...

Respondendo ao Thel, ao Marcelo Victor, ao Edgar, e ao pastor Henrique

Amados irmãos,

Não sei se a opinião que eu vou dar aqui vai ser muito apropriada (ou muito pertinente) para o assunto deste artigo, mas eu vou dizer exatamente o que eu penso (me corrijam se eu estiver errado):

Segundo o pessoal antigo conta, a nação americana nasceu e cresceu sob o temor e a obediência à Palavra de Deus. Enquanto se manteve assim, prosperou em todos os sentidos.

Só que, com o passar do tempo, o desenvolvimento material, científico, e financeiro fez com que os Estados Unidos começasse, aos poucos, a negligenciar a obediência à Palavra de Deus. Sem contar que a influência da Maçonaria (e de outras filosofias diabólicas) também contribuiu muito para aumentar essa mesma negligência. E também houve um outro fator que agravou ainda mais esse processo: a retirada do ensino religioso das escolas americanas a partir dos anos 60 (coincidência ou não, foi na mesma década que teve o início do movimento feminista). Em suma: os Estados Unidos passou a não dar mais prioridade à obediência à Palavra de Deus!

E quando isso acontece, qual o resultado? Muito simples: a partir do momento em que uma nação despreza a obediência à Palavra de Deus e passa a confiar somente em sua própria sabedoria, ela fica espiritualmente desprotegida e se torna uma presa fácil para os ataques do diabo e dos demônios (e também de todo tipo de pecado, vício, heresia, seita demoníaca, falsas profecias, e falsos profetas). É como bem disse o profeta Jeremias:

"Maldito o homem que confia no homem, que faz da carne o seu braço, e que aparta o seu coração do Senhor" (Jeremias 17:5)

O que está acontecendo hoje nos Estados Unidos nada mais é do que a conseqüência do abandono total da verdadeira fé cristã. Em outras palavras: a nação americana agora está colhendo os frutos de pouco mais de 50 anos do seu desprezo à obediência à Palavra de Deus!

O maior erro dos Estados Unidos foi exatamente este: trocar Jesus por Satanás! E o que é pior: foi um erro deliberado (ou seja, foi feito de forma consciente)! No dia do juízo final, este mesmo erro vai ser seriamente cobrado! É como Jesus diz na Sua Palavra:

"Por que vós Me chamais de Senhor, e não fazeis o que Eu digo?" (Lucas 6:46)

"E aquele a quem muito foi dado, muito mais lhe será exigido" (Lucas 12:48)

Muito foi dado aos Estados Unidos (no caso, o conhecimento da Palavra de Deus). Só que agora muito mais vai ser exigido (a obediência à mesma Palavra). Logo, os responsáveis pelo destino moral e espiritual dos Estados Unidos fatalmente irão prestar contas da sua negligência na obediência à Palavra de Deus! O livro de Hebreus adverte sobre isso de forma muito séria:

"Pois se continuarmos a praticar voluntariamente o pecado, depois de já termos recebido o conhecimento da verdade, já não haverá mais sacrifício pelos pecados; mas uma terrível expectativa de juízo, e ardor de fogo, que há de devorar os adversários. Quebrantando alguém a lei de Moisés, morre sem misericórdia, só pela palavra de duas ou três testemunhas. De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue da aliança com que foi santificado, e fizer agravo ao Espírito da graça? Porque bem conhecemos Aquele que disse: Minha é a vingança, Eu darei a recompensa, diz o Senhor. E outra vez: O Senhor julgará o Seu povo. Coisa horrível é cair nas mãos do Deus vivo" (Hebreus 10:26–31)

Tomara que os Estados Unidos "desperte" o mais rápido possível dessa sua indiferença moral e espiritual antes que seja eternamente tarde demais!

P.S: Se alguém daqui quiser dizer alguma coisa, esteja à vontade