20 de fevereiro de 2019

Nova iniciativa de Trump: Legalizar a homossexualidade em todos os países


Nova iniciativa de Trump: Legalizar a homossexualidade em todos os países

Comentário de Julio Severo: O governo Trump não é conhecido por combater o “casamento” gay e outros itens da agenda gay. Mas Richard Grenell, o ativista homossexual mais importante do governo Trump, sempre lutou pelo “casamento” gay e agora ele está usando todo o poder do governo americano para avançar uma iniciativa para legalizar o homossexualismo no mundo inteiro. À primeira vista, é só uma iniciativa para trazer direitos humanos — o mesmo tipo de retórica usada pela esquerda. Para entender o que é essa iniciativa do governo americano, você precisa primeiro entender quem é o ativista gay Grenell. Leia relato sobre ele escrito por Peter LaBarbera aqui. Leia meu artigo aqui. E leia agora o artigo abaixo, do WND:
Richard Grenell
O homossexual mais destacado no governo Trump está liderando uma iniciativa para descriminalizar a homossexualidade em dezenas de países onde ela ainda é ilegal.
O noticiário da TV NBC News, citando funcionários do governo Trump, informou que a iniciativa liderada pelo embaixador americano na Alemanha, Richard Grenell, tem como objetivo em parte denunciar o Irã por seu histórico de direitos humanos.
A embaixada dos EUA em Berlim na terça-feira está trazendo de avião ativistas LGBT de toda a Europa para um encontro estratégico, com direito a jantar.
O plano se concentra principalmente em países do Oriente Médio, África e Caribe.
“É preocupante que, no século 21, cerca de 70 países continuem a ter leis que criminalizam o status ou a conduta LGBTI,” disse à NBC um funcionário dos EUA envolvido na organização do evento.
Provavelmente, o governo Trump trabalhará essa iniciativa, ainda na fase inicial de desenvolvimento, com a ONU, a União Europeia e a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa. A Secretaria de Democracia, Direitos Humanos e Trabalho do Departamento de Estado, entre outras agências dos EUA, também participará.
Essa campanha está estritamente focada na criminalização, em vez de questões mais amplas, como o casamento entre pessoas do mesmo sexo, disse a NBC.
Foi concebida em parte como resposta ao recente relato de uma execução por enforcamento de um jovem gay no Irã.
A NBC ressaltou que os europeus não apoiaram a atitude do governo Trump de deixar o acordo nuclear com o Irã de 2015 e a reimposição de sanções. Reformular o Irã como uma questão de direitos humanos poderia ajudar os Estados Unidos e a Europa a chegarem a um acordo sobre a política em relação ao regime liderado pelo mulá.
“As execuções públicas bárbaras são muito comuns em um país onde as relações homossexuais consensuais são criminalizadas e punidas com açoitamento e morte,” disse Grenell.
Contudo, essa estratégia pode alienar aliados no mundo árabe com os quais Trump vem fortalecendo os laços.
Na Arábia Saudita, a homossexualidade pode ser punida com a morte. Um relatório de 2017 da Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexuais revelou 72 nações que criminalizam a homossexualidade.
A NBC observou que, como candidato, Trump, apesar de ambíguo em relação a muitas questões de direitos homossexuais, foi o primeiro candidato republicano a mencionar direitos LGBT em seu discurso de aceitação na Convenção Nacional Republicana.
O secretário de Estado Mike Pompeo, que é evangélico, está apoiando a iniciativa diplomática para combater a violência e a discriminação contra indivíduos LGBT, disse a NBC, citando autoridades dos EUA. Pompeo declarou em sua audiência de confirmação no Senado: “Acredito profundamente que os indivíduos LGBTQ têm todo o direito que qualquer outra pessoa no mundo teria.”
Grenell está sob consideração para ser o embaixador de Trump na ONU. Ele já foi porta-voz do embaixador dos EUA na ONU quando John Bolton ocupou o cargo. Bolton é agora o conselheiro de segurança nacional de Trump.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): New Trump push: Make homosexuality legal everywhere
Leitura recomendada:

Nenhum comentário :