3 de junho de 2018

A verdade prevalece: a ciência confirma novamente o Gênesis


A verdade prevalece: a ciência confirma novamente o Gênesis

Bryan Fischer
Quando as pessoas tentarem lhe dizer que a ciência e a Bíblia estão em conflito, não acredite nelas.
Ora, com certeza, pode haver um conflito entre a má ciência e a boa teologia, ou entre a má teologia e a boa ciência, mas é impossível haver um conflito entre a boa ciência e a boa teologia, pela simples razão de que Deus é o autor de ambas.
Uma pesquisa genética extremamente importante confirmou que o melhor da ciência é perfeitamente coerente com o melhor da teologia. Esse estudo, que deve abalar a teoria da evolução até às suas raízes, provavelmente será ocultado pela grande mídia maliciosa, porque não se encaixa em sua narrativa. (Note, a propósito, que a evolução é uma teoria, não um fato. Não deixe mentirem para você sobre isso.)
Neste artigo sísmico no site www.phys.org, uma pesquisa genética abrangente revela novos aspectos da evolução, relata o autor Marlowe Hood sobre um estudo de cinco milhões de imagens instantâneas de genes — chamados de “códigos de barras do DNA” — que estão depositados no banco de dados do GenBank, que é gerenciado pelo governo dos EUA.
Esses códigos de barras de DNA foram retirados de cerca de 100.000 espécies de animais por pesquisadores de todo o mundo. Os resultados foram publicados na semana passada por Mark Stoeckle, da Universidade Rockefeller, em Nova Iorque, e David Thaler, da Universidade de Basel, na Suíça. Essas descobertas “certamente atrapalharão, se não derrubarem, mais de uma ideia consagrada sobre como a evolução se desenvolve.” Esse é o eufemismo do ano.
Essas descobertas são mais como uma bomba atômica explodindo sob o embuste da evolução darwiniana. Esse estudo, curiosamente, foi motivado por um teste genético portátil que é usado para pegar em flagrante bares de sushi que tentam passar tilápia como se fosse atum.
A primeira bomba nuclear é — prepare-se para isso — que praticamente todos os seres vivos vieram a existir mais ou menos ao mesmo tempo.
“O resultado mais surpreendente do estudo, talvez, é que nove entre dez espécies na Terra hoje, inclusive os seres humanos, vieram a existir entre 100.000 e 200.000 anos atrás. Essa conclusão é muito surpreendente, e eu lutei contra ela o mais que pude,” disse Thaler à AFP.
Essa reação é compreensível: Como alguém explica o fato de que 90% da vida animal, geneticamente falando, é mais ou menos da mesma idade? (Ênfase minha por toda parte).
“Surpreendente,” realmente. Mais como vulcanicamente explosivo. E a questão é absolutamente profunda: como a evolução pode ser verdadeira quando a evidência científica, baseada nas melhores pesquisas genéticas, revela que todos os seres vivos vieram à existência mais ou menos ao mesmo tempo?
Se esse estudo é válido, a evolução não pode ser verdade, porque a evolução procura nos convencer de que todos os seres vivos vieram a existir através de um processo tedioso que levou milhões e milhões de anos e consistiu de pequenos avanços incrementais na vida animal produzidos por mutações genéticas benéficas que são praticamente desconhecidas no mundo natural.
Os pesquisadores estão aos tropeços tentando encontrar uma explicação evolucionária remotamente plausível para o surpreendente fato de que todos os seres vivos têm a mesma idade. Os vírus, as eras glaciais, os novos competidores e a perda de fontes de alimentos são todos apresentados, de modo hábil, mas pouco convincente, para dar uma cobertura darwiniana a uma teoria que é, de modo óbvio, fatalmente falha.
Eis está a citação de proporções sísmicas: “Ao analisar os códigos de barras em 100.000 espécies, os pesquisadores descobriram um sinal revelador de que quase todos os animais surgiram mais ou menos na mesma época que os seres humanos.”
Como realmente explicamos o fato de que toda vida animal é da mesma idade? Olhe, cientistas criacionistas e estudantes da Bíblia têm uma explicação perfeitamente coerente. A razão pela qual todas as criaturas vivas, inclusive os seres humanos, são da mesma idade é que o Criador as criou todas ao mesmo tempo, exatamente como Gênesis 1 nos diz.
O estudo revela outra descoberta chocante, que também é fatal para a teoria da evolução. Embora a evolução darwinista exija um número incontável de formas transicionais, formas que estão em algum lugar entre uma forma de vida e outra, o registro fóssil não possui fósseis transicionais para os quais uma posição confiável possa ser justificada, nem um só.
O próprio Darwin reconheceu o problema dos elos perdidos em sua própria época, e acreditava otimistamente que o tempo resolveria esse problema — ele imaginou que, à medida que mais e mais fósseis fossem descobertos, finalmente seriam encontrados elos perdidos. Infelizmente para Darwin, a verdade é que temos menos elos hoje do que na época dele, já que os avanços da ciência têm revelado que as formas outrora consideradas de transição não são de forma alguma formas de transição.
Como Stephen Jay Gould, um dos mais proeminentes paleontólogos do mundo, disse: “A extrema raridade das formas de transição no registro fóssil persiste como o segredo comercial da paleontologia.”
Isso prepara o terreno para a segunda citação absolutamente revolucionária do artigo. “E ainda — outra descoberta inesperada do estudo — espécies têm limites genéticos muito claros, e não há nada de interessante no espaço intermediário.” Em outras palavras, a razão pela qual nenhuma forma de transição foi encontrada é bem simples: não há nenhuma.
Existem limites genéticos fixos entre uma forma de vida e outra e entre uma espécie e outra, e absolutamente nenhuma evidência genética de quaisquer supostos “elos perdidos.”
Onde encontramos uma explicação das origens que se encaixe nessa descoberta? Ah, sim, em Gênesis 1, onde nos é dito 11 vezes que cada uma das formas de vida que Deus criou se reproduz “de acordo com sua espécie.” Em outras palavras, a Bíblia nos ensina que quando Deus criou todos os seres vivos, havia “limites genéticos muito claros” entre eles.
Então nós temos uma escolha. Podemos seguir uma explicação das origens — a evolução — que é contraindicada por praticamente tudo o que sabemos ser cientificamente verdadeiro, da genética à biologia e à paleontologia, ou podemos seguir uma explicação que se encaixa perfeitamente no que a Palavra de Deus diz. Eu não sei quanto a você, mas quanto a mim e minha casa, estamos seguindo a Palavra de Deus. Senhoras e senhores, NÃO DUVIDEM DA BÍBLIA.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do BarbWire: The Truth Prevails: Science Confirms Genesis AGAIN
Outros artigos de Bryan Fischer:
Leitura recomendada sobre a teoria da evolução:

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Esta seção é moderada conforme opção democrática do Blogger para limitar excessos e outros tipos de interferência na interação do público com este blog. Portanto, todas as opiniões, comentários e textos estão sujeitos à avaliação do moderador. Manifestações insensatas, tolas, ridículas e desrespeitosas não são bem-vindas neste blog. Opiniões sensatas são mais que bem-vindas. Aos que querem fazer cobranças neste espaço, é imprescindível a apresentação do perfil oficial. O moderador se reserva o direito de publicar ou não comentários de questionadores anônimos, sem nenhuma identificação válida e verificável.