8 de fevereiro de 2018

Facebook exclui Israel e inclui Palestina


Facebook exclui Israel e inclui Palestina

Julio Severo
O Facebook deveria parar sua exclusão vergonhosa de Israel. Essa é a opinião de Dov Hikind, deputado estadual do Partido Democrático no Estado de Nova Iorque, EUA. Hikind diz que, ao escolher uma foto de fundo para perfil, o Facebook dá aos usuários a opção de 50 nacionalidades. Essas opções, ele afirma, incluem a Palestina, mas Israel está visivelmente ausente.
“A Palestina não é nem um país,” disse Hikind. “Como é que virou uma opção? Olha, todos sabemos a resposta para isso.”
“Mark Zuckerberg já foi citado dizendo: ‘Como judeu, meus pais me ensinaram que precisamos confrontar ataques contra todas as comunidades.’ Estou pedindo que o Sr. Zuckerberg vá ao fundo desse ataque aos judeus e israelenses. A exclusão de Israel do Facebook, uma empresa de comércio público, enquanto a Palestina é incluída, não é por acaso — é um insulto racista propositado que precisa ser tratado imediatamente.”
Muitas vezes os piores inimigos dos judeus são… os próprios judeus. Ainda que sua postura contra a atitude anti-Israel do Facebook seja louvável, Hikind é um político judeu do Partido Democrático, que não é amigo de Israel no que se refere à Bíblia. Tradicionalmente, o Partido Democrático, de Barack Obama e Hillary Clinton, é hostil a Israel. Mesmo assim, tradicionalmente a população judaica nos Estados Unidos apoia em grande parte o Partido Democrático.
Então Zuckerberg não é o único judeu americano que é traiçoeiro para Israel. Outros exemplos de judeus traiçoeiros são:
* Karl Marx, um dos mais famosos judeus na história, era anti-judeu ao defender o marxismo, que é fundamentalmente contra as Escrituras judaicas. Ele era um judeu que negava suas raízes judaicas.
* George Soros, bilionário judeu capitalista-socialista, tem investido em toda causa anti-Israel. Ele também tem negado suas raízes judaicas.
* Henry Kamen, um dos mais famosos judeus revisionistas, tem sido anti-judeu ao defender o revisionismo da Inquisição, que é fundamentalmente contra a enorme bibliografia judaica sobre a Inquisição. Ele também tem negado suas raízes judaicas.
Isso é um contrassenso, pois o dono do Facebook, sendo um judeu americano que vive no país mais evangélico do mundo, sabe que judeus e evangélicos são grandes vítimas do islamismo. Por que então favorecer o islamismo? Por que censurar a mim, um evangélico brasileiro que defende Israel? Por que censurar a mim, um evangélico brasileiro que defende os cristãos que são vítimas da violência islâmica sistemática?
A resposta é simples: Se o Facebook pode excluir Israel, pode censurar qualquer evangélico pró-Israel.
Com informações do Israelnationalnews.
Versão em inglês deste artigo: Facebook excludes Israel and Includes Palestine
Leitura recomendada sobre o Facebook:

3 comentários :

  1. Nem todos de Israel podem ser chamados de israelitas,a Bíblia já disse isso,mas é fácil entender as motivações do Zuckerberg,é só prestar atenção na quantidade de islâmicos e na de judeus,eles querem fazer média com quem lhes dê maior acesso.

    ResponderExcluir
  2. A CCB retirou todas as referências a Israel do seu hinário. Em seus mapas muitas bíblias indicam a Palestina nos tempos de Jesus, sendo que nesse tempo não havia Palestina.

    ResponderExcluir
  3. Maldição caíra sobre o Facebook!!!💀

    ResponderExcluir

Esta seção é moderada conforme opção democrática do Blogger para limitar excessos e outros tipos de interferência na interação do público com este blog. Portanto, todas as opiniões, comentários e textos estão sujeitos à avaliação do moderador. Manifestações insensatas, tolas, ridículas e desrespeitosas não são bem-vindas neste blog. Opiniões sensatas são mais que bem-vindas. Aos que querem fazer cobranças neste espaço, é imprescindível a apresentação do perfil oficial. O moderador se reserva o direito de publicar ou não comentários de questionadores anônimos, sem nenhuma identificação válida e verificável.