8 de janeiro de 2018

“Fogo e Fúria”: Quando lixo vira best-seller nos Estados Unidos


“Fogo e Fúria”: Quando lixo vira best-seller nos Estados Unidos

Julio Severo
Pequenas cidades do interior são notórias por fofocas. Se você quiser escapar de difamações, fuja das cidades do interior e viva numa cidade grande.
Esse conselho é inútil para o presidente americano Donald Trump. Ele vive numa cidade grande — aliás, a cidade mais poderosa do mundo —, mas não consegue escapar de fofocas e difamações.
O ataque mais recente veio do livro “Fire and Fury: Inside the Trump White House” (Fogo e Fúria: Dentro da Casa Branca de Trump), escrito por Michael Wolff. O livro dele virou best-seller nos Estados Unidos. Aliás, antes de seu lançamento em 5 de janeiro, o livro e o e-book alcançaram a posição número 1 na Amazon e Loja da Apple iBooks.
“Fogo e Fúria,” de acordo com a Voz da América, uma fonte noticiosa do governo dos EUA, “é agora o livro mais vendido na Amazon. Na capital dos EUA, as pessoas aguardaram do lado de fora das livrarias em temperatura extremamente fria para comprar o livro.”
A CBS News publicou a manchete: “Livro explosivo ‘Fogo e Fúria’ vira best-seller número 1 em listas, compras disparadas esvaziam estoques de livrarias.”
Li algumas páginas de “Fogo e Fúria” e sua essência, substância e alma é a fofoca. O Dicionário Merriam-Webster define fofoca como “informações sobre a conduta e vidas pessoais de outras pessoas.”
Como é que fofocas contra Trump viraram best-seller nos Estados Unidos?
O que a Bíblia diz sobre fofoca?
“Não espalhem calúnias entre o seu povo. ‘Não se levantem contra a vida do seu próximo. Eu sou o Senhor.’” (Levítico 19:16 NVI)
“O fofoqueiro vive espalhando segredos; portanto, evite a companhia de quem fala demais.” (Provérbios 20:19 NVT)
Alguns poderiam perguntar: “Mas, Trump não ‘fofocou’ contra Bush sobre a Guerra no Iraque?” De fato, durante sua campanha, Trump disse que o governo de Bush mentiu sobre suas razões para invadir o Iraque. Trump disse que ele se opôs a tal invasão. Cristãos no Iraque pagaram um preço muito alto pela decisão ruim de Bush. A comunidade cristã iraquiana, que tinha mais de 2 milhões de pessoas antes da invasão dos EUA, tem agora menos de 400.000.
Excetuando o fiasco do Iraque e outros desastres de sua política externa neocon, Bush foi injustamente difamado durante seu governo, com todos os tipos de fofocas políticas. Esquerdistas não o pouparam. Livros foram também escritos contra ele, inclusive “The I Hate George W. Bush Reader: Why Dubya Is Wrong About Absolutely Everything” (Manual Dos que Odeiam George W. Bush: Por Que Bush Está Errado Acerca de Absolutamente Tudo), escrito por Clint Willis, e “The Lies of George W. Bush: Mastering the Politics of Deception” (As Mentiras de George W. Bush: Tornando-se Especialista na Política de Enganar) escrito por David Corn.
Bush era difamado por toda a esquerda, e os conservadores o defendiam como se ele fosse totalmente correto — sem reconhecerem sua submissão aos neocons e sua ideologia canibalisticamente belicista. É o mesmo problema de Trump.
Do mesmo jeito que esquerdistas difamavam Bush e Ronald Reagan então, agora eles difamam Trump. Nunca vi um presidente tão xingado quanto Bush e Reagan eram — até chegar Trump.
Mas Trump não atacou os assuntos particulares de Bush. Trump não tocou na vida pessoal de Bush. Ele atacou as decisões ruins de Bush que resultaram na Guerra do Iraque, a qual foi um desastre humanitário para os cristãos.
De forma semelhante, pessoas preocupadas com a perseguição aos cristãos podem questionar as decisões de Trump sobre política externa que resultam em sofrimento para os cristãos, principalmente a dificuldade dele de tornar os EUA independentes da Arábia Saudita, o principal patrocinador do terrorismo islâmico anticristão do mundo.
Em sua campanha eleitoral de 2016, Trump prometeu reduzir as intervenções dos EUA em outras nações, e os neocons ficaram enfurecidos com ele, pois eles usam os governos republicanos e democratas dos EUA para manter os EUA em guerras e intervenções eternas. Agora o governo de Trump faz exatamente o que os neocons querem. Criticar o fato de que ele se afastou de sua política anti-neocon é fofoca? Não, assim como a atitude dele de dizer que Bush mentiu não é fofoca.
Se Michael Wolff tivesse focado na incapacidade de Trump cumprir suas posturas não-intervencionistas na política externa em 2016, os evangélicos conservadores, que foram a principal base eleitoral dele, poderiam aplaudir o livro de Wolff. Mas o foco dele foram os assuntos particulares de Trump. Foi a vida pessoal de Trump. Isso é fofoca.
Não encontrei nada útil em “Fogo e Fúria.” É lixo em página após página.
Só pessoas doentes aguardariam do lado de fora das livrarias em temperatura extremamente fria para comprar lixo.
Só numa sociedade doente fofoca vira best-seller.
Leitura recomendada:

2 comentários :

  1. Mas convenhamos ele promoveu essa atmosfera toda , se hoje a politica se encontra nesse estagio , graças a ele ,ele só conseguiu ganhar a eleição graças ao seu estilo barraqueiro , mas eu prefiro acreditar ele só esta lá por provisão divina pois nem ele acreditava . Deus tem um proposito com isto , Trump é só a figura de um tempo doque Deus esta por fazer.

    ResponderExcluir
  2. Esse livro até chegou na editora Saraiva.
    Confira o site: https://www.saraiva.com.br/fogo-e-furia----por-dentro-da-casa-branca-de-trump-9974411.html

    ResponderExcluir

Esta seção é moderada conforme opção democrática do Blogger para limitar excessos e outros tipos de interferência na interação do público com este blog. Portanto, todas as opiniões, comentários e textos estão sujeitos à avaliação do moderador. Manifestações insensatas, tolas, ridículas e desrespeitosas não são bem-vindas neste blog. Opiniões sensatas são mais que bem-vindas. Aos que querem fazer cobranças neste espaço, é imprescindível a apresentação do perfil oficial. O moderador se reserva o direito de publicar ou não comentários de questionadores anônimos, sem nenhuma identificação válida e verificável.