16 de julho de 2010

Começa processo contra organização de escoteiros por discriminação aos homossexuais

Começa processo contra organização de escoteiros por discriminação aos homossexuais

James Tillman
FILADÉLFIA, PA, EUA, 16 de junho de 2010 (Notícias Pró-Família) — Na terça-feira, argumentos iniciais foram ouvidos num caso envolvendo o Conselho de Escoteiros Berço da Liberdade, que está desafiando a decisão da prefeitura de Filadélfia de despejar o Conselho de um prédio que ele construiu e tem mantido desde 1929. A prefeitura disse que executaria o despejo a menos que o Conselho rejeitasse a política da organização Escoteiros Mirins dos EUA de proibir homossexuais assumidos de fazerem parte.
No caso Escoteiros Mirins dos EUA versus Dale de 2000, o Supremo Tribunal dos Estados Unidos decidiu por 5-4 que os Escoteiros Mirins dos EUA (EME) têm o direito constitucional de proibir homossexuais assumidos de serem membros ou líderes de tropas.
Contudo, a prefeitura argumentou que embora o Conselho tenha a liberdade de exercer seu direito de Primeira Emenda de criar suas próprias políticas, não tem liberdade de receber benefícios da cidade ao violar suas leis anti-discriminação.
A prefeitura havia dito aos escoteiros que a menos que paguem $200.000 por ano em aluguel pela propriedade, eles terão de sair ou mudar suas normas.
O Conselho do Berço da Liberdade diz que a câmara municipal está cometendo discriminação na sua aplicação das leis anti-discriminação.
Eles argumentam que outras organizações privadas que discriminam quanto a quem pode ser membro, tais como uma paróquia católica romana e as Damas Coloniais dos EUA, também gozam aluguéis subsidiados e não sofrem ameaças de fim de seus acordos de aluguel.
As Damas Coloniais, por exemplo, limitam admissão de membros somente para americanas que tenham um descendente direto que viveu numa colônia antes de 1750 e que tenha servido seu país antes de 4 de julho de 1776.
O prédio em questão foi construído com dinheiro dos próprios escoteiros 80 anos atrás. Desde aquele tempo, o Conselho tem pagado todos os custos ligados à manutenção, conserto e melhoria do prédio. A propriedade em que está o prédio foi entregue aos escoteiros com a compreensão de que os escoteiros poderiam permanecer no prédio Beaux Arts “em perpetuidade”.
A liderança do Berço da Liberdade desde então fez renovações no prédio ao custo de mais de 2 milhões de dólares. O Conselho do Berço da Liberdade serve mais de 87.000 meninos e adolescentes da região; o prédio da Filadélfia é uma de suas duas sedes.
A organização de escoteiros exige que os membros sejam “moralmente direitos” e “puros em pensamentos, palavras e ações”, e uma declaração deles de 1991 exclui a conduta homossexual.
O juiz Ronald L. Buckwalter dirigirá o julgamento. Buckwalter expediu um mandado em 2009 proibindo os escoteiros de serem despejados antes do julgamento.
Veja notícias relacionadas em LifeSiteNews.com:
Philadelphia Boy Scouts to Lose Historic Building for Not Accepting Homosexuality
http://www.lifesitenews.com/ldn/2007/dec/07121107.html
Philly City Council Ends 79-Year Boy Scout Lease Over Refusal to Accept Homosexual Leaders
http://www.lifesitenews.com/ldn/2007/jun/07060104.html
Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com
Veja também este artigo original em inglês: http://www.lifesite.net/ldn/viewonsite.html?articleid=10061610
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Um comentário :

Anônimo disse...

"A prefeitura argumentou que embora o Conselho tenha a liberdade de exercer seu direito de Primeira Emenda de criar suas próprias políticas, não tem liberdade de receber benefícios da cidade ao violar suas leis anti-discriminação."

Sendo isto verdade, fica claro que a PREFEITURA INCENTIVA O HOMOSSEXUALISMO e está promovendo-o com receitas de toda coletividade.

Me espanta que o caso tenha chegado a este ponto.