21 de abril de 2009

Mensagem oficial do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva por ocasião do III Congresso da ABLGT

Mensagem oficial do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva por ocasião do III Congresso da ABLGT

Brasília-DF, abril de 2009

“Senhoras e Senhores,

Impossibilitado de atender o amável convite formulado pela Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais, envio aos participantes deste congresso minha saudação e algumas palavras de ânimo e incentivo.

Reafirmo o que tod@s @s aqui presentes já sabem: eu e meu governo somos frontalmente contrários a toda a forma de preconceito e discriminação com base em diferenças de origem, de etnia, sexo, credo, religioso, convicção política, orientação sexual e identidade de gênero. A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República tem trabalhado ativamente nesse sentido, e até o final de nosso mandato continuaremos a trilhar esse caminho.

Tem meu apoio tanto a luta das organizações LGBT pelo respeito às diferenças, especialmente à orientação sexual e à identidade de gênero, como as iniciativas parlamentares que as reforcem. Vocês com certeza estão lembrados de que foi nosso governo que convocou a I Conferência Nacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, à qual compareci e onde me dirigi aos que lá estiveram presentes.

Naquela oportunidade, eu disse-lhes que só há um modo de a sociedade reconhecer os direitos e a dignidade do segmento LGBT: é cada vez mais brigar; é cada vez mais andar de cabeça erguida; é cada vez mais lutar contra o preconceito; e cada vez mais denunciar as arbitrariedades. Somente assim a gente vai conquistar a cidadania plena e poder, todo o mundo, construir este país sem preconceitos.

Sei muito bem que, por minha atitude de apoio à luta de vocês, eu também tenho sido alvo de preconceito, de resistências. Alguns setores atrasados e ao mesmo tempo hipócritas — já propus a criação do Dia de Combate à Hipocrisia — têm criticado nosso governo por apoiar iniciativas que criminalizam PALAVRAS e atos ofensivos à homossexualidade. Isso não tem importância. Continuarei — com o apoio de todo o Governo — a manter essa atitude.

Essa luta continua. Estou certo de que neste congresso serão discutidos vários temas que lhes interessam e que, no fundo, também interessam ao restante da sociedade. Desejo que as propostas que resultarão dos debates aqui travados contribuam, concretamente, para o avanço do respeito aos direitos de todos os cidadãos, independentemente da orientação sexual e identidade de gênero. Afinal, somos tod@s brasileir@s e a Constituição Federal é clara: todos são iguais perante à Lei.

Recebam tod@s meu fraternal abraço.”

Luiz Inácio Lula da Silva
Presidente da República Federativa do Brasil

Fonte: ABGLT

Divulgação: www.juliosevero.com

Leia mais:

Lula culpa hipocrisia religiosa por abusos sexuais a menores

Lula: oposição ao homossexualismo é “doença perversa”

Por trás do tsunami homossexual no Brasil

Presidente Lula convoca, por decreto, conferência homossexual nacional

Morre em acidente trágico coordenador do infame programa federal Brasil Sem Homofobia

ABGLT entra com ações legais por crime de ódio contra cristãos brasileiros

Grupo gay perseguidor de cristãos recebe condecoração e ajuda do governo Lula para entrar na ONU

5 comentários :

Anônimo disse...

O governo Lula é contra discriminações de origem religiosa, menos aquelas contra os cristãos; não é mesmo?!
É contra discriminações de origem de convicção política, menos aquelas que são contrárias ao PT; não é mesmo?!
É mensagem do Presidente do Brasil é de uma imoralidade gritante!!!

Anônimo disse...

E contraditória: como querem apoiar um projeto de lei chamado PL 122 se eles já tem os direitos deles garantidos(como os indios, brancos, pretos, etc)?
a Constituição Federal é clara: todos são iguais perante à Lei.
CONTRADIÇÃO TOTAL!

Haroldo disse...

O presidente Lula fez uma discriminação com base em diferença de sexo no início do discurso:

Senhoras e Senhores.

Isso foi ofensivo à homossexualidade.
A solução talvez seria:

Senhor?s e Senhor*s

Mas talvez ao usarmos '?' e '*' isso poderia transparecer uma nova discriminação.

Vamos usar uma forma única, assim:

Senhor_s

Dessa forma, a pessoa poderia completar a palavra segundo a sua imaginação, sem que o presidente precise ir para a cadeia.

liberdade de expressão disse...

"Criminalizar palavras"...
Assim avança a polícia de pensamento da Gaystapo...

Eduardo Araújo disse...

Concordo que o destaque seja dado, sobretudo, à expressão "criminalizar palavras". Ela indica o que já sabemos: esquerdismo puro, naquilo que ele tem de sobra - cinismo, violência, cerceamento de liberdades e garantias individuais.

Enquanto não calarem toda e qualquer oposição, não descansam. Mas afinal, não é isso tão próprio dos regimes socialistas? Qual destes regimes permitiu a existência de pontos de vista contrários? Socialismo implica em totalitarismo.