27 de abril de 2009

Ahmadinejad no Brasil

Ahmadinejad no Brasil

Ingo Haake

A visita do presidente iraniano ao Brasil está prevista para o dia 6 de maio. Ele é um dos principais negadores do Holocausto na atualidade. Ahmadinejad também não perde uma oportunidade para manifestar seu ódio a Israel e seu desejo de destruir o Estado judeu[1]. Sendo assim, a simpatia do governo brasileiro por ele faz-nos lembrar do ditado: “Dize-me com quem andas e te direi quem és”.

Algumas informações sobre o Irã[2]: desde a posse de Ahmadinejad em 2005, a situação dos direitos humanos no país piorou dramaticamente (com elevado número de execuções, muitas delas por apedrejamento ou enforcamento públicos). Um esboço de código penal estipula a pena de morte por apostasia (isto é, para quem deixar o islã). Os cristãos[3] e outras minorias religiosas têm sofrido severas restrições e perseguições. As autoridades iranianas também suprimem a liberdade de expressão e opinião, prendendo jornalistas,  controlando publicações e a internet, além das atividades acadêmicas.

O Irã é promotor do terrorismo mundial e financiador do Hezb'Allah (o Partido de Alá, no Líbano) e do Hamas (na Faixa de Gaza). Essas duas milícias islâmicas radicais têm atacado Israel a mando do Irã e cometido inúmeras matanças de civis. Sua ação, porém, não se limita ao Oriente Médio: a Argentina acusou formalmente o Irã pelos violentos atentados contra instituições judaicas em Buenos Aires (em 1992 e 1994). Na América do Sul, a atuação iraniana é crescente, principalmente através da aliança com Hugo Chávez e Evo Morales.

O Irã também está em fase adiantada de desenvolvimento de tecnologia nuclear e de mísseis balísticos, representando uma séria ameaça para todo o Oriente Médio e o mundo. Dessa forma, o crescente armamento e a influência iraniana despertam fortes temores entre as próprias nações muçulmanas (principalmente na Arábia Saudita, no Egito e em alguns países do Golfo). Apesar da aparente unidade islâmica, há profundas desconfianças e conflitos entre muitos países árabes (dos quais, a maioria é sunita) e os iranianos xiitas (que são persas, e não árabes).

Quanto a Israel, as afirmações e provocações do presidente e de outros líderes iranianos são bem conhecidas: “Israel deve ser riscado do mapa...”', "Israel está destinado à destruição...”', “Israel é um tumor canceroso...”'[1]. Sua última investida ocorreu na abertura da vergonhosa conferência da ONU (em Genebra) que, supostamente, deveria ser anti-racista. Como foi manipulada para atacar Israel, vários países[4] negaram-se a participar dela desde o princípio. Ironicamente, apesar do seu histórico, o presidente iraniano foi um dos principais oradores. Quando começou sua diatribe contra Israel e negando o Holocausto — justamente na véspera do Yom HaShoah, o dia em que se lembra o assassinato de 6 milhões de judeus no tempo do nazismo! — os delegados da União Européia se retiraram em protesto. Ficaram os representantes dos países que parecem concordar com Ahmadinejad, entre eles os brasileiros, ouvindo até o final o discurso de ódio aos judeus[5]. Assim, mais uma vez, o Brasil escolheu as más companhias.

É importante lembrar que o Irã (a Pérsia) tem grande destaque na Bíblia (veja os livros dos profetas Daniel, Ageu, Esdras, Neemias e de Ester). A Pérsia foi um dos impérios da visão da grande estátua do rei Nabucodonosor — interpretada pelo profeta Daniel, essa imagem representa todo o desenrolar da história das nações, até o estabelecimento do reino de Deus (Daniel 2, veja o Apocalipse). Os persas também são citados como aliados de Gogue na invasão de Israel “nos últimos dias”' (Ezequiel 38.5). Portanto, as profecias bíblicas revelam o papel do Irã no cenário mundial e nos permitem entender o que realmente há por trás do comportamento atual desse país. Ao estreitar seus laços com ele — enquanto se distancia de Israel — o governo brasileiro se expõe ao juízo anunciado em Gênesis 12.3: “...amaldiçoarei os que te amaldiçoarem” .

As pessoas e os países podem escolher com quem se relacionar e andar – mas as más companhias revelam a inclinação de quem as procura e, quando não há afastamento delas, o final sempre é trágico. Você gostaria que seus filhos andassem com quem tem um “currículo” semelhante ao do presidente iraniano? Sem dúvida, a má escolha dessa amizade é extremamente preocupante. (Ingo Haake — http://www.Beth-Shalom.com.br)

Vídeo da abertura da conferência da ONU em Genebra e do discurso de Ahmadinejad:
http://www.youtube.com/watch?v=FA6DCrBRrZI

Notas:

1. O Irã promoveu as conferências “Um Mundo sem Sionismo” (em outubro de 2005) e de questionamento do Holocausto (em dezembro de 2006, com a presença de destacados revisionistas e anti-semitas de todo o mundo). Há uma longa lista de declarações anti-israelenses dos líderes iranianos e, especialmente, de Ahmadinejad, em encontros e eventos: http://en.wikipedia.org/wiki/Mahmoud_Ahmadinejad_and_Israel

2. Antes que alguém se ofenda, achando que se trata de “acusações” contra o “povo iraniano”: nenhuma delas se refere aos iranianos como pessoas, mas ao regime que os governa, do qual eles são as primeiras vítimas. Além disso, trata-se de fatos amplamente noticiados e conhecidos.

3. A Open Doors USA (Portas Abertas) relata: "A partir de 2008 houve forte endurecimento com as igrejas que se reúnem nos lares. Mais de 50 cristãos foram presos por sua fé numa das sociedades mais repressivas do mundo. Um casal cristão morreu após ser interrogado por funcionários governamentais... Apenas as igrejas armênias e assírias podem instruir seus conterrâneos em sua própria língua, mas é proibido ensinar pessoas de origem islâmica (que falam farsi). Muitos cultos são monitorados pela polícia secreta... Por pressão das autoridades, os cristãos são oprimidos e têm dificuldades em achar empregos e mantê-los logo que se descobre sua religião". (extraído de http://www.opendoorsusa.org/UserFiles/File/Open%20Doors%20World%20Watch%20List%202009.pdf)

4. Israel, EUA, Austrália, Alemanha, Canadá, Itália, Suécia e Polônia.

5. As notas posteriores de crítica do discurso de Ahmadinejad não parecem muito convincentes, pois não era difícil prever que na conferência, manipulada para servir de plataforma de condenação de Israel, só poderia haver esse tipo de manifestação.

 Fonte: Beth-Shalom

Divulgação: www.juliiosevero.com

Para ler neste blog todos os artigos sobre o presidente do Irã e suas ligações com Lula, clique aqui.


7 comentários :

Anônimo disse...

Se alguém souber de alguma manifestação contra AHmadinejad, avisa aqui, por favor.

Herberti disse...

O governo petiista podia aproveitar esta ocasião para promover o movimento homosexual: porque não fazer Ahmadinejad ser recepcionado e ciceroniado por uma comitiva glbt? Ele iria adorar!!! Toda aquela gente "alegre e colorida" com ele, drag-queens, travestis e congeneres. Mas no Irã matam este tipo de gente! E daí? Aqui é diferente. Aqui os pervertidos tem que ser aceitos à força e dane-se os que discordam.

Anônimo disse...

Para quem perguntou sobre a manifestação contra "o novo Hitler" Ahmadinejad, saiba que há um chamado da Juventude Judaíca Organizada:
www.jjo.org.br
Juntamente com grupos evangélicos, organizam para o próximo Domingo 03/05 às 11H00, na Praça Mal. Cordeiro de Farias(Praça dos Arcos, esquina Av. Angélica x Av. Paulista.
Compareça e divulgue para todos os seus amigos.

Edinei.

Anônimo disse...

Domingo, 03 de maio MANIFESTAÇÃO NA PAULISTA. A Juventude Judaica em parceria com grupos judaicos, evangélicos, homossexuais, bahais, direitos humanos etc, com participação de autoridades realizará na
Av. Paulista no domingo (03) uma manifestação contra a visita do Ahmadinejad.

DOMINGO, 03 DE MAIO ÀS 11hs.
PRAÇA ML. CORDEIRO DE FARIAS
(Praça dos Arcos, na esquina da Av. Angélica com a Av. Paulista).

Roberto domingos disse...

A colonia judaica tem a obrigação de protestar contra a visita de Ahmadinejad ao Brasil, nós cristãos temos o dever moral de apoiar, mas ficar ombro a ombro com representantes movimento gayzista, drag-queens, travestis purpurinados, feministas, ativistas por direitos humanos...só falta o Lula. Isto é sério? Me recolho ao silencio e a oração.

Pr. Jorge Gameiro disse...

A Verdade de Deus, a Bíblia Sagrada em português traduzida do Texto Massorrético e do Texto Receptus, com tradução literal e formal, diz que este não é o mundo de Deus, I João 2.15-18.
Este mundo é controlado temporariamente por Lucifer, e ele usa os governos humanos para seus planos, que estão dentro dos propósitos de Deus, que já determinou O DIA que arrebatará os homens e mulheres Salvos pela graça e misericordia de Deus, Por isso, a Bíblia não diz que devemos lutar, protestar, manifestar-se contrário às situações deste mundo, devemos antes, nadar contra a correnteza e levar aos homens a mensagem da Salvação, 1- Somos pecadores e nosso estino natural é o lago de fogo e enxofre. 2- Deus nos amou e nos ama, e a prova deste amor é demonstrada quando Ele enviou Seu Único Filho, O Senhor Jesus Cristo, que morreu sacrificialmente e em favor dos homens pecadores, acabando com sacrificios de animais e obras e estabelecendo a fé como base de Salvação do homem. 3- Todos os homens e mulheres que crerem, isto é, acreditarem de todo o coração no Senho Jesus Cristo como Salvador de sua vida, serão salvos e não irão mais para o lago de fogo e enxofre, destinos de todos os recusadores de Jesus Cristo. 4- Após minha conversão devo me identificar com Deus e Sua Palavra a Bíblia Sagrada e a partir de então viver biblicamente, pensar biblicamente, falar biblicamente. e term no seu coração o maior desejo que pode uma pessoa ter em vida a "Volta de Jesus Cristo" para nos levar para o Céu, onde não haverá mais , pecado, morte, dor, doença e tudo que hje temos e nos entristeçe.
Que venha este presidente do Irã,que Lula se associe com ele, Obama e todos os demais, que não temem a
Deus, pois certo está que o final está próximo, muito mais próximo do que imaginamos.

Anônimo disse...

Cenas de um país barbaro em 1 de maio:

Aos 17 anos, a poetisa Delara Darabi foi presa acusada de um assassinato. Declarou-se inocente, a perícia criminal a inocentou, mesmo assim foi condenada à morte. Houve um movimento internacional para salvá-la, mas uma filha da vítima se recusou a perdoá-la, o que teria transformado a pena em prisão perpétua. Hoje, ela foi executada no Irã, ou melhor, assassinada...



Fonte:http://maierovitch.blog.terra.com.br/2009/05/01/delara-darabi-23-anos-foi-enforcada-pela-republica-islamica-do-ira/


1 de maio de 2009
Delara Darabi, 23 anos, foi enforcada pela República Islâmica do Irã
por Wálter Fanganiello Maierovitch


Hoje no período da manhã, Delara Darabi, pintora iraniana de 23 anos de idade, foi executada na prisão de Rasht (Irã).

Ninguém esperava, pois a pena capital, segundo noticiaram as autoridades iranianas, estava suspensa por dois meses: a execução, marcada para 20 de abril passado, havia sido suspensa em razão de pressões internacionais e possibilidade de acordo indenizatório com familiares da vítima (forma de extinção da pena de morte).

A filha da vítima, Hayedeh Amir-Eftekhari, negou-se a perdoar Delara Darabi: a vítima tinha cinco filhas e Hayedeh era a única a não aceitar trocar a pena capital por sanção indenizatória. O governo, por seu turno, não concedeu a clemência a Delara Darabi e nem converteu a pena capital em pena de prisão.

O certo é que a pena capital foi suspensa por apenas dez dias. Seguramente, para baixar a pressão internacional e evitar fosse o presidente Ahmadinejad hostilizado no discurso de abertura da Conferência da ONU sobre racismo, ocorrida na semana que se seguiu à suspensão da pena capital.

Nem esta sexta-feira, –dia sagrado para os islâmicos xiitas–, evitou a barbárie, ou seja, a efetivação de um homícidio-legal (praticado pelo Estado).

A morte de Delara foi confirmada, também, pelo sítio de internet do Iran Human Rights.

Não se tem, ainda, detalhes sobre a forma de execução. Estava previsto, quando ocorreu a suspensão, o enforcamento em local público. E o corpo pendurado em guindaste ficaria em exposição, como sempre acontece.

A pintora Delara Darabi , –frise-se 23 anos de idade–, negou em juízo ter sido autora do crime de homicídio. A sua negativa foi confirmada por oficial prova pericial.Quando da consumação do crime, ela tinha 17 anos de idade.

É o presidente deste país, que o governo Lula estará recepcionando, gastando o dinheiro dos impostos pagos por brasileiros honestos para fazer festejos e agrados a esse crápula e sua gigantesca comitiva em torno de 200 membros. E qem vai pagar tudo isso sereos nós. Isso só vai ficar na revolta, ou ha de se deixar claro que ele e sua gentalha nao sao bem-vindos aqui???