22 de fevereiro de 2009

Uma sociedade virada do avesso

Uma sociedade virada do avesso

Percival Puggina

Todo dia, toda hora, nos defrontamos com o avanço dos males sociais. Violência, perversões, criminalidade, drogas, epidemia de gestações na adolescência exibem a face assustadora de uma sociedade que se extraviou dos limites. Uma sociedade que, por infinitos modos e tecnologias, muito mais deseduca do que educa. Uma sociedade onde o balconista do bar comete delito se vender cigarro a uma menina de 12 anos, mas sai na boa se a levar espontaneamente para a cama.

O desastre que descrevo ganhou marco importante com os rebeldes franceses de 1968 e com seu slogan “il est interdit interdire!” – é proibido proibir. Malgrado ser flagrante contradição em termos, a regra ganhou os pensadores “progressistas” da época e se espalhou pela sociedade do Ocidente, atingindo um dos fundamentos da ordem social – o princípio da autoridade. Proibições inibiriam a criatividade. Todo “não” proferido para uma criança mutilaria sua capacidade de ser autônoma. E toda a autoridade restou delegada ao ilusório templo de uma coerência interna, cada vez mais falsa, onde estar de acordo consigo mesmo ganha prioridade em relação a estar de acordo com a verdade, e onde a mera sugestão de que existam verdades é entendida como pura insolência.

Todo professor, preocupado com bem educar seus alunos, proclama, agora, a imensa dificuldade de o fazer perante a furiosa indisciplina instalada nas salas de aula. Poucos pais que não tenham chutado o balde de suas responsabilidades deixam de reportar o atrofiamento de sua autoridade e fracassos em suas tentativas de impor limites. Estou falando do mundo e da vida.

O que ocorre sob nossas janelas e nos chega pelo noticiário não faz mais do que expressar decorrências de uma mentalidade que primeiro abalou e agora destrói as instituições. Quais instituições? Nada de importante, apenas coisas fora de moda e motivos de troça, assim como família, igreja, poderes de Estado, escola, hierarquias num sentido amplo, bem como tudo que daí deriva: ordens, mandamentos, leis, obrigações, direitos alheios e até mesmo aquele bolorento respeito natural pelos mais velhos. Sem instituições não há autoridade e sem autoridade não se preservam valores.

Sou conservador por manter uma inconformidade juvenil perante esse retrato. Diariamente não penso o mundo como quem está saindo, mas como quem está chegando. Sei (e creio que poucos deixam de saber comigo) que o vício é a adesão a hábitos que levam ao mal, e que a virtude, pela calçada oposta, é a adesão a hábitos que conduzem ao bem. Sei que uma sociedade se ergue pela vereda da virtude e desanda pelas avenidas do vício. E sei que o oxigênio da virtude flui pelas instituições, que precisam ser sólidas e, também elas, virtuosas: família, Igreja, Estado, escola e assim por diante. Você já se perguntou por que são os alunos das duas instituições educacionais militares do Estado os mais bem colocados em todas as avaliações de desempenho?

Não sem pesar reconheço que este artigo será visto como “careta” e politicamente incorreto, de uma ponta a outra. Com efeito, construímos uma sociedade na qual a virtude se oculta encabulada e o vício ganha posição de relevo; onde aquela fica reservada ao foro mais íntimo e este é proclamado do alto dos telhados. Depois, repete-se o que não me canso de denunciar na área política: totalmente desinteressados das causas, passamos ao xingamento das consequências.

Fonte: ZERO HORA de 15/02/2009

Divulgação: www.juliosevero.com

5 comentários :

Anônimo disse...

O pior não é a revuloção "cultural" da França ter atingido a sociedade. O pior, penso eu é esta mesma revolução do "Relativismo Moral" ter adentrado a Igreja, principalmente a igreja evangélica. Esta, que diante de um mundo corrupto, imoral, deveria ser a guardiâ de valores morais, abandonou esta tarefa.



Para os modernos teólogos, é melhor ter uma igreja lotada, mas sem valores morais, do que meia dúzia de Santos convictos de sua salvação e de seus deveres em decorrência desta benção divina.


A nova "Teologia do Altar Rachado" prefere a aparência da multidão de sedentos pela Palavra de Deus (mas que jamais terá sua sede saciada) do que ter uma pequena congragação de pessoas alinhadas com os verdadeiros objetivos do evangelho.


É por isto que disse o profeta:

"Eis que vem dias, diz o Senhor Deus, em que enviarei fome sobre a terra, não de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do Senhor. "(Amós 8.11,12).


Quanto mais igrejas se contrói, mais relativo se torna os valores morais do movimento evangélico. E quanto mais temmplos se constrói, menos pregação da Verdadeira Doutrina se ouve nestes mesmos templos.


Eu tenho 28 anos de idade e conheço desde criança o evangelho. E uma pergunta até hoje me perturba, mesmo sabendo a resposta para ela: como os evangélicos conseguiram decair moralmente em tão pouco tempo? Eu vi os valores morais do movimento evangélico decair assustadoramente, em apenas 20 anos. Mesmo sabendo a resposta bíblica para este fato, até hoje fico perplexo ao refletir sobre isto.

Anônimo disse...

Uma sociedade que se torna corrupta e decaída moralmente não tem mais forças para continuar existindo. Esta é uma regra básica que guiou todas as sociedades humanas (tribos, aldeias, vilarejos, cidades, estados, nações).

Estamos diante da maior obra de lavagem cerebral da história. O Movimento Revolucionário/Comunista (que é o irmão menor e a mola-mestre do Movimento Satanista, responsável por retirar as amarras que prendem as forças malignas) conseguiu iludir as pessoas do mundo inteiro, oferecendo-lhes uma liberdade ilusória, para assim enfraquecer as tradicionais instituições que guiaram a humanidade por milhares de anos, e em seguida, quando estiver suficientemente forte para um ataque definitivo, escravizar estes idiotas-úteis.

O mundo está perdido. Clérigos (pastores, bispos, etc.) estão corrompidos e servem à forças que deveriam combater.

Já ouviram falar do jogo Diablo? Nele um triunvirato de 3 irmãos demônios (conhecidos como os demônios primários, por serem os primeiros demônios a existir) tenta escravizar a humanidade, corrompendo clérigos e espalhando a imoralidade e morte pela Terra. Pondo de lado a magia (bruxaria) utilizada por aqueles que desejam combatê-los, o roteiro condiz com a atual situação enfrentada pela humanidade.
No roteiro do jogo o irmão menor, Diablo, uma caricatura do Movimento Comunista/Revolucionário sai mundo afora para libertar Baal, o irmão mais velho. Impedido de libertá-lo, ele conta com a ajuda de um "companheiro-de-viagem" (uma promoção para os idiotas-úteis), que, compadecido com o choro malicioso do demônio, o liberta, ignorando o Mal que acabara de liberar sobre o mundo. Mephisto, o irmão do meio, corrompe um clérigo de uma antiga religião para assim conseguir espalhar a morte pelo mundo, matando tudo o que puder (qualquer semelhança com clérigos que promovem o aborto, a eutanásia, os homens-bomba e outras atrocidades e aberrações não é mera coincidência). Baal, o grande demônio (o Movimento Satanista), depois de libertado por seu irmão menor Diablo (o Movimento Comunista/Revolucionário), propõe-se a ser senhor absoluto não apenas deste mundo, mas também do mundo espiritual corrompendo e enganando a tudo e a todos, inclusive seus irmãos menores, levando a destruição por onde passa, desejoso de ser adorado como Deus.

Infelizmente este não é apenas o roteiro de um jogo, mas o roteiro escrito por Lúcifer (Satanás) para obter o controle absoluto sobre toda a criação de Deus, na sua vontade de derrotá-lo (derrotar Yahvé), e tornar-se ele [Lúcifer] o único a ser adorado.

Mesmo em um jogo macabro e pertubador como este consegue-se encontrar pensamentos valiosos, como o que indica que ninguém pode conter o Diabo com suas próprias forças sem a ajuda de Deus, sob pena de ser mais um a ser usado por ele para atingir seus propósitos malignos; e outro que diz que não é o homem que controla o Mal mas o Mal é que controla o homem, num claro aviso à quem tenta conseguir poder valendo-se das forças das Trevas. Como disse o apóstolo Paulo:"observai tudo, retende o bem".

Que Yahvé tenha misericórdia desta humanidade corrompida e, caso este seja mesmo "o tempo da ira de Deus", que tais dias sejam abreviados. Que seja feita a tua vontade, ó Senhor, seja ela uma nova oportunidade para a humanidade ou a sua destruição.

UM CANTINHO SÓ MEU disse...

Eu indique vc para o prêmio Blog de Ouro. Vá no blog para saber como fazer: http://tantumergo.wordpress.com/2009/02/23/premio-blog-de-ouro/

Anônimo disse...

Congratulo-me com o senhor Júlio Severo por ter postado o comentário do Ismael Pio Elias!
Ismael Pio Elias, congratulo-me com o senhor por seu comentário!
Não sou teólogo, mas, na minha opinião, há uma clara ação de Satánas e/ou de seus demônios por trás desses acontecimentos alarmantes e aberrantes! Apesar de muitas pessoas não darem a devida importância à existência de Satánas e dos demônios, seja por não crerem nas suas existências, como pelos mais diversos motivos...

O Papa Paulo VI em sua Alocução "Livrai-nos do Mal" dizia:

"Há sinais da presença da ação diabólica e quais são eles? Quais são os meios de defesa contra um perigo tão traiçoeiro?

A Ação do Demônio

A resposta à primeira pergunta, requer muito cuidado embora os sinais do Maligno às vezes pareçam tornar´se evidentes (Tertuliano, Apologia, 23). Podemos admitir a sua atuação sinistra onde a negação de Deus se torna radical, sutil ou absurda; onde o engano se revela hipócrita, contra a evidência da verdade; onde o amor é anulado por um egoísmo frio e cruel; onde o nome de Cristo é empregado com ódio consciente e rebelde (cf. ICor 16,22; 12,3); onde o espírito do Evangelho é falsificado e desmentido; onde o desespero se manifesta como a última palavra, etc. Mas é um diagnóstico demasiado amplo e difícil, que agora não ousamos aprofundar nem autenticar; que não é desprovido de dramático interesse para todos, e ao qual até a literatura moderna dedicou páginas famosas."

E o Apóstolo São Paulo nos advertia: "Finalmente, fortalecei-vos no Senhor e na força de seu poder. Revesti-vos da armadura, para poderdes resistir às insídias do diabo. Pois o nosso combate não é contra o sangue nem contra a carne, mas contra os Principados, contra as Autoridades, contra os Dominadores deste mundo de trevas, contra os Espíritos do Mal, que povoam as regiões celestiais. Por isso deveis vestir a armadura de Deus, para poderdes resistir no dia mau e sair firmes de todo combate." Efésios 6,10-13.
Por fim, gostaria de deixar esta advertência: tomemos cuidado para não causar transtornos psicológicos a pessoas que podem se impressionar com esses assuntos. Não causemos mal ao nosso próximo por quem Cristo se sacrificou!

Anônimo disse...

O princípio da autoridade é um dos fundamentos da ordem social. Ora, gostaria de chamar a atenção para esta mensagem de Percival Puggina. Uma leitura atenta ao texto de Percival Puggina fará ver as conseqüências gravemente maléficas da negação ou corrosão progressivas do princípio da autoridade. Portanto, gostaria apenas de partilhar um pouco da experiência traumática que foi para mim ser professor de escola pública. Pelo simples fato de eu estar numa posição de autoridade, eu era alvo de todo tipo de confrontação! E aqui voltamos ao que Percival Puggina disse: O princípio da autoridade que é um dos fundamentos da ordem social está sendo espezinhado, donde surgem inumeros males sociais!