26 de fevereiro de 2009

Postura pró-vida de menina de 12 anos comove professora pró-aborto

Postura pró-vida de menina de 12 anos comove professora pró-aborto

Kathleen Gilbert

TORONTO, Canadá, fevereiro de 2009 (LifeSiteNews.com) — A menina “Lia” de 12 anos, que vive em Toronto, Canadá, virou estrela na sua escola e no Youtube com seu discurso pró-vida de cinco minutos, feito para uma competição escolar. Apesar do desânimo e oposição total, a apresentação de Lia foi tão bem feita que ela ganhou a competição, embora ela tivesse sido avisada que ela seria desqualificada, devido à mensagem “polêmica” de seu discurso.

O discurso está disponível no Youtube onde já foi visto mais de 100 mil vezes e produziu discussões acaloradas. (Veja: http://www.youtube.com/watch?v=wOR1wUqvJS4&feature=channel_page)

“E se eu lhe dissesse que neste exato momento, alguém está escolhendo se você deveria viver ou morrer?” começa a menina charmosa no seu discurso que está gravado no Youtube. “E se eu lhe dissesse que essa escolha não foi baseada no que você poderia ou não fazer, no que você fez no passado, ou no que você faria no futuro? E se eu lhe dissesse que você nada poderia fazer para impedir isso? Colegas alunos e professores, milhares de crianças estão neste exato momento nessa situação. Alguém está escolhendo o destino de bebês sem mesmo conhecê-los. Estão escolhendo se eles irão viver ou morrer. Esse alguém é a própria mãe. E essa escolha é o aborto”.

Lia, falando facilmente e com entusiasmo radiante, dispara respostas a várias objeções comuns no breve discurso.

“Por que pensamos que só porque um feto não pode falar ou fazer o que fazemos, ele não é ainda um ser humano?” pergunta ela. “Alguns bebês nascem depois de cinco meses. Será que esse bebê não é humano?

“Jamais diríamos isso. Contudo, abortos são realizados em fetos de cinco meses todos os dias. Será que só os chamamos de seres humanos se alguém os quiser?

“Pense nos direitos da criança, que nunca lhe foram dados. Não importa quais direitos sua mãe tenha, não significa que podemos negar os direitos do feto”, disse ela. “Precisamos nos lembrar de que com nossos direitos e nossas escolhas vêm responsabilidades, e não podemos arrancar direitos dos outros para evitar nossas responsabilidades”.

A mãe de Lia diz que o assunto foi escolhido pela própria filha, e que ela estava determinada a não ceder, até mesmo depois que os professores lhe disseram que sua apresentação era “adulta demais” e “polêmica demais”.

“Ela também foi avisada de que se fosse adiante com o assunto, ela não teria permissão de continuar na competição de discurso”, escreveu a mãe de Lia no blog Moral Outcry. “Inicialmente, tentei ajudá-la a achar outros assuntos sobre os quais falar, mas no fim ela estava inflexível. Ela queria continuar com o assunto do aborto. Assim, ela desistiu de sua chance de competir a fim de falar sobre algo que está profundamente em seu coração”.

A mãe disse para LifeSiteNews.com que um das professoras da menina apoiou seu discurso, muito embora a professora fosse pró-aborto. “Depois de ajudar Lia a fazer o discurso ela disse, ‘Isso realmente me fez pensar’”, observou a mãe.

Na competição escolar, a mãe disse que um dos jurados da competição era outra professora pró-aborto que “nem mesmo queria ouvir” o discurso da menina, e saiu de sua cadeira pouco antes de Lia começar. Depois do discurso, que a família de Lia disse que foi bem recebido pelos estudantes e pelos professores, os jurados inicialmente disseram para Lia que ela havia sido realmente desqualificada. Mas uma polêmica entre os jurados acabou levando a uma reversão, e a família de Lia ficou sabendo no dia seguinte que os jurados concordaram que a menina merecia vencer a competição.

Quando perguntada sobre o que inspirou Lia a prosseguir no assunto com tanta insistência, sua mãe disse:

“Ela se envolveu nesse assunto com paixão, e pesquisou muito. Realmente creio que é algo que Deus colocou no coração dela”.

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: LifeSiteNews

Leia também:

Menina prodígio de 10 anos é apaixonada por Jesus

14 comentários :

Anônimo disse...

"Tu fizeste sair da boca dos meninos e dos que ainda mamam um louvor perfeito contra os Teus adversários, para destruíres o inimigo e o vingativo." Salmo 8,3.

"Pela boca dos pequeninos e das criancinhas de peito, fundaste uma fortaleza contra os Teus adversários, para reduzir ao silêncio o inimigo vingativo." Salmo 8,3.

"Pela boca das crianças e bebês Tu o firmastes ( o Teu Nome), qual fortaleza, contra Teus adversários, para reprimir o inimigo e o vingador." Salmo 8,3.

Não obstante a charmosa e inteligente menina Lia seja uma adolescente, as palavras inspiradas do salmista se realizam perfeitamente e admiravelmente nela!

Anônimo disse...

Caro Júlio, se possível, por favor, coloque legendas no vídeo da menina Lia! ( em inglês ou português)

Tânia Regina disse...

A Paz !
Abençoada e linda mensagem!!!
Como não se comover ,eu que tenho dois lindos e amados filhos,que passamos por tantas lutas,e tantas alegria, doeu meu coração,sequer imaginar ,que um dia,pensasse em fazer tal coisa,pois não tem nada,que compare aos momentos que passamos( sabe,aquela progaganda do Credicard,pois é ... Não tem preço...)
Tenho pena dessas pessoas que cometem tal "ato",pois jamais poderão vivenciar tais momentos,pois "assassinaram", e nunca saberão como seria ,esses bebes.
Que o Senhor te guarde muito,pois sempre leio suas matérias,que são polêmicas,e sempre buscando a verdade,e se tem coisa que o "tinhoso" odeia é a verdade!
Mais Deus é contigo,e lhe fortalece,e Esse Deus é maior que tudo ou todos que se opõe a "verdade".
Deus o abençoe.
Fique com Jesus

Francisco Amâncio disse...

Bom artigo. A garota Lia está "stating the obvious", e ainda há marmanjos que não o veem. Daí que, com frequencia, os defensores do aborto costumam sustentar suas ideias indefensáveis com um velho "argumento": "não é possível determinar cientificamente o início da vida humana". Ora, se porventura tal premissa fosse razoável (e certamente não é), seria mais um "tiro no pé" dos abortistas, uma vez que os próprios não poderiam também eliminar um feto com a garantia de que o mesmo não é ainda um ser humano. Em suma, o movimento pró-aborto é só engano.

Anônimo disse...

Prezado Francisco Amâncio, o senhor bem diz que a menina Lia está dizendo o obvío; e mesmo assim há adultos que não o percebem! Contudo é interessante notar que mesmo a menina Lia dizendo verdades obvías, muitos não tem a coragem que ela, uma mocinha de 12 anos, teve para dizer verdades obvías diante de várias pressões de vários adultos para ela ceder diante de falsidades obvías!
Note-se também que uma inteligência obscuredida por paixões desregradas ou erros não é capaz de perceber verdades obvías!

Anônimo disse...

A menina Lia citou alguns efeitos do aborto nas mulheres.
Eis uma lista desses efeitos elencados por Women Exploited by Abortion (WEBA):

Efeitos Físicos Efeitos Psicológicos

- Esterelidade - Sentimento de culpa
- Abortos espontâneos - Impulsos suicidas
- Gravidez ectopica - Pesar/Abandono
- Natimortos - Arrependimento/Remorso
- Hemorragias e Infecções - Perda da fé
- Choques e comas - Baixa auto-estima
- Utero perfurado - Preocupação com a morte
- Peritonite - Hostilidade/Raiva
- Febre/Suor Frio - Desespero/Desamparo
- Dor intensa - Desejo de lembrar da data de nascimento
- Perda de orgãos do corpo - Alto interesse em bebês
- Choros/Suspiros - Frustração do instinto maternal
- Insonia - Odio por pessoas ligadas ao aborto
- Perda de apetite - Desejo de terminar o relacionamento com o parceiro
- Exaustão - Perda de interesse sexual/Frigidez
- Perda de peso - Incapacidade de se auto-perdoar
- Nervosismo - Pesadelos
- Capacidade de trabalho diminuída - Tonturas e tremores
- Vômitos - Sentimento de estar sendo explorada
- Distúrbios Gastro-intestinais - Horror ao abuso de crianças

Extraído do artigo "Aborto: Uma escolha contra a mulher", do Pe. Frank Pavone, de Priests for Life, tradução de Sandra Katzman,
http://providafamilia.org/doc.php?doc=doc06359

Anônimo disse...

Prezado Júlio, achei muitíssimo expressiva a mensagem da menina Lia por toda a situação em que ela a trasmite, não obstante ser uma mocinha de 12 anos.
O senhor poderia divulgar a transcrição integral da mensagem dela com a respectiva tradução?!

Anônimo disse...

Eu achei o vídeo muito bom, só achei estranho ela falar sobre preservativos!

Anônimo disse...

Prezado anônimo, a menina Lia não fala explicitamente de preservativos. Ela fala que as mulheres podem escolher fazer sexo sem proteção; é essa a expressão que ela usa, salvo engano, se não me falha a memória. Ora essa expressão é muito genérica. Pode significar várias coisas, como usar camisinha, pílulas anticoncepcionais, que são na verdade abortivas e outros métodos anticoncepcionais artificiais( também abortivos). De fato, ela falhou na escolha desse argumento em sua mensagem pró-vida, pois esse argumento não é pró-vida. Contudo, fica muito claro que a sua postura é radicalmente pela vida! Provavelmente ela errou em sua argumentação por ter sido orientada por uma professora pró-aborto (salvo engano) e por ser apenas uma estudante aprendendo a argumentar. Mas muito aplicada e meritória por seus esforços e caráter pró-vida de sua mensagem!
Enfim, admitamos, não é nada fácil discursar sobre temas controversos! Requer muita habilidade!

Anônimo disse...

Concordo com você... a mensagem em si é muito boa, mas eu achei estranho ela mencionar ''preservativos'' em um momento que muitos defensores do aborto e outros males colocam os ''preservativos'' para ''impedir'' a gravidez e um futuro aborto!

Anônimo disse...

Uma correção. Em meu último comentário falei de métodos anticoncepcionais de passagem. Gostaria de esclarecer que os únicos métodos de controle de natalidade moralmente lícitos são os que não separam o caráter unitivo e procriativo do ato sexual nem provocam aborto! E aqui se toca também na questão de quantos filhos ter um casal. Mas é outro assunto. E o Júlio pode falar dele melhor do que eu.

Anônimo disse...

Só agora tive a oportunidade de assistir o vídeo da garotinha Lia. Espetacular! Que engraçado, ela tem 12 anos, não é mesmo? Não foi com essa mesma idade que o Cristo de Deus debateu com os fariseus e doutores da Lei na sinagoga? Um grande abraço Julio!

Unknown disse...

maravilhoso!!!
sensacional!!

AnaMaria disse...

Lembro-me de quando estava na quinta série... Uma professora, ao perguntar á classe o que seriam quando crescessem, eu simplesmente disse que ia ser mãe.
Uns não entenderam, outros ficaram supresos, mas a maioria e a própria professora achou cômico e disse que eu deveria mesmo é trabalhar...