8 de dezembro de 2008

Exercendo cidadania com valores cristãos

Exercendo cidadania com valores cristãos

Dr. Zenóbio Fonseca

Acabamos de passar por um processo eleitoral em todo o Brasil, onde foram eleitos novos prefeitos e vereadores para administrar as cidades pelos próximos quatro anos. Suas idéias e valores deverão influenciar nas decisões, pois eles fazem as leis que temos que seguir.

Diante desse cenário, muitos jovens não têm noção da importância e responsabilidade que tem a sua escolha e voto para a mudança da cidade e transformação do país, pois o “simples” ato de “decidir” eleger um representante com base em critérios éticos e alguns valores podem tornar a sociedade mais justa. Mas de qual justiça e valores estamos falando? Será que nós cristãos somos “diferentes” na escolha do voto e nas ações da vida secular? Uma pessoa temente a Deus pode fazer diferença na administração do governo?

Todas essas perguntas nos levam ao nosso manual infalível de vida, que traz respostas para os dias atuais e possibilita a transformação da nação através de nossas vidas e ações pessoais. Esse manual, que nos ensina importantes valores morais, é a Bíblia.

Nós cristãos somos “diferentes” em atitudes e escolhas, sim, pois temos regras de vida e valores que colidem com as atitudes liberais do mundo em que vivemos. Estamos numa época em que a sociedade e o Estado ensinam que ter relações sexuais antes do casamento é normal, relacionamento afetivo entre pessoas do mesmo sexo é legítimo, legalização das drogas como solução para redução da violência é o caminho para redução do dano à sociedade, descriminalizar a prática do aborto é justo, etc. Esses valores são contrários a Bíblia, mas se tornaram políticas defendidas por partidos e políticos que, eleitos por nós, administram cidades, estados e a própria nação.

A Bíblia nos ensina que quando o justo governa o povo se alegra e quando o ímpio governa o povo geme de tristeza (Provérbios 29:2). Ser justo é ser justificado por Jesus. É reconhecer seu senhorio em todas as ações e atitudes públicas ou privadas. Assim o governante será um canal de benção nas mãos de Deus, agindo na direção dEle e fazendo a verdadeira justiça social e humanitária.

No entanto, o que temos visto nos dias atuais é o crescimento de ondas de violência, corrupção e desigualdade em todos os níveis da sociedade e governo. Nesse contexto é que estamos aqui para fazer a diferença nas atitudes e escolhas. Mas pelo resultado eleitoral não se tem notícia de que foram eleitas muitas pessoas inspiradas e comprometidas com os valores e políticas sociais cristãs para fazer a diferença no social, na educação, na segurança, pública, na cultura, no turismo e na economia.

É necessário que os nossos governantes reconheçam que a sociedade está corrompida, que suas ações humanas não modificaram este sistema vigente. Precisamos reconhecer o pecado de nossas cidades publicamente e pedir perdão ao Senhor, para que Ele sare a nossa terra, pois assim como Deus fez com o rei Salomão (2 Crônicas 7:14) fará com todo povo que reconhecer a Sua soberania.

Precisamos escolher governantes e legisladores preparados, que sejam instrumentos de Deus e celebrem a majestade divina de Jesus, pois o salmista nos ensina que feliz é a nação cujo Deus é Senhor e o povo que Ele escolheu por sua herança (Salmo 33:12). Esses governantes e legisladores preparados irão criar leis para o bem da sociedade. O Estado é laico, mas não é ateu e deve ser influenciado pelos valores cristãos.

As nossas cidades e o Brasil poderão realmente ser influenciados e transformados em todas as áreas, quando nos lugares de decisão estiverem homens comprometidos com a verdade cristã, que saibam ouvir a voz de Deus e o seu “coração se incline assim como ribeiros de águas na mão do Senhor para fazer a sua vontade” (Provérbios 21:1). Tal fato aconteceu com José no reinado de Faraó no Egito (Gênesis 41:38-40), com Daniel no reinado de Nabucodonosor (Daniel 1:17). Além disso, Deus levantou homens do meio do acampamento de Deus (Deuteronômio 17:16) para fazer a diferença e mudar a sorte de toda uma geração, pois eram fiéis e tementes a Deus.

A Palavra de Deus relata que “a igreja do Deus Vivo é coluna e baluarte da verdade” (I Timóteo 3:15) e como somos integrantes deste corpo vivo, temos que oferecer à sociedade pessoas integra, éticas, não corrompidas pelo dinheiro, para servir o povo e testemunhar da verdadeira justiça social que a Bíblia nos ensina, pois a Palavra convence, mas o exemplo arrasta.

Você e eu temos um grande papel de sermos luz e sal neste tempo do fim, influenciando a nossa sociedade, sendo canal de benção do Eterno para todas as pessoas que estiverem ao nosso redor, porque esta geração tem a marca da promessa de ser cheia do Espírito Santo. Apenas viva em santidade e faça a diferença.

Adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com

Publicado na edição de novembro de 2008: do Jornal Jovem Verdade, nº 9: www.cei.org.br

Leia também:

O governo ideal

O papel do governo e os cristãos

Nenhum comentário :