4 de outubro de 2008

Vote nulo

Vote nulo

Não havendo candidatos políticos honestos e verdadeiramente a favor da vida e da família, vote nulo.

Para ler artigos sobre voto nulo, clique aqui.

13 comentários :

Talião disse...

Religiosamente, somos diametralmente opostos. Mas do ponto de vista pessoal, devo reconhecer que você realmente é um lutador sem trégua - de acordo com a religião que segue - pela construção do reino de Deus na terra; objetivo maior das três religiões herdeiras de Ibrahim: o Judaísmo, o Cristianismo e o Islam.

Desafortunadamente, o objetivo da construção do Reino de Deus na terra foi substituído pela ilusão laica de que os poderes da "república", através do voto popular, chamado "SUFRÁGIO UNIVERSAL", garante liberdade, conforto espiritual e bem-estar aos povos; o que se trata de grande falácia. O desejo do povo é a maior prosperidade possível combinada com o maior movimento de liberdade e ação possível. Isto é absolutamente inexequível somente pelo voto, tendo em vista que, os candidatos quando ascendem a um determinado posto excepcional de comando, passam automaticamente a enxergar o povo do alto desta posição excepcional, provocado pela superioridade em decorrência dos postos que ocupam.

Falar de política é falar de dominação, queiramos ou não; e os dominados odeiam os dominadores quando estes não atendem aos seus anseios de prosperidade e liberdade de ação. E em consequência destes fatores, quando um candidato evangélico, por exemplo, abandona suas convicções morais e religiosas quando entra para a política, é pelo único e simples fato de que na mudança de posição ao ascender ao poder houve uma mudança substancial no STATUS desta pessoa. Em dia de eleição até o candidato mais orgulhoso e elitista, coloca criancinha no colo, beija prostituta na boca, compartilha siringa com aidético, aperta a mão de leproso etc. Tudo pelo voto. Mas, terminada a eleição, o povo volta ao trabalho... E os políticos, aos seus lucrativos negócios. Não se encontram nem se reconhecem mais.

Como podemos esperar que um povo como o nosso, que luta ferozmente todos os dias pela sobrevivência pessoal dedique tempo a supervisionar os atos dos seus governantes. O Famoso controle exercido pelo eleitor aos seus representantes eleitos é pura ficção. E liberdade de voto numa sociedade lacia sem a participação de Deus nos assuntos do Estado também é pura ficção.

Anônimo disse...

Essa historia de que 50% +1 faz com que a eleicao seja anulada eh uma mentira, uma ma interpretacao da lei que fez com que muitas pessoas levassem a serio isso.

Fazer a apologia ao voto nulo por achar que eh uma atitude de protesto eh uma coisa, continuar espalhando essa menteira de anular eleicao eh outra.

Anônimo disse...

Caro Júlio Severo, venho sempre apoiando seu trabalho, apesar de não ser católico. Porém, não posso me calar quando vejo algo leviano: A apologia ao voto nulo é asquerosa!
Além disso, os votos nulos capazes de anular uma eleição (urnas com defeito ou fraudadas, por exemplo) não podem ser confundidos com os votos "nulos" do eleitor. Estes últimos são equivalentes aos brancos.
Você deve procurar um candidato cristão, judeu ou evangélico que defenda a família e a liberdade religiosa.
Votar nulo não é resposta.

Ricardo Fernandes

Julio Severo disse...

Prezado Ricardo, em se tratando do Brasil, o voto nulo, na maioria dos casos, é um dever. Já somos enganados com a idéia horrível de que o voto obrigatório é democrático. Numa verdadeira democracia, ninguém deve ser obrigado a votar. Tal obrigação é ditadura. Quando não há opção, o melhor é votar nulo. É isso o que faço há anos. O que acho asqueroso é obrigar os cidadãos a votar. Isso é repugnante.

Anônimo disse...

Prezado Julio Severo:

1. Seria bom se houvesse mesmo algum recurso por meio do qual nós eleitores pudéssemos rejeitar coletivamente, todos os candidatos dessa última eleição municipal. “Nunca antes na história desse país”, dentre os que têm mais chances de serem eleitos, suas idéias contrárias à moral e ética cristãs foram tão conhecidas.

2. Aqui no meu Estado, por exemplo, o candidato que lidera as pesquisas pertence ao mesmo partido de um eminente líder da situação que publicamente declarou ser favorável ao aborto (o dito cujo, inclusive, já disse que favela é celeiro de bandido, para justificar sua ideologia eugênica). Se ainda valer o escrito: “diga-me com quem andas e eu te direi quem és” o que fazer?

3. Empatados em segundo lugar temos dois candidatos. O primeiro, está “desorientado teologicamente” e, para piorar, seu partido pertence à base de sustentação política da Potestade – um quadro surreal! O outro candidato é “famoso” pelo seu ativismo de esquerda. As demais posições estão infestadas de candidatos comunistas declarados ou travestidos de “progressistas” (como preferem ser chamados para não espantar o “povão”). Aparentemente, tá tudo dominado!

4. Contudo, não dá para abrir mão do direito de sermos legitimamente representados e exigir reformas. O homem é um ser político. Naturalmente, “outros” decidirão por nós, se nos omitirmos. O preço a ser pago é altíssimo, conforme sugere o Bertold Brechet, em seu famoso texto - O analfabeto político.

5. Assim sendo, acho que devemos agradecer a Deus a oportunidade que ainda temos e, em respeito à memória dos verdadeiros mártires nacionais, fazer o que for melhor (protestar de forma construtiva, legal e democrática, inclusive). Aqui no Brasil, isso ainda é possível, sem o risco de sermos condenados ao “paredón” e nem de “atrair a ira divina”. Aliás, Deus não tem nada a haver com a esculhambação reinante.
Abraço fraterno,
Paulo Ceroll.

Anônimo disse...

Parabéns por ter coragem de falar a verdade Júlio. Não pode ser democrático o voto quando somos obrigados a fazer isso.Eu já me antecipei a sua recomendação, há alguns anos eu simplesmente nem compareço a votação.Podem falar o que quiserem mas para mim a urna eletrônica é totalmente manipulável. Sem contar que as " pesquisas " acabam influenciando o eleitor que é induzido a votar em quem supostamente tem mais chances para não "desperdiçar" o voto, o chamado voto útil.Também não é possível prever qual candidato vai mudar suas convicções ao chegar no poder como bem observou o sr. Ahmed, que fez uma bela análise a exceção somente do trecho em fala sobre "a construção do reino de Deus na terra", porque em João 18:36 está escrito: " Respondeu Jesus: O meu reino não é deste mundo; se o meu reino fosse deste mundo, pelejariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui. ".

Talião disse...

Eu votei nulo, como já venho fazendo faz algum tempo, porque ninguém na atual conjuntura política tem condições de me representar.

Mas,aproveitando a oportunidade, já que fui citado positivamente por um tal anônimo, gostaria também de respondê-lo positivamente.

Eu lhe diria que, sobre João 18:36,a interpretação correta, no lugar de "meio Reino não é deste mundo", seria "o meu Reino não é desta época", deste tempo; já que a promessa da segunda vinda é um dos pilares principais da religião cristã.

Portanto, a "Teologia do Céu" - muito em moda na atualidade - à qual o nosso amigo anônimo faz referência - deixaria totalmente sem sentido a profecia de Jesus em Mateus 25:31,que diz:

"E, quando o Filho do Homem VIER em sua Glória, e todos os santos anjos, com ele, então, se assentará no trono de sua glória; e todas as nações serão reunidas diante dele...".

Segundo meus estudos bíblicos, o significado de trono de sua glória é o trono de Davi. E este trono, que eu saiba, não está no céu, segundo o que diz a bíblia.

Mas a bíblia é muito confusa mesmo. Por isso sou muçulmano. Pelo Islam é muito mais simples se chegar a Deus do que pelo Cristianismo.

Anônimo disse...

Julio, em primeiro lugar, devo dizer que gosto de seu blog. Parabéns.
Em segundo, concordo com você em relação ao sentimento de que nenhum candidato tem sido honrado o suficiente para merecer nosso voto, mas isso não dá (nem a você e nem a ninguém) o direito de publicar informações falsas. A LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 é bem clara quanto a esse ponto: Os votos nulos e brancos são tratados da mesma maneira, ou seja, não contam como válidos e não interferem no resultado do pleito. Então, se 95% da população votassem nulo, a eleição simplesmente seria definida pelos 5% que não anularam o voto...
Portanto, NÃO ADIANTA anular o voto na esperança de uma nova eleição. Amigo, por favor retifique tua postagem. Se você quer continuar votando nulo, é um direito teu (que pode até ser defendido aqui!), mas ILUDIR o pessoal que lê teus textos já é falta de respeito, aos leitores, e à lei de Deus.

Um grande abraço, e que Deus te abençoe,
Jones

Talião disse...

Sr. Jones.

Lei é uma coisa, justiça e verdade são outras completamente diferentes.

Pouco importa essa leizinha n° 9.504, de 30 de setembro de 1997, citada pelo sr.

Como também pouco me importa o Estatuto da Criança e do Adolescente.

Se o sr. não sabe, os Nunes - por exemplo - mandaram para escanteio essa lei ignominiosa conhecida como Estatuto da Criança e do Adolescente. Foram os pioneiros e abriram uma discussão política sobre a interferência estatal na vida privada do indivíduo.

Quero que as duas leis se explodam.

Será que o sr. não consegue mensurar a gravidade do problema político se caso viesse a acontecer de uma eleição ser definida por apenas 5 míseros por cento de todo eleitorado?

No mínimo significaria a decadência do sistema eleitoral. E abriria um debate importante sobre o sistema representativo, sua ineficácia e suas distorções.

Acho que se promulgarem uma lei decretando que todos os brasileiros devem meter a cabeça no trilho do trem, o sr. Jones seria o primeiro da fila. De tão obedientezinho que é.

Sr. Jones. Leis são promulgadas, mas também podem ser revogadas. Basta só um empurranzinho POLÍTICO.

Parabéns, Júlio. Sempre na luta por um país verdadeiramente LIVRE.

Anônimo disse...

Acho que o Antonio Ahmed não me entendeu. Também não concordo com essa lei (e nem com a lei que nos obriga a colocar nossos filhos sob o jugo do estado - e não sinto vontade de segui-la). Concordo que deveria funcionar como o vídeo postado pelo Julio (aliás, o sr viu o vídeo?). Mas o fato é que não é.
E colocar vídeos que dão notícias falsas não é a solução. Na verdade, isso provoca uma certa "perda de credibilidade"... Creio que o Julio pode, sim (até deve, se assim acredita), convocar as pessoas a votarem nulo - Eu mesmo penso em fazer isso. Note que não o critiquei por isso, mas por veicular uma notícia falsa.
Quanto ao problema político, creio que o simples não comparecimento às urnas, seria um motivo de maior preocupação para as ""autoridades"" (isso mesmo, com aspas duplas!). Estou pesquisando sobre isso, e, para os que se preocupam, a multa não é muito alta, é da ordem de uns R$40,00, na pior das hipóteses (mas ainda não tenho certeza). Vamos amadurecer a idéia?

Acho que você, Antônio, foi muito agressivo. Não era necessário. Até porque meu comentário foi feito para resguardar a confiabilidade das coisas que são escritas nesse blog. Além disso, em nenhum momento afirmei que concordo com essa regra eleitoral.

Despeço-me novamente parabenizando o Julio pelo excelente blog, e pedindo a Deus que nos abençoe.

Jones.

Ps. Amigos, não precisam usar o "Sr." Me tratem pelo nome somente.

Anônimo disse...

Bom, o art. 224 do Código Eleitoral Brasileiro estabelece que em caso haja na eleição nulidade de modo a atingir mais da metade dos votos o Tribunal julga prejudiciada a votação e marca nova eleição dentro de 20 a 40 dias.

Roger

Anônimo disse...

Amigos,

Esse artigo se aplica a anulações provocadas pela justiça, como por exemplo, um candidato que tenha recebido mais da metade dos votos, e tenha posteriormente sua candidatura cassada... Os votos dados a ele passariam então a ser nulos, e, nesse caso, como os eleitores não queriam anular seu voto, mas votar num candidato que existia como opção no dia da eleição, e como esse número de votos foi maior que 50% dos que seriam válidos caso o candidato fosse elegível, a eleição seria anulada e uma nova deveria ser convocada... Viram? não é bem assim...

Dêem uma olhada em http://www.jornaldoslagos.com.br/jlagos/dat/doc/PARA.pdf

é um jornal antigo, mas mostra como a lei é interpretada pelo TSE.

Um abraço.

Jones.

Isso está uma grande confusão! Pessoal, para ser contra qualquer coisa precisamos saber o que essa coisa é! Informações falsas só atrapalham!!!

Que Deus nos ajude...

Anônimo disse...

O anônimo do domingo, 05 outubro, 2008, faz o tipo ''ocultador''.

O segundo item fala por si:

''Aqui no meu Estado (ele não diz o Estado!), por exemplo, o candidato que lidera as pesquisas (ele não diz o nome do candidato!)pertence ao mesmo partido (ele não diz o partido!)de um eminente líder da situação ( ele não diz o nome do líder!)que publicamente declarou ser favorável ao aborto (o dito cujo, inclusive, já disse que favela é celeiro de bandido, para justificar sua ideologia eugênica - ideologia criada no protestantismo, digasse de passagem!). Se ainda valer o escrito: ''diga-me com quem andas e eu te direi quem és'' o que fazer?

Eu me pergunto: Com quem andas este anônimo?