5 de setembro de 2008

Adolescentes que estudam em casa alcançam vitória surpresa em confronto com o governo

Adolescentes que estudam em casa alcançam vitória surpresa em confronto com o governo

Matthew Cullinan Hoffman

MINAS GERAIS, BRASIL (LifeSiteNews.com) — Numa vitória surpresa contra as autoridades governamentais que tentaram medidas legais contra uma família que ensina seus filhos em casa e se recusa a fazer parte do sistema escolar público, David e Jonatas Nunes passaram nos testes provando um elevado nível de conhecimento numa variedade de assuntos, inclusive história, ciências naturais, artes, esportes, computação e matemática.

Os testes dados aos filhos dos Nunes eram tão difíceis que os professores de escola pública confessaram que não conseguiriam passá-los. Os dois adolescentes, de 14 e 15 anos, tiveram só uma semana para estudar para vários dos testes que foram anunciados com só uma semana de antecedência.

Os exames foram feitos por ordem de um tribunal local numa tentativa de determinar se os Nunes haviam cometido o crime de “abandono intelectual”, o que poderia trazer como conseqüência uma multa pesada e possivelmente cadeia para os dois pais, bem como perda da guarda de seus três filhos.

Embora os adolescentes tivessem sido avisados com antecedência que seriam testados em matemática, geografia, ciência e história, eles foram informados apenas uma semana antes da data dos testes que eles também seriam testados em português, inglês, arte e educação física, inclusive questões sobre a história do handebol, basquete, futebol e outros esportes.

Apesar do curto tempo que receberam para estudar, ambos os adolescentes passaram nos testes, David alcançando 68% e Jonatas 65%, de acordo com Cleber Nunes, o pai dos adolescentes. Embora o governo não tenha ainda dado um veredicto nas notas, a nota mínima de aprovação nas escolas brasileiras é 60%.

“Os testes foram difíceis”, Nunes disse para LifeSiteNews. “Havia perguntas que são dadas nos exames de admissão das grandes universidades. Além disso, ficamos surpresos com a adição de quatro matérias, a apenas uma semana dos exames. Eles estudaram muito a fim de assimilar todo o material”.

“Para mim, o processo pelo qual eles passaram foi evidência muito forte de que eles estão, de fato, aprendendo a aprender”, disse Nunes.

“Eles estudaram a maioria das matérias sozinhos. Tivemos a ajuda de um professor de matemática. Eles estudaram o resto de suas matérias por conta própria. Eu lhes dei pouca orientação. Esse é o princípio do método que usamos”.

Nunes diz que agora ele quer que os estudantes de escolas públicas façam os mesmos testes que seus filhos fizeram. Ele diz que tem certeza de que não chegariam nem perto de passar, e aponta para o fato de que em testes internacionais os estudantes do Brasil produzem notas extremamente baixas.

O Programa Internacional de Avaliação de Estudantes de 2007, o qual compara o desempenho estudantil, em 57 países, deu ao Brasil notas bem baixas em matemática, leitura e ciência. Em seu próprio Índice do Desenvolvimento da Educação Básica, as escolas públicas do Brasil alcançam entre 3.5 e 4.2, dependendo do nível do grau.

“É interessante que se esses mesmos testes fossem dados para estudantes de escolas públicas, a vasta maioria não os passaria”, disse Nunes, que observou que se falhar em tais testes deve ser considerado como crime, “então o próprio governo seria condenado já que seus órgãos confessam o fracasso total do sistema educacional que eles estão exigindo que nossos filhos freqüentem”.

A vitória dos Nunes ocorre depois de um ano e meio de lutas com as autoridades do governo brasileiro, que interpretam as leis existentes com o significado de que as pessoas não podem educar seus filhos em casa. Os Nunes dizem que tiraram seus filhos do sistema de escolas públicas por causa dos baixos padrões e imoralidade que permeiam o sistema.

Embora David e Jonatas Nunes já tivessem sido aprovados em exames de admissão para uma faculdade de direito com as idades de 13 e 14, os resultados foram insuficientes para as autoridades locais, que ameaçaram tirar de seus pais a guarda deles e tentaram cobrar deles uma multa excessiva. Os Nunes dizem que estão lutando o caso com a ajuda de advogados voluntários.

Leia mais:

Casal que ensina em casa poderá ser preso se seus filhos falharem em duros testes governamentais

http://juliosevero.blogspot.com/2008/08/casal-que-ensina-em-casa-poder-ser.html

Confronto contra a educação escolar em casa: crianças deverão ser testadas por tribunal em batalha sobre os direitos educacionais dos pais

http://juliosevero.blogspot.com/2008/08/confronto-contra-educao-escolar-em-casa.html

Governo brasileiro entra com ações criminais contra família que educa em casa e ameaça tomar os filhos

http://escolaemcasa.blogspot.com/2008/03/governo-brasileiro-entra-com-aes.html

Tradução e adaptação de Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: LifeSiteNews

Para saber mais sobre educação escolar em casa, clique aqui.

5 comentários :

Marcos Paulo disse...

Deus seja glorificado !

Anderson Gonzaga disse...

Prova cabal da falência desse modelo educacional imposto pelo Estado aos cidadãos brasileiros.

Ineficiente, corrupto, desleixado e policialesco.
Esses adjetivos são bem brnados para qualificar o ensino no Brasil de hoje.

Os cidadãos, pais aplicados, podem fazer muito mais por seus filhos, pelos jovens desse país, do que essa máquina de alienação e desvirtuamento que é a escola.

Anônimo disse...

Gostaria de saber se é possível conseguir uma cópia do exame.

Rodrigo

Anônimo disse...

A família deve entrar com processo contra o estado e requerer que o mesmo teste seja dado a alunos da rede pública, como efeito comparativo.

Anônimo disse...

Parabéns aos Nunes. Eu os admiro e gostaria de ter a mesma coragem e determinação, pois tenho tres filhos que estudam em escola do governo e tem sido vergonhoso (esta palavra é fraca para descrever) a baixaria e a imoralidade que eles tem presenciado, sem falar tambem na falta de capacitaçao psicologica por parte dos funcionarios da escola em geral (claro, com exceçoes) que servem a merenda reclamando, de cara feia e mal humorada, jogando a comida nos pratos como se fossem animais, parecendo um campo de concentraçao nazista. Um ambiente completamente desestruturado. Não falei sobre a questão didatica, pois ao meu parecer ainda é a menos prejudicial, uma vez que pode ser superada e recuperanda se houver um bom acompanhamento em casa.
Acho completamente injusto submeter meus filhos ao um ambiente moralmente abaixo, muito abaixo, daquele que busquei desenvolver em nosso lar.
Não abram mão do que estão buscando, voces estao entre os poucos lutadores, mas entre os muitos insatisfeitos. Acredito que não faltará apoio de outros pais.
Voces estao sendo desbravadores! Parabéns!
Abraço.