25 de junho de 2008

Grande mobilização, dia 25, contra a aprovação do projeto!

Grande mobilização, dia 25, contra a aprovação do projeto!

Tsuli Narimatsu, jornalista da Portas Abertas

No próximo dia 25 de junho, quarta-feira, às 14h, haverá uma manifestação contra a aprovação do PLC 122/06 que censura a pregação da Bíblia Sagrada, em nome do “respeito” aos homossexuais, em frente à entrada do Congresso Nacional, em Brasília.

O livre arbítrio, ou seja, a liberdade de escolha sobre o que fazer na vida, é um direito dado por Deus a todos os homens. Não cabe aos cristãos a tarefa de julgar comportamentos homossexuais ou impedi-los.

Mas cabe aos cristãos a liberdade de pregar trechos da Bíblia Sagrada, ainda que existam posições discordantes! Sem a ameaça de prisão ou o confisco dos livros!

Entenda o conteúdo do projeto e o impacto sobre a sua vida, aqui.

Diante de uma possível votação nos próximos dias, voltamos a convocar todas as pessoas que estão fora do Distrito Federal a enviarem mensagens de repúdio aos senadores (veja lista completa, aqui) ou telefonarem para o Alô Senado no 0800 61 22 11, a ligação é gratuita.

Atenção à tramitação do projeto

Atualmente o projeto está para ser votado na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). De lá, seguirá para a aprovação da Comissão de Direitos Humanos (CDH) e depois para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Pode parecer um longo trajeto, mas não é. Assim que deixar a CCJ, o PLC 122/06 irá diretamente para mãos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que já disse que irá sancionar (ou seja, assinar) a lei de homofobia.

Corre à boca pequena que a transferência do projeto da CDH no início do ano para a CAS seria para ganhar tempo e fazer um acordo com senadores. Ore para que não haja nenhuma forma de cooptação dos políticos envolvidos no processo.

Votação surpresa

Faz parte da estratégia usada pelos senadores (e também por deputados e vereadores) a falta de transparência na agenda dos trabalhos legislativos – o que impede que o povo conheça com antecedência o que está para ser votado, e portanto, não consiga se mobilizar a tempo.

Desse modo, diversas leis que interferem diretamente na vida dos cidadãos são aprovadas. E foi exatamente assim que o PLC 122/06 foi aprovado em todas as comissões (colocado em pauta na última hora) e pelo plenário da Câmara dos Deputados, em uma sessão esvaziada, quando a bancada evangélica estava ausente.

Muitos deputados à época não criam na aprovação de uma lei tão absurda que fere a liberdade de pregação da Bíblia Sagrada (leia mais), entre outros pontos. Mas o projeto chegou ao Senado e está próximo de se tornar lei.

Lembre-se: nossa liberdade religiosa, de interpretação e pregação – não apenas de trechos bíblicos como também do Alcorão e da Torá – podem sofrer um “cala boca”.

Se o PLC 122/06 for aprovado como está, você poderá assistir pastores, padres, rabinos e xeiques presos. A realidade da Igreja Perseguida expressa em nossa revista e livros pode se tornar a realidade da Igreja Brasileira. Sem contar que seremos obrigados a “contrabandear” Bíblias cujo original não foi censurado!

Clique aqui para saber o endereço e o telefone dos 36 senadores e ver uma sugestão de modelo de carta.

Entenda toda a polêmica e o risco que os brasileiros estão correndo por meio do PLC 122/06 e do PL 6418/2005 aqui!

O telefone do Senado é 0800 61 22 11. A ligação é gratuita. Pressione os senadores do seu Estado e manifeste-se contra o projeto!

Fonte: Missão Portas Abertas

Divulgação: www.juliosevero.com

Leitura recomendada:

A grande desmobilização: O que está em jogo nos acordos envolvendo o PLC 122/2006

2 comentários :

Anônimo disse...

Será q segundo a PLC 122 essa mãe vai ser presa por ser "homofobica"?
Talvez sim, e depois repassam o valor do seguro para que as "pobres" meninas possam viver seu amor.
Para mim esse país acabou.
Deus tenha misericórdia de nós.


Plano para matar a mãe

Jovem queria ficar com bens e seguro de R$ 10 mil deixado pelo pai

SÃO PAULO - Uma jovem foi presa ontem em Campinas (SP), acusada de planejar o seqüestro e a morte da própria mãe, uma contadora de 45 anos. Tainá de Campos Rosa, de 19 anos, confessou o crime à polícia. Ela disse que pretendia ficar com os bens da família e com seguro de vida de R$ 10 mil deixado pelo pai.

Além de Tainá, também foram presos a técnica em informática Renata Alves da Silva, 21 anos, que era namorada da jovem; o auxiliar de limpeza Vagner Pereira da Silva, de 21, e o ajudante João Marcos da Silva, de 19 anos. Renata confessou que o plano do grupo era assassinar a contadora.

A filha ainda alegou para a polícia que planejou a morte da mãe porque ela era contra o relacionamento homossexual que Tainá mantinha, há quatro anos, com Renata. Foi a namorada, segundo a polícia, quem contratou por R$ 5 mil os dois rapazes para executar o crime.

A contadora foi rendida por volta das 21h40 de terça-feira, na saída de uma igreja evangélica. Os rapazes colocaram a mulher no banco traseiro de seu carro, um Gol, e pretendiam levá-la para Hortolândia, cidade vizinha a Campinas. O crime não deu certo porque testemunhas viram o seqüestro e avisaram à Polícia Militar. O carro foi interceptado; a contadora, libertada; e os dois rapazes, presos. Com eles, foram apreendidos dois revólveres, um 22 e outro 32. Os dois denunciaram as duas jovens, que também foram presas. Os quatro jovens foram indiciados por formação de quadrilha e roubo qualificado.

Anônimo disse...

Onde está a "bancada evangélica"?