18 de janeiro de 2008

Cuba e a MPB

CUBA E A MPB

João Ricardo ModernoO Dia

A ditadura totalitária de Cuba e a Música Popular Brasileira (MPB) têm uma longa história de amor e traição. Amor declarado pelo genial Chico Buarque de Holanda e uma centena de músicos. Traição porque jamais nenhum deles foi morar em Cuba, mas sim em Roma, Paris, Nova Iorque, Londres e demais cidades onde as liberdades de criação, expressão e ir-e-vir estão garantidas pelo Estado de Direito Democrático. Todos esses artistas teriam sido assassinados logo na primeira semana da Revolución. Talvez fuzilados pelo próprio Fidel ou Che Guevara.

As contradições entre o discurso pró-ditadura sanguinária e a prática são gritantes. A extinção dos direitos humanos não incomoda os músicos brasileiros. Estes nunca apoiaram os artistas perseguidos, presos, torturados e fuzilados por delito de opinião. Solidariedade, fraternidade, liberdade e todas as palavras mágicas da esquerda não valem para os cubanos. São para vender música. Todos milionários. Desconheço obra social.

Os músicos cubanos do grupo Los Galanes não receberam nenhuma solidariedade. Pediram asilo político sob o silêncio da esquerda brasileira. Somente o deputado federal Raul Jungmann (PPS) honrou o Brasil. Vieram tocar acompanhados por um funcionário do governo cubano. Algum músico brasileiro já foi patrulhado no exterior e vigiado para voltar? Existe condição mais degradante para um artista, um torturado moral, afora a tortura física e o assassinato? Esse terrorismo cubano é o que nos espera com a Revolução Bolivariana de Fidel Castro, Hugo Chávez, Lula, Evo Morales, Rafael Correa e Mahmoud Ahmadinejad, presidente do Irã, que entra com o terrorismo do Hezbollah, já em expansão na América Latina.

João Ricardo Moderno e presidente da Academia Brasileira de Filosofia.

Divulgação: www.juliosevero.com

3 comentários :

Antônio Carlos Oliveira disse...

Todos os povos do mundo precisam de guias e líderes, profetas e mensageiros. No caso do Brasil não seria diferente, os artistas são os que mais influenciam a sociedade brasileira pela falta de figuras mais representativas. Os grandes padres católicos, os grandes pastores protestantes, os grandes líderes políticos (grandes do ponto de vista moral, intelectual e espiritual) já não existem mais, e as religiões ocidentais, de maneira geral, estão francamente decadentes, não fazem a cabeça do povo. Por isso os artistas têm tanta ascendência sobre as massas. No caso brasileiro, ainda existe o agravante da baixa escolaridade do povo, que não sabe filtrar as bobagens que a maioria dos artistas falam, não tem os anticorpos necessários para defenderem-se a si nem a sua família daquele conhecido caráter leviano que quase todo artista brasileiro faz questão de demonstrar. Se chico Buarque gosta de Cuba, por exemplo, o indivíduo que o admira musicalmente vai segui-lo sem questionar suas opiniões sobre outros assuntos fora do âmbito musical. Os artistas brasileiros são levianos, mas grande parte do povo não fica atrás.

Antônio Ahmed Ramadan

Aprendiz disse...

Nada há oculto, que não haja de ser descoberto.

Ao apoiar a ditadura cubana, os artistas brasileiros mostram que realmente não eram contra a ditadura, mas a favor de OUTRA ditadura, muito mais cuel...

Unknown disse...

E ainda vem um montão deles falar para não comprarem cópias piratas com aquele mesmo discurso de que ajuda a financiar o crime,o que embora seja verdade, não é o que verdadeiramente preocupa-os, e sim a diminuição dos lucros das gravadoras(patrões), que mais cedo ou mais tarde deixarão de funcionar no esquema tradicional e terão que se adaptar a realidade digital. Tenho que concordar com o sr Antônio em relação ao povo do BR, que tem verdadeira idolatria por qualquer idiota que apareça na TV,e ainda por cima tem orgulho de dizer que comprou o "cd ou dvd original" ,principalmente os consumidores de poder aquisitivo mais baixo.Caros, o kg do feijão preto está R$3,00 e o povo não está preocupado e a imprensa não deu nenhum destaque, mas se chegar alguém na TV e falar que compra produto "pirata" será um verdadeiro "absurdo"!!! Os filmes nacionais, a maioria um fracasso de público merecidamente, são feitos com o nosso dinheiro(impostos)e ainda querem que a gente pague para ver porcaria com a desculpa de prestigiar o produto "nacional". Eu não !!!