26 de junho de 2019

Governo Trump impondo a agenda LGBT no país da Geórgia, mas o povo resiste


Governo Trump impondo a agenda LGBT no país da Geórgia, mas o povo resiste

Julio Severo
“Durante anos, os esquerdistas sociais tentaram forçar a ideologia LGBT na República da Geórgia, um país profundamente cristão com pessoas profundamente boas, comida incrível e — o mais importante — fortes valores tradicionais. Infelizmente, a própria embaixada dos Estados Unidos tem repetidas vezes imposto a agenda LGBT e atualmente está apoiando a chamada ‘Parada do Orgulho Gay’ que foi fortemente condenada pela Igreja Ortodoxa da Geórgia,” disse Brian Brown, presidente do Congresso Mundial das Famílias e presidente da Organização Internacional para a Família.
Povo da Georgia resistindo contra parada gay apoiada oficialmente pela Embaixada dos EUA
Brown disse que 97% dos georgianos rejeitam a Parada “Orgulho” Gay. Então, por que o governo Trump está impondo uma ideologia imoral num povo que a rejeita? Uma explicação é que Trump lançou uma campanha global para legalizar a homossexualidade em todo o mundo. Então o povo georgiano está apenas sofrendo os efeitos dessa campanha.
Outra explicação é o controle populacional. Por sua natureza estéril, a homossexualidade nunca produz bebês — e sempre produz abundantes doenças. A homossexualidade é perfeita para o controle populacional.
Ainda que muitos direitistas pensem que nos EUA somente governos democratas, que são socialistas, promoveriam o controle populacional, a realidade está longe desse conceito errado. O mais importante documento de controle populacional já produzido pelo governo dos EUA foi escrito durante dois governos republicanos.
Durante os últimos dias do presidente republicano Richard Nixon e os primeiros dias do presidente republicano Gerald Ford, a CIA, o Ministério de Defesa e a USAID prepararam o mais infame documento de controle populacional já escrito por qualquer governo: NSSM 200, que significa Memorando de Estudo de Segurança Nacional 200 (do original em inglês “National Security Study Memorandum 200”), também conhecido como Relatório Kissinger, porque foi escrito sob o Secretário de Estado Henry Kissinger. Seu assunto era “Implicações do Crescimento da População Mundial para a Segurança e Interesses Externos dos EUA.”
No NSSM 200, um governo republicano, ou se você quiser, um governo conservador dos EUA, planejou com sucesso a redução populacional de várias nações, inclusive o Brasil, apenas para impedir que a população dessas nações usasse seus próprios recursos naturais, que deveriam ser disponibilizados para os EUA. Essas políticas de controle populacional, inspiradas no NSSM 200, são ativamente implementadas por essas nações hoje, que não suspeitam que tenham caído em uma armadilha.
Se um governo republicano poderia, no passado, promover o controle populacional de um modo, por que hoje governos republicanos não podem promover o controle populacional de outros modos?
A homossexualidade é uma parte inegável da agenda de controle populacional, e nenhum país do mundo promoveu mais controle populacional do que os EUA fizeram, mesmo sob governos republicanos. Aliás, um governo republicano tem a desonra de ser o autor da campanha de controle populacional mais pérfida.
Então, a única explicação para o governo Trump lançar uma campanha global para legalizar a homossexualidade no mundo inteiro, inclusive apoiando oficialmente a celebração de paradas de orgulho gay em países cujas populações cristãs rejeitam tal imoralidade e perversão, é que o atual governo republicano está seguindo o legado do NSSM 200 dos republicanos Nixon e Ford. Os republicanos, novamente, estão seguindo a velha agenda de controle populacional.
A esta altura, certamente existem alguns mais novos NSSM 200 confidenciais, modernizados e sofisticados nos cofres do governo dos EUA, e é impossível não concluir que a CIA não propôs a homossexualidade como uma forma bem-sucedida de reduzir a população mundial.
Minha experiência pró-vida diz que o governo dos EUA, sob governos republicanos e democratas, não abandonou sua antiga ambição de reduzir a população mundial para atender aos supostos interesses de segurança nacional dos EUA.
Então, nessa perspectiva, não é surpresa ver que o governo Obama desperdiçou oito anos promovendo a homossexualidade em todo o mundo.
Não é surpresa ver as embaixadas dos EUA sob Trump promovendo a homossexualidade desde 2017.
E a culminação é o governo Trump lançando sua infame campanha para legalizar a homossexualidade em todo o mundo.
O país da Geórgia está apenas sofrendo os efeitos dessa campanha.
Leitura recomendada:

25 de junho de 2019

Drag queen faz leitura de livro gay durante culto de louvor em uma Igreja Presbiteriana que está comemorando o mês do orgulho gay


Drag queen faz leitura de livro gay durante culto de louvor em uma Igreja Presbiteriana que está comemorando o mês do orgulho gay

Julio Severo
O zelador do prédio de uma igreja presbiteriana em Cincinnati, Ohio, EUA, vestiu-se de drag queen para fazer a leitura de um livro gay na hora marcada para as crianças durante o culto de domingo, em 16 de junho.
Drag queen faz leitura de livro de ativista gay em pleno culto de louvor na Igreja Presbiteriana
Dan Davidson se vestiu de “Sparke Leigh” com um vestido roxo, maquiagem, salto alto e “uma barba de glitter” e ficou na porta da Igreja Presbiteriana de Mount Auburn cumprimentando os membros e visitantes.
Depois que o coro da igreja cantou a música “Deus Acolhe a Todos,” Davidson subiu ao palco e preparou o livro “Orgulho Gay: A História de Harvey Milk e a Bandeira do Arco-Íris” para o público. A história foi planejada para crianças, algumas das quais sentaram-se aos pés de Davidson durante a leitura.
“Harvey sonhou que todos — até mesmo os gays -— teriam igualdade,” disse Davidson. “Ele sonhou que um dia as pessoas poderiam viver e amar como quisessem.”
O que o drag queen presbiteriano não contou na igreja é que Milk era um predador sexual que se sabia tinha cometido vários estupros legais contra um adolescente que tinha fugido de casa. Qual foi a punição que Milk recebeu? O governo dos EUA, sob Obama, deu-lhe como recompensa um selo postal honorário dos correios americanos.
Celebrar um ativista homossexual pedófilo no culto de louvor de uma igreja presbiteriana é o cúmulo da apostasia.
Davidson se apresentou como drag queen em Seattle, Washington, antes de se mudar para Ohio no mês passado.
Em outro momento durante o culto, um homem se levantou e contou à platéia seu “testemunho” de como ele saiu do armário e assumiu a homossexualidade. O que era moda no podre mundo secular, agora está virando moda em igrejas esquerdistas.
A Igreja Presbiteriana de Mount Auburn, que faz parte da grande denominação presbiteriana PCUSA, está celebrando o mês do orgulho no mês inteiro de junho. As bandeiras do orgulho gay cobrem os salões e as velas do arco-íris estão no palco da igreja.

Igreja Patrocina Show de Drag Queen no Texas

Uma igreja esquerdista no Texas patrocinou show de uma drag queen para as crianças depois que a biblioteca local cancelou o evento por causa de protestos dos pais.
A Catedral Aberta em Leander alugou uma sala na biblioteca pública e realizou o evento agendado para 15 de junho. A igreja pagou as taxas para alugar a sala, que está disponível para todos os membros do público para alugar.
A Catedral Aberta é uma igreja progressista que adota a ideologia LGBTQ. O pastor principal é Ryan Hart.
Estão aumentando nos Estados Unidos os eventos que miram crianças pequenas para doutriná-las no ativismo LGBTQ. Houve o caso recente de uma escola de ensino médio na Carolina do Norte que convidou duas drag queens para falar com os alunos sobre sua identidade pessoal e gênero. As drag queens falaram em um painel e incentivaram as crianças a celebrar os estilos de vida LGBTQ.
Com informações da Rede de Televisão Cristã dos EUA e WND (WorldNetDaily).
Leitura recomendada:

23 de junho de 2019

Noventa e dois por cento dos ativistas esquerdistas vivem com seus pais e um em cada três está desempregado, de acordo com estudo de manifestantes de Berlim, Alemanha


Noventa e dois por cento dos ativistas esquerdistas vivem com seus pais e um em cada três está desempregado, de acordo com estudo de manifestantes de Berlim, Alemanha

Dave Burke para o MAILONLINE
A vasta maioria dos manifestantes esquerdistas presos por suspeita de crimes politicamente motivados em Berlim, Alemanha, são jovens que moram com os pais, de acordo com uma reportagem recente.
As estatísticas, publicadas no jornal Bild, revelaram que 873 suspeitos foram investigados pelas autoridades entre 2003 e 2013.
Desses, 84% eram homens e 72% tinham entre 18 e 29 anos.
Mais da metade das detenções foram feitas nos distritos de Friedrichshain, Kreuzberg e Mitte em Berlim, principalmente durante as manifestações.
Um terço deles estava desempregado e 92% ainda moram com os pais.
As estatísticas publicadas no jornal de Berlim dizem que dos crimes cometidos contra pessoas, em quatro de cada cinco casos, as vítimas eram policiais.
Em 15% desses casos, as vítimas eram ativistas de direita.
As novas estatísticas foram divulgadas pelo Departamento Federal de Proteção da Constituição (BfV).
Entre 2009 e 2013, afirma a reportagem do Bild, assassinos esquerdistas tentaram cometer 11 assassinatos.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do jornal britânico Daily Mail: 92% of left-wing activists live with their parents and one in three is unemployed, study of Berlin protesters finds
Leitura recomendada:

22 de junho de 2019

Fundador calvinista da Sociedade Bíblica da Terra Plana é preso por exploração sexual de um menor depois que investigação policial descobriu que ele tinha um estoque de pornografia infantil em seu computador


Fundador calvinista da Sociedade Bíblica da Terra Plana é preso por exploração sexual de um menor depois que investigação policial descobriu que ele tinha um estoque de pornografia infantil em seu computador

Julio Severo
Um apologeta calvinista que fundou a “Sociedade da Terra Plana Bíblica” foi indiciado em 56 acusações de exploração sexual de um menor e agora enfrenta prisão perpétua.
Philip Stallings, de 40 anos, foi preso em 19 de junho de 2019, com base em 28 acusações de exploração sexual de um menor e 28 acusações de exploração sexual em terceiro grau de um menor.
A prisão ele ocorreu depois de uma investigação conjunta da Delegacia do Município de Durham e do Ministério de Segurança Nacional dos EUA, e se deve à pornografia encontrada em seu computador, supostamente de menores envolvidos em atividades sexuais.
Em seu próprio site, Stallings se identifica como um “apologeta cristão reformado, teonomista.”
Em seu artigo “Apóstolos e Profetas São para hoje?” Stallings rejeita totalmente a posição de apóstolo e de profeta para hoje, acrescentando que as revelações cessaram quando a Bíblia se completou dois mil anos atrás. Os calvinistas usam o título de “apologeta” frequentemente para significar que eles defendem sua interpretação calvinista da Bíblia, especialmente contra neopentecostais e pentecostais. Portanto, não é de admirar que Stallings se identifique como “apologeta” e defenda os teólogos cessacionistas Sproul e John MacArthur, autor de “Fogo Estranho,” contra neopentecostais e pentecostais.
Stallings também defende a teoria da Terra plana. Em seu artigo “A Terra Plana Bíblica: A Agenda dos Illuminati,” ele disse:
Muitas pessoas me perguntam sobre o motivo e o objetivo por trás de acobertar a Terra plana. Além disso, muitos perguntam por que a elite iria querer que pensássemos que a Terra é redonda e giratória e que pousamos na lua?
Sabemos que satanás é o “pai da mentira” e busca enganar através de tramas e agendas falsificadas (João 8:44).
A posição heliocêntrica está certamente ligada à adoração do Sol, que remonta a Nimrod e à torre de Babel.
Então Stallings diz que as mesmas elites que “acobertam a Terra plana” defendem “esterilização, casamento sodomita, vírus Zika, geoengenharia, rastros químicos, aborto (infanticídio), guerras no Oriente Médio, organismos geneticamente modificados, multiculturalismo e vacinas.”
A Grande Mídia, que é intolerante aos evangélicos conservadores, poderia facilmente amontoar todas as posições conservadoras, pró-vida, pró-família e evangélicas junto com a teoria plana da Terra e rotular injustamente todos os evangélicos conservadores como fanáticos da Terra Plana, especialmente porque o alegado pedófilo também tem vídeos contra “feministas, travestis, sodomitas e mulheres nas forças armadas.”
Stallings tem um número substancial de 6 mil seguidores em um canal do YouTube com vídeos sobre a teoria da Terra Plana.
Parece que a sua recusa em deixar Deus o dirigir sobrenaturalmente o deixou aberto a direções demoníacas. Na verdade, ele não deixou Deus falar com ele através da Bíblia e através do Espírito Santo.
A prisão dele é parte de uma investigação mais ampla do Ministério de Segurança Nacional dos EUA sobre pornografia infantil na internet. Ele teria duplicado e adquirido imagens de menores realizando atos sexuais.
Um juiz estabeleceu sua fiança em 500.000 dólares (quase 2 milhões de reais em 2019).
Se ele pagar a fiança, ele está proibido de entrar em contato com crianças e usar computadores ou outros dispositivos que permitam a coleta de fotos ou vídeos.
O suposto pedófilo tem várias condenações anteriores entre 1996 e 2008, inclusive agressão a mulheres, prender ilegalmente alguém em sua casa, fraude com cartão de crédito, roubo, agressão a um policial e dirigir embriagado, de acordo com registros do Departamento de Segurança Pública do estado.
Com informações do DailyMail e site pessoal do Philip Stallings.
Leitura recomendada:

21 de junho de 2019

O berço do Cristianismo nos EUA é agora uma região longe do Cristianismo


O berço do Cristianismo nos EUA é agora uma região longe do Cristianismo

Julio Severo
A região nordeste dos Estados Unidos abrigava no passado os puritanos (calvinistas, ou como eles gostam de ser chamados, “reformados”) e outros cristãos devotos que vieram para o Novo Mundo para praticar o Cristianismo em liberdade.
Hoje, é a região dos EUA que mais está se distanciando do Cristianismo, de acordo com uma nova pesquisa do Grupo Barna.
O estudo mais recente do Barna revela que as cidades do nordeste estão entre as oito primeiras das dez cidades que mais estão se distanciando do Cristianismo dos Estados Unidos.
As 10 principais cidades americanas pós-cristãs incluem:
* Springfield-Holyoke, MA
* Portland-Auburn, ME 
* Providence, RI
* New Bedford, MA 
* Burlington, VT 
* Boston, MA
* Manchester, NH 
* Albany-Schenectady-Troy, NY 
* Hartford-New Haven, CT 
* Rochester, NY 
* Santa Barbara-Santa Maria-San Luis Obispo, CA 
* Seattle-Tacoma, WA
No estudo, Barna define “pós-cristão” de acordo com 16 características, inclusive se os indivíduos se identificam como ateus, nunca se comprometeram com Jesus, não frequentaram a igreja no último ano ou não leram a Bíblia na última semana.
A pesquisa foi realizada ao longo de um período de 10 anos. Os dados foram coletados de 21.378 pessoas.
Barna escreveu em 2017 que “o papel da Cristianismo na vida pública vem diminuindo lentamente, e a igreja não funciona mais com a autoridade cultural que tinha no passado.”
Um triste exemplo é a igreja protestante que George Washington, o primeiro presidente dos Estados Unidos, frequentava e ajudou a fundar. Embora Washington fosse conservador, a igreja dele é hoje pastoreada por uma mulher que prega o feminismo e a teologia da libertação.
Enquanto nos EUA os descendentes de calvinistas e outros protestantes tradicionais abandonam suas igrejas, cujos templos hoje estão vazios e muitas vezes são vendidos para muçulmanos, o único tipo de Cristianismo que avança nessas regiões agora longe do Cristianismo é a igreja carismática, a igreja pentecostal e a igreja neopentecostal. Se não fosse por essas igrejas mais avivadas, as regiões que outrora eram calvinistas, reformadas e protestantes tradicionais seriam hoje praticamente não-cristãs.
A diferença é que as igrejas calvinistas, reformadas, luteranas e metodistas que estão diminuindo são, de modo geral, muito mais liberais e esquerdistas, enquanto as igrejas carismáticas, as igrejas pentecostais e as igrejas neopentecostais são de modo geral muito mais conservadoras.
O Presidente Donald Trump é um exemplo do enfraquecimento do protestantismo tradicional nos EUA. Ele nasceu em lar presbiteriano tradicional, casou-me mais de uma vez e hoje está casado com uma católica.
Embora ele tenha um interesse óbvio pelo neopentecostalismo, não passa de interesse, sem nenhum compromisso. Como é tradição entre muitos presbiterianos, ele só vai à igreja em ocasiões muito especiais. Nem da data da comemoração dos 500 anos da Reforma protestante, em 17 de outubro de 2017, ele se lembrou. Ele preferiu celebrar o Dia das Bruxas.
Assim andam os presbiterianos e outros protestantes tradicionais dos EUA.
Com informações da Rede de Televisão Cristã.
Leitura recomendada: