Mostrando postagens com marcador porco. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador porco. Mostrar todas as postagens

14 de junho de 2012

Parada do orgulho porco


Parada do orgulho porco

Globo mede número de participantes de paradas gays pelo lixo que produzem. Quanto mais lixo, mais gays

Julio Severo
A Folha de S. Paulo, conhecida por seu esquerdismo, computou quase 300 mil participantes na parada gay de São Paulo deste ano. Mas o G1 da Globo continuou fiel ao chutometro gay, registrando três milhões e meio de farristas.
A explicação da Globo é que sua metodologia usa como medição o lixo que os farristas da parada produzem. Quanto mais lixo, mais gays.
Conforme o G1, em um dia normal, sem grandes eventos ou aglomerações, a prefeitura recolhe, em toda a cidade de São Paulo, uma média de 250 toneladas de lixo. Só na Parada do Orgulho LGBT, que ocorreu neste domingo (10 de junho) na região da Avenida Paulista, foram recolhidas 106 toneladas de resíduos.
Logo depois da parada, a prefeitura de São Paulo destacou um batalhão de mil funcionários de limpeza, mais de 1.300 lixeiras e 167 caminhões de lixo.
Para a Globo, esse lixão todo em um único evento gay tem apenas um significado: um montão de gays!
Não passou pela cabeça global que o monte de lixo pode significar que os participantes da parada sujaram mais, agindo como porcos. Aliás, a Bíblia deixa claro que os pecados, inclusive homossexuais, se assemelham à conduta dos porcos.
Em todo caso, entre quase 300 mil e 3 milhões há uma diferença colossal. E essa diferença não é entre a Globo esquerdista, homossexualista e anticristã e algum órgão noticioso cristão conservador do Brasil. É entre dois gigantes esquerdistas: Globo e Folha de S. Paulo, que arrisca ser tachada de praticar suinofobia por não acompanhar a Globo na medição dos lixões gays.
Enquanto os dois se digladiam com o lixo que os gay produzem, o público recebe lixo travestido de números estratosféricos das paradas gays.
Se o lixo é agora padrão de grandeza ou desculpa para disparar o chutometro gay, então os porcos estão com a bola toda. Seguindo a Globo, podemos computar que a sujeira de chiqueiro de dois porcos produzida num único dia significa que 100 porcos passaram por ali. Em comparação, com base na sujeira produzida por 10 gatos num único dia, pode-se deduzir que apenas 1 esteve no lugar.
O tamanho do lixo produzido pode não dizer muito sobre quantos participaram, mas mostra muito sobre o caráter dos participantes.
Lixão + gays = parada gay de 4 milhões?
E se essa informação sobre o lixo já é de conhecimento dos grupos gays, quem pode garantir que eles não estão usando e abusando dessa informação? Em vez de trazer uma sacola de alimento para os pobres, os participantes podem estar trazendo sacolas de lixo — para o bem da causa e dos números.
E não seria de estranhar tal comportamento. Homens que vivem no depravado comportamento homossexual não têm receio de infectar outros com AIDS — propositadamente. Seria menos difícil para eles trazer sacolas de lixo para suas paradas.
Um estilo de vida de porco tem tudo a ver com porcaria, sujeira e lixo. E lixo é tudo o que a Globo precisa para inflar os números da parada gay todos os anos.

30 de janeiro de 2012

Lanna Holder, o porco e a sodomia

Lanna Holder, o porco e a sodomia

Julio Severo
Em entrevista recente ao Gospel Prime, Lanna Holder, que se considera pastora lésbica, usou o exemplo dos pastores para defender sua opção sexual: se eles podem viver em divórcios e recasamentos, por que ela não pode viver no lesbianismo?
Só não vou tratar desse assunto porque meu artigo “A teologia da nudez” já disse tudo o que precisava ser dito sobre homossexuais e pastores divorciados e recasados: http://juliosevero.blogspot.com/2008/04/teologia-da-nudez.html
Vou tratar de outro assunto igualmente importante de Lanna Holder, que é “pastora”, não porque alguma denominação evangélica brasileira esteja ordenando gays e lésbicas, imitando decadentes igrejas americanas. Ela é “pastora” por decadência lésbica pessoal, sem o apoio de nenhuma denominação evangélica do Brasil. Claro que, no que depender do governo e da mídia, ela tem aprovação garantida para qualquer decadência lésbica, gay, bissexual, transexual e transgênera que quiser.
Lanna Holder e sua parceira lésbica: carne de porco é igual ao homossexualismo?
Na entrevista ao Gospel Prime, ela foi indagada sobre este versículo:
“Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é.” (Levítico 18:22 ACF)
A resposta dela: “No mesmo capitulo de Levítico que fala que é proibido um homem se deitar com outro homem… no mesmo contexto também fala que era abominável comer carne de porco”.
Ela colocou o porco diretamente no assunto! Barack Hussein Obama, durante sua primeira campanha eleitoral presidencial, fez discurso não muito diferente, citando Levítico e o homossexualismo.
Mas será que o pecado da homossexualidade está mesmo, no livro de Levítico, no contexto do porco? Vejamos:
“Nenhum homem se chegará a qualquer parenta da sua carne, para descobrir a sua nudez. Eu sou o SENHOR. Não descobrirás a nudez de teu pai e de tua mãe: ela é tua mãe; não descobrirás a sua nudez. Não descobrirás a nudez da mulher de teu pai; é nudez de teu pai. A nudez da tua irmã, filha de teu pai, ou filha de tua mãe, nascida em casa, ou fora de casa, a sua nudez não descobrirás. A nudez da filha do teu filho, ou da filha de tua filha, a sua nudez não descobrirás; porque é tua nudez. A nudez da filha da mulher de teu pai, gerada de teu pai (ela é tua irmã), a sua nudez não descobrirás. A nudez da irmã de teu pai não descobrirás; ela é parenta de teu pai. A nudez da irmã de tua mãe não descobrirás; pois ela é parenta de tua mãe. A nudez do irmão de teu pai não descobrirás; não te chegarás à sua mulher; ela é tua tia. A nudez de tua nora não descobrirás: ela é mulher de teu filho; não descobrirás a sua nudez. A nudez da mulher de teu irmão não descobrirás; é a nudez de teu irmão. A nudez de uma mulher e de sua filha não descobrirás; não tomarás a filha de seu filho, nem a filha de sua filha, para descobrir a sua nudez; parentas são; maldade é. E não tomarás uma mulher juntamente com sua irmã, para fazê-la sua rival, descobrindo a sua nudez diante dela em sua vida. E não chegarás à mulher durante a separação da sua imundícia, para descobrir a sua nudez, Nem te deitarás com a mulher de teu próximo para cópula, para te contaminares com ela. E da tua descendência não darás nenhum para fazer passar pelo fogo perante Moloque; e não profanarás o nome de teu Deus. Eu sou o SENHOR. Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é; Nem te deitarás com um animal, para te contaminares com ele; nem a mulher se porá perante um animal, para ajuntar-se com ele; confusão é.” (Levítico 18:6-23 ACF)
Não há nenhum porco aí. Aliás, ao contrário do que Lanna alegou, no capitulo 18 inteiro não há uma única menção a porco. No máximo, só há espírito de porco e muita, muita porcaria sexual. O contexto traz proibições de várias anormalidades sexuais, inclusive sexo com animais e sacrifício de bebês ao demônio Moloque.
Se a homossexualidade é normal, o que dizer então de todas as outras porcarias sexuais que estão nesse contexto? Deve-se legalizar tudo o que está ali junto com a homossexualidade? (Para mais informações sobre os casos de “nudez” mencionados nessa passagem de Levítico, consulte meu artigo “A teologia da nudez”.)
No livro de Levítico, há menção ao porco, porém não é no contexto da homossexualidade nem no capítulo 18, conforme insistiu Lanna. Mas talvez ela tenha introduzido o porco na discussão homossexual devido à semelhança de estilos de vida. E que nenhum ativista gay me acuse de nada desta vez, pois quem igualou o porco ao homossexualismo foi uma “pastora” lésbica.
Pois bem, se ela quer falar de porco e homossexualismo, vamos aos fatos bíblicos.
Realmente, no Levítico é proibido comer porco, mas essa condenação não é reforçada no Novo Testamento. O Apóstolo Paulo, sob inspiração divina, nunca disse: “Os que comem carne de porco não herdarão o Reino de Deus!”
Eu não como porco, por entender que a Bíblia ensina corretamente sobre alimentos. Mas não acho que quem come vai para o inferno espiritual. Aliás, nunca me esqueço de um médico, pastor de Brasília, que durante uma pregação disse: “Como médico, sei que a carne de porco não é saudável e que viverei menos anos se a comer. Mas EU GOSTO!” Assim, pela medicina, o porco pode condenar o comilão a um inferno de problemas físicos.
Diferente da carne de porco, a condenação à homossexualidade é reforçada no Novo Testamento em vários lugares, inclusive nesta passagem:
“Vocês sabem que os maus não terão parte no Reino de Deus. Não se enganem, pois os imorais, os que adoram ídolos, os adúlteros, os homossexuais, os ladrões, os avarentos, os bêbados, os caluniadores e os assaltantes não terão parte no Reino de Deus. Alguns de vocês eram assim. Mas foram lavados do pecado, separados para pertencerem a Deus e aceitos por ele por meio do Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito do nosso Deus.” (1 Coríntios 6:9-11 BLH)
No tempo do apóstolo Paulo, não havia ativista gay ou gayzista ou homossexualista, como conhecemos hoje. Havia só os homens que cometiam atos homossexuais.  Mesmo não sendo ativistas, Paulo mostrou que, enquanto não abandonassem as práticas homossexuais, as portas do Céu estavam fechadas para eles. Para eles e também para os idólatras, os adúlteros, os ladrões, os avarentos, os bêbados, os caluniadores e os assaltantes.
Entretanto, as portas da igreja devem estar abertas para eles exatamente para que eles possam ouvir o Evangelho, se arrepender, abandonar seus pecados e obter entrada no Reino de Deus. Mas a nenhum deles é permitido entrada no ministério sacerdotal, pois é antibíblico um pastor ser idólatra, adúltero, homossexual, ladrão, avarento, bêbado, caluniador e assaltante.
Então, aparece a Lanna Holder e diz: “Mas eu não quero ficar na igreja só ouvindo o Evangelho. Conheço a Bíblia de capa a capa! Quero pregar! Quero o púlpito! Do contrário, saio da igreja e fundo minha própria igreja!” E foi o que ela fez: fundou sua própria igreja, pois ela não se reconhece como uma mulher pecadora que precisa de Jesus Cristo e sua libertação. Ela só se reconhece como “pastora”.
Lanna Holder sendo promovida pela revista Eclésia, sucessora da revista VINDE, de Caio Fábio
Apesar disso, na entrevista, ela declarou que não é ativista do movimento gay. Mas Levítico 18:22 não condena homens envolvidos em militância política e legal gay. Condena homens envolvidos em atos homossexuais. Assim, sejam ativistas ou não, a Bíblia deixa muito claro que os homossexuais, assim como outros pecadores que não se arrependem e abandonam seus pecados, não têm direito ao Reino de Deus.
Tente imaginar a nojeira que é um porco no lamaçal de seu chiqueiro, e você entenderá por que Deus considera o ato homossexual nojento. Aliás, ele o chama de “abominação”, que significa “repugnante” e “detestável”.
Houve tempo em que Lanna queria crer nisso, mas hoje ela confessa sobre seus sentimentos lésbicos: “Se era uma influência demoníaca, por que eu continuava sentindo os mesmos desejos? Percebi que a minha natureza e a minha orientação sexual continuavam sendo as mesmas”.
Um drogado, beberrão, assaltante e outros desviados, que permanecem a vida inteira com o pecado abrigado no coração, poderiam fazer o mesmo questionamento: “Se é uma influência demoníaca, por que eu continuo sentindo os mesmos desejos (drogas, pedofilia, bebedeiras, roubos, estupros, adultérios, etc.)? Percebo que minha natureza continua sendo a mesma”.
Viver com o porco na boca não leva ninguém ao inferno. Só leva a problemas de saúde. Mas levar o porco na alma traz problemas de saúde e leva o porco de alma ao inferno.
Porco de alma é o que escolhe conviver com a “abominação” na alma e no corpo.
Tal “abominação” contamina também a mente, de modo que seu portador faz da verdade exatamente o que o porco faz com qualquer coisa limpa e bonita que venha a parar debaixo de suas patas: “Não deis aos cães as coisas santas, nem deiteis aos porcos as vossas pérolas, não aconteça que as pisem com os pés e, voltando-se, vos despedacem.” (Mateus 7:6 ACF).
No caso de Lama Holder, ela tem jogado a Bíblia no lamaçal de seu chiqueiro teológico. Alegremente, ela pisa à vontade em qualquer passagem da Bíblia, distorcendo e reinterpretando do jeito lésbico que ela quer, e atacando como “fanático” qualquer cristão que discorde da interpretação de chiqueiro dela.
Ela diz que conheceu o Evangelho no passado, largou do lesbianismo e depois voltou. Mas ela não é a única. Ela representa inúmeros casos de pessoas que fazem a escolha pessoal de voltar.
“Essas pessoas são um exemplo deste ditado verdadeiro: ‘O cachorro volta ao seu próprio vômito’ e ‘A porca lavada volta a rolar na lama.’” (2 Pedro 2:22)
Essa porca lavada é porca de alma. Por mais que lhe lavem, a bicha prefere a lama! “Eu nasci assim! Eu nasci assim! Não consigo viver sem vômito e lama!” dirão algumas dessas criaturas.
Já vi muitos drogados irem ao Evangelho, e voltarem aos antigos hábitos. Já vi prostitutas, ladrões, beberrões e outros voltando aos seus vícios. E essas infelizes escolhas são confirmadas pelas palavras de Jesus, que disse que a maioria sempre escolhe a porta larga e o caminho espaçoso que conduz à perdição (cf. Mateus 7:13-14).
Claro que se você perguntar para Lanna Holder se ela abandonou o Evangelho, prontamente ela negará. O que as porcas de alma fazem é muito pior: trocam o Evangelho de Jesus Cristo pelo “evangelho” do vômito e da lama. E ainda por cima querem ser pastoras! Esse é o mesmo “evangelho” da decadência abraçado por grandes denominações evangélicas dos EUA.
No final das contas, foi ótimo a Lama ter enfiado o porco nessa estória toda. Nem mesmo eu nunca liguei o porco ao homossexualismo. Mas agora, com as palavras da “pastora” lésbica, tudo começou a fazer sentido. Sim, realmente tem tudo a ver! Estilos de vida idênticos.
Com relação ao número pequeno de pessoas que não volta aos antigos hábitos nem troca o Evangelho de Jesus Cristo pelo “evangelho” da decadência, Jesus diz: “Estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem.” (Mateus 7:14 ACF)
Já vi os que aceitaram e permaneceram no Evangelho puro e simples, e não voltaram ao vômito e à lama. São realmente poucos.