Mostrando postagens com marcador aborto. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador aborto. Mostrar todas as postagens

14 de outubro de 2014

Tom Parker: A maior ameaça ao aborto nos EUA, de acordo com escritora pró-aborto


Tom Parker: A maior ameaça ao aborto nos EUA, de acordo com escritora pró-aborto

Julio Severo
A ativista pró-aborto Nina Martin rotulou um juiz do Alabama como um homem que “descobriu como desmantelar Roe versus Wade,” a lei federal dos EUA que legalizou em 1973 o aborto desde o primeiro até o último mês de parto.
Em seu artigo em inglês no site New Republic, ela também disse, “Tudo o que Tom Parker escreve alimenta a maior ameaça aos direitos de aborto numa geração.”
Entretanto, antes de pregá-lo à sua cruz, ela aponta as credenciais “malévolas” dele.
Ela diz que em 2005, o juiz Parker deu uma palestra a um grupo de estudantes de homeschooling num retiro da Faculdade de Direito e Políticas Públicas Witherspoon. Ela provou que Witherspoon é um projeto do Fórum Visão, um ministério cristão com sede no Texas.
Movida pela mesma motivação, ela poderia desqualificar a Constituição dos EUA provando as conexões cristãs de cada um de seus autores.
Ela também acha que Parker não é digno porque ele apoiou o monumento dos Dez Mandamentos no prédio do Supremo Tribunal do Alabama.
Ela então citou uma declaração “abominável” dele: “O próprio Deus das Santas Escrituras, o Criador, é a fonte da lei, vida e liberdade.”
O que ela esperava de um juiz de uma nação cujos fundadores eram cristãos? Se ela queria que Parker louvasse o aborto, ela deveria lhe mostrar George Washington e outros americanos originais defendendo a matança de bebês.
Juiz Tom Parker
Outras declarações de Parker que a irritaram:
“São os juízes que legalizaram o aborto e a homossexualidade… Eles estão abalando o próprio alicerce de nossa sociedade.”
“Temos de assumir uma postura em prol do que é certo.”
“Pelo fato de que Deus, não o Estado, concedeu aos pais a autoridade e a responsabilidade de governar seus filhos, os pais deveriam fazer isso livres de interferência estatal.”
As palavras de Parker fazem lembrar as palavras dos americanos originais, inclusive de Washington. Se Nina quisesse ouvir o que eles diriam hoje, Parker é a resposta. Mas se Nina voltasse àquele tempo, eles certamente lhe perguntariam: “Tem certeza de que você é americana? Todos nós somos cristãos, pró-vida e pró-família.”
O que é mais irritante sobre Parker para Nina é o que ela chama de “campanha implacável dele para minar o aborto legal.” Ela se queixa: “Ele faz argumentos em prol de plena condição legal para os bebês em gestação.”
Ela acrescentou um parecer do juiz Harry Blackmun: “Se instituírem a sugestão de que o bebê em gestação é uma pessoa, a lei [de aborto nos EUA] evidentemente se desmorona, pois o direito do feto à vida seria então garantido.”
Parker crê que um bebê em gestação tem direito à vida, exatamente como os americanos originais criam. Mas Nina está completamente irada sobre Cristianismo e seus valores pró-vida nos EUA.
Enquanto o direito à vida dos bebês em gestação não é reconhecido, mais de um milhão deles são assassinados em abortos legais nos Estados Unidos a cada ano sob Roe versus Wade, uma lei que protege matança de bebês e seus assassinos desde 1973.
De novo, Nina se queixa: “Passo a passo, Parker mostra sua evidência: leis que dão direitos de herança para crianças em gestação, leis que proíbem presidiárias grávidas de serem executadas, leis que dão aos fetos guardiões legais para o propósito de proteger seus interesses, leis que permitem que os pais processem por danos se os fetos forem prejudicados ou mortos como resultado de negligência ou algum outro ato errado.”
Nina acrescenta um comentário de Parker: “Hoje, a única grande área em que negam proteção legal às crianças em gestação é o aborto e essa negação existe apenas por causa dos ditames de Roe.”
“O que o juiz Paker fez,” disse Lynn Paltrow, diretora-executiva da organização sem fins lucrativos National Advocates for Pregnant Women (Defesa Nacional às Mulheres Grávidas), “é mostrar claramente o mapa e plano de ação para derrubar Roe versus Wade.”
Parker está pedindo que o Supremo Tribunal dos EUA resolva o assunto de plenos direitos para os bebês em gestação de uma vez por todas.
Ativistas pró-aborto, inclusive Nina, estão profundamente preocupados que os escritos de Parker venham a influenciar os juízes na capital dos EUA.
Nina Martin identificou com precisão o juiz do Alabama como a melhor chance do movimento pró-família dos EUA derrotar Roe versus Wade.
Parece um desafio grande demais: Tom Parker se defrontando com o Golias legal e seus exércitos pró-aborto.
No entanto, Deus não usou um jovem chamado Davi para derrotar um gigante chamado Golias no passado?
Ele é o mesmo hoje.
Outros artigos sobre o juiz Tom Parker:

5 de junho de 2014

Pesadelo brasileiro: Copa do Mundo, palmada e aborto


Pesadelo brasileiro: Copa do Mundo, palmada e aborto

Julio Severo
Para os estrangeiros que estão vindo ao Brasil para assistir à Copa do Mundo, esse mega-evento de futebol muitas vezes significa “turismo sexual.” Mas para os brasileiros, é a velha política romana de apaziguamento do “pão e circo.” Dê futebol aos brasileiros e eles se esquecerão de suas angústias sociais e morais — pelo menos por um tempo.
A razão especial que o governo sob a presidente socialista Dilma Rousseff está fazendo a Copa do Mundo é para que os brasileiros não deem atenção às consequências de suas malfadadas políticas e sofrimentos planejados.
Recentemente, com o Brasil sob o feitiço da Copa do Mundo, os hospitais haviam sido colocados sob uma ordem de facilitar abortos. Sob uma nova lei de aborto aprovada imediatamente após a visita do papa no ano passado, as mulheres podem requerer aborto médico meramente alegando que foram estupradas — sem nenhuma necessidade de evidência médica ou policial.
A ordem foi revogada pela pressão pesada de grupos católicos e da Frente Parlamentar Evangélica.
Entretanto, outro sofrimento planejado não teve tal atenção. Por mais de uma década, os socialistas no Brasil vêm trabalhando duro para proibir os pais de dar palmadas nos filhos.
Seus esforços recentes foram vitoriosos na Câmara dos Deputados e no Senado.
A estratégia de aprovar no Congresso Nacional foi fazer um apelo escandaloso, comparando palmadas dos pais a assassinato de crianças. Isso é interessante, pois o governo brasileiro e políticos socialistas apoiam a matança de crianças — por meio do aborto legal. Mas se você disser que o aborto é assassinato, eles responderão que você está fazendo um “apelo escandaloso”!
Assassinato é assassinato. Aborto é assassinato de crianças, mas os socialistas rejeitam tal comparação. Palmada dos pais não é assassinato, mas os socialistas não param de fazer tal comparação.
Maria do Rosário, a principal ativista anti-palmada, havia sido ministra de “direitos humanos” do governo de Dilma, mas ela permaneceu no cargo só até sua postura espalhafatosa no ano passado, declarando que o “assassinato” de um jovem homossexual foi um crime “homofóbico.” Ela inflamou o caso até transformá-lo num escândalo nacional, reivindicando leis duras contra pessoas “homofóbicas,” pressionando órgãos policiais a priorizar crimes contra homossexuais, etc. Ela deixou o cargo depois que se descobriu que o jovem homossexual não havia sido assassinado. Ele havia cometido suicídio depois que seu amante o havia rejeitado.
Contudo, o argumento contra a palmada dos pais foi vitorioso. Rosário e outros socialistas disseram que assassinato de crianças é provocado pela palmada dos pais, e a mídia repetiu esse mantra para todos os brasileiros. A vitória ocorreu depois que um menino foi assassinado por seu pai e madrasta, e o coro socialista começou: “Palmada dos pais equivale a assassinato.”
As audiências no Congresso Nacional tiveram outros apelos escandalosos. Xuxa — uma apresentadora de TV, atriz, cantora e empresária — fora convidada para apoiar a Lei Anti-Palmada. O que Xuxa tem para ensinar aos pais? Aliás, por que ela está tão engajada numa lei que tem como objetivo confiscar os direitos dos pais e destruir suas decisões acerca de seus filhos?
Xuxa não tem nenhum exemplo aceitável de mãe. Por escolha, ela nunca foi casada, mas foi amante de vários homens. Ela teve só uma filha e para essa gravidez, ela escolheu um homem só para ter um bebê. Nada mais. Por sua escolha, sua filha foi criada sem seu pai.
Em 1982, aos 19 anos, Xuxa apareceu no filme “Amor Estranho Amor.” Seu papel foi seduzir um menino de 12 anos. A cena continha erotismo e pedofilia: uma jovem nua com um menino nu na cama.
Xuxa nunca passou tempo na cadeia por sua cena de pedofilia. Pelo contrário, na década de 1980 ela teve seu corpo nu como foto de capa na revista Playboy.
Pais que assassinam seus filhos devem ser punidos. Pessoas que incentivam a pedofilia por meio de filmes devem ser punidas. Pais que castigam fisicamente seus filhos, com uma vara ou palmada, não devem ser tratados como criminosos, principalmente sob o mau exemplo de uma mulher sem orientação moral e exemplo de mãe.
A tragédia brasileira é que desde que o Brasil assinou a Convenção da ONU sobre os Direitos das Crianças em 1990, não há castigo legal para criminosos de menos de 18 anos. Os menores de idade podem bater e matar seus pais, e não haverá cadeia nem sentença. Apenas reabilitação especial. Agentes policiais são proibidos de tratar como criminosos menores que estupram, agridem e matam.
Dias atrás, um brasileiro, que é hoje pastor da Assembleia de Deus, me disse que era autoridade municipal que supervisionava menores de idade problemáticos no Brasil. Ele disse que era um pesadelo, pois eles lidavam com rapazes de 15, 16 e 17 que estupravam e matavam, mas legalmente não podiam ser punidos. A reabilitação que o governo lhes dava era um fracasso. O pastor me disse que menos de 4% tinham alguma melhoria. Hoje ele vive nos EUA, onde ele me disse que tem visto criminosos tratados como criminosos, independente da idade.
Eu também prefiro o sistema americano, pois, onde o conservadorismo é predominante, é menos bárbaro do que o sistema legal do Brasil. Outro amigo meu, que é um pastor presbiteriano no Texas, me disse que quando ia bater em seu filho, ele disse: “Se você me bater, denunciarei você para a polícia!” No Brasil, isso é suficiente para amedrontar um pai. Mas sabiamente o próprio pai telefonou e a polícia veio. Depois de ouvir o menino e o pai, o policial apenas instruiu o pai sobre as melhores maneiras de usar um chinelo ou cinta para castigar o menino. Desnecessário dizer que o menino nunca mais quis a polícia envolvida.
Graças a Deus, isso foi no Texas, não no Brasil! O Texas, que é mais conservador do que outros estados americanos mais liberais em que os pais também enfrentam riscos, é um lugar que definitivamente eu escolheria para viver, se eles pretendem continuar com uma vida social livre das insanidades da ONU!
Em contraste, a Frente Parlamentar Evangélica (FPE), que é uma força pró-vida no Congresso Nacional, fez um acordo repulsivo com o governo e seus apoiadores socialistas para aprovar a Lei Anti-Palmada. Muitos dos membros da FPE são socialistas também. A Igreja Católica no Brasil, por muitos anos apoiando medidas socialistas no Brasil, não fez nenhuma oposição aos esforços governamentais para confiscar os direitos dos pais na questão da palmada.
Este é o pesadelo brasileiro: crianças e adolescentes que agridem, estupram e matam não podem, pela lei, receber castigo.
Este é o pesadelo brasileiro: os pais que disciplinam fisicamente, com uma vara ou palmada, para tentar impedir seus filhos e adolescentes de se tornarem criminosos que agridem, estupram e matam serão legalmente castigados, e serão tratados como criminosos e assassinos de crianças, enquanto os reais assassinos de crianças (abortistas) não poderão, pela lei, receber castigos.
Não há nenhuma epidemia de crianças assassinadas por pais no Brasil. Mas há uma epidemia de crianças e adolescentes estuprando, agredindo e assassinando. Como sempre, sem nenhuma punição.
Socialistas psicopatas e suas leis no Brasil essencialmente dizem: “Não bata nos seus filhos para impedi-los de se tornarem criminosos. Aborte-os! Nós permitimos que você os aborte, mas não discipliná-los, ok?”
Tente dar aos seus filhos educação escolar em casa no Brasil, e o governo irá atrás de você de forma feroz. Bata neles, e não haverá perdão estatal. Mas facilite os caminhos criminosos deles, e você não será incomodado.
Visite São Paulo ou outra grande cidade no Brasil e você verá um quadro triste: uma menina ou menino de 8 anos de idade pedindo esmola nas ruas, dia ou noite, enquanto o governo está muito ocupado caçando pais que dão palmadas.
A Copa do Mundo ajuda os brasileiros a se esquecerem momentaneamente de seu pesadelo social.
Leitura recomendada:

19 de agosto de 2013

Direito de matar ou corrigir?


Direito de matar ou corrigir?

Mobilização urgente: Ligue agora mesmo, gratuitamente, para o telefone do Congresso: 0800-619619 para pedir a rejeição da Lei da Palmada. Para mais informações sobre o que fazer, clique aqui: http://bit.ly/14dSunX

Julio Severo
Socialistas como Maria do Rosário argumentam que leis são necessárias para castigar pais que disciplinam fisicamente os filhos. O pretexto? Uma suposta preocupação com o bem-estar das crianças.
Xuxa, que já fez propaganda explícita da pedofilia ao encenar sexo com um menino nas telas do cinema com o infame filme Amor Estranho Amor, concorda com Rosário. Aliás, ela está em campanha para ajudar Rosário a criminalizar os pais do Brasil. Na mentalidade delas, criminalizar os pais é vastamente mais importante do que condenar Xuxa por todas as suas propagandas explícitas de erotização infantil e pedofilia.
Esses mesmos socialistas, inclusive Maria do Rosário, defendem a legalização do aborto, que é, de longe, a pior violência física contra as crianças mais inocentes. Mas quando o assunto é matar crianças, os socialistas desconversam sua defesa do bem-estar das crianças, um argumento que é só usado contra as famílias.
No aborto, o que vale não é o bem-estar físico das crianças, mas exclusivamente a vontade da ideologia feminista.
Na lei de Deus, os pais e mães têm o direito de educar e disciplinar seus filhos, mas não têm nenhum direito de matá-los.
Na lei de Maria do Rosário e outros socialistas, as mães têm o direito de matar seus filhos por meio do aborto, mas não têm nenhum direito de educá-los e discipliná-los.
Esses socialistas querem que suas leis sejam mais importantes do que as leis de Deus.
A lei de Deus diz:
“Aquele que poupa sua vara [de disciplina] odeia seu filho, mas aquele que o ama o disciplina com diligência e o castiga desde cedo”. (Provérbios 13:24 Bíblia Ampliada)
“Os castigos curam a maldade da gente e melhoram o nosso caráter.” (Provérbios 20:30 NTLH)
“Não evite disciplinar a criança; se você bater nela e castigá-la com a vara [fina], ela não morrerá. Você a surrará com a vara e livrará a alma dela do Sheol (Hades, o lugar dos mortos)”. (Provérbios 23:13-14 Bíblia Ampliada)
“A vara e a disciplina dão sabedoria, mas a criança entregue a si mesma vem a envergonhar a sua mãe”. (Provérbios 29:15 RA)
De forma diferente, o socialismo impregnado no Estado brasileiro está avançando para tornar crime a resistência dos pais para entregar seus filhos à doutrinação homossexual nas escolas. Como primeiro passo da tirania da doutrinação, a Constituição brasileira agora obriga as famílias a entregar seus filhos de 4 anos para a escola. É a Constituição a serviço da tirania socialista.
A lei dos socialistas diz: Matar crianças por meio do aborto é direito reprodutivo da mulher, que está liberada pelo Estado socialista para cometer todo tipo de violência física, inclusive assassinato, contra seus filhos antes do nascimento. Em contraste, é crime disciplinar os filhos depois que nascem! De forma igual, os socialistas consideram crime os pais terem o direito natural de dar educação a seus filhos em casa.
Tempos atrás, um pastor foi preso injustamente por disciplinar as filhas, sofrendo todos os tipos de maus-tratos na prisão. O Estado não mostrou nenhum interesse em defender o pai de família, que foi preso por denúncia de uma agente de Conselho Tutelar parente de um agente de saúde que tentou estuprar uma das filhas do pastor.
Em contraste, uma dupla gay surrava e estuprava um menino adotado de 5 anos de idade, e recebeu total assistência e proteção do Estado.
Assim é no Estado socialista: você tem a proteção do Estado para cometer perversões, inclusive matar bebês em gestação. Mas quer sentir a fúria desse Estado louco? Faça o que Deus orienta.
Os socialistas lhe dão o direito de matar e lhe tiram o direito de educar e disciplinar.
Deus lhe garante o direito de educar e disciplinar, mas não lhe dá o direito de matar inocentes.
Qual lei você prefere?
Leitura recomendada:
Artigos sobre Xuxa:
Artigos sobre Maria do Rosário:

1 de agosto de 2013

Luto no Brasil: Dilma sanciona lei de aborto


Luto no Brasil: Dilma sanciona lei de aborto

Julio Severo
A presidente Dilma Rousseff acabou de sancionar uma lei que protege vítimas de violência sexual. A lei foi aprovada sorrateiramente no Congresso Nacional recentemente. Não há problema em leis protegendo tais vítimas. Mas, de acordo com essa lei, qualquer mulher pode obter um aborto alegando violência, e não há nenhuma necessidade de evidência médica e legal.
Dilma Rousseff
O anúncio hoje (1 de agosto de 2013) da sanção presidencial foi feito pela ministra Eleonora Menicucci, que explicou que as mulheres brasileiras sofrem um estupro a cada 12 segundos e que a nova lei, PLC 03/2013, será uma solução para a difícil situação delas.
Mas a nova lei ajuda mais o aborto do que as vítimas de violência sexual.
Tanto Rousseff quanto Menicucci foram ativistas do aborto por vários anos. Ambas eram membros de um violento grupo revolucionário comunista nas décadas de 1960 e 1970. Ambas foram presas na mesma instituição militar por terrorismo.
Eleonora Menicucci
Após a liberação delas, eles começaram a fazer campanhas pelo aborto. Menicucci se gabou de que fez dois abortos, ainda que seja contra a lei no Brasil. Ela disse que foi treinada a realizar abortos na Colômbia em 1995.
A nova lei de aborto não solucionará a crise de estupros em massa no Brasil. A impunidade está desenfreada na sociedade brasileira. Os assassinos e os estupradores ficam impunes. Mas as pró-aborto Rousseff e Menicucci asseguraram que os bebês em gestação não ficarão impunes.
A nova lei tem um jeito amplo de definir “violência sexual.” De acordo com a Dra. Damares Alves, assessora pró-vida no Congresso Nacional, a lei diz que “violência sexual é qualquer relação sexual não consentida” em seu artigo 2. A Dra. Damares disse que se uma esposa for a um hospital e disser que engravidou do marido por sexo não consensual, ela está qualificada para a condição de vítima de violência sexual.
Em sua entrevista para Julio Severo, a Dra. Damares disse que hospitais particulares, católicos e protestantes estarão sob obrigação de se submeter à nova lei e oferecer abortos para mulheres que afirmarem terem engravidado, mediante sexo não consensual, de seus maridos, amantes, namorados, etc.
Antes de sua eleição para a presidência do Brasil em 2010, Dilma havia assinado um termo de compromisso com os líderes evangélicos de não aprovar leis de aborto. Ela não manteve sua palavra socialista.
Até a recente visita do papa e vários líderes evangélicos a Dilma não foi o suficiente para fazê-la mudar de ideia, ainda que eles nunca tivessem mencionado aborto e matança de crianças para ela.
A nova lei é um truque malicioso para abortistas, socialistas, feministas e mulheres sob o feitiço deles. É mais uma mentira para encobrir a violência generalizada no Brasil. Ao número enorme de assassinatos e estupros, o Brasil terá agora matanças de bebês.
O derramamento de sangue era uma marca importante no grupo revolucionário onde Rousseff e Menicucci eram membros. O derramamento de sangue é agora sua marca política.
Algumas pessoas dizem que os socialistas não comem crianças. Você realmente acredita que as leis malignas deles não fazem isso?
Leitura recomendada:

Dilma precisa de profetas


Dilma precisa de profetas

Julio Severo
Um leitor me avisou pelo Twitter ontem que Ana Paula Valadão estava falando ao vivo num culto na Igreja Batista da Lagoinha. Fui conferir, mas como minha internet é fraca, a conexão só me permitiu assistir durante 1 minuto. Nada mais.
Ana Paula Valadão: Dilma precisa de profetas
O que me chamou a atenção neste culto foi quando Ana pediu a Deus “para que as portas permaneçam abertas, para que os profetas do Senhor entrem.” Em seguida, minha conexão de internet caiu totalmente.
Talvez essa frase fosse o que Deus queria que eu ouvisse.
Deus quer que os profetas entrem na presença de Dilma? Claro que sim.
Há na Bíblia vários exemplos de profetas diante de estadistas. Eles iam, não somente para orar, mas também para levar importantes recados de Deus.
O quadro hoje teria de ser diferente? Não. (Creio que Deus fala profeticamente hoje, mas nos termos do Novo Testamento.) Além disso, o cenário é muito parecido. Dilma está cercada de “profetas” — isto é, homens e mulheres de várias igrejas e interesses. Ela tem, perto de si, católicos mais chegados, que lhe dão conselhos. E tem também evangélicos, inclusive um “secretário” evangélico para assuntos evangélicos.
Seria absurdo dizer que há falta de católicos e evangélicos na presença de Dilma. Em grande parte, ou talvez totalmente, são cristãos alinhados com a esquerda. Esquerdistas, quer sejam ateus ou religiosos, são “irmãos” e sempre vivem juntos. Gilberto Carvalho, ex-seminarista católico, é chegadíssimo a Dilma e sabe mexer os pauzinhos para aproximar Dilma de cristãos peões.
A oração de Ana Paula Valadão, então, só vai engrossar a presença de evangélicos diante de Dilma? É o que parece. Pelo seu interesse em reeleição, Dilma irá se aproximar de mais evangélicos e outros grupos religiosos.
Ana pode ter boas intenções no coração, mas a função do profeta é muito mais do que orar ou mostrar presença “evangélica” diante de Dilma. Muitos outros já cumprem esse papel — muito mal, pelo visto.
A função do profeta é ouvir de Deus e entregar os recados decisivos para momentos decisivos.
Dilma quer aproximação por causa de sua preocupação com sua reeleição. Mas é essa a preocupação de Deus?
Deus enviou ao rei Acabe, que reinava em Israel no Antigo Testamento, profetas, inclusive Elias e Micaías. Acabe havia transformado o culto a Baal em obrigação nacional. O deus Baal era servido por sacerdotes homossexuais e exigia o sacrifício de bebês. Bem parecido com o baalismo petista, não, que exige homossexualismo e aborto?
Os recados divinos de Elias e Micaías eram duros e não estimulavam o governante a chamar o profeta para outros encontros. Afinal, depois de ser repreendido, você vai querer convidar o repreensor de novo?
Se você quer manter as portas abertas diante de estadistas, a última coisa que você vai querer dizer é uma palavra que desagrade. Pobre Elias! Suas palavras só ofendiam o rei! Pobre Micaías! Acabe detestava as mensagens divinas dele.
Se Ana quer de fato manter as portas abertas, não imite Elias nem Micaías. A chave para a continuidade de encontros com Dilma é não desagradá-la. E um jeito fatal de fazer isso é continuando a fazer exatamente o que as cantoras gospel fizeram: não incomodaram Dilma sobre a lei de aborto que ela está para sancionar. Nada de dar uma de Elias e Micaías diante da presidente. Confira meu artigo sobre Micaías: Onde está Micaías? Dilma e seus quatrocentes conselheiros
Desagradar Dilma na questão do aborto é algo que nem o papa faria. Mas no caso do papa, haveria uma desculpa: ele é um estadista.
Manter as portas abertas diante de um estadista pró-aborto é um pedido difícil se você pretende dar um recado de Deus. Mas se for apenas para orar, dar um tapinha nas costas, fazer um elogio e sorrir, as portas estão sempre abertas. Na última reunião das cantoras gospel, Dilma sorriu e gostou.
Dilma sorriu porque ela pôde aproveitar para vantagem dela, assim como ela faz com muitos outros grupos evangélicos e cristãos.
Mas se Ana ou um verdadeiro profeta tivesse orado e depois dito “Dilma, vejo sangue em suas mãos!”, haveria uma imediata porta aberta para um recado profético. Curiosa e assustada, Dilma perguntaria: “O que é isso, sangue em minhas mãos?”
O profeta diria: “É o sangue de crianças abortadas por leis de iniquidade que seu governo quer impor no Brasil.”
Ela poderia reagir se arrependendo ou enxotando ou mandando prender o profeta. Mas nossa missão não é mudar o coração dos estadistas. Apenas lhes dar as mensagens de Deus. O resto é com Deus.
Espero que Ana compreenda a responsabilidade e seriedade da oração que ela fez pedindo a Deus permanentes portas para profetas visitarem Dilma. Que sejam profetas como Micaías, que não se limitava à oração e tapinhas nas costas. De evangélicos e católicos de tapinhas nas costas e elogios, Dilma já os tem em abundância em sua presença. Agora ela precisa é encontrar um verdadeiro profeta, para falar o que ela precisa ouvir, mesmo não gostando.
Leitura recomendada: