Mostrando postagens com marcador Isabella Miller. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Isabella Miller. Mostrar todas as postagens

27 de dezembro de 2011

Maior revista gay do mundo: nada de compaixão e tolerância para uma ex-lésbica e sua filha

Maior revista gay do mundo: nada de compaixão e tolerância para uma ex-lésbica e sua filha

Julio Severo
The Advocate (O Defensor), a maior revista gay dos Estados Unidos e, em suas próprias palavras, a “Principal Fonte Mundial de Notícias para o Público LGBT”, acabou de colocar os olhos em mim e em LifeSiteNews em sua defesa da ativista lésbica Janet Jenkins.
Revista americana gay The Advocate: zombando de Cristo
A missão de The Advocate, como seu nome em inglês indica, é fazer defesa — da agenda gay e seus militantes. Jenkins quer a filha de sua ex-parceira lésbica Lisa Miller, que renunciou à homossexualidade para viver para Jesus. Independentemente do bem-estar da menina, a infame missão é “resgatá-la” de sua mãe biológica e dá-la a uma lésbica que não tem nenhum parentesco com ela.
O que faria uma lésbica insistir na obtenção da custódia de uma criança à custa de sua mãe biológica? É claro que os leitores gays de The Advocate concordam com qualquer missão gay, contanto que a agenda gay seja no final exaltada. Mas certa comentarista lésbica, que ficou do lado de Jenkins, fez a difícil pergunta:
“A menina tinha cerca de um ano quando elas se separaram e Lisa tem sido a única que tem cuidado da criança por todo esse tempo… Por isso, qualquer pergunta de se ela é uma mãe apta ou inapta não vem ao caso. Compreendo o sofrimento que Jenkins deve sentir pela perda dela, mas que tipo de relacionamento ela poderia chegar a ter nessa altura se Lisa não coopera e é hostil?”
A verdade é que Jenkins pôde ter algum tempo com Isabella, em visitas impostas por tribunais que deixaram a menina traumatizada.
Entretanto, quem mais está fazendo perguntas difíceis? O governo americano, que está ativamente promovendo a agenda gay no mundo inteiro, não quer nada a ver com perguntas difíceis prejudiciais aos interesses gayzistas. E o FBI, para sua própria vergonha, está atrás de uma menina e sua mãe natural, porque uma lésbica, que não tem nenhum parentesco com ela, a quer, custe o que custar.
O custo tem realmente sido alto. Até agora, dois pastores foram presos, porque ajudaram Lisa Miller e sua filha Isabella a fugir dos Estados Unidos. O Rev. Timothy Miller foi preso pelo FBI quando chegou aos EUA vindo de seu trabalho missionário na Nicarágua. Ele foi preso no aeroporto na presença de sua esposa e quatro filhos. Para mostrar compaixão politicamente correta para os interesses e ambições de uma ativista lésbica, o FBI teve de mostrar crueldade para uma família cristã.
Em sua investigação, o FBI decodificou a linguagem alemã da Pensilvânia usada pelos pastores em seus esforços para transferir Lisa Miller e sua filha dos Estados Unidos para o Canadá, em seguida para o México, depois para a Nicarágua e por último para o Equador — conforme foi alegado por The Advocate. (Se o FBI tivesse mostrado tal eficiência para decodificar a “linguagem” dos terroristas islâmicos antes de 2001, o ataque terrorista ao World Trade Center jamais teria ocorrido!) Subsequentemente, outro pastor foi preso. É uma perseguição implacável exclusivamente para atender à agenda gay.
The Advocate, satisfeito com o engajamento do FBI, indicou que LifeSiteNews pode estar envolvido. Ei, publique qualquer artigo defendendo uma ex-lésbica e sua filha, e a Gaystapo dirá que você cometeu um crime contra a agenda gay. E talvez muitos cristãos tenham começado a aceitar a ideia errada de que é crime defender essa indefesa mãe e sua filha, pois enquanto a mídia secular e gay está falando de forma contundente a favor dos “direitos” de Janet Jenkins, a mídia cristã está em grande parte em silêncio.
A propósito, The Advocate também me mencionou, dizendo que eu e outros cristãos somos “antigay”, só porque não aceitamos a agenda gay, e só porque nos opomos à maldade que a agenda gay vem cometendo contra Lisa Miller e sua filha.
The Advocate disse,
“Num artigo editorial de 1 de dezembro de LifeSiteNews intitulado ‘Cowardice: The State and Homosexualist Powers Against a Former Lesbian and Her Daughter’ (Covardia: O poder do Estado e gayzistas contra uma ex-lésbica e sua filha), o ativista brasileiro antigay Julio Severo caracterizou Lisa Miller e sua filha como vítimas numa percebida guerra contra a liberdade religiosa. Jenkins, porém, foi pintada como predadora e cínica ‘ativista lésbica’”.
Se Lisa e sua filha biológica não são vítimas, o que elas são? Opressoras de Jenkins? Pobre Jenkins: o FBI e a imprensa esquerdista de massa estão atacando-a, pois Lisa se recusa a devolver sua filha biológica! Como Lisa é cínica por defender sua filha!
Os desejos de Jenkins são mais importantes do que a maternidade biológica de Lisa, mais importantes do que Jesus Cristo (a quem Lisa e sua filha dedicaram suas vidas) e mais importantes do que o bem-estar moral, espiritual e físico da própria Isabella.
Outro comentarista de The Advocate observou,
“A questão é simples. Isabella não pertence a Jenkins, pois ela não é o pai ou a mãe biológica dela. Nenhum tribunal ou governo tem o direito de forçar esse tipo de custódia. Quanto mais cedo Jenkins compreender isso, melhor”.
Apesar de todos os fatos, a militância cega de The Advocate e seus apoiadores os impede de aceitar realidades básicas, biológicas e outras. Em vez disso, as pessoas são forçadas a aceitar suas realidades antinaturais. E o governo dos EUA e o FBI estão com eles, não com Lisa, comigo ou com LifeSiteNews, para garantir que o antinatural tenha prioridade sobre o natural, por amor ao homossexualismo e sua agenda.
E então? Será que LifeSiteNews deveria virar alvo da monitoração do FBI? Será que eu também deveria virar alvo da monitoração do FBI, por causa do meu artigo que defendeu as oprimidas, não a opressora? “Oh, com certeza!” The Advocate e seu coro gay gritariam. Outros radicais diriam: “Prendam-no!” “Crucifiquem-no” — esse último desejo veio de um gay brasileiro num site homossexual. The Advocate poderia responder: “Oh, nós não somos tão maus assim! O FBI e prisão são suficientes”.
E, realmente, o FBI está fazendo prisões. Kenneth Miller, o segundo pastor preso, estava sob a monitoração do FBI que estava querendo pegar outros contatos religiosos que ajudaram Lisa Miller e sua filha. O FBI está determinado a prender qualquer outro pastor evangélico envolvido na defesa delas. Se tal monitoração do FBI tivesse feito de alvo contatos islâmicos, a turba politicamente correta teria rotulado isso de crime de preconceito. Ao que tudo indica, só gays e muçulmanos têm o direito de protestar contra a interferência governamental nos Estados Unidos politicamente corretos.
Com tal atuação do FBI, como é que os EUA podem ter segurança? Mas o que importa para o governo esquerdista dos EUA e para a mídia esquerdista? O importante é dar segurança para a agenda gay, independente de quão inseguros os inocentes ficarão.
Pastores evangélicos, uma mãe biológica e sua filha: todos podem ficar na mão, menos Jenkins e outros gayzistas, que recebem favores e privilégios do governo e dos meios de comunicação.
Enquanto isso, aqueles que apoiaram Lisa Miller e sua filha, em face de ameaças e prisão, não estão recebendo nenhum apoio midiático e não têm nenhum amigo poderoso como o FBI para ajudá-los. Em vez disso, o apoio escasso deles vem de poucas igrejas.
Igrejas menonitas ligadas ao Pr. Kenneth Miller criaram um site para expressar “solidariedade a Ken enquanto ele enfrenta acusações por escolhas e ações que acreditamos serem corretas. Pela graça de Deus, queríamos fazer as mesmas escolhas que ele fez. Nosso envolvimento com Lisa e Isabella Miller brota de um desejo de obedecer ao nosso Senhor Jesus — obedecer aos Seus mandamentos e exemplo”.
Essa era a resposta cristã adequada nos tempos da tirania nazista e comunista.
Essa é a resposta cristã adequada nestes tempos de tirania gay e politicamente correta.

6 de dezembro de 2011

Covardia: O poder do Estado e gayzistas contra uma ex-lésbica e sua filha

Covardia: O poder do Estado e gayzistas contra uma ex-lésbica e sua filha

Julio Severo
O Rev. Timothy David “Timo” Miller, que agiu corajosamente ao defender uma criança perseguida e sua mãe, fez agora um acordo com promotores federais dos Estados Unidos, os quais estão querendo sequestrar Isabella Miller de sua mãe e entregá-la a uma lésbica que não tem nenhum parentesco com ela. Ninguém sabe exatamente qual foi o acordo, mas os promotores parecem estar satisfeitos com os resultados.
O caso dele é perturbante: Ele foi preso na primavera passada ao chegar aos Estados Unidos vindo da Nicarágua, onde ele trabalhava como missionário. Ele foi acusado de ajudar Lisa Miller, que não tem nenhum parentesco com ele, a fugir dos EUA com Isabella, sua filha de 9 anos de idade.
Isabella e sua mãe Lisa Miller
Mais perturbante ainda é o fato de que um tribunal de Vermont deu a custódia de Isabella para Janet Jenkins, uma ativista lésbica e ex-parceira sexual de Lisa Miller.
Jenkins e Miller haviam se unido numa união civil homossexual no estado de Vermont em 2000 e, dois anos mais tarde, Miller deu a luz sua filha Isabella, concebida por meio de inseminação artificial. A união lésbica terminou em 2003, com Miller aceitando Jesus Cristo em sua vida e renunciando à homossexualidade. Ela se tornou batista e então menonita.
Janet Jenkins, ativista lésbica e dona de uma creche
Mas Jenkins, sua ex-parceira e dona de uma uma creche de crianças, jamais renunciou à sua homossexualidade ou a seu ativismo. Ainda que ela não tenha nenhuma ligação biológica com Isabella e tivesse escolhido não registrar seu nome como “pai” da menina na certidão de nascimento, Jenkins, provavelmente sob a inspiração ideológica de outros gayzistas, começou uma batalha de custódia, tendo inicialmente obtido o “direito” de ter a menina para visitas. Uma das consequências dessas visitas sem supervisão e ordenadas pelo tribunal foi que a própria Isabella se queixou de ser forçada a tomar banho pelada com Jenkins. A menina estava ficando traumatizada com os primeiros passos para forçá-la ao estilo de vida lésbico.
“Isabella sofre de distúrbios de sono e pesadelos, tendo dificuldade para dormir a noite inteira”, Gwen Corley, assistente social, disse ao tribunal em setembro de 2007. Antes das visitas impostas pelo tribunal, a menina era uma criança bem ajustada e se desenvolvendo bem, de acordo com um depoimento juramentado feito em junho de 2007 por Sylvia Haydash, terapeuta clínica que teve sessões clínicas com Isabella.
Miller tentou proteger Isabella dessas visitas moralmente prejudiciais, mas então uma ordem do tribunal concedeu custódia total para Jenkins, que pôde, com suas conexões homossexuais, convocar todo o aparato judicial e policial para ajudá-la.
Para proteger sua filha biológica de mais traumas de uma ativista lésbica obcecada, sua mãe biológica tomou a difícil decisão de fugir de seu próprio país. Neste cenário desesperado entra o Rev. Timothy Miller, que só queria ajudar. Como missionário na Nicarágua, ele trouxe esperança para uma mãe e filha solitárias. fazendo todos os arranjos para que elas ficassem num local escondido entre os menonitas dessa nação centro-americana.
Talvez o Rev. Miller não estivesse esperando ser preso ou ver o próprio FBI, que é a polícia federal americana, envolvida no caso, acusando-o de cooperar com um “sequestro”.
Mas nessa altura ele ficou profundamente consciente de que a agenda gay é vastamente maior do que o que ele havia pensado antes. Aliás, o movimento homossexual tem apoio em massa de tribunais e órgãos policiais.
Presumivelmente com ameaças de prisão, os promotores federais acabaram garantindo a cooperação do pastor. Eles sabem que Lisa Miller e Isabella viajaram para a Nicarágua em setembro de 2009, onde um grupo de missionários menonitas havia ajudado a escondê-las. Eles também sabem que mãe e filha foram vistas pela última vez na Nicarágua na primavera de 2010.
No começo deste ano, um pastor menonita na Nicarágua disse para a Associated Press que “nossos irmãos na Nicarágua sentiram que era certo e bom ajudar Lisa não só a se livrar do tão chamado casamento civil homossexual e do estilo de vida lésbico, mas também especialmente proteger sua filha de 9 anos de idade de ser raptada e entregue a uma a uma lésbica ativa e uma ativista extremamente radical”.
O Rev. Miller está agora livre das nefastas garras do FBI, que num sistema legal são perseguiria bandidões e terroristas. Mas Lisa e Isabella não estão livres: O FBI está atrás delas. A qualquer momento, elas poderão ser capturadas. A qualquer momento, Isabella poderá ser sequestrada pelo FBI e sua mãe poderá ser presa.
Os Estados Unidos estão ressuscitando Sodoma com vingança, apoiados pelo descomunal poder do Estado. Enquanto os serviços sociais cristãos nos EUA estão perdendo seu direito tradicional de ajudar crianças por recusarem as ordens estatais de entregar crianças em adoção para duplas homossexuais, a ativista lésbica Janet Jenkins está livre para dirigir uma creche. E por causa do radical ativismo de Janet, Isabella e sua mãe não estão livres ou seguras de perseguição estatal em massa. Perseguição por sua fé e por sua recusa de fazer concessões ao mal.
Essa tragédia se tornou possível apenas porque uniões civis homossexuais foram permitidas em Vermont. E quando o “casamento” homossexual é permitido, a agenda gay e o Estado se unem num “casamento” profano, onde liberdades e direitos especiais são concedidos àqueles que estão nas pegadas de Sodoma. Esse “casamento” profano possibilita que ativistas homossexuais oprimam e persigam pessoas que renunciam à perversão homossexual, com a assistência do FBI, que — pelo menos no caso Jenkins-Miller — se tornou efetivamente uma Gaystapo.
O Rev. Miller tentou se opor a esse “casamento” profano e suas ameaças contra Lisa e Isabella, mas esse casamento demonstrou ser forte demais para ele. Consequentemente, ele foi preso. Somente mediante uma concessão ele foi solto da prisão. Em troca do testemunho dele em futuras ações judiciais contra a mãe de Isabella, os promotores federais abandonaram todas as acusações criminais contra ele.
É uma grande vergonha para os Estados Unidos que uma indefesa mãe e sua filha seriam deixadas sozinhas para enfrentar sozinhas valentões do Estado a serviço dos interesses da agenda homossexual.
Onde estão os homens e mulheres honrados dos EUA e do mundo que confrontarão essa covardia gayzista sancionada pelo Estado?
O que você pode fazer:
Ore para que Deus conduza Lisa e Isabella em sua graça, misericórdia e poder.
Ore para que o FBI e outras autoridades trabalhando pelas trevas e malignidade sejam cobertos de confusão e vergonha.
Ore para que Deus traga cegueira para aqueles que estão planejando prender e raptar Lisa e Isabella (veja 2 Reis 6:18).
Ore para que no final de tudo o nome de Jesus Cristo seja honrado.
Com informações da Associated Press e LifeSiteNews.
Artigos relacionados:
Blog do autor: www.juliosevero.com
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.
Artigos relacionados no Blog Julio Severo: