19 de novembro de 2020

Martinho Lutero, pai da Reforma protestante, disse que os dons e manifestações sobrenaturais do Espírito Santo nunca cessaram

Martinho Lutero, pai da Reforma protestante, disse que os dons e manifestações sobrenaturais do Espírito Santo nunca cessaram

Julio Severo

Martinho Lutero (1483-1546), o teólogo alemão que foi o pai da Reforma protestante, escreveu muito em uma época em que não havia máquina de escrever e computador. Ele foi, sem dúvida, uma grande mente, especialmente porque sua tradução da Bíblia para o alemão unificou a língua alemã.



Enquanto a Igreja Católica ordenava o latim como língua oficial na leitura da Bíblia para manter o povo alemão na ignorância, Lutero traduziu a Bíblia para a própria língua deles, para que todos os alemães pudessem ler e estudar a Bíblia.

Portanto, o desprezo total do perenialista Eric Voegelin pela inteligência de Lutero é um absurdo. Aliás, Voegelin via a Reforma protestante como a “Grande Confusão” dizendo que a Reforma foi “Provavelmente o maior mal político inventado por um homem [Lutero], um mal quase tão grande quanto o Manifesto Comunista.”

Não muito diferente, o imigrante brasileiro autoexilado nos EUA Olavo de Carvalho, admirador de Voegelin, tratou Lutero com o mesmo desprezo, chegando a dizer que Lutero era astrólogo, quando a história aponta que Lutero claramente condenava a astrologia. Ele também disse que Lutero foi um genocida, mas trata a Inquisição, que torturou e assassinou multidões de judeus e protestantes, como um tribunal de direitos humanos. Essa contradição é própria de charlatões lunáticos. E Carvalho é um grande charlatão.

Entretanto, minha intenção não é defender Lutero das idéias ridículas dos perenialistas Voegelin e Carvalho. O vasto trabalho de Lutero é mais do que suficiente para fazer isso.

Como um evangélico carismático, irei abordar apenas o que Lutero comentou sobre esta passagem bíblica onde Jesus disse:

“Aquele que crer e for batizado será salvo. Todavia, quem não crer será condenado! E estes sinais acompanharão aos que crerem: em meu Nome expulsarão demônios; em línguas novas falarão. Pegarão serpentes com as mãos; e, se algo mortífero beberem, de modo nenhum lhes fará mal, sobre os enfermos imporão as mãos e eles serão curados!” (Marcos 16:16-18 King James Atualizada)

Lutero viveu em uma época em que os únicos milagres religiosos predominantes eram milagres católicos: pessoas supostamente sendo “curadas” ao tocar no túmulo de um santo católico ou tocar uma relíquia. A expulsão de demônios era um ato muito litúrgico, sem muito resultado. Era o famoso “exorcismo,” onde não dava para saber se o demônio estava no exorcista ou na sua vítima.

Lutero sabia muito sobre milagres católicos, cultura católica e interpretação católica da Bíblia, mas ele estava apenas começando a conhecer e experimentar o Evangelho, que ele podia ler. Basicamente, essa era sua experiência — a experiência de um homem começando a entender o que a Igreja Católica havia escondido por séculos.

Tudo para Lutero era completamente novo: arrependimento, perdão, graça, salvação, etc. É natural que muitos outros assuntos também fossem novos para ele por sua total falta de experiência positiva nos milagres do Novo Testamento e experiência negativa na multidão de “milagres” religiosos católicos.

No entanto, o que ele disse é carismaticamente aplicável, mesmo que ele não conhecesse nada sobre dons carismáticos. Por exemplo, Lutero disse:

“Pois se pregarmos apenas sua história, é um sermão inútil, que Satanás e os ímpios conhecem, leem e entendem tão bem quanto os verdadeiros cristãos.”

Isto é, só pregação sem sinal é um tremendo vazio e inutilidade. O Apóstolo Paulo também quis dizer isso quando disse:

“Minha mensagem e minha proclamação não se formaram de palavras persuasivas de conhecimento, mas constituíram-se em demonstração do poder do Espírito.” (1 Coríntios 2:4 King James Atualizada)

Para Paulo, apenas uma pregação cheia de filosofia e nenhuma demonstração do Espírito e seu poder era inútil.

Lutero também tinha uma visão muito semelhante à dos cristãos de hoje que pregam a vitória sobre todo o mal. Ele disse:

“Qual é a herança de Cristo? Sua herança é vida e morte, pecado e graça, tudo o que existe no céu e na terra, verdade eterna, poder, sabedoria, justiça; ele governa e reina sobre tudo, sobre a fome e a sede, sobre o sucesso e o insucesso, sobre tudo que se possa imaginar, seja no céu ou na terra, não apenas espiritual, mas também assuntos seculares; e a soma total de tudo é, ele tem todas as coisas em suas mãos, sejam elas eternas ou temporais. Agora, se eu acredito nele, torno-me participante de todos os seus bens e não obtenho apenas uma parte ou um pedaço; mas, como ele, eu obtenho tudo, justiça eterna, sabedoria eterna, força eterna, e me torno alguém que governa e reina sobre tudo. O estômago não terá fome, os pecados não oprimirão, não terei mais medo da morte, nem serei atingido pelo terror de Satanás, e nunca estarei necessitado, mas serei como o próprio Cristo Senhor.”

Ele também abordou a fome em seu comentário. Ele disse:

“À luz disso, agora entendemos facilmente as palavras aqui e ali nos profetas e especialmente nos Salmos; como quando Davi no Salmo 34:10 diz: ‘Os leõzinhos (os ricos) têm falta e passam fome; mas aos que buscam a Jeová nada faltará de bom.” E em outro Salmo: ‘Jeová conhece os dias dos perfeitos; e sua herança durará para sempre. Eles não serão envergonhados no tempo do mal; e nos dias de fome eles ficarão satisfeitos.’ Salmo 37:18-19. E imediatamente a seguir no versículo 25: ‘Fui jovem e agora sou velho; mas, não vi o justo abandonado, nem sua semente mendigando o pão.’”

O indivíduo incrédulo teria dificuldade em acreditar no que Lutero disse. Durante o tempo do apóstolo Paulo, uma fome atingiu o Império Romano e as igrejas em Israel sofreram muito, e em 2 Coríntios 8 Paulo implora às igrejas na Europa que enviem dinheiro e qualquer outra ajuda.

Menciono o indivíduo descrente porque durante a pandemia do coronavírus muitos incrédulos, dentro e fora das igrejas, disseram: “Se vocês, cristãos, têm dons sobrenaturais, curem a si mesmos e aos outros!” No tempo de Paulo, eles poderiam dizer: “Se vocês, cristãos, têm dons sobrenaturais e estão sofrendo de fome, façam como Jesus: Multipliquem sua comida para vocês e para os outros!”

Por sua falta de experiência em dons carismáticos, a visão de Lutero foi em várias direções. Por exemplo, ele disse:

“De passagem, porém, digo: Não devemos supor que os sinais aqui mencionados por Cristo sejam todos os sinais que os crentes farão, nem devemos imaginar que todos os cristãos os farão; mas Jesus quer dizer: Todos os cristãos podem e têm a capacidade de fazer os sinais. Ou, se acredito, sou capaz de fazê-los; tenho o poder. Pela fé eu obtenho tanto que nada é impossível para mim. Se fosse necessário e propício à difusão do Evangelho, poderíamos fazer facilmente os sinais; mas, uma vez que não é necessário, não os fazemos. Pois Cristo não ensina que os cristãos praticam o espetacular, mas diz que eles têm o poder e podem fazer essas coisas. E temos muitas dessas promessas nas Escrituras; por exemplo, em João 14:12, onde Cristo diz: ‘Aquele que crê em mim, as obras que eu faço também ele as fará; e ele fará obras maiores do que essas.’ Portanto, devemos permitir que essas palavras permaneçam e não as encobrir, como fazem alguns que disseram que esses sinais eram manifestações do Espírito no início da era cristã e que agora eles cessaram. Isso não está certo; pois o mesmo poder ainda está na igreja. E embora não seja exercido, isso não importa; ainda temos o poder de fazer esses sinais.”

Mesmo não tendo experiência com dons carismáticos, Lutero teve o cuidado de advertir que “devemos permitir que essas palavras permaneçam e não as encobrir, como fazem alguns que disseram que esses sinais eram manifestações do Espírito no início da era cristã e que agora eles cessaram.” Lutero deixou claro que a falsa doutrina de que as manifestações do Espírito cessaram não é correta. Essa falsa doutrina tem até um nome entre seus adeptos: Cessacionismo.

Para Lutero, embora esses dons sobrenaturais e espetaculares não fossem exercidos em seu tempo, isso não importava. “Ainda temos o poder de fazer esses sinais,” disse ele.

Ele também disse:

“Deus sempre acompanhou sua Palavra com um sinal externo para torná-la mais eficaz para nós, para que sejamos fortalecidos no coração e nunca duvidemos de sua Palavra, nem vacilemos.”

Outras declarações importantes de Lutero que nos ajudam a rejeitar o cessacionismo e nos apegar à Bíblia são:

“Portanto, não lute para compreender, mas diga: Esta é a Escritura e esta é a Palavra de Deus, que é imensuravelmente mais elevada do que todo entendimento e razão. Cesse seu raciocínio e apegue-se às Escrituras.”

“Portanto, devemos desconsiderar nossos sentimentos e aceitar apenas a Palavra, escrevê-la em nosso coração e apegar-nos a ela.”

“Nossos sentimentos não devem ser considerados, mas devemos insistir constantemente que a morte, o pecado e o inferno foram conquistados.”

“Assim a fé nos conduz silenciosamente, ao contrário de todo sentimento e compreensão da razão.”

“Quanto mais a fé aumenta, mais nossos sentimentos diminuem e vice-versa.”

“Quando o coração e a consciência se apegam à Palavra com fé, transbordam de obras.”

Quando cristãos sem dons sobrenaturais olham para sua falta de experiência, é muito fácil acreditar em todos os falsos ensinos, inclusive a doutrina de que os dons sobrenaturais cessaram. Mas não podemos confiar em nossa experiência. Mesmo não tendo tais dons, Lutero não ousou concluir que esses dons cessaram.

Em seu comentário de Marcos 16, Lutero encorajou os cristãos a orar, dizendo:

“O cristão deve adquirir o costume de orar o Pai Nosso, firmemente fazendo o sinal da cruz e dizendo em pensamento: Guarda-me, querido Senhor, do pecado contra o Espírito Santo, para que eu não caia da fé e da tua Palavra, e não me torne um turco, um judeu ou um monge e um santo papal, que acredita e vive contrário [ao Evangelho].”

Um cristão que não quer pecar contra o Espírito Santo nunca aceitará o cessacionismo e mesmo que ele possa ser usado por Deus para criticar falsas profecias e dons, ele nunca condenará as verdadeiras profecias e dons e nunca dirá que eles cessaram.

Lutero encorajou os cristãos a não se tornarem turcos, um eufemismo para muçulmanos. Sobre os judeus, para Lutero a religiosidade judaica não conduzia à salvação em Cristo, pois os judeus rejeitavam totalmente a Cristo e sua salvação.

Ele encorajou os cristãos a não se tornarem monges e santos papais, que são indivíduos envolvidos em religiosidade extrema e falsa piedade e falsos milagres e muitas rezas vazias, mas nenhum contato real com Deus.

Lutero também explicou que ele e até mesmo outros teólogos nunca deveriam ser vistos como exemplos perfeitos. Ele disse:

“Ele permite que muitos grandes santos errem e tropecem, a fim de que não possamos confiar nos homens, embora sejam muitos, grandes e santos. Devemos ser levados a confiar na Palavra que é certa e não pode enganar.”

Lutero foi muito humilde em confessar que não entendia tudo sobre Marcos 16 e os dons sobrenaturais. Como pai da Reforma protestante, ele confessou que era imperfeito e que não tinha a verdade final, mas apontou a Palavra de Deus como a verdade final. E essa Palavra é inimiga mortal da falsa doutrina do cessacionismo.

Então Lutero disse:

“E estes sinais acompanharão os que crerem: em meu nome expulsarão demônios; eles falarão em novas línguas; pegarão em serpentes e, se beberem alguma coisa mortífera, de modo algum lhes fará mal; eles porão as mãos sobre os enfermos e eles serão curados.”

“Como procederemos aqui para preservar a verdade da passagem: aquele que crer também terá poder e poderá mostrar esses sinais? Pois o Senhor diz que todos esses sinais os acompanharão. Agora sabemos que os apóstolos não apresentaram todos os sinais, pois não lemos sobre nenhum outro que bebeu veneno senão o Evangelista João, e não há outros casos individuais. Se a passagem permanecer literalmente, então poucos crentes serão justificados e poucos santos terão direito ao céu; pois esses sinais, todos juntos (sem exceção), não os acompanharam, embora eles tivessem o poder de fazer sinais e exibissem alguns deles.”

Lutero levantou um ponto interessante. Todos os apóstolos não beberam veneno, mas todos receberam autoridade de Jesus para curar os enfermos e libertar as pessoas oprimidas por demônios. Jesus disse:

“Atentai! Eu vos tenho dado autoridade para pisardes serpentes e escorpiões, assim como sobre todo o poder do inimigo, e nada nem ninguém vos fará qualquer mal.” (Lucas 10:19 King James Atualizada)

“Curai enfermos, purificai leprosos, ressuscitai mortos, expulsai demônios. Graciosamente recebestes, graciosamente dai.” (Mateus 10:8 King James Atualizada)

Marcos 16 provavelmente ensina que os verdadeiros seguidores de Jesus devem esperar sinais, milagres e maravilhas de todo tipo possível e impossível.

Mesmo que nem todo cristão beba veneno e ressuscite os mortos, todo cristão é chamado a orar e ministrar pelos enfermos e pessoas oprimidas por demônios.

Então Lutero criticou teólogos que, sem nenhuma experiência sobrenatural, tentam “espiritualizar” os sinais milagrosos que seguem um cristão. Ele disse:

“Alguns correm aqui e explicam esses sinais como espirituais, a fim de preservar a honra dos santos; mas é inútil forçar essas palavras. Elas não carregam esse significado, portanto, não suportarão tal explicação. Isso coloca sobre as Escrituras uma interpretação incerta para nós.”

Lutero também criticou teólogos que interpretam que os sinais e maravilhas são para a igreja como um todo, não para os cristãos individualmente. Ele explicou:

“Outros, com igual negligência, dizem que embora nem todo indivíduo tenha o poder e faça as maravilhas mencionadas, ainda assim a igreja como um todo, a multidão da Cristandade, tem; um pode expulsar demônios, outro curar os enfermos e assim por diante. Portanto, eles dizem, tais sinais são uma manifestação do Espírito; onde estão os sinais, também está a Igreja Cristã, e assim por diante. Mas essas palavras não se referem à Igreja como um todo, mas a cada pessoa separadamente. O significado é: Se houver um cristão que tem fé, ele terá poder para fazer os milagres que acompanham, e eles o seguirão, como Cristo diz em João 14:12: ‘Em verdade, em verdade vos digo, aquele que crê em mim as obras que eu faço ele também as fará; e ele fará obras maiores do que essas,’ pois um cristão tem poder igual ao de Cristo, é uma união e ele se senta com ele em mandato conjunto. O Senhor deu aos cristãos poder, como está escrito em Mt 10: 8, também contra os espíritos imundos, para que eles pudessem expulsá-los e curar todas as doenças. Assim está escrito no Salmo 91:13: ‘Poderás pisar sobre o leão e a víbora; pisotearás o leão forte e a serpente mais vil.’”

Lutero também se dirigiu a teólogos, abundantes hoje entre os cessacionistas calvinistas, que interpretaram que não têm essa experiência sobrenatural porque Marcos 16 já foi cumprido. Portanto, de acordo com a interpretação deles, esses dons cessaram há 2.000 anos. Lutero disse:

“Lemos também que isso foi cumprido. Era uma vez um patriarca no deserto que, quando encontrou uma serpente, pegou-a com as duas mãos e rasgou-a pelo meio, e não pensou mais nisso, mas disse: Ó, que coisa boa é ter uma consciência clara e sem culpa! Então, onde há um cristão, ainda há o poder de fazer esses sinais se for necessário. Mas ninguém deveria tentar exercer esse poder se não for necessário ou se a necessidade não obrigar. Os apóstolos nem sempre o exerceram, mas apenas o utilizaram para provar a Palavra de Deus, para confirmá-la pelos milagres; como está escrito aqui no texto: V.20. ‘E eles saíram e pregaram por toda parte, o Senhor trabalhando com eles e confirmando a Palavra pelos sinais que se seguiram.’”

Em sua total falta de experiência com dons sobrenaturais, Lutero ofereceu sua visão pessoal de que “não há necessidade de fazer milagres como nos tempos dos apóstolos.” Eu contestaria tal visão com o fato de que o livro de Apocalipse, que trata dos últimos dias — nossos dias —, está cheio de demônios operando maravilhas e milagres falsos e Deus operando maravilhas e milagres reais ainda maiores.

No Novo Testamento, especialmente em Corinto e outras cidades europeias, havia muita bruxaria. Os apóstolos, empoderados pelos dons sobrenaturais, encontraram bruxas e médiuns. A Bíblia diz:

“E aconteceu que, indo nós para o lugar de oração, nos saiu ao encontro uma jovem escrava que estava tomada por um espírito que a usava para prognosticar eventos futuros. Dessa forma, ela arrecadava muito dinheiro para seus senhores, por meio de advinhações. Seguindo a Paulo e a nós, vinha essa moça gritando diante de todos: ‘Estes homens são servos do Deus Altíssimo e vos anunciam o caminho da salvação!’ E ela insistiu em agir assim por vários dias. Finalmente, Paulo irritou-se com aquela atitude e dirigindo-se ao espírito o repreendeu, exclamando: ‘Ordeno a ti em Nome de Jesus Cristo, retira-te dela!’ E ele, naquele mesmo instante, saiu.” (Atos 16:16-18 King James Atualizada)

“Deus fazia milagres maravilhosos por meio das mãos de Paulo, de tal maneira, que até lenços e aventais que Paulo usava eram levados e colocados sobre os doentes. Estes eram curados de todas as suas enfermidades, assim como espíritos malignos eram expelidos deles. E alguns judeus, que peregrinavam praticando exorcismo, tentaram invocar o Nome do Senhor Jesus sobre os tomados por espíritos malignos, mandando: ‘Esconjuro-vos por Jesus, a quem Paulo prega!’ Os que assim procediam eram os sete filhos de um judeu chamado Ceva, um dos chefes dos sacerdotes dos judeus. Certo dia, um daqueles espíritos demoníacos lhes respondeu: ‘Jesus, eu conheço, Paulo, sei quem é; no entanto, vós, quem sois?’ Então o endemoninhado avançou sobre eles, os dominou e os agrediu com tamanha violência, que, desnudos e feridos, fugiram daquela casa. Assim que esse acontecimento se tornou conhecido de todos os judeus e gregos que habitavam em Éfeso, toda a população foi tomada de grande temor, e o Nome do Senhor Jesus era engrandecido. Muitos dos que creram, assim que chegavam, começavam a confessar e a declarar em público suas más obras praticadas. Da mesma forma, muitos dos que haviam se dedicado ao ocultismo, reunindo seus livros de magia, os queimaram diante de toda a comunidade reunida. Calculados os seus preços, chegou-se à estimativa de que o valor total equivalia a cinquenta mil moedas de prata.” (Atos 19:11-19 King James Atualizada)

Bruxas eram capazes de operar maravilhas e milagres falsos, que tinham muito poder destrutivo. Como os apóstolos rebateram suas maravilhas e milagres falsos? Através de grandes maravilhas e milagres reais.

É um absurdo pensar que hoje há menos bruxaria e menos maravilhas e milagres falsos do que nos dias do Novo Testamento. Essa realidade sombria deve ser combatida pelo nome de Jesus e dons sobrenaturais, que são armas espirituais.

Lutero disse:

“Mas, uma vez que o Evangelho agora foi espalhado por todo o mundo e conhecido por todo o mundo, não há necessidade de fazer milagres como nos tempos dos apóstolos. Se surgir a necessidade, e os homens denunciarem e hostilizarem o Evangelho, então, verdadeiramente deveremos empregar a operação de maravilhas ao invés de permitir que o Evangelho seja ridicularizado e suprimido. Mas espero que tal curso não seja necessário, e que tal possibilidade nunca surja. Para outro exemplo: Que eu fale aqui em novas línguas não é necessário, uma vez que todos vocês podem me ouvir e me entender; mas se Deus me enviasse onde as pessoas não pudessem me entender, ele poderia facilmente conceder-me a fala ou linguagem deles, para que eu fosse compreendido.”

Sua maneira de ver o dom de línguas como meras línguas humanas aprendidas mostra sua total falta de experiência com dons sobrenaturais. Se em sua opinião não há necessidade de fazer milagres como nos tempos dos apóstolos, por que ninguém diz aos satanistas, bruxas e feiticeiros que eles não precisam fazer milagres demoníacos para fazer as pessoas oprimidas, possuídas e destruídas?

Por que desativar as armas sobrenaturais do Espírito Santo quando todas as armas demoníacas, inclusive sinais e maravilhas demoníacas, estão totalmente ativas e enganam milhões de jovens?

Em outro exemplo, Lutero não recomendou o ministério de expulsar demônios. Por quê? Porque a única experiência que ele tinha era vendo padres católicos fazendo isso. Ele disse:

“Não sei o que direi daqueles que se aventuram a fazer sinais onde não são necessários. Por exemplo, alguns expulsam demônios. Mas sei que é uma tarefa perigosa. O diabo, de fato, se deixa expulsar, mas não pretende tolerar isso; ele permite isso apenas para fortalecer em tal erro a pessoa que faz os sinais. Eu não gostaria de confiar nele. Temos muitos casos assim em nossos tempos. Eu sei também de muitos que aconteceram há não muito tempo.”

Portanto, por causa de sua experiência negativa com exorcistas católicos, Lutero disse que o ministério de libertação era desnecessário e perigoso. Ele usou sua experiência negativa com exorcistas católicos para interpretar a Bíblia. Sua falta de experiência é o contrário de Jesus e seus apóstolos, que passaram a maior parte de seus ministérios pregando o Evangelho, curando os enfermos e expulsando demônios. De forma alguma, Jesus via o ministério de expulsar demônios como desnecessário.

Se Lutero visse Jesus expulsando demônios, ele entenderia esse ministério como extremamente necessário. Mas sua única experiência sobre isso eram exorcistas católicos.

Não posso culpar Lutero. Já vi exorcistas católicos que pareciam tão oprimidos por demônios quanto as vítimas que supostamente eles tentavam ajudar. Mas tenho certeza de que se Lutero vivesse hoje e visse carismáticos e pentecostais expulsando demônios, ele diria: “Uau! Isso é muito diferente do que vi na Igreja Católica!”

Expulsei demônios por anos. É um ministério difícil, mas em nome de Jesus todos os demônios estão sujeitos a nós.

Lutero mencionou que em seu tempo muitos cristãos “meditaram sobre a questão dos sinais, perguntando em vão por que eles não acompanham nossa pregação e se não podem mais ser esperados.” Os cessacionistas encontraram sua própria resposta humana para essa pergunta.

Muitas das questões de Lutero estão centradas no fato de que ele nada sabia sobre a maneira do Novo Testamento de expulsar demônios, curar os enfermos e operar sinais e maravilhas. Esse caso é semelhante ao de um homem que quer ensinar outras pessoas a dirigir um caminhão, quando ele mesmo nunca dirigiu nenhum carro.

Para dirigir um caminhão, não basta ter experiência de dirigir um simples carro. Você precisa de muita experiência oficial com a condução de caminhões.

Eu me pergunto sobre a estupidez de um homem ensinando outras pessoas a dirigir caminhões quando ele nunca dirigiu nenhum carro. Da mesma forma, fico maravilhado com a estupidez de teólogos sem experiência com dons e manifestações sobrenaturais do Espírito Santo posando como especialistas em teologia que sabem tudo sobre cada dom sobrenatural.

Podemos desculpar Lutero, porque ele foi criado em uma cultura católica cheia de “milagres” religiosos e relíquias milagrosas muito diferentes da experiência do Novo Testamento. Lutero estava tentando entender e explicar as coisas novas que ele estava vendo ou não.

Mesmo duvidando da necessidade de dons sobrenaturais hoje, Lutero deixou bem claro que eles não cessaram. Então, quando os hereges cessacionistas usam Lutero, o pai da Reforma protestante, para apoiar sua heresia, eles estão cometendo outra heresia.

Lutero terminou seu comentário sobre Marcos 16 dizendo:

“O mundo ímpio não verá nem dará ouvidos a tais sinais e maravilhas, mas com olhos abertos e corações endurecidos passará por eles e blasfemará deles, assim como sempre despreza as obras de Deus, blasfemando até mesmo dos milagres públicos e indiscutíveis de Cristo e dos apóstolos. O mundo desprezaria ainda mais tais sinais, se fossem feitos por nós… Os judeus muito desprezaram os sinais pelos quais Cristo manifestou sua ajuda e bênçãos oferecidas. Eles procuraram e exigiram outros sinais. Então ele se conteve e não deu a eles outro sinal senão o de Jonas, deitado, depois de sua crucificação, por três dias na sepultura em fraqueza e morte. Depois disso, ele saiu da morte e do túmulo, demonstrando seu poder por meio de sua ressurreição e ascensão. Agora ele governa poderosamente sobre todo o mundo, e irá derrubá-lo e destruí-lo, junto com todo o seu poder e glória.”

Portanto, quando estiver em dúvida sobre a interpretação dos teólogos, faça o que Lutero disse:

“Portanto, não lute para compreender, mas diga: Esta é a Escritura e esta é a Palavra de Deus, que é imensuravelmente mais elevada do que todo entendimento e razão. Cesse seu raciocínio e apegue-se às Escrituras.”

Não entendo por que muitos calvinistas hoje abraçam a heresia cessacionista. Em 1990, li “The Christian in Complete Armor” (O Cristão na Armadura Completa), um livro escrito pelo teólogo calvinista e puritano William Gurnall (1617-1679). Em seu extenso livro, Gurnall disse:

“Foi um discurso heróico de Lutero, que previu uma nuvem negra dos julgamentos de Deus pairando sobre a cabeça da Alemanha, mas disse a alguns de seus amigos: ‘Que ele faria o possível para evitar que ocorresse em seus dias’ — sim, ele acreditava que isso não deveria acontecer — ‘e,’ disse ele, ‘quando eu partir, que os que vierem depois de mim cuidem disso.’”

Então, de acordo com Gurnall, Lutero viu profeticamente uma grande tragédia vindo sobre a Alemanha. Sem dúvida, isso foi o nazismo, que foi a maior tragédia e julgamento da história da Alemanha. Lutero viu isso e fez o possível para impedir que tal tragédia acontecesse em seu tempo e pediu que, depois de sua morte, os cristãos alemães também fizessem o possível para impedir que tal tragédia acontecesse.

Lutero deu muita atenção a uma profecia que recebeu do Espírito Santo. No entanto, a maioria dos cidadãos luteranos na Alemanha nazista não acreditava em profecias e outros dons e manifestações sobrenaturais do Espírito Santo. Satanás tirou proveito de sua ignorância.

Não permitamos que Satanás se aproveite de nossa ignorância. Vivemos nos últimos dias, como confirma o livro do Apocalipse. Satanás está operando grandes sinais e maravilhas enganosos e destrutivos para desviar os jovens.

Vamos combater os sinais e maravilhas de Satanás com os sinais e maravilhas de Deus.

Se os cristãos na Alemanha tivessem orado, vigiado e guardado a profecia de Lutero, o nazismo teria sido destruído. Oremos, vigiemos e guardemos as profecias necessárias, porque vivemos em tempos proféticos.

As citações de Lutero neste artigo foram traduzidas por Julio Severo das Obras de Lutero disponíveis em língua inglesa.

Versão em inglês deste artigo: Martin Luther, the Father of the Protestant Reformation, Said that the Supernatural Gifts and Manifestations of the Holy Spirit Never Ceased

Fonte: www.juliosevero.com

Leitura recomendada:

Mentes escravas trabalhando para escravizar a mente das crianças do Brasil

Lutero e os judeus

Martin Niemöller, o pastor luterano anti-nazista que alertou como os cristãos precisam abrir a boca quando as pessoas são perseguidas. Mas até que ponto o conselho dele é válido?

Nazismo: Nacionalismo e socialismo a serviço do ocultismo

Perspectiva judaica: Hitler e o socialismo

O antimarxismo estridente de Hitler

Hitler era marxista?

O milagre da simplicidade do Evangelho

Os cristãos precisam buscar o batismo e os dons sobrenaturais do Espírito Santo

Zumbi teológico tenta transformar autor do Evangelho de Lucas em zumbi

Nadar e dirigir é perigoso… para quem não sabe nadar e dirigir

Rev. Larry Christenson, pioneiro luterano carismático

Rex Humbard, o primeiro e mais importante televangelista que abençoou milhões

Desarmamento espiritual não é ideia de Deus

Expulsão de demônios: verdades e confusões

Rev. Larry Christenson: Entendendo o dom de línguas

Jesus, os fariseus e os cessacionistas

O Evangelho, os demonizadores e os expulsadores de demônios

Johann Christof Blumbhardt: Quando o poder de Deus se revela

O reavivamento perfeito?

Julio Severo busca mobilizar os cristãos a orações diárias com “Prophetic Prayers” (Orações Proféticas)


6 comentários :

Flávio disse...

Essas obras de Lutero que você usou tem em português? Mesmo se só tiver em inglês pode postar algum link para encontrá-las?

Anônimo disse...

Bom dia! Sou membro de uma igreja presbiteriana cessacionista há anos, mas, já há algum tempo, rejeitei tal visão, e hoje, mais do que nunca, me considero um continuísta, crendo que os dons carismáticos estejam disponíveis a todos os cristãos, ainda que eu mesmo nunca tenha experimentado tais dons. Mas gostaria de entender como eles se manifestam, como saber quando são os verdadeiros dons vindos do Espírito que estão se manifestando em algum lugar, e principalmente, como um cristão pode ser cheio pelo Espírito. Já me disseram que basta orar, ler a Bíblia e meditar na palavra. Bom, eu tenho feito isso há anos, mas ainda assim nunca experimentei nada parecido com o "estar cheio". De qualquer forma, vou seguindo e crendo que é possível ser cheio do Espírito e que tais dons ainda estão sim em evidência, mesmo que eu nunca os tenha experimentado em minha vida, mesmo que eu não entenda nada sobre eles, mesmo que eu não saiba nem mesmo discernir quando se manifestem. Prefiro acreditar no que a Palavra de Deus diz sobre eles do que acreditar no que os homens, ou no que eu mesmo entendo sobre eles. E também espero que muitos dos meus irmãos presbiterianos consigam enxergar a bênção maravilhosa que estão recusando receber gratuitamente das mão do Pai.


Ismael Viana

Anônimo disse...

Ismael Viana,
Pelo que tenho visto na vida de muitos irmãos e também na minha, o acesso aos dons geralmente se dá quando oramos especificamente acerca deles, pedindo a Deus que nos batize no Espírito Santo e, junto a isso, frequentando lugares onde esses dons são praticados. Às vezes Deus nos toca quando apenas buscamos em oração, mas sempre é bom estarmos junto daqueles que também creem nessas coisas, pois existem reuniões e eventos onde são feitas ministrações nesse propósito. Não digo que deixe sua igreja, ainda que cessassionista, mas é bom também envolver-se com o universo continuísta (inclusive, relacionando-se com pessoas que creem nos dons e os praticam), já que você se identifica com tal visão, pois assim haverá maior probabilidade de alcançar sua própria experiência. Mas tudo começa de dentro pra fora, quando se busca primeiramente do próprio Deus.
Um abraço, no amor de Jesus.

Julio Severo disse...

Flávio, as Obras de Lutero, que são hoje de domínio público, estão disponíveis digitalmente em inglês e há uma versão em português impressa publicada pela Editora Concordia ou Sinodal. Usei o programa bíblico americano PocketSword para ler as Obras de Lutero e disponibilizar uma parte delas em português.

Hagnaldo disse...

- Todos os que creram no Senhor Jesus, foram batizados pelo Espirito Santo ha quase 2000 anos atras, na Inauguração da Igreja, QUE É O CORPO DE CRISTO, no dia de Pentecostes. É como o exercito brasileiro, foi "batizado" em sua inauguração e todos que entra nessa CORPOração automaticamente faz parte do seu "batismo" que foi somente uma vez.

- Jesus Cristo, ao subir aos céus, DEU DONS aos homens, que são 5: Apostolos*, Profetas*, evangelistas, pastores e doutores para a edificação da igreja. Os dois primeiros foram usar para lançar as bases ou fundamentos ou alicerces da Igreja, cuja pedra angular ou de canto, é Cristo. Ora, numa edificação só é posto O ALICERCE uma unica vez, portanto, Apóstolos e Profetas como Dons de Cristo não existe mais. Leia A epístola aos Efesios.

- Três Dons de Cristo ainda são e devem serem utilizados:
Evangelista - Que vai buscar o material (pedras vivas) no mundo; Pastores - São os que cuidam do rebanho, limpam e tratam das ovelhas; Doutores ou Mestre são os que Ensinam as doutrinas apostólica.

Para a beleza dessa edificação, a Igreja, o Espirito Santo manifesta seus dons, que não são dados à pessoa como os dons de Cristo, mais é dispensados no momento que se faz necessário o Espirito Santo usar de "Quem Ele Quiser". 1 CO 14

Os dons do Espirito Santo, são DELE. Ele manifesta utilizando do vaso que ele quiser e sao muitos, dons de linguas estrangeiras, curas, governos, expulsar demonios, profecia (não é prever futuro, mais COMUNICAR algo da parte de Deus), cuidar dos pobres, dos doentes, etc. Muitas das vezes utilizamos esses dons do Espirito e nem percebemos!

Um exemplo disso é quando por uma semana uma endemoniada perseguiu o apóstolo Paulo e seus companheiros e ele não pode expulsar antes, até que o Espirito Santo Manifestasse nele esse dom especifico.

Outro com o mesmo apostolo, o dom de cura. Quando manifestado, o Espirito Santo usava ate de lencos do apostolo que eram levados ao doente e eram curados. Porém, o dom não eram dele, pois quando pedi por três vezes para ser curado, qual.foi a resposta divina? A minha graca te basta! E não pode curar Timóteo nem Trofimo que ficou doente em Mileto.

Os de Corintios, ficaram ensorbebecidos com o dom de Língua estrangeira, note que não é lingua de Anjos porque os anjos não foram submetidos ao juizo da.confusao de linguas de Babel e quando enviados à falarem com o homem eles fala a lingua do tal para se fazerem compreender, mas se esqueceram dos outros dons, no que o apóstolo admoesta eles, que por mais que.fosse poliglota (não fala que tinha o dom e sim que falava mais linguas que todos eles juntos) preferia falar somente palavras na linguas deles que era o grego, do que falar 10000 palavras a eles em outro idioma que não conheciam.

Veja a confusão que isto se tornou em nossos dias.

Espero que tenha conseguido expor para vc.

Abraço Agnaldo

Luciano Betim disse...

Me parece que Lutero não era nem continuísta (extremado) nem cessacionista (extremado), mas descansava na soberania de Deus.
Ele acreditava e orava por curas, mas não no mesmo nível dos Apóstolos que possuíam o dom como sinal.

Diz Lutero:

"Mas eu acredito que essa unção seja a mesma que fala Marcos 6.13, com referência aos apóstolos [...] um costume da igreja, pela qual se faziam milagres nos doentes [...]. Esse costume, no entanto, já foi deixado há muito tempo, bem como aquilo que falar Marcos 16.17s [...] não acredito que essa recomendação tenha sido dada a todos [...]."

___________________________


LUTERO, Martinho. Do Cativeiro Babilônico da Igreja [1520]. In: Clássicos da Reforma: uma coletânea de escritos. São Paulo: Vida Nova, 2017, p.161.