11 de outubro de 2020

Tratamento do coronavírus de Trump foi baseado em uma droga farmacêutica desenvolvida com células derivadas de um bebê abortado

 

Tratamento do coronavírus de Trump foi baseado em uma droga farmacêutica desenvolvida com células derivadas de um bebê abortado

Julio Severo

O presidente dos EUA, Donald Trump, foi tratado com uma droga experimental anti-COVID-19 chamada Regeneron (ou REGN-COV2), desenvolvida pela empresa farmacêutica Regeneron com células derivadas de um bebê abortado. Ele a chamou de cura milagrosa concedida por Deus. O que agora seus apoiadores pró-vida vão pensar? Como eles reagirão?


Como Trump estava promovendo e propagando tanto a hidroxicloroquina para coronavírus ou COVID-19, todos esperavam que ele a usasse para sua própria infecção da COVID-19. Mas ele usou uma droga que é contrária aos seus discursos pró-vida.

Depois de ficar doente de uma infecção por coronavírus, Trump recebeu Regeneron. O tratamento se mostrou eficaz, com Trump retornando ao trabalho em questão de dias. Desde então, ele elogia Regeneron como um “milagre vindo de Deus.”

No entanto, poderia algo relacionado ao aborto, remotamente ou não, ser uma bênção de Deus?

Regeneron administrado a Trump foi testado usando um suprimento de células humanas HEK 293T, que foram clonadas e modificadas em laboratórios farmacêuticos por décadas. Essas células se originam de um bebê abortado em 1973, o ano exato em que o aborto foi legalizado nos Estados Unidos.

Alguns ativistas pró-vida pensam que a origem de aborto de HEK 293T não é importante hoje. Em uma reportagem usando informações da Regeneron, LifeNews disse que as células HEK 293T “continuam se dividindo indefinidamente… e passaram por outras mudanças genéticas” que “Durante tal longo tempo, podem ficar dissociadas de sua origem.”

Então, para LifeNews, HEK 293T perdeu sua origem de aborto.

Em uma comunicação com Debi Debi Vinnedge, presidente de Children of God for Life, uma organização católica que tem alertado sobre células de bebês abortados em vacinas, perguntei a ela sobre HEK 293T:

“Você acha que essas células passaram por tantas mudanças durante os anos que simplesmente perderam sua origem de um bebê abortado?”

Resposta de Vinnedge:

“Absolutamente não — elas não perderam sua origem. As células HEK-293 ainda contêm o DNA humano original daquele bebê abortado. Sim, as células foram usadas repetidamente e foram modificadas em alguns casos. Mas elas ainda são muito humanas e ainda têm o DNA original do bebê abortado. Não é possível dissociá-las desse aborto. E se as células foram de alguma forma alteradas de forma tão drástica, não seriam mais células HEK-293, mas algum outro genótipo e certamente alguma outra linha celular com nome.”

Ela também disse:

“A Regeneron usou células HEK-293 de um bebê abortado para produzir uma proteína Spike — então injetou essa proteína em um camundongo humanizado. Eles então pegaram um anticorpo daquele camundongo e o usaram junto com um segundo anticorpo que foi cultivado em células de hamster. A linhagem celular HEK-293 do bebê abortado é fato bastante reconhecido e tem sido usada por décadas em muitos medicamentos e vacinas. Geneticamente, não há diferença entre a linha celular original e a que é usada hoje, além da idade das células. Veja nosso gráfico listando produtos usando isso em nosso site aqui. Assim, embora as células HEK não estejam NO tratamento com anticorpos que Trump recebeu, certamente o tratamento não foi moralmente desenvolvido — E também testaram a eficácia desse tratamento usando células HEK. Mas Trump não tinha absolutamente nenhuma maneira de saber disso e a mídia está tentando usar isso politicamente para prejudicar Trump.”

Se até mesmo uma organização pró-vida como LifeNews não sabe que HEK 293T tem conexões com o aborto hoje, como os assessores evangélicos de Trump poderiam saber? Aliás, como ele mesmo poderia saber?

Claro, a mídia está expondo a questão HEK 293T não porque se oponha ao aborto ou porque queira deter o uso de células de bebês abortados em vacinas e outras drogas farmacêuticas. Eles estão expondo para prejudicar Trump e sua campanha. Se o esquerdista Joe Biden tivesse usado um tratamento com HEK 293T, a grande mídia permaneceria em silêncio.

Trump fez muitos discursos pró-vida como candidato republicano e como presidente, embora antes de entrar na política ele expressasse opiniões pró-aborto.

Em janeiro de 2020, Trump se tornou o primeiro presidente dos EUA a falar na Marcha pela Vida, afirmando que “crianças em gestação nunca tiveram um defensor mais forte na Casa Branca” e “toda criança é um presente precioso e sagrado de Deus.”

Apesar dessas fortes posturas pró-vida, Trump louvou bastante o sucesso de Regeneron em um vídeo filmado na Casa Branca em 7 de outubro de 2020, no qual ele prometeu que a droga seria disponibilizada gratuitamente aos americanos.

Dada a resistência pró-vida do governo Trump à pesquisa envolvendo células de bebês abortados, parecia extremamente estranho que Trump, que tem amplo apoio do movimento pró-vida, tenha elogiado Regeneron como um milagre de Deus.

Em 2019, Trump cortou o financiamento federal para tratamentos de câncer com base em células de bebês abortados. Uma comissão especial foi estabelecida dentro do Ministério de Saúde dos EUA — composta por muitos especialistas pró-vida — para monitorar e bloquear projetos de pesquisa baseados no aborto. Até o momento, a comissão já rejeitou 13 das 14 propostas de pesquisa.

Contudo, com Regeneron, a história parece ter mudado radicalmente.

“Em um período muito curto de tempo, me deram Regeneron, se chama Regeneron, e outras coisas também, mas acho que essa foi a chave,” disse Trump sobre seu tratamento. “Foi, tipo, inacreditável. Eu me senti bem imediatamente. Senti-me tão bem há três dias quanto agora.”

Regeneron recebeu US$ 450 milhões do governo do Trump para até 300.000 doses de sua droga farmacêutica.

O desafio apresentado por Regeneron é: Como o governo Trump conciliará seus discursos pró-vida com a promoção de uma droga baseada em células de um bebê abortado? Como os apoiadores pró-vida de Trump reagirão a isso? Como seus apoiadores evangélicos reagirão à sua comparação de Regeneron com milagre de Deus?

Quanto a mim, embora eu ache que Joe Biden, que é pró-aborto, não veria problema em usar drogas farmacêuticas baseadas em bebês abortados, eu preferiria ver Trump usando hidroxicloroquina do que usando Regeneron. O aborto não é agradável e ético de nenhuma forma, seja em uma clínica de aborto ou drogas farmacêuticas e vacinas.

Minha esperança e oração, como um evangélico pró-vida que apóia os discursos pró-vida de Trump, é que seus assessores pró-vida possam aconselhá-lo a aplicar para si mesmo o mesmo princípio ético de bloquear no Ministério de Saúde dos EUA qualquer tratamento baseado, mesmo da maneira mais remota possível, no aborto de um bebê inocente.

Informações atualizadas em 11 de outubro de 2020 às 15h30min.

Com informações do DailyMail e da Deutsche Welle.

Versão em inglês deste artigo: Trump’s coronavirus treatment was based on a pharmaceutical drug developed with cells derived from an aborted baby

Fonte: www.juliosevero.com

Leitura recomendada:

Trump se tornou o primeiro presidente dos EUA a participar da Marcha pela Vida

Presidente Donald Trump proclama 22 de janeiro “Dia Nacional da Santidade da Vida Humana”

Trump sugere que ativistas pró-vida foram longe demais no Alabama com a proibição quase total do aborto enquanto ele diz que é pró-vida, mas acredita em aborto para bebês concebidos em estupro e incesto

Trump quebrou sua promessa de suspender o financiamento do holocausto do aborto nos EUA

Um comentário :

Flávio disse...

Que surpresa desagradável