13 de outubro de 2020

Estadão divulga evangélicos ultra-esquerdistas como se representassem a população evangélica do Brasil

 

Estadão divulga evangélicos ultra-esquerdistas como se representassem a população evangélica do Brasil

Julio Severo

Em reportagem de 12 de outubro de 2020 intitulada “Evangélicos se candidatam por partidos de esquerda e expõem polarização nas igrejas,” o jornal Estado de S. Paulo (mais conhecido como Estadão) fez propaganda de evangélicos ultra-esquerdistas que supostamente representam a população evangélica brasileira.



O problema é que o Estadão ou interpretou muito mal as credenciais dos evangélicos ultra-esquerdistas ou fez propaganda gratuita para eles a fim de avançar o radicalismo deles.

A reportagem do Estadão começa falando sobre polarização entre esses evangélicos ultra-esquerdistas e a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). Por que não citar muitas outras denominações evangélicas que são mais conservadoras?

Haveria polarização se metade da população evangélica fosse conservadora e metade esquerdista. Mas isso não é verdade. Mais de 70 por cento dos evangélicos são conservadores. Então, não existe polarização, mas uma maioria conservadora e uma minoria esquerdista birrenta.

A única discordância entre evangélicos ultra-esquerdistas e a IURD é Jair Bolsonaro. Tanto os evangélicos ultra-esquerdistas quanto a IURD apoiam o aborto, mas enquanto os evangélicos esquerdistas repudiam Bolsonaro, a IURD o apoia por interesse político.

A reportagem do Estadão citou o grupo Cristãos Contra o Fascismo, com 22 mil seguidores no Facebook, que promove candidatos “cristãos” da Assembleia de Deus, Igreja Presbiteriana, Igreja Batista e Igreja Católica que são membros do PT, PDT, PSOL, PCdoB, Cidadania, Rede e UP.

Outros grupos mencionados incluem: Movimento pela Bancada Evangélica Popular, Frente Evangélica pelo Estado de Direito, Evangélicas pela Igualdade de Gênero e Evangélicos pela Diversidade.

A reportagem disse que PT, PSOL, PCdoB, PDT, PSB e Rede estão adotando ações para atrair a população evangélica:

“‘Sempre tivemos bom diálogo, inclusive no governo Lula. Em 2014 Dilma (Rousseff) e Aécio (Neves, do PSDB) dividiram este eleitorado meio a meio. Só não tivemos sucesso em 2018, quando o Bolsonaro teve 70% entre os evangélicos e o Fernando Haddad, 30%. Desde então a gente vem tentando organizar esse diálogo,’ disse Geter Borges, da coordenação nacional do Núcleo Evangélico do PT.”

Geter é um dos mais antigos ativistas “evangélicos” do PT no Congresso Nacional. Ele atuou como secretário-geral do antigo Movimento Evangélico Progressista (MEP), fundado pelo bispo vermelho Robinson Cavalcanti. Mais tarde, o MEP, depois que o nome “progressista” começou a cheirar mal entre os evangélicos, recebeu um novo nome: Evangélicos pela Justiça.

Graças à atuação de Cavalcanti, auxiliado por Geter, o MEP se tornou o movimento esquerdista mais atuante no Congresso Nacional e entre igrejas, ajudando o PT em cada eleição.

Pode-se dizer então que cada movimento evangélico esquerdista hoje é, direta ou indiretamente, consequência ou filhote do MEP.

O mal esquerdista poderia ter sido cortado pela raíz umas duas ou três décadas atrás, mas infelizmente personalidades gospel importantes, como Augustus Nicodemus, tinham contatos com Cavalcanti sem repreendê-lo ou expor suas obras das trevas. Até hoje Nicodemus e outros calvinistas que tinham encontros com Cavalcanti não o denunciam.

Dando a aparência de que os evangélicos ultra-esquerdistas têm muito mais poder do que realmente têm, o Estadão citou o pastor José Barbosa Júnior, da Comunidade Cristã da Lapa, que disse:

“Silas Malafaia, Edir Macedo e outros tinham um discurso hegemônico, sempre falando em nome de todos os evangélicos, e estão reagindo depois que a gente se levantou.”

A realidade é bem diferente do que o Estadão mostrou. Barbosa, que participa de eventos não-evangélicos e anti-evangélicos, não tem entre evangélicos nem de longe a influência que Malafaia tem. Mas a grande mídia esquerdista o adora por ele ter uma mentalidade esquerdista longe do Evangelho.

Barbosa participou da Parada Gay de São Paulo em 2017, onde ele disse que o pecado homossexual é “amor” e abençoado por Deus. Ele disse o que nenhum evangélico verdadeiro jamais diria. Então, obviamente, ele não representa a população evangélica, mas apenas um punhado de extremistas ultra-esquerdistas que usam e abusam do Evangelho, colocando-o a serviço da ideologia marxista.

Barbosa é o que a Bíblia chama de falso mestre ou lobo.

O Estadão também citou “pesquisa” da Fundação Perseu Abramo, do PT, que inventou uma conclusão de que a população evangélica é menos conservadora do que se imagina. A “pesquisa” acha que o conservadorismo dos evangélicos é devido a uma suposta “má” influência dos pastores e seus discursos.

Contudo, com ou sem pastores e seu discurso, evangélicos sabem que a Bíblia é sua única fonte totalmente confiável de orientação espiritual. Na Bíblia, esses evangélicos veem que Deus condena o homossexualismo e muitas outras coisas que a esquerda defende.

Então, o conservadorismo da população evangélica não depende dos pastores e seus discursos. Depende exclusivamente da Bíblia, que é conservadora.

Quando um pastor como Barbosa diz que o pecado homossexual é “amor” abençoado por Deus, ele está assumindo o papel de falso mestre que a Bíblia tanto condena. Ele é um anti-modelo do que deve ser um cristão.

Concluindo, a reportagem do Estadão citou, representando os evangélicos, a “Primeira reverenda transsexual da América Latina, Alexya Salvador será candidata a vereadora em São Paulo pelo PSOL,” acrescentando: “Alexya frequenta a Igreja da Comunidade Metropolitana (ICM), uma denominação internacional fundada em 1968 nos Estados Unidos com a intenção de ser aberta à comunidade LGBT.”

A Igreja da Comunidade Metropolitana é uma denominação homossexual e não é aceita entre evangélicos. Portanto, o Estadão colocar para representar os evangélicos uma igreja gay que não tem nenhuma afinidade e ligação com as igrejas evangélicas é no mínimo desonestidade. O Brasil tem conselhos e associações de pastores que aceitam pastores e igrejas legítimos. Nenhum conselho e associação legítima de pastores aceita pastores e igrejas ilegítimos.

Um “pastor” batista que diz que o pecado homossexual é “amor” abençoado por Deus não representa nem os evangélicos nem a Bíblia.

Uma “reverenda” transsexual de uma denominação homossexual não representa nem os evangélicos nem a Bíblia.

Geter Borges, atuando há décadas para promover o PT entre evangélicos, não representa nem os evangélicos nem a Bíblia.

PT, PSOL, PCdoB, PDT, PSB e Rede não representam nem os evangélicos nem a Bíblia.

Claro que, mesmo apoiando Bolsonaro, Edir Macedo também não representa nem os evangélicos nem a Bíblia, pois tanto Macedo quanto os evangélicos ultra-esquerdistas apoiam o sacrifício de bebês em gestação ao deus Moloque do aborto.

Portanto, Macedo, que apoia Bolsonaro, e os evangélicos ultra-esquerdistas, que repudiam Bolsonaro, se prostram diante de Moloque, e sua briga é apenas política, nada tendo a ver com a Bíblia. São dois grupos opostos de falsos mestres servindo ao mesmo deus Moloque.

Fonte: www.juliosevero.com

Leitura recomendada:

Quem se lembra do Movimento Evangélico Progressista? Quem se lembra de seu fundador, Bispo Robinson Cavalcanti?

A maior ameaça à Igreja Evangélica do Brasil

Apoiado por evangélicos revoltados com a esquerda e seus ataques contra a família, Jair Bolsonaro é eleito presidente do Brasil

Pastor batista diz que o “amor” homossexual é abençoado por Deus numa das maiores paradas do “orgulho” gay do mundo no Brasil

Para permanecer nos holofotes da grande mídia esquerdista, pastor batista usa discurso de ódio marxista para atacar a Igreja Batista da Lagoinha

Teólogo batista esquerdista defende BLM contra evangélicos conservadores e diz que grupos pró-vida e pró-família se enquadram na Lei Antiterrorismo

2 comentários :

Marcelo Victor disse...

Bolsonabo é uma dessas figuras que se aproveitam da fé alheia pra fins políticos.

Anônimo disse...

Todo político faz isso, o sistema funciona assim.