31 de outubro de 2020

Marxista recomenda pastores que seguem um homem de barba que ele pensa ser Jesus — mas é na verdade Karl Marx

 

Marxista recomenda pastores que seguem um homem de barba que ele pensa ser Jesus — mas é na verdade Karl Marx

Julio Severo

O site esquerdista “Brasil 247” publicou o artigo “Ainda há pastores que seguem a Jesus!” assinado por Carlos Hortmann, que se apresenta como “publicamente marxista-hegeliano… preocupado em escrever ou compartilhar alguns nomes de pastores que tem como referência.”


O que é certeza é que marxistas não gostam de falar (bem) de pastores. Eles gostam de falar mal, muito mal, de pastores. O que levou Hortmann a uma mudança não é que ele esteja aceitando o Evangelho. Ele está vendo os pastores como idiotas úteis de ajudar o marxismo, que está sendo derrotado por cristãos pobres, que geralmente são pentecostais e neopentecostais.

Para resolver a derrota do marxismo entre cristãos pobres, ele propõe que os esforços marxistas para alcançar esses cristãos imitem as Comunidades Eclesias de Base que conduziam os pobres na Igreja Católica para a Teologia da Libertação. Se não fossem essas comunidades, o Partido dos Trabalhadores nunca existiria. Hortmann disse:

“Grande parte da esquerda, tanto radical como parte da moderada/progressista, numa certa posição de arrogância e superioridade (eu incluo-me dentre esses) deixou de conversar e de ter enraizamento orgânico com comunidades religiosas, principalmente aquelas que não caíram nas tentações reacionárias e fascistas dos últimos anos. Um erro grave. O papel sociopolítico que tiveram as ‘Comunidades Eclesiástica de Base’ na formação do campo democrático-popular foi da maior importância – ligados a Teologia da Libertação – vindo a ser, do meu ponto de vista, um exemplo paradigmático do quão importante é termos os progressistas cristãos ao nosso lado na luta por um mundo mais justo e emancipado!”

Ele também disse:

“Não haverá emancipação ou superação dessa sociedade capitalista – que destrói a natureza e a vida dos/as trabalhadores/as de todo o mundo – sem a valiosa contribuição dos padres, pastores, teólogos, reverendos que pregam e procuram viver o espírito da mensagem de Jesus.”

Enquanto o capitalismo só não funciona quando não está atrelado a valores bíblicos, o socialismo não funciona de forma alguma, nem com Bíblia.

Os Estados Unidos em seu passado tinham capitalismo e Bíblia. Era um casamento entre evangelicalismo e capitalismo. Hoje, o capitalismo americano está divorciado da Bíblia, com consequências terríveis.

Mas o marxista Hortmann não condena o capitalismo moderno divorciado da Bíblia. Ele condena todo capitalismo, mesmo com valores bíblicos. Nem poderia ser diferente, pois marxistas são ateus e não creem na Bíblia.

Contudo, por causa da derrota do marxismo entre cristãos pentecostais e neopentecostais pobres, Hortmann parece estar disposto a falar de Bíblia, exclusivamente para tentar salvar o marxismo. Ele disse:

“Não há nenhuma contradição no fato de acreditar em Deus e lutarmos para colocar fim à exploração dessa sociedade capitalista. Nas próprias palavras de Jesus no livro de Lucas: ‘fui ungido para libertar os oprimidos.’ Do ponto de vista histórico, Jesus foi crucificado, em certa medida, porque enfrentou as estruturas religiosas e políticas da época. Realizou milagre aos sábados, destruiu as bancas dos mercadores do templo e disse que era mais fácil um camelo passar por uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus.”

Enquanto Hortmann tentou retratar Jesus libertando os oprimidos conforme a ideologia marxista, a libertação que Jesus dá aos oprimidos é muito abrangente:

* Enquanto o marxismo prega que os homossexuais nasceram nesse pecado e nada podem fazer para sair dele, Jesus liberta as pessoas do homossexualismo. Isso é libertar os oprimidos.

* Enquanto o marxismo prega que a bruxaria é uma manifestação cultural inofensiva, Jesus liberta as pessoas da bruxaria. Isso é libertar os oprimidos.

* Enquanto o marxismo prega que o destino das mulheres é o feminismo e funções masculinas e nada podem fazer para escolher o lar, marido e filhos como ocupação, Jesus liberta as pessoas do feminismo. Isso é libertar os oprimidos.

* Enquanto o marxismo prega que os bebês em gestação são problemas e obstáculos para as carreiras das mulheres e o aborto é a solução, Jesus liberta as pessoas da opressão do aborto. Isso é libertar os oprimidos.

* Enquanto o marxismo prega que Karl Marx é a única salvação para os pobres, Jesus liberta as pessoas dessa ilusão. Isso é libertar os oprimidos.

Aliás, quando Hortmann recomendou pastores que “seguem Jesus,” ele confundiu os dois pela barba. Embora Jesus e Karl Marx usassem barbas, um criou uma revolução em que os cristãos deram a vida por Jesus, sendo mortos por opressores. O outro criou uma revolução onde os marxistas mataram milhões de pessoas inocentes.

Embora Jesus e Karl Marx fossem judeus, Jesus pregava o Reino de Deus e curava os enfermos e expulsava demônios. Em contraste, Marx era ateu e satanista, deixando as pessoas mentalmente enfermas e possessas de dêmonios.

Embora Jesus e Marx falassem sobre pobreza, um trouxe solução e salvação espiritual e até material. O outro aumentou os sofrimentos de milhões de pobres.

Falando em opressão, das três filhas de Marx, duas cometeram suicídio. As filhas de Marx provam que em vez de livrar as pessoas da opressão, a ideologia do pai dava muita opressão até para as próprias filhas. Se tivessem tido um encontro com Jesus, ele libertaria essas mulheres oprimidas pelos demônios da ideologia marxista.

Mas quem foi que Hortmann recomendou como pastores que seguem “Jesus” — que indubitavelmente ele confundiu com Marx por causa da barba?

Entre os pastores que ele recomendou estão os seguintes nomes, todos ligados à Teologia da Missão Integral:

* Ricardo Gondim, da Igreja Betesda.

* Ariovaldo Ramos, ex-diretor da Visão Mundial no Brasil.

* Caio Fabio Jr., do Caminho da (Des)Graça.

* Ed Rene Kivitz, da Igreja Batista da Água Branca (IBAB).

* Ricardo Bitun, da Igreja Manaim.

* René Padilla.

Ele também recomendou Levi Araújo, da IBAB; Samuel Escobar, Enrique Dussel e Maicon Sant’Anna, pastor Batista.

Não é preciso ser muito inteligente para ver que se um marxista está recomendando pastores da Teologia da Missão Integral é porque eles seguem, de uma forma ou de outra, o barbudo Karl Marx.

O que é interessante é que alerto há anos sobre esses nomes justamente por promoverem um evangelho marxista:

* Em artigo de 2009 intitulado “Evangélicos progressistas, evangelicais ou encaPeTados?” mostrei Ricardo Gondim se unindo a vários pastores esquerdistas.

* Durante muitos anos, publiquei várias denúncias sobre o esquerdismo radical de Ariovaldo Ramos, que é considerado filho espiritual de Caio Fábio. Em 2018, escrevi o artigo “Ariovaldo Ramos defende Lula. O que estranhar?” Em 2013 escrevi o artigo: “Ariovaldo Ramos: seu lamentável apoio ao ditador marxista Hugo Chávez.”

* Sobre Caio Fábio, tenho este alerta publicado em 2016: “Caio Fábio xinga eleitores evangélicos de Trump de “burros”: O esquerdismo de Caio afagado pelo “antimarxismo” de Olavo de Carvalho.”

* Meu artigo mais recente sobre Ed René Kiviz é: “Ed René Kivitz fala em atualizar a Bíblia para corrigir supostos erros de Deus.”

* Sobre Ricardo Bitun, que já foi coordenador de teologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie, você pode ler meu artigo: “Por que fazer teologia no Mackenzie?

* Sobre René Padilla, escrevi este alerta em 2017: “Teologia socialista na Assembleia de Deus no Brasil.” Outro alerta sobre Padilla é este, escrito em 2015: “O espírito de Karl Marx em Lausanne: Teologia da Missão Integral.”

Todos eles são promotores da Teologia da Missão Integral, que é a versão protestante da Teologia da Libertação.

Claro que tenho muitos outros artigos sobre cada um desses pastores socialistas.

Hortmann achou que os pastores que ele recomenda seguem Jesus só porque eles seguem um homem de barba. Ele se confundiu. Eles realmente seguem um homem de barba, mas não é Jesus. É Karl Marx, que também usava barba.

Se um marxista recomenda um pastor não é por causa do bom cheiro do Evangelho. É por causa do mau cheiro de Karl Marx. Urubu marxista gosta de cheiro e urubu marxista.

Precisamos denunciar os pastores que têm o mau cheio do socialismo. Se não fizermos isso, a imprensa continuará usando-os como referência toda vez que atacar os evangélicos conservadores.

Quanto aos marxistas que querem se aproximar dos evangélicos para transformá-los em propagadores do marxismo, o que todos nós devemos fazer é pregar a eles o Evangelho do Reino de Deus, com curas e expusão de demônios, exatamente como Jesus fazia. Só assim os oprimidos serão libertos.

Fonte: www.juliosevero.com

Leitura recomendada:

Estadão divulga evangélicos ultra-esquerdistas como se representassem a população evangélica do Brasil

Quem se lembra do Movimento Evangélico Progressista? Quem se lembra de seu fundador, Bispo Robinson Cavalcanti?

A maior ameaça à Igreja Evangélica do Brasil

Apoiado por evangélicos revoltados com a esquerda e seus ataques contra a família, Jair Bolsonaro é eleito presidente do Brasil

Pastor batista diz que o “amor” homossexual é abençoado por Deus numa das maiores paradas do “orgulho” gay do mundo no Brasil

Para permanecer nos holofotes da grande mídia esquerdista, pastor batista usa discurso de ódio marxista para atacar a Igreja Batista da Lagoinha

Teólogo batista esquerdista defende BLM contra evangélicos conservadores e diz que grupos pró-vida e pró-família se enquadram na Lei Antiterrorismo

A esquerda apologética e o neopentecostalismo

30 de outubro de 2020

Casamento ou não casamento para padres católicos e gays? Essa é a pergunta que o papa sabe como responder sobre gays, mas não sobre padres

 

Casamento ou não casamento para padres católicos e gays? Essa é a pergunta que o papa sabe como responder sobre gays, mas não sobre padres

Julio Severo

A Igreja Católica está enfrentando um grande desafio, pois o Papa Francisco sugeriu a aprovação de uniões civis homossexuais. A ONU, sob a liderança do católico esquerdista Antonio Guterres, elogiou a postura do papa em relação a essas uniões.


Entretanto, enquanto a Igreja Católica sob Francisco está avançando para facilitar um tipo de “casamento” gay, não há sinal de facilitar o casamento para padres, bispos, cardeais e papas.

É tão errado aprovar o casamento com gays quanto é errado proibir líderes cristãos do sexo masculino de se casarem com mulheres.

A Igreja Católica comete um grande pecado contra Deus ao proibir o casamento de seus padres, bispos, cardeais e papas. Eles deveriam se casar, porque esse é o primeiro mandamento de Deus ao homem.

O apóstolo Paulo nos avisou:

“O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé e seguirão espíritos enganadores e doutrinas de demônios. Tais ensinamentos vêm de homens hipócritas e mentirosos, que têm a consciência cauterizada e proíbem o casamento…” (1 Timóteo 4:1-3 NVI)

Portanto, Paulo disse que um dos sinais de quem se afasta da fé ao seguir espíritos enganadores e doutrinas de demônios é exatamente proibir o casamento. A proibição católica do casamento para seus líderes se encaixa perfeitamente nisso.

É anormal que um grande número de homens permaneça solteiro apenas por votos religiosos. Deus nunca ordenou um sacrifício tão extremo. As religiões pagãs fazem isso, com consequências desastrosas — as mesmas consequências que vemos na Igreja Católica.

É normal, e ordenado por Deus, que os homens se casem com mulheres. Em alguns casos, alguns não se casarão. Mas isso é muito, muito raro e nunca deveria ser imposto como uma doutrina cristã.

Proibir o casamento leva os homens “naturalmente” a problemas não naturais. Portanto, quando uma igreja cristã exige coisas anormais dos homens, o que ela deve esperar? Normalidade?

A proibição católica tradicional do “casamento” gay é aprovada pela Bíblia. Em contraste, a proibição católica tradicional do casamento de padres, bispos, cardeais e papas não é aprovada pela Bíblia — a menos que eles sejam homossexuais.

O apóstolo Paulo, que pelos padrões católicos seria um papa ou cardeal, disse:

“Não temos nós o direito de levar conosco uma esposa crente como fazem os outros apóstolos, os irmãos do Senhor e Pedro?” (1 Coríntios 9:5 NVI)

Ele também poderia dizer hoje à Igreja Católica:

“Não temos nós o direito de levar conosco uma esposa crente como fazem os outros padres, bispos, cardeais e papas?”

Sim, todo líder cristão tem o direito de ter uma esposa crente.

Se um padre, um bispo, um cardeal e até mesmo o papa fizeram um voto contra o casamento, mas depois seus impulsos sexuais começaram a se manifestar, não há pecado em se casar. Eles podem se casar e permanecer em seus cargos religiosos, assim como Paulo disse.

Se um padre fez um voto de não se casar, mas mais tarde ele quiser se casar com uma mulher, seu casamento deveria ser abraçado e celebrado como uma decisão pró-família, e os esforços para expulsá-lo de seu cargo deveriam ser vistos como um ataque anti-família. Não deveria haver proibição para ele ser promovido a bispo, cardeal e papa.

Mas se ele for homossexual, ele deveria deixar qualquer cargo cristão que ocupar.

A Igreja Católica tem algumas boas posturas sobre o casamento. Qual a melhor maneira de demonstrar a postura católica em defesa da família do que deixar seus padres, bispos, cardeais e papas se casarem com mulheres?

Se o casamento é uma bênção, é uma maldição proibi-lo. Aliás, a Bíblia advertiu expressamente os cristãos contra a proibição do casamento.

Se o “casamento” gay é uma maldição, aprová-lo é uma maldição.

O casamento para gays é uma maldição e deveria ser proibido por todas as leis.

A Igreja Católica deveria revogar sua proibição anti-bíblica de casamento para padres, bispos, cardeais e papas e deveria manter sua proibição de “casamento” homossexual.

O casamento para padres seria uma bênção. Seria uma maldição apenas se Steve Bannon estiver certo. Ele disse que 90 por cento dos padres e cardeais no Vaticano são homossexuais. Portanto, se padres, bispos e cardeais são em sua maioria gays, que tipo de casamento eles escolherão?

Se forem realmente homens, não deveriam temer o casamento com mulheres.

Se o Apóstolo Paulo estivesse vivo hoje, ele diria que um dos sinais de pessoas que se afastam da fé ao seguir espíritos enganadores e doutrinas de demônios é exatamente proibir os homens de se casarem com mulheres e permitir que homens se casem com homens.

Versão em inglês deste artigo: Marriage or Not Marriage for Catholic Priests and Gays? Here Is the Question the Pope Can Answer about Gays, But Not About Priests

Fonte: www.juliosevero.com

Leitura recomendada:

ONU elogia o Papa por apoiar uniões do mesmo sexo: secretário-geral da ONU dá as boas-vindas aos comentários de Francisco de que os homossexuais “têm o direito a uma família” em mudança que enfureceu os católicos conservadores

Francisco se tornou o primeiro papa a endossar uniões civis do mesmo sexo, dizendo: “Os homossexuais são filhos de Deus e têm o direito de pertencer a uma família”

Papa compara políticos opostos a gays e judeus a Hitler

Em seu esforço para produzir um filme expondo a homossexualidade no Vaticano para fazer o Papa Francisco renunciar, Steve Bannon causou reação adversa de líderes católicos conservadores e foi exposto por seu próprio envolvimento com dois notórios pedófilos

O aparelhamento direitista da homossexualidade, um desafio para os cristãos

Spotlight: Expondo escândalos de pedofilia e escondendo escândalos homossexuais na Igreja Católica

 Luiz Mott livra Igreja Católica de sofrer mega-escândalo de pedofilia

28 de outubro de 2020

Ed René Kivitz fala em atualizar a Bíblia para corrigir supostos erros de Deus

 

Ed René Kivitz fala em atualizar a Bíblia para corrigir supostos erros de Deus

Julio Severo

De acordo com o GospelPrime, o pastor e teólogo batista Ed René Kivitz pregou que a Bíblia precisa ser “atualizada” sobre as questões homossexuais.

Ed René Kivitz

Na mente dele, que está cheia de teologia e liberalismo, Deus errou ao condenar pecadores homossexuais ao inferno. Ou os escritores inspirados da Bíblia tiveram algum lapso mental e erraram ao dizer que Deus condena o pecado homossexual. Então, para livrar os homossexuais dos erros de Deus ou dos escritores inspirados da Bíblia, Kiviz acha que chegou a hora de ele, inspirado por sua teologia e liberalismo, corrigir os erros de Deus e dos escritores inspirados da Bíblia.

Na teologia dele, homossexuais podem entrar no Reino de Deus sem necessidade de libertação de sua escravidão ao pecado homossexual.

Com sua teologia macia e liberal, Ed René Kivitz se tornou uma sensação entre evangélicos. Mas não entre evangélicos pentecostais e neopentecostais. Ele virou uma celebridade entre protestantes tradicionais, especialmente com suas posturas teológicas contra a Teologia da Prosperidade.

Para alcançar fama entre evangélicos, não foi em grandes eventos do televangelista Silas Malafaia e outros pregadores pentecostais que Kivitz teve oportunidade de ser palestrante e pregador. Tais oportunidades ele recebeu principalmente de calvinistas.

Em 2013, enquanto o Rev. Augustus Nicodemus era chanceler da Universidade Presbiteriana Mackenzie, vários nomes proeminentes da Teologia da Missão Integral foram palestrantes em evento nacional de jovens nessa universidade calvinista. Kiviz foi um deles.

Se Malafaia fosse chanceler do Mackenzie, por mais que eu me esforce, não consigo imaginá-lo aprovando Kivitz como preletor do Mackenzie.

Mas o calvinismo do Mackenzie é tão radical e cessacionista que eles prefeririram convidar como preletor mil Kivitz a um só Malafaia.

Malafaia não tem do que se queixar da fama que Kivitz ganhou entre evangélicos. No que dependeu dele, Kivitz nunca ganhou um palco.

Mas não dá para se dizer a mesma coisa de Nicodemus, que deu palco privilegiado para Kivitz no Mackenzie.

Malafaia é o tipo de evangélico que combate o liberalismo teológico, que inclui a teologia gay, pregando e tomando atitudes.

Nicodemus é o tipo de evangélico que combate o liberalismo teológico pregando, mas não tomando nenhuma atitude. É graças aos protestantes tradicionais que não tomam atitudes que Kivitz e muitos outros teólogos liberais cresceram.

Kivitz e seu liberalismo teológico não são grandes problemas para a maioria dos evangélicos pentecostais e neopentecostais. Mas são grandes problemas para calvinistas.

A Coalizão pelo Evangelho condenou Kivitz por sua fala de atualização da Bíblia. O problema é que a Coalizão pelo Evangelho, que é um grupo de pastores calvinistas, fez uma pequena atualização da Bíblia ao aceitar pastores calvinistas gays supostamente não praticantes por achar que não há nada de errado em curtir emoções e sentimentos homossexuais sem praticá-los.

A Coalizão pelo Evangelho tem como uma de suas colunas o pastor calvinista Renato Vargens que, exatamente como Kivitz, luta contra o capitalismo neopentecostal como uma grande heresia. Nem Vargens nem Kivitz gostam de Malafaia.

Claro que a pequena atualização da Coalizão pelo Evangelho não é nada em comparação com a mega atualização que a maior denominação calvinista dos EUA, a Igreja Presbiteriana dos EUA, já fez no Evangelho, ordenando pastores calvinistas gays e realizando “casamentos” gays.

Pesquisa nos EUA revelou em 2020 que as igrejas calvinistas ou reformadas são as mais abertas à atualização do Evangelho em questões homossexuais e as igrejas pentecostais são as mais fechadas. Mesmo assim, para cada 100 críticas que o calvinista Renato Vargens faz, 99 são dirigidas especificamente aos pentecostais e neopentecostais, com abundantes rótulos de “heresias” e “heréticos” e só uma ou no máximo duas críticas são vagamente dirigidas a calvinistas, sem nenhum rótulo de “heresia” e “herético.”

Aliás, Vargens não achou necessário usar seu pedestal na Coalizão do Evangelho para dar um grande puxão de orelha na Universidade Presbiteriana Mackenzie por ter dado um grande palco para Kivitz.

Vargens também não deu nenhum puxão de orelha na Igreja Presbiteriana do Brasil, dona do Mackenzie, por ter ajudado a promover o atualizador da Bíblia.

E, é claro, Vargens não deu nenhum puxão de orelha em Augustus Nicodemos por dar palco a vários atualizadores do Evangelho, inclusive Kivitz, no Mackenzie.

Chamar o Mackenzie e Nicodemos de promotores de heréticos e atualizadores do Evangelho? Vargens simplesmente não tem voz na garganta para fazer isso.

Então o calvinismo encontra-se nessa posição deplorável:

* Ou promove a atualização do Evangelho, como faz a Igreja Presbiteriana dos EUA.

* Ou promove atualizadores do Evangelho, como fez Nicodemus e o Mackenzie.

* Ou faz vista grossa aos pequenos atualizadores do Evangelho na Coalizão pelo Evangelho, que aceita pastores calvinistas gays supostamente não praticantes, mas curtem sentimentos e emoções gays — um curtimento contrário ao Evangelho.

O fato é que em todas as questões gays, o calvinismo, não o pentecostalismo e o neopentecostalismo, é grande ou pequeno atualizador do Evangelho.

De uma forma ou de outra, o calvinismo se tornou pequeno e grande facilitador de atualizadores do Evangelho.

Agora, precisamos lidar com o problema das posturas de Kivitz, que acha que a Bíblia deve ser “atualizada” nas questões homossexuais.

Só porque as sociedade moderna aceita e acolhe o pecado homossexual a igreja deveria mudar para seguir os padrões do mundo?

Quando o Apóstolo Paulo escreveu em 1 Coríntios 6:9-10 que os pecadores homossexuais não herdarão o Reino de Deus, a sociedade da cidade de Corinto, na Grécia, aceitava normalmente o pecado homossexual. E aceitava também normalmente outro pecado que acompanhava o pecado homossexual: a pederastia, isto é, sexo entre homens e meninos.

Na Grécia, até os filósofos podiam praticar seus pecados homossexuais e abusar sexualmente de meninos impunemente.

O Apóstolo Paulo não permitiu que a igreja de Corinto se adaptasse à imoral sociedade de Corinto. Na igreja, havia muitas pessoas que haviam sido homossexuais no passado, mas Jesus as libertou.

O mundo e o pecado escravizam as pessoas, mas Jesus liberta de toda escravidão.

A igreja não tem chamado de seguir os padrões do mundo.

Leonard Ravenhill disse:

“As únicas pessoas que querem mudar o Evangelho são aquelas que nunca foram mudadas por ele.”

Quem é transformado pelo Evangelho tem a alegria de contar ao mundo sobre os milagres e transformações que Jesus faz.

Quem não se abre para as transformações do Evangelho só sente alegria de contar para a igreja sobre como seguir o mundo, seus pecados e tendências debaixo da máscara de uma teologia macia e distante do Evangelho transformador.

Fonte: www.juliosevero.com

Leitura recomendada:

Direitos gays: Ed René Kivitz versus Silas Malafaia

Viadagens teológicas: ambiente da teologia da libertação e TMI produzindo teologia gay no Brasil

Voltemos ao Evangelho! Jesus salva, cura e liberta do homossexualismo

A maior ameaça à Igreja Evangélica do Brasil

O calvinista Renato Vargens tem excelentes razões para se dedicar a atacar o ativismo LGBT, mas ele prefere se dedicar a atacar pentecostais e neopentecostais

Pastores presbiterianos ou reformados, metodistas, luteranos e de outras denominações protestantes tradicionais são o principal apoio evangélico ao “casamento” entre indivíduos do mesmo sexo

Ed Shaw, Coalizão do Evangelho (Gospel Coalition) e sentimentos homossexuais: o que eles dizem e o que Jesus disse

27 de outubro de 2020

Censura e cancelamento da minha conta, a resposta do Facebook ao meu conservadorismo cristão

 

Censura e cancelamento da minha conta, a resposta do Facebook ao meu conservadorismo cristão

Julio Severo

Será que a liberdade de expressão pode ser real no Facebook quando opiniões cristãs conservadoras são censuradas e, se um cristão conservador não respeita sua censura esquerdista, o encerramento da conta é imposto?


Minha conta foi deletada pelo Facebook em 25 de outubro de 2020. Alguns dias antes, o Facebook me pediu minha identidade e eu a dei. E sua resposta final foi cancelamento.

Esta era a minha conta, que eu utilizava desde 2009: https://www.facebook.com/julio.severo

Agora, as pessoas que tentam acessar meu perfil de Facebook encontram esta mensagem pública do Facebook:

“This Content Isn’t Available Right Now. When this happens, it’s usually because the owner only shared it with a small group of people, changed who can see it or it’s been deleted.”

Tradução: “Este Conteúdo Não Está Disponível no Momento. Quando isso acontece, geralmente é porque o dono o compartilhou apenas com um pequeno grupo de pessoas, alterou quem pode vê-lo ou ele foi deletado.”


Em vez de usar uma linguagem direta, o Facebook usou um labirinto de palavras sem sentido para dizer que minha conta foi deletada. Mas como as pessoas podem contornar esse labirinto para entender que minha conta foi deletada?

Quando as pessoas leem a mensagem do Facebook, elas não sabem que minha conta foi deletada. Portanto, por causa da mensagem que passa impressões ilusórias, eles se perguntam se eu, o dono, restringi minha conta compartilhando meu conteúdo de Facebook apenas para um pequeno grupo de pessoas ou se alterei quem pode vê-lo. Ou elas podem até pensar que eu as excluí, porque o Facebook se recusa a reconhecer diretamente que minha conta foi encerrada por causa de preconceito e censura anticristã.

Para as pessoas que leem a mensagem do Facebook, é difícil imaginar o que aconteceu. Em contraste, para o Facebook, não é difícil saber o que aconteceu, porque o próprio Facebook deletou minha conta. Então, por que iludir o público e deixar as pessoas confusas sobre o cancelamento da minha conta do Facebook?

Por que é tão difícil para o Facebook explicar claramente ao público que deletaram minha conta por causa do meu conteúdo cristão conservador? Por que o Facebook esconde sua censura anticristã por trás de uma mensagem que passa impressões ilusórias?

Para mim, o Facebook me dá uma mensagem privada sempre que tento acessar minha conta antiga, dizendo:

“Your Account Has Been Disabled. You can’t use Facebook because your account, or activity on it, didn’t follow our Community Standards. We have already reviewed this decision and it can’t be reversed. To learn more about the reasons we disable accounts visit the Community Standards.”

Tradução: “Sua Conta Foi Desativada. Você não pode usar o Facebook porque sua conta, ou atividade nela, não seguiu nossos Padrões de Comunidade. Já revisamos essa decisão e ela não pode ser revertida. Para saber mais sobre os motivos pelos quais desativamos contas, visite os Padrões de Comunidade.”


Os dois últimos grupos do Facebook que criei antes da censura final do Facebook foram “Prayer for Trump Intercessory Group” (Grupo de Intercessão Oração por Trump” e “Grupo de Intercessão Oração por Bolsonaro.”

Durante anos, enfrentei várias ações, restrições e bloqueios do Facebook contra minhas opiniões cristãs conservadoras, em um padrão de hostilidade que é muito comum no comportamento esquerdista contra os cristãos.

Em 2019, o Facebook me bloqueou por 30 dias porque informei sobre um menino torturado por duas lésbicas.

Sofri vários bloqueios de 30 dias do Facebook exclusivamente por minhas opiniões conservadoras.

* Fui bloqueado por reconhecer Jerusalém como a capital de Israel, embora o dono do Facebook seja judeu e deveria respeitar meus sentimentos pró-judeus. Mas ele preferiu em vez disso respeitar os sentimentos de islâmicos que não aceitam Jerusalém como capital de Israel.

* Fui atormentado pelo Facebook nas eleições presidenciais do Brasil por causa de minhas posições conservadoras.

* Fui bloqueado por comentar sobre o mau exemplo de duas lésbicas.

* Fui atormentado pelo Facebook por publicar em meu perfil todo o versículo bíblico de Levítico 18:22, onde o próprio Deus diz que a homossexualidade é uma abominação.

Esse caso foi relatado em uma manchete do WND (WorldNetDaily), um dos sites conservadores mais proeminentes do mundo. Consulte: http://www.wnd.com/2018/02/christian-catches-facebook-censoring-bible/

E há muitos outros exemplos de bullying e bloqueios de 30 dias do Facebook contra mim.

A única vez que o Facebook recuou em sua hostilidade e intimidação contra mim foi quando uma organização jurídica conservadora na Califórnia enviou uma carta para o Facebook em 2017. Veja: Facebook reconhece sua própria censura contra Julio Severo. E agora?

Infelizmente, a única linguagem que a máquina de censura do Facebook consegue entender é uma ação legal forte. Sem ela, os cristãos conservadores são impotentes e têm pouca esperança de ver o Facebook entender que postagens e posturas cristãs conservadoras, inclusive menções da Bíblia, são liberdade de expressão legalmente protegida.

Versão em inglês deste artigo: Censorship and termination of my account, the Facebook answer to my Christian conservatism

Fonte: www.juliosevero.com

Leitura recomendada sobre censura do Facebook:

Exponha em seu perfil de Facebook o terrível crime de um menino de 9 anos que foi torturado, mutilado e assassinado por duas lésbicas e o Facebook pune você com um bloqueio de 30 dias para proteger o crime e as criminosas de esquerda

Facebook rejeita meu reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel?

Vítima da guerra do Facebook contra os conservadores: Minha conta foi permanentemente encerrada pelo Facebook

Facebook censura comentário sobre lésbicas, mas não censura comentários homossexuais contra Jesus Cristo

Entendo a censura do Facebook

Famoso versículo da Bíblia intolerável demais para o Facebook

Manchete de hoje no WND (WorldNetDaily): Censura do Facebook contra post de Julio Severo citando Levítico 18:22

Socorro! O Facebook está censurando versículos da Bíblia

Facebook exclui Israel e inclui Palestina

Por que o Facebook atormenta e censura os cristãos?

Por que o Facebook concede liberdade de expressão para radicais anticristãos e impõe censura nos cristãos?

Facebook reconhece sua própria censura contra Julio Severo. E agora?