26 de setembro de 2020

O milagre da simplicidade do Evangelho


O milagre da simplicidade do Evangelho

Julio Severo
O Apóstolo Paulo era grande expositor do Evangelho. Ele era um teólogo, mas seu Cristianismo não era só de palavras. Era teologia e prática ao mesmo tempo.
Paulo disse:
“Minha mensagem e minha pregação não consistiram de palavras persuasivas de sabedoria, mas consistiram de demonstração do poder do Espírito, para que a fé que vocês têm não se baseasse na sabedoria humana, mas no poder de Deus.” (1 Coríntios 2:4-5 NVI)
Paulo não queria os cristãos baseando sua fé na mera sabedoria teológica sem o poder do Espírito Santo. Para ele, a boa teologia era o Evangelho com ação, isto, Evangelho e poder do Espírito Santo deveriam sempre andar juntos.
A Bíblia diz que Paulo colocava as mãos sobre os novos cristãos e eles eram batizados no Espírito Santo, passando a falar em línguas estranhas e profetizar. Paulo queria os cristãos, já no começo de suas vidas cristãs, vivendo na unção do Espírito Santo e proclamando o Evangelho. Como precisamos de pastores hoje imitando Paulo e, com unção e autoridade, colocando as mãos sobre cristãos para poderem falar em línguas estranhas e profetizar.
A Bíblia diz que nos cultos de Paulo as pessoas levavam peças de roupa que Paulo usava e quem as tocasse era curado e liberto de demônios. Como precisamos de pastores hoje imitando Paulo e, com unção e autoridade, permitindo que pessoas tragam peças de roupas aos cultos para serem oradas ou ungidas para depois serem levadas para os doentes e oprimidos por demônios.
A Bíblia diz que nos cultos de Paulo as pessoas que haviam se convertido e abandonado a bruxaria e outras práticas erradas confessavam publicamente seus pecados diante da congregação e queimavam seus livros de bruxaria e ocultismo diante de todos. Como precisamos de pastores hoje imitando Paulo e, com unção e autoridade, dando espaço para os convertidos darem testemunho nos cultos e queimando e destruindo seus livros e objetos de bruxaria e ocultismo diante de todos.
Paulo era um grande expositor da Palavra e do poder de Deus.
Precisamos urgentemente voltar à simplicidade do Evangelho que o Apóstolo Paulo demonstrou tão bem em palavras e ação.
Pena que hoje muitos dos que se gabam de ser grandes expositores da Palavra limitem sua exposição somente às palavras, não dando espaço à exposição do poder do Espírito Santo com línguas estranhas, profecias, expulsão de demônios, curas, libertação de bruxaria, roupas ungidas para cura e libertação, etc. Eles gostam da exposição de palavras, mas não de poder. Eles não gostam de imitar toda a simplicidade do Evangelho que Paulo pregou e demonstrou.
Eis o que a Bíblia mostra sobre a simplicidade do Evangelho de Paulo:
“Quando Paulo lhes impôs as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo, e começaram a falar em línguas e a profetizar. Deus fazia milagres extraordinários por meio de Paulo, de modo que até lenços e aventais que Paulo usava eram levados e colocados sobre os enfermos. Estes eram curados de suas doenças, e os espíritos malignos saíam deles. Muitos dos que creram vinham, e confessavam, e declaravam abertamente suas más obras. Grande número dos que tinham praticado ocultismo reuniram seus livros e os queimaram publicamente. Calculado o valor total, este chegou a cinquenta mil dracmas. Dessa maneira a palavra do Senhor muito se difundia e se fortalecia.” (Atos 19:6, 11-12, 18-20 NVI)
Versão em inglês deste artigo: The Miracle of the Simplicity of the Gospel
Leitura recomendada:

4 comentários :

O Sousa da Ponte - João Melo de Sousa disse...

A Bíblia, nas suas muitas versões, é tudo menos um texto fácil de datar, perceber as origens e muito menos interpretar.

É escrita sabe Deus por quem é dada a uma infinidade de interpretações.

Abramos no capítulo 1. O Génesis

É uma discrição real de factos ou uma alegoria? O dilúvio foi um facto histórico como a descoberta do Brasil, e a carta de vaz de caminha, ou uma alegoria?
Descobrir o que é alegoria, fantasia, copiado de outros textos, regra para sempre, verdade absoluta, depende de interpretações humanas.

Portanto podemos dizer que o cristianismo é o que certos cristãos dizem que é, com exclusão dos outros.

Ou, em português, ninguém sabe nada de nada. Os textos não são claros, as origens duvidosas e poucas conclusões podem ser retiradas.

Isto era o início duma boa e séria discussão se alguém quisesse começar.

Duvido

Cicero disse...

Caro Sousa, não duvide da Bíblia.
Não é somente fé, mas a lógica, a razão, os fatos, as evidências, as descobertas são elementos fundamentais na construção da fé cristã. Inclusive a Escritura atesta isso, não cremos cegamente num deus obscuro longinquo imperceptível inanimado impessoal.

Se a Bíblia, fosse apenas um livro qualquer do passado ou mitos, já teriam esquecido a tempo. Mas é o Livro mais amado, lido, vendido, praticado, odiado e perseguido do mundo. Esta singularidade já é evidência de sua veracidade, além de inúmeras confirmações arqueológicas, paleontológicas, geológicas, científicas e históricas de muitos de seus eventos (incluindo dilúvio) e personagens!
"Se não há Deus, TUDO é permitido" - Dostoiévski.

Claudio Vaz disse...

Deus tem me mostrado, me chamado a atenção para o ministério do Apóstolo Paulo. Tenho descoberto o quanto esse homem é, ainda hoje, difamado, diminuído (ele e o seu evangelho) em importância, como ele mesmo disse que aconteceria.
Alguns chegam a afirmar que Paulo deveria ter cursado Teologia!!
Parabéns, Júlio. Esse texto foi muito edificante pra mim.

Marcelo disse...

Brilhante exposição do tema, é pena que hoje haja entre nós tantos discípulos dos fariseus!...