6 de setembro de 2020

“Educadores” do BLM invocam “espíritos ancestrais”


“Educadores” do BLM invocam “espíritos ancestrais”

Alex Newman
Bíblias, os Dez Mandamentos e a oração do Pai Nosso podem não ser mais bem-vindos nas escolas públicas dos EUA, mas os “espíritos ancestrais” invocados por “educadores” pagãos estão sendo encorajados a entrar diretamente nas salas de aula. Ao que tudo indica, esse paganismo faz parte da conquista da “justiça racial.”
Durante um seminário de treinamento “Black Lives Matter” (Vidas Negras Importam) ensinando professores a doutrinar crianças sob seus cuidados sobre o racismo e promoção de questões raciais do BLM na escola, os “educadores” de justiça social do BLM literalmente invocaram “espíritos ancestrais” e “energia holística.”
“Ancestrais assistindo, eu sei que eles estão assistindo, ancestrais assistindo, eu sei, eu sei,” gritou em ritmo de reza Jonathan Lykes, um traficante de corrida profissional e membro do conselho de um grupo LGBT “progressista” negro chamado “Black Youth Project 100” (BYP100 )
“Nós vamos cantar juntos, vamos cantar bem alto, e então vou pedir a você para manter um ancestral em sua cabeça agora, ter o nome dele em sua cabeça,” disse ele, dando ideias sobre qual espírito convocar. “Agora invoque seus ancestrais para se manifestarem nesta sala.”
Depois disso, Lykes deu mais detalhes sobre o que estava acontecendo. “Energia holística é o processo de levar a energia de um espaço e transformá-la para que todos nós que existimos naquele espaço possamos vir com nosso eu pleno,” disse ele. “Na Semana das Vidas Negras, no currículo, sabemos que não podemos apenas trazer pedaços de nós mesmos para o trabalho se realmente quisermos alcançar a liberação em nossa vida.”
Sem explicar que tipo de “liberação” ele esperava alcançar ou do que precisava ser liberado, Lykes então conduziu os professores e alunos da educação em exercícios respiratórios antes de perguntar-lhes como a “mudança” na “energia” da sala resultante dos “espíritos ancestrais” os fizeram “se sentir.” “Calor,” respondeu um. Outros apresentaram termos como força, coragem, esperança, orgulho, paz, fé, luz e libertação.
Por fim, Lykes concluiu batendo palmas em voz alta e gritando repetidamente “poder,” “transformação” e “Eu quero.” “Eu preciso, preciso, preciso ter, agora, agora, agora, agora, agora,” gritou ele, soando mais como um senhor da guerra pagão do que como um educador.
“Levamos apenas cinco minutos para mudar a energia neste espaço juntos,” Lykes se gabou. “O objetivo é pegarmos essa energia e deslocá-la para fora de lugares como este, porque o mundo precisa dessa luz, o mundo precisa dessa paz.”
Em meio a gritos bizarros, os “educadores” também ensinaram os professores a se envolver em necromancia em suas próprias salas de aula e a envolver as crianças nas práticas ocultistas de raízes no paganismo africano.
A sessão aconteceu durante “Vidas Negras Importam na Feira Curricular da Semana de Ação da Escola,” organizada por Educadores da Área de Washingto D.C. para Justiça Social e a “Escola de Educação” da Universidade Howard.
Foi patrocinado pelo “Teaching for Change.” que promove o marxismo para crianças cativas em escolas públicas, inclusive o “Projeto de Educação Zinn.” Foi financiado pelo bilionário globalista George Soros, impostos, megabancos, inclusive Capital One, e outras fundações “progressistas” isentas de impostos.
De acordo com um artigo sobre o programa, quase 150 educadores e futuros professores de Washington D.C. estiveram presentes. “Adorei encontrar maneiras de tornar os princípios acessíveis às crianças,” disse um participante.
O polêmico vídeo reapareceu nesta semana, com os principais líderes do BLM, inclusive a autodenominada co-fundadora marxista Patrisse Cullors e a fundadora do BLM de Los Angeles, Melina Abdulla, que foram expostas em fitas de áudio discutindo seu relacionamento com entidades espirituais. “Não estamos apenas tendo um movimento de justiça social, este é um movimento espiritual,” explicou Cullors, que notoriamente se gabou na The Real News Network de que ela e outro cofundador do BLM eram “marxistas treinados.”
“Hashtags são para nós, são muito mais do que uma hashtag, é, hum, literalmente quase ressuscitando um espírito para que eles possam atuar através de nós para fazer o trabalho que precisamos fazer,” continuou Cullors, dizendo que se sentia na responsabilidade de “prestar contas” às entidades espirituais e que ela ofereceu sacrifícios a eles, inclusive “mel e fumo.”
“E isso é tão importante, não apenas para estarmos em relacionamento direto com nosso pessoal que já faleceu, mas também para que eles saibam que nos lembramos deles,” continuou a cofundadora do BLM. “Hum, acredito que muitos deles atuam através de nós.”
A outra líder do BLM na fita, Abdulla, professora de Estudos Africanos na Universidade Estadual da Califórnia, falou sobre sua relação com um ser espiritual conhecido como “Wakisha,” dizendo que as duas “riem muito” juntas. “Talvez eu esteja compartilhando muito, mas nos tornamos muito íntimos dos espíritos que invocamos regularmente,” explicou ela.
A comunicação com os mortos, conhecida também como necromancia, feitiçaria e bruxaria, são práticas estritamente proibidas na Bíblia. Aliás, a Bíblia indica que as entidades podem ser demônios em vez de espíritos ancestrais reais.
Crianças cristãs de lares cristãos estão sendo expostas a todos os tipos de práticas religiosas pagãs e ocultistas em escolas públicas financiadas por impostos pagos por cristãos nos Estados Unidos. As consequências são devastadoras — e estão piorando. Os pais e as pessoas que pagam impostos precisam dar um basta nisso.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do Freedom Project: BLM “Educators” Summon “Ancestor Spirits”
Leitura recomendada:

Um comentário :

Flávio disse...

Tirem a educação das mãos do governo. Escolha escolas cristãs fundamentalistas. Busque uma alimentação livre de estrogenio, abandone sabonetes e produtos que diminuem a testosterona. Faça seu filho um guerreiro que se levante contra o marxismo cultural e não um futuro antifa.