28 de agosto de 2020

Homem fake Thammy Miranda processa Silas Malafaia por “homofobia” por causa de prejuízo que a Natura teve depois de boicote evangélico


Homem fake Thammy Miranda processa Silas Malafaia por “homofobia” por causa de prejuízo que a Natura teve depois de boicote evangélico

Julio Severo
O homem fake Thammy Miranda, que nasceu mulher mas se enxerga em fantasia de homem, está processando o televangelista Silas Malafaia por causa do prejuízo, revelado por ele, que a Natura teve depois que o pastor evangélico convocou a população evangélica a boicotar a atitude da empresa de colocar o homem fake para estrelar como símbolo masculino na campanha da Natura para o Dia dos Pais.
“O que ele fez é crime e a gente não pode mais deixar passar impune. Esse crime, que ele vem cometendo há um bom tempo e ninguém faz nada, mata milhares de pessoas.”
Em resposta pelo Twitter, o televangelista disse:
“Um recado para Thammy Miranda! Não sabia que a Natura teve um baita prejuízo no dia dos pais. Nunca citei o seu nome, aproveite e abra processo contra milhões de brasileiros que protestaram contra a Natura nas redes sociais. Porque só eu? Preconceito religioso? Só rindo muito!”
De forma alguma o que Malafaia fez é crime. Boicote é um recurso democrático amplamente usado por todos os grupos sociais. Militantes homossexuais frequentemente usam o boicote não só contra produtos, mas muitas vezes até para fechar empresas que lhes desagradam.
Pessoas não são obrigadas a comprar produtos de empresas. Gays podem boicotar empresas cristãs, e eles fazem isso o tempo inteiro, e cristãos podem boicotar empresas favoráveis à agenda gay.
O que o homem fake Thammy deseja é pura ditadura, onde só ativistas gays podem convocar boicotes contra empresas que não se prostram à agenda gay. Nenhum tribunal com juízes com sanidade mental adequada atenderia às exigências birrentas da Thammy, mas como o Supremo Tribunal Federal já aprovou uma insana lei contra a “homofobia,” todo tido de aberração é possível.
“Homofobia” é a desculpa que ativistas gays e seus aliados usam para suas campanhas de terror pintando qualquer crítica, até mesmo bíblica, ao pecado homossexual como responsável por assassinatos de homossexuais. É um termo amplamente usado por homossexualistas para perseguir cristãos.
Se a Natura teve prejuízo por impor um homem fake como modelo ideal de homem no Dia dos Pais, o que a Natura pode fazer é culpar o homem fake, que de fato é o culpado, ou culpar a população evangélica que boicotou a empresa que desrespeita seus clientes impondo um homem fake perturbado.
O que a Natura e o homem fake não podem fazer é obrigar os clientes a pagar sua propaganda de homem fake comprando seus produtos. É direito de todo ser humano comprar ou deixar de comprar o que quiser. Nem a Natura nem o homem fake podem tirar esse direito de ninguém.
Leitura recomendada:
Leitura recomendada sobre Silas Malafaia:

2 comentários :

Flávio disse...

Essa é a lei do mercado. devem agradar seus clientes. Se os clientes não curtem doentes mentais queer, então, mudem o marketing.

Anônimo disse...

O cinismo é gigantesco. As notícias dão conta de que depois do anúncio do "garoto" propaganda a marca teve valorização na bolsa. Outras notícias dão conta de um prejuízo nos lucros no terceiro trimestre, mas que - até onde entendi - não tem nada a ver com essa lacração lgbt, porque, como disse o amigo acima, o mercado aplaude e aprova essas fantasias abrigadas sob a bandeira colorida, haja vista a valorização noticiada. O fato é que a escolha da pessoa foi planejada em detalhes, pra gerar o barulho que gerou, e resultar em visibilidade e essas coisas de publicidade. Aí a cidadã castrada vem querer fazer alarde e dizer que ela teve prejuízo por causa do Malafaia? É de uma ignorância, ou má fé, impressionante.