6 de julho de 2020

Governo Bolsonaro celebra Dia Internacional do “Orgulho” LGBT


Governo Bolsonaro celebra Dia Internacional do “Orgulho” LGBT

Julio Severo
Através do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), dirigido pela Dra. Damares Alves, o governo Bolsonaro celebrou o Dia Internacional do “Orgulho” LGBT — data que os ativistas homossexuais usam para avançar todos os itens de sua agenda e a normalização plena de seus direitos artificiais, inclusive equiparação do “casamento” gay com o casamento tradicional entre homem e mulher, inclusive com adoção de crianças.
Em sua conta de Twitter, o MMFDH disse em 28 de junho de 2020:
“#DatasImportantes| O Dia Internacional do Orgulho LGBT, celebrado em 28 de junho, reforça a importância da proteção dos direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. #DiaInternacionaldoOrgulhoLGBT #LGBTQIA.”
Em resposta, eu disse:
“Com milhares de meninos sendo estuprados e até mortos por homossexuais, o ministério de @DamaresAlves se preocupa em glorificar predadores de meninos. ERRADÍSSIMO celebrar orgulho gay, pois não há nenhum orgulho numa ideologia que doutrina e estupra meninos.”
Não é segredo para ninguém que a ideologia gay doutrina e estupra psicologicamente meninos, levando potencialmente a estupros físicos.
O que é de estranhar é como o governo Bolsonaro, que é visto como direitista, chegou a esse ponto de celebrar o Dia Internacional do “Orgulho” LGBT.
Como conservador, eu celebraria tal data como Dia de Proteção às Crianças contra a Propaganda Gay. Se eu fosse a pastora Damares, o destaque à proteção às crianças seria supremo e não haveria nenhum destaque à celebração de “orgulho” gay, pois historicamente o ativismo gay nunca andou desatrelado da pederastia — sexo com meninos.
Tudo o que as práticas homossexuais provocam não trazem nenhum orgulho:
* Trazem doenças.
* Trazem anormalidade de todos os tipos.
* Trazem estupros de crianças.
E posso adicionar, conforme informação que há no meu livro “O Moviento Homossexual,” publicado pela Editora Betãnia em 1998, que os maiores assassinos seriais do mundo eram homossexuais.
O verdadeiro cristão é marcado pela coragem. Ronald Reagan confrontou a União Soviética e venceu, e hoje ele é honrado como o maior presidente conservador da história americana. E ele era evangélico!
O profeta Daniel confrontou a idolatria no Império da Babilônia e venceu, e hoje ele é honrado como um dos maiores profetas da Bíblia.
Se o Dia Internacional do “Orgulho” LGBT é uma data que exige que todos se prostrem diante do ativismo gay, por que não ser corajoso e rechaçar essa data nojenta? O presidente russo Vladimir Putin não é cristão salvo, mas não a celebra. Por que então cristãos que dizem ser salvos celebram essa data nojenta? Por que tanto medo de desobedecer ao que a ONU e os globalistas homossexualistas mandam?
A Arábia Saudia, que executa homossexuais, não celebra o Dia Internacional do “Orgulho” LGBT, e ninguém a condena.
Não estou incentivando ninguém a imitar a ditadura islâmica da Arábia Saudita. Mas já que até os evangélicos estão dando péssimo exemplo em sua submissão vergonhosa à data infame do Dia Internacional do “Orgulho” LGBT, por que não imitar o belo exemplo de Putin, que não celebra essa data?
O que Putin fez foi priorizar as crianças. Ele criou uma lei para proibir propaganda gay contra crianças e adolescentes. Essa é uma verdadeira lei para proteger crianças e adolecentes.
Se o Ministério de Direito Humanos levasse a sério sua missão de proteger as crianças imitaria Putin, não a ONU.
Um governo esquerdista celebraria o Dia Internacional do “Orgulho” LGBT. Um governo conservador falso celebraria o Dia Internacional do “Orgulho” LGBT.
Contudo, um governo conservador genuínio celebraria a proteção das crianças contra a propaganda homossexual e rechaçaria o Dia Internacional do “Orgulho” LGBT.
Apesar de que se alega que o governo Bolsonaro cortou verbas para entidades gays, há o fato de que existe dentro do governo Bolsonaro uma secretaria homossexual que recebe salários e verbas, e a missão dessa secretaria é promover, sem alarde, a mesma agenda gay que era promovida pelo governo do PT.
Como pastora pentecostal, a ministra Damares Alves tem grande potencial de ajudar o governo Bolsonaro a sair da órbia do globalismo homossexualista. Mas se ela abandonar suas raízes pentecostais, o politicamente correto será na vida dela exaltado acima da Bíblía, para benefício do ativismo gay e prejuízo das crianças.
Leitura recomendada

3 comentários :

Flávio disse...

Que ironia. Os conservadores defenderam com forca total a democracia e a liberdade de expressão pros seus inimigos avancarem sua agenda e eles chuparem dedo. Democracia não é justa porque quem tem mais dinheiro (globalistas) tem maior poder de influência. Agora o conservadorismo, de qualquer versão, sera criminalizado, dentro de uns 10 anos sexualidade sera equiparada a raca. Cristãos serão vistos como os supremacistas brancos são hoje.

Unknown disse...

Menos do que 10 anos. Acontece agora de forma dissimulada.

J. C. Madeira disse...

A Pastora DAMARES ALVES, está acendendo uma VELA PARA DEUS e outra para o diabo.....