25 de julho de 2020

Enquanto vidas negras são perdidas no aborto e em lares desfeitos, o movimento “Vidas Negras Importam” prega o marxismo, que alimenta a destruição da família negra através do aborto e de lares desfeitos


Enquanto vidas negras são perdidas no aborto e em lares desfeitos, o movimento “Vidas Negras Importam” prega o marxismo, que alimenta a destruição da família negra através do aborto e de lares desfeitos

Julio Severo
Badernas violentas, saques, prédios incentidados, confrontos violentos com a polícia, civis e policiais mortos — essa é a “marca registrada” de pessoas violentas criadas em lares desfeitos. E, por acaso, é também a “marca registrada” de um movimento marxista americano chamado “Black Lives Matter” (Vidas Negras Importam).
Patrisse Cullors, co-fundadora da “Vidas Negras Importam” e Karl Marx
O movimento “Vidas Negras Importam” busca destruir a Lei e a Ordem nos EUA, originalmente baseada em princípios cristãos (de orientação evangélica), e substituí-la pela Lei e Ordem marxista. Toda nação marxista tem um controle rígido sobre seus cidadãos, ou escravos, através da Lei e Ordem marxistas. A União Soviética, que tinha excessiva Lei e Ordem marxista, é um exemplo.
Para destruir a Lei e a Ordem dos EUA e estabelecer a Lei e a Ordem do marxismo, o que “Vidas Negras Importam” prega?
O site oficial do “Vidas Negras Importam” diz:
“Nós desestabilizamos a estrutura familiar nuclear prescrita pelo Ocidente…”
“Promovemos uma rede que defenda a ideologia queer [homossexualista].”
“Somos guiados pelo fato de que toda a vida negra é importante, independentemente da identidade sexual real ou percebida, identidade de gênero, expressão de gênero…”
Todas essas ideias são marxistas. E não são de admirar, porque “Vidas Negras Importam” foi fundado em princípios marxistas.
Patrisse Cullors, co-fundadora de “Vidas Negras Importam,” disse em 22 de julho de 2015:
“Na verdade, temos uma estrutura ideológica. Eu e Alicia [Garza] em particular, somos organizadores treinados. Somos marxistas treinados. Somos super versados em teorias ideológicas.”
Há uma enorme raiva na população negra dos EUA. Essa raiva foi canalizada para o marxismo.
O site Afro diz,
“Apenas 38,7% dos menores afro-americanos vivem com pai e mãe.”
“… mais de um terço de todas as crianças negras nos Estados Unidos com menos de 18 anos vivem com mães solteiras — em comparação com 6,5% das crianças brancas.”
E uma organização pró-aborto disse:
“Nos Estados Unidos, a taxa de aborto para mulheres negras é quase cinco vezes maior do que para mulheres brancas.”
Embora existam mais mulheres brancas do que mulheres negras nos EUA, o fato é que mais mulheres negras matam seus bebês por meio do aborto do que mulheres brancas.
Para o movimento marxista “Vidas Negras Importam,” os milhares e milhares de vidas de bebês negros em gestação não importam. Então claramente não é um movimento com um interesse real em defender vidas negras.
O principal culpado pela destruição de lares negros e pelo aborto é o governo dos EUA. Na década de 1960, o governo dos EUA lançou um programa social abrangente, em resposta a Martin Luther King, para fazer “indenizações” à população negra, dando-lhes muitas ajudas sociais.
Com essa “indenizações,” mães solteiras negras receberiam ajuda do governo: dinheiro, comida, moradia, emprego e tudo o que elas precisassem. No entanto, em vez de ajudar, esse programa social normalizou más escolhas, lares desfeitos e mães solteiras.
No passado, uma jovem negra deveria procurar um homem responsável para alimentá-la e sustentá-la. Com o programa social, ela estava livre para escolher qualquer homem ou nenhum homem. Com o sustento do governo, essas mulheres tiveram uma legião de filhos sem pai, o principal ingrediente de gangues e criminalidade.
Para “ajudar” essas mulheres a não terem tantos filhos sem pai, o governo dos EUA concedeu a elas o “privilégio” pago por impostos de abortar seus filhos. Ou seja, o governo dos EUA paga pelo aborto.
A maior tragédia na população negra dos EUA foi a intervenção do governo para “ajudá-la.” No processo de tal ajuda, a família negra foi destruída e os bebês negros têm sido abortados em massa.
E uma enorme legião de negros sem pai vive em fúria e revolta como conseqüência direta de intervenções e auxílios do governo, e o marxismo e seus grupos, inclusive o “Vidas Negras Importam,” estão canalizando a raiva deles.
Luto contra o aborto há mais de 30 anos. E como o aborto mata muitos bebês negros, minha luta mostra que vidas negras são importantes. Mas os movimentos marxistas, inclusive o “Vidas Negras Importam,” não têm nenhuma preocupação real com vidas negras, especialmente bebês negros.
O movimento “Vidas Negras Importam” tem sido livre, em uma sociedade americana fundada em princípios cristãos, para incitar os negros a provocar badernas violentas, incendiar edifícios, fazer confrontos violentos com a polícia e matar civis e policiais. Eles rejeitaram a Lei e Ordem tradicional.
Em uma sociedade islâmica como a Arábia Saudita onde a Lei e a Ordem islâmicas reinam supremamente, eles seriam executados muito antes de pensarem em incitar os negros a badernas.
Em uma sociedade marxista onde a Lei e a Ordem marxistas reinam supremamente, eles não teriam liberdade de pregar badernas. Eles seriam executados.
O movimento “Vidas Negras Importam”  consegue fazer badernas e muito mais nos Estados Unidos porque recebeu liberdade excessiva, recebeu ajuda excessiva do governo e porque a autoridade masculina tradicional foi destruída nos lares negros e na sociedade em geral.
Uma autoridade masculina saudável é essencial para uma Lei e Ordem saudáveis. Mas o que dá para ver nos EUA, especialmente nos lares negros sem pai, são mulheres que lideram. Na sociedade americana em geral, mulheres e homossexuais são apresentados como figuras de autoridade perfeitas e moderadas.
Sem uma forte autoridade masculina, é impossível os EUA controlarem a fúria de negros sem pai controlados pelo marxismo.
Sem parar de financiar mães solteiras, lares desfeitos e aborto entre negros, é impossível o governo dos EUA impedir o marxismo de canalizar a raiva entre eles.
Leitura recomendada:

9 comentários :

Flávio disse...

São incentivos errados, agora uma mulher recebe pra ser mãe solteira, se não for o suficiente é só matar seu bebê. Incentivo ao sexo desenfreado com parceiros diferentes tb. que faz mal para todos, principalmente para as mulheres.

Priscila Lima Oliveira disse...

Engravidar é escolha não é imposição de nenhum país que mulheres tenham filhos. Existem metos pra evitar uma gravidez indesejada.Isso chama planejamento familiar. Evitar que crianças passem fome ,miséria. Filho não é brincadeira. Responsabilidade portanto se uma mulher não ter meios de sustentar não engravide então.

Alexandre disse...

Infelizmente é justamente a sociedade evangélica branca dos EUA a grande culpada pelo vácuo social ocupado agora pelo marxismo, que ao invés de seguir verdadeiramente os preceitos de Cristo, optou por um segregacionismo ostensivo e excessivamente violento, nem no Brasil, que praticamente foi o último país a abolir a escravidão, se vê um racismo tão intolerante, e nessa história toda quem acaba pagando o pato é justamente quem não tem nada a ver com isso, ou seja, embriões, fetos e bebês inocentes.

Julio Severo disse...

Priscila, a relação sexual é uma escolha. Se a mulher não quer engravidar, deve evitar relações sexuais. A vasta maioria dos métodos de controle da natalidade são micro-abortos, com exceção da esterilização, que é recomendada para os ímpios. A maior entidade de planejamento familiar do mundo, a Federação Internacional de Planejamento Familiar, promove contracepção, aborto, homossexualismo e outras barbaridades. A fundadora dessa entidade é Margaret Sanger, uma ocultista racista americana com ligações nazistas. Ela foi a principal responsável pela criação da pílula anticoncepcional. A federação dela tem a maior rede de clínicas de aborto nos EUA.

Julio Severo disse...

Alexandre, infelizmente, todas as sociedades têm seus problemas. Até hoje, na África, existe escravidão e existe diferentes etnias que se odeiam a ponto de se matar com violência colossal. Quanto ao que você disse sobre “segregacionismo ostensivo e excessivamente violento,” há nos EUA milhares de registros desde coisas boas que se fizeram aos negros desde coisas más. Como sociedade altamente alfabetizada, os EUA registram tudo e preservam tudo. Diferente do Brasil que pouca coisa preservou e no século XIX a sociedade brasileira, com exceção da nobreza e dos estrangeiros, era altamente analfabeta. Uma população analfabeta não tem condições de registrar nada. A esquerda moderna pega os inúmeros registros dos EUA e usa apenas o que é proveitoso para sua agenda. Havia famílias americanas boas que davam bom tratamento aos escravos, inclusive alfabetizando-os. Se a população brasileira fosse tão alfabetizada quanto a população americana, teríamos hoje um registro histórico de milhares de relatos de como eram tratados os escravos no Brasil. O pouco que sabemos, por exemplo, é que a pena de morte foi abolida no Brasil há mais de 170 anos porque muitas pessoas inocentes eram executadas. É de supor que graves injustiças ocorriam contra muitas outras pessoas, inclusive escravos. Nos EUA, os negros, apoiados pelo marxismo, reclamam muito da escravidão a fim de obter indenizações bilionárias enquanto cometem um crime maior que a escravidão: torturam e matam seus bebês em gestação. No Grande Dia do Juízo, Deus poderá lhes dizer: “Se vocês reclamaram tanto da escravidão, porque usaram o aborto legal para fazer coisas piores para seus filhos no ventre?” De fato, a atitude dos negros reclamadores é incompreensível.

Unknown disse...

Pelo menos nos EUA pode-se comprar armas para defender-se dos criminosos do BLM. Aqui no Brasil não temos esse direito.

Priscila Lima Oliveira disse...

sim ,a abstinência sexual evita a gravidez .Mas se a mulher quer ter uma vida sexual ativa ,procure método para evitar uma gestação. E evitar que uma criança sofra por falta de afeto e fome etc

O Protestante disse...

Segundo o que ía registrar Rui Barbosa foi a Maçonaria que exterminou negros e índios

O Protestante disse...

Rui Barbosa iria registrar o genocídio contra negros e índios que segundo ele foi a Maçonaria 😈