10 de julho de 2020

África chama os negros americanos para voltarem para seu lar original na África


África chama os negros americanos para voltarem para seu lar original na África

Julio Severo
Enquanto uma onda de supremacismo negro está varrendo os Estados Unidos, com militantes negros usando qualquer injustiça real ou percebida para saquear, destruir, estuprar e matar, uma nação na África está oferecendo uma solução que pode apaziguá-los: viver em uma nação dominada por negros.
Ruas aglomeradas de Accra, Gana
Aproveitando as tensões provocadas pelo supremacismo negro que está fervilhando nos Estados Unidos, Gana está incentivando os negros americanos a abandonar os EUA para voltar ao seu lar original — a África.
O apelo é uma continuação da iniciativa “Ano do Retorno” feita por Gana, lançada oficialmente em setembro de 2018. No lançamento, a presidente de Gana, Nana Akufo-Addo, elogiou os negros americanos, pedindo aos americanos de ascendência africana que considerassem voltar para a África.
O ano de 2019 foi escolhido porque marcou 400 anos desde que os primeiros escravos africanos chegaram à colônia inglesa da Virgínia em 1619.
“Conhecemos as extraordinárias realizações e contribuições que eles [africanos da diáspora] fizeram para a vida dos americanos, e é importante que este ano simbólico — 400 anos depois — comemoremos sua existência e seus sacrifícios,” declarou Akufo-Addo , conforme noticiado por Africa Renewal, uma revista publicada pela ONU.
Em 5 de junho, a Ministra do Turismo, Arte e Cultura do Gana, Barbara Oteng-Gyasi, repetiu as palavras de Akufo-Addo, citando a morte de George Floyd, um drogado preto em Minneapolis que morreu depois de resistir à polícia. Sua morte provocou uma série de tumultos violentos orquestrados pela organização marxista Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) nos Estados Unidos.
Oteng-Gyasi citou a morte de Floyd como uma razão por que os negros americanos deveriam retornar à África.
“Continuamos a abrir os braços e convidar todos os nossos irmãos e irmãs para voltarem para a África. Gana é seu lar. A África é seu lar. Temos os braços bem abertos, prontos para recebê-lo em casa. Por favor, aproveite, volte para casa e construa uma vida em Gana. Você não precisa ficar onde não é querido para sempre. Você tem uma escolha e a África está esperando por você,” disse Oteng-Gyasi, de acordo com o jornal The Independent Ghana, uma agência de notícias de Gana.
A realidade é que os negros trazidos como escravos da África não foram roubados de suas casas pelos europeus. Eles foram acorrentados e vendidos por outros africanos. Eles já eram escravos na África. Se eles nunca tivessem sido enviados para trabalhar na América, eles permaneceriam escravos na África. Na América, seus descendentes receberam o que os descendentes de escravos na África nunca receberam.
A idéia de comerciantes de escravos europeus brancos perseguindo e capturando africanos nativos inocentes — uma imagem popularizada por propagandas marxistas e pelos supremacistas negros — é uma farsa total.
Ao contrário dos colonos europeus, que foram para a América para viver e colonizar, os africanos foram levados só para trabalhar, e eles não receberam tratamento pior do que escravos africanos recebiam de negros que eram donos de escravos na África. A ideia de que um trabalhador ou escravo tem direito a tudo do dono é tão ridícula que se um milionário africano tiver dez empregados asiáticos (ou semi-escravos ou mesmo escravos, pois isso não é incomum na África) e esses empregados exigerem todas as propriedades de seu dono, o milionário vai rir deles.
Se os negros americanos acreditam que, ao retornar à África, estão abandonando a história sombria da escravidão e da opressão, estão tristemente enganados. Historicamente, negros sempre escravizaram negros. Africanos sempre escravizaram africanos. Em muitas partes da África, a escravidão ainda existe: Negro escravizando negro.
Com informações do The Western Journal.
Leitura recomendada:

Um comentário :

Flavio disse...

Existem grupos supremacistas negros, que pedem separatismo negro. Essa é a oportunidade perfeita para realzar seus sonhos de viver separados de brancos na África.
Já o black lives matter preferem os EUA para realizarem uma revolução comunista, mas só servirão de massa de manobra para o deep state.