17 de maio de 2020

Pastor critica energicamente governador Roy Cooper da Carolina do Norte, nos EUA, por proibir cultos nas igrejas, mas permitindo que clínicas de aborto permaneçam abertas


Pastor critica energicamente governador Roy Cooper da Carolina do Norte, nos EUA, por proibir cultos nas igrejas, mas permitindo que clínicas de aborto permaneçam abertas

Micaiah Bilger
Charlotte, Carolina do Norte, EUA — Mais pastores estão se manifestando contra a injustiça flagrante de permitir que clínicas de aborto continuem matando bebês em gestação, enquanto forçam as igrejas a permanecerem fechadas por causa do coronavírus.
Ron Baity
Na quinta-feira, o reverendo Ron Baity, da Igreja Batista Bereana em Winston-Salem, Carolina do Norte, criticou o governador Roy Cooper por impor tais prioridades confusas ao seu estado, de acordo com o Winston-Salem Journal.
Cooper, um democrata [socialista] pró-aborto, restringiu as reuniões das igrejas como parte de seus esforços para proteger as pessoas do coronavírus. No entanto, ele permitiu que as clínicas de aborto continuassem matando bebês em gestação por meio de abortos eletivos.
“Estamos pedindo [ao governador] que dê às igrejas no mínimo o que ele está dando ao Walmart, clínicas de aborto e lojas de bebidas,” disse Baity durante uma manifestação em Raleigh. “Estamos apenas defendendo nossos direitos da Primeira Emenda.”
Aproximadamente 200 pessoas se juntaram a ele no comício “Return America” (Queremos os EUA de Volta) contra as exigências de Cooper, informaram os noticiários locais.
A igreja de Baity e outras instituições religiosas na Carolina do Norte entraram com uma ação contra a restrição do governador aos cultos na quinta-feira, de acordo com a reportagem. O pastor disse que as igrejas estão sendo discriminadas e têm o direito constitucional de serem abertas.
Aqui está mais da reportagem:
Vários manifestantes falaram sobre o “mal” por trás da ordem de permanência em casa do governador Roy Cooper, com o objetivo de limitar a propagação do coronavírus…
O movimento Queremos os EUA de Volta enviou uma declaração a Cooper assinada por 200 pastores, pedindo para operar com 20% de ocupação como as lojas de varejo.
“Estamos pedindo ao governador que nos deixe voltar a fazer cultos,” disse Baity. “Nós vamos adotar medidas sanitárias. Faremos mais do que os órgãos federais de fiscalização sanitária exigem quando voltarmos.”
Igrejas de outros estados também estão processando seus líderes governamentais. No início desta semana, as igrejas do Kentucky obtiveram uma vitória judicial contra restrições semelhantes impostas pelo governador democrata pró-aborto Andy Beshear. E em abril, as igrejas do Kansas obtiveram uma vitória judicial contra a governadora democrata pró-aborto Laura Kelly.
Pastores também estão protestando em outros estados. Na semana passada, centenas de pastores de Massachusetts enviaram uma carta ao seu governador, Charlie Baker, um republicano pró-aborto, pedindo-lhe que “rapidamente e publicamente” permita que as igrejas sejam reabertas. Pastores da Virgínia fizeram o mesmo em uma carta ao governador Ralph Northam, um democrata pró-aborto.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do LifeNews: Pastor Slams Gov. Roy Cooper for Banning Church Services, Letting Abortion Clinics Stay Open
Leitura recomendada:

Nenhum comentário :