2 de maio de 2020

Indíces de casamento nos EUA caíram para o nível mais baixo da história dos EUA, enquanto adesão ao Cristianismo e seus valores conservadores diminuiu com o tempo e a aceitação da contracepção e da coabitação é generalizada


Indíces de casamento nos EUA caíram para o nível mais baixo da história dos EUA, enquanto adesão ao Cristianismo e seus valores conservadores diminuiu com o tempo e a aceitação da contracepção e da coabitação é generalizada

Julio Severo
O índice de casamento nos Estados Unidos caiu para o nível mais baixo da história dos EUA, enquanto casais decidem renunciar oficialmente ao casamento para viver juntos. À medida que a adesão ao Cristianismo e seus valores conservadores diminuiu ao longo do tempo, houve uma crescente aceitação da coabitação.
O índice de casamento nos EUA caiu seis por cento em 2018, de acordo com dados do governo divulgados recentemente.
Em 2018, houve 6,5 novos casamentos para cada 1.000 pessoas, o índice mais baixo desde que o governo dos EUA começou a registrar dados em 1867, de acordo com o Centro Nacional de Estatísticas da Saúde.
De 2017 a 2018, o índice caiu 6%, de 6,9 por 1.000 habitantes para 6,5 — o mais baixo do período de 1900–2018.
Em 2019, mais da metade dos adultos americanos era casada — enquanto em 1970 de cada 10 americanos, sete eram casados.
Tudo isso não aconteceu por acaso. Um forte declínio na adesão ao Cristianismo e seus valores conservadores tem desempenhado um papel importante no declínio nos índices de casamento. De acordo com o Centro de Pesquisa Pew em um estudo de 2019:
“O protestantismo e o catolicismo estão sofrendo perdas de participação da população. Atualmente, 43% dos adultos americanos se identificam com o protestantismo, ante 51% em 2009. E um em cada cinco adultos (20%) são católicos, ante 23% em 2009.”
Um forte Cristianismo está correlacionado com o crescimento do casamento, da família e do nascimento dos bebês. E o casamento está correlacionado com resultados positivos, inclusive longevidade e segurança econômica.
A contracepção generalizada tornou o casamento, a família e os bebês desnecessários e tornou a imoralidade, o aborto e a coabitação generalizados. Quando as igrejas cristãs e seus membros adotaram a contracepção, eles abraçaram a destruição de suas igrejas, suas famílias, seus bebês prometidos pela Palavra de Deus como presentes, seu futuro e sua civilização.
Os Estados Unidos, que em sua fundação no final do século XVIII eram 98% evangélicos conservadores e tinham famílias fortes, hoje têm um evangelicalism em declínio, famílias em declínio e uma crescente população islâmica, porque os muçulmanos amam sua religião e suas famílias.
E para piorar as coisas, o presidente Donald Trump, que é um protestante que foi eleito principalmente por evangélicos conservadores, não tem protegido o casamento tradicional. Ele tem elogiado o “casamento” homossexual.
Com informações do DailyMail e do Centro de Pesquisa Pew.
Leitura recomendada:

2 comentários :

Unknown disse...

Infelizmente serão substituidos. Adeus América.

Cicero disse...

Não tenho dúvidas que este vírus, é juízo de Deus sobre a Igreja e sobre o mundo, mesmo que tenha saído de laboratórios chineses.