6 de maio de 2020

Diretora da maior rede de clínicas de aborto nos EUA: “Estamos fazendo tudo o que podemos” para abortar bebês durante a pandemia


Diretora da maior rede de clínicas de aborto nos EUA: “Estamos fazendo tudo o que podemos” para abortar bebês durante a pandemia

Micaiah Bilger
Washington, DC, EUA — A diretora interina da Federação de Planejamento Familiar, Alexis McGill Johnson, enviou um pedido urgente de contribuições financeiras na terça-feira, prometendo que sua rede de clínicas de aborto está “fazendo tudo o que pode” para continuar a abortar bebês em gestação durante a pandemia de coronavírus.
Alexis McGill Johnson
No e-mail aos apoiadores, Alexis disse que está se esforçando para expandir o aborto através da telemedicina, ações judiciais contra restrições de saúde dos estados e muito mais.
“A necessidade de assistência de saúde reprodutiva persiste em uma crise, e nós também,” escreveu ela. “A Federação de Planejamento Familiar está fazendo todo o possível para garantir que a assistência continue, inclusive a adaptação e a inovação das formas como fornecemos.”
Alexis é a diretora interina da maior organização de aborto dos Estados Unidos. A Federação de Planejamento Familiar abortou quase 346.000 bebês no ano passado, enquanto colheu lucro de US$ 1,6 bilhão.
Embora os abortos sejam procedimentos desnecessários que destroem vidas, Alexis os chamou de “assistência de saúde” e afirmou que são “essenciais.”
Ela anunciou como a Federação de Planejamento Familiar está expandindo “serviços de telessaúde e explorando outras soluções inovadoras de assistência médica, para que as pacientes possam obter controle de natalidade, terapia hormonal de afirmação de gênero, tratamento de DST e muito mais através de consultas virtuais.”
Esses compromissos virtuais incluem abortos induzidos por drogas. Em vez de encontrar um médico pessoalmente, algumas clínicas de aborto fazem com que as mulheres se encontrem com um abortista através de uma webcam e depois lhes dão drogas para levar para casa para abortar seus bebês em gestação. Os abortos induzidos por drogas têm sido associados a pelo menos 24 mortes de mulheres e 4.000 complicações graves. As complicações incluem sangramento excessivo, dor abdominal intensa, infecção e hemorragia.
Ao expandir esses “serviços,” Alexis disse que a Federação de Planejamento Familiar também está processando estados que estão tentando restringir o aborto, juntamente com outros procedimentos médicos não essenciais, durante a crise do coronavírus.
“Em vez de obter ajuda de nossos líderes, alguns governadores estão proibindo completamente o aborto em seus estados. Estamos lutando nos tribunais para remover perigosas restrições estatais antes que seja tarde demais,” disse Alexis. “A crise do COVID-19 e os legisladores que a exploram estão dificultando o atendimento das necessidades das pacientes. A Federação de Planejamento Familiar foi forçada a tomar decisões difíceis para manter o acesso a serviços essenciais.”
Mas está claro que o foco da Federação de Planejamento Familiar está no aborto, e não na assistência de saúde de mulheres reais. Essa rede de clínicas de aborto fechou temporariamente várias de suas clínicas nos EUA durante a crise, e milhares de outras clínicas filiadas à Federação Internacional de Planejamento Familiar também fecharam temporariamente. Enquanto isso, outras clínicas da Federação de Planejamento Familiar anunciaram a abertura de “apenas serviços de aborto.”
As mulheres não precisam abortar seus bebês em gestação para serem saudáveis. A única coisa “essencial” em um aborto é a garantia de um bebê morto. Recentemente, organizações médicas representando mais de 30.000 médicos nos EUA enfatizaram que o aborto não é “essencial” ou “urgente,” e as clínicas de aborto que continuam a operar durante a pandemia estão sendo “medicamente irresponsáveis.”
Mas a Federação de Planejamento Familiar ganha dinheiro fazendo abortos e continua fazendo mais deles. Seu relatório anual mais recente registrou 345.627 abortos e lucro de US$ 1,6 bilhão.
De acordo com uma análise recente da Fundação Heritage de seus relatórios anuais desde 2006, a Federação de Planejamento Familiar tem feito mais abortos e menos serviços de saúde reais. Seus exames de câncer estão muito baixos, e até mesmo seus números de contraceptivos vêm caindo constantemente. Essas quedas nos serviços não são por falta de fundos. Essa rede de clínicas de aborto registrou lucro recorde de mais de US$ 1 bilhão nos últimos anos.
Numa época em que grande parte do mundo está se sacrificando para salvar vidas, é perturbador ver o quanto a Federação de Planejamento Familiar está trabalhando para destruir vidas.
Leitura recomendada:

5 comentários :

Cicero disse...

Engraçado, os que são a favor do aborto um dia nasceram né!🤦

Unknown disse...

Negocio Lucrativo. Capitalismo selvagem

Canaã disse...

Um dos problemas do liberalismo econômico é este: perde-se a noção do que é humano quando se fica cego por uma suposta liberdade de ação comercial. Só que o produto aí são crianças, seres humanos, inocentes que tem suas vidas ceifadas em nome de uma suposta e nojenta liberdade. Que Deus tenha misericórdia de NÓS que somos omissos, letárgicos, diante de tal atrocidade.

Unknown disse...

Essa "diretora" não é mulher, só olhar.

Paulo Rosa disse...

Pois é, eu ia falar justamente isso, que ela não é mulher, no mínimo um transgênero! pesquise transvestigação ou transvestigation e veja com seus próprios olhos a quantidade de macho se passando por mulher ¬¬