1 de fevereiro de 2020

Pastor metodista ora para que as mulheres tenham o direito de matar seus bebês através de abortos


Pastor metodista ora para que as mulheres tenham o direito de matar seus bebês através de abortos

Micaiah Bilger
Um pastor da Igreja Metodista Unida na Flórida, EUA, provocou discórdia na Assembleia Legislativa em 29 de janeiro de 2020, quando orou abertamente pelo “direito” de abortar bebês em gestação.
O site Florida Politics descreveu a oração do Rev. Andy Oliver, da Igreja Metodista Unida de Allendale, em São Petersburgo, Flórida, como “de cair o queixo” e “oração politicamente motivada.”
A deputada estadual Jennifer Webb, D-Gulfport, convidou Oliver a fazer a oração de introdução na Assembleia Legislativa da Florida. Posteriormente, ela pediu desculpas porque os comentários dele não apenas causaram contendas, mas também violaram as regras da Assembleia Legislativa, de acordo com a reportagem.
Enquanto isso, Oliver parece não ter se arrependido de nada.
A oração dele pediu a Deus que lembre aos legisladores da Flórida que “tu não criaste os marginalizados e oprimidos para serem questões políticas, mas todos os teus filhos criaste à tua imagem e os chamaste de bons. Perdemos o caminho quando decidimos politizar a própria existência deles.”
Embora a oração dele mencionasse proteção aos oprimidos, ele defendeu que os bebês em gestação não devem ser protegidos. De acordo com a reportagem, em vez disso ele orou em favor de “direitos de abortar” para as mulheres.
“Então, perdoa-nos, oramos. Incentiva-nos a falar em prol dos vulneráveis, acalma-nos para ouvir suas vozes, convence-nos a colocar teu povo na frente do partido e liberta tanto os oprimidos quanto os opressores em teu desejo pela comunidade amada,” concluiu Oliver.
Os legisladores disseram que a oração dele violou regras que proíbem ativismo político em questões específicas. Oliver respondeu questionando o que é uma oração, senão ativismo.
“A ideia de fazer uma oração que não faz ativismo é um absurdo. A própria essência de uma oração é fazer ativismo,” disse o pastor.
No entanto, Jennifer, que o convidou, pediu desculpas por Oliver ter violado as regras.
“Pedi desculpas ao presidente da assembleia e aos meus colegas pela decisão do pastor Andy de não seguir as regras,” disse ela, observando que ele é um líder religioso “bem-visto” em sua região do estado.
Oliver alegou estar defendendo todos os filhos de Deus, especialmente os marginalizados e oprimidos. Mas os bebês em gestação são mortos a um ritimo alarmante nos Estados Unidos. Desde 1973, mais de 61 milhões de bebês em gestação foram abortados e quase 1 milhão continuam sendo abortados a cada ano.
A Bíblia condena claramente a prática de destruir vidas, e o aborto é uma dessas práticas. Mesmo nos tempos antigos, os bebês no útero eram vistos como valiosos, como é evidente em Lucas 1:41. Jesus deu grande valor às crianças quando outras pessoas da sociedade não as valorizavam em Mateus 19:14, e Provérbios 6: 16-17 afirma que uma das coisas que Deus mais odeia é o derramamento de sangue inocente. Um dos dez mandamentos proíbe o assassinato.
Oliver não apenas violou as regras da oração da Assembleia Legislativa, mas também ignorou a situação das preciosas criações de Deus, os bebês no útero.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês de LifeNews: Methodist Pastor Prays for Women to Have the Right to Kill Their Babies in Abortions
Leitura recomendada:

2 comentários :

Josias Rodrigues disse...

DEUS é enfático pratico e conclusivo: “NÃO MATARAS.” - Sendo assim, seu filho diz que das “crianças é o REINO DOS CÉUS”, logo esses “Pastores” estão indo contra as escrituras sagradas. A Bíblia diz que nos últimos dias apareceriam esses FALSOS MESTRES. Apoiam matar seres que náo podem se defender, que nao teem voz, sao indefesos. Que Deus tenha misericórdias dessas pessoas.

Alexandre disse...

Mas um servo de baal travestido de evangélico, infelizmente o número desses amaldiçoados só aumenta.