3 de fevereiro de 2020

Olavo de Carvalho, Pepsi, bebês abortados e esquerda burra


Olavo de Carvalho, Pepsi, bebês abortados e esquerda burra

Julio Severo
Em 2012, Olavo de Carvalho disse em seu programa de Youtube TrueSpeak: “A Pepsi está usando células de bebês abortados como adoçantes.”
Desde então, a esquerda tem usado esse comentário dele mesmo para atacá-lo. O intercept o usou numa reportagem. Até mesmo o jornal The Guardian, do Reino Unido, mencionou isso.
Afinal, Olavo de Carvalho, que passou anos na profissão de astrólogo e escreveu vários livros com tema ocultista na década de 1980, está certo na acusação de que a Pepsi estava usando células de bebês abortados como adoçantes? Sim e não.
De fato, a Pepsi usou células de bebês abortados não no produto final ao consumidor, mas apenas em experiências laboratoriais para realçar sabores. Essa informação ficou clara no artigo que publiquei em 2012 em meu blog “Agência do governo de Obama determina que uso que a Pepsi faz de células derivadas de bebês abortados é ‘negócio normal.’”
Como resultado de um boicote internacional, a Pepsi parou essas experiências laboratoriais. Tudo isso está no artigo “Fim do Boicote: PepsiCo não usará células de bebês abortados como realçadores de sabor” publicado no meu blog em 2012.
Tudo isso Olavo leu no meu blog, que ele costumava citar em seu programa TrueSpeak. Às vezes ele dava crédito às informações que ele usava do meu blog. Outras vezes, não. Seja como for, ele achava as informações do meu blog tão importantes que seu extinto site Mídia Sem Máscara me convidou para ser colunista, posto em que trabalhei gratuitamente durante mais de 10 anos.
Embora ele tenha exagerado ao sugerir que a Pepsi estava pondo células de bebês abortados no produto final ao consumidor, em vez de debochar da declaração, se a esquerda tivesse jornalistas sérios, faria investigações até chegar à fonte e à verdade.
A esquerda poderia perguntar ao Olavo: “Onde foi que você viu a informação de que a Pepsi está usando células de bebês abortados como adoçantes?”
Ele responderia: “No blog do Julio Severo.”
Ao conferir tudo no meu blog, que apenas traduziu reportagens de agências pró-vida internacionais, os jornalistas esquerdistas diriam: “Isso é verdade, embora Olavo tenha exagerado.”
O episódio do exagero de uma informação verdadeira por parte de Olavo mostrou que a esquerda é burra e não investiga e pesquisa antes de escrever reportagens.
O que me intriga há anos é como a esquerda dá holofotes para Olavo num assunto pequeno como o exagero dele sobre a Pepsi, mas o poupa num assunto tão grave e importante como o revisionismo apaixonado que Olavo faz da Inquisição, que torturou e matou multidões de judeus e protestantes. Essa é uma questão muito mais séria do que a polêmica do exagero dele sobre a Pepsi.
O revisionismo da Inquisição se iguala ao revisionismo do Holocausto. É um produto do antissemitismo. Mesmo assim, a esquerda não ousa incomodar Olavo nessa importante questão.
Talvez os socialistas tenham medo de tratar da defesa que Olavo faz da Inquisição porque ele poderia facilmente jogar na cara deles as mortandades que os comunistas cometeram no século XX. Então, está explicado o silêncio da esquerda sobre Olavo como o maior defensor brasileiro da Inquisição.
Eu, como nunca defendi ideologias assassinas, sou livre para condenar os socialistas em sua defesa do comunismo assassino e igualmente livre para expor Olavo em sua defesa da máquina assassina da Inquisição.
Diferente da esquerda, que não investigou a fundo o comentário de Olavo sobre Pepsi e células de bebês abortados, eu investiguei a fundo a questão da Inquisição, adquirindo os livros revisionistas que Olavo mencionou e consultando fontes importantes, como uma obra volumosa de quase 1.400 páginas contra a Inquisição escrita pelo pai do primeiro ministro israelense Benjamin Netanyahu.
Pesquisei também a maior enciclopédia do mundo, a Enciclopédia Britânica, em suas edições modernas e antigas, e o resultado de minha pesquisa está neste artigo: Aborto, Inquisição e revisionismo na Enciclopédia Britânica.
Quando questionei privadamente Olavo, através de sua esposa, sobre sua defesa da Inquisição, a resposta que recebi deles em 2013 foi o artigo “‘E os milhões de mortos pela Santa Inquisição’ perguntam e eu respondo,” de Reinaldo Azevedo, publicado pelo site da revista Veja. Ironicamente, Olavo e esposa usaram Reinaldo como ótima referência pró-Inquisição. O texto do link, que constava aqui, foi removido, possivelmente porque o revisionismo da Inquisição é uma aberração que causa mal-estar, principalmente pelo caráter antissemita. Hoje, Olavo e Reinaldo estão brigadíssimos, mas na aberração da defesa da Inquisição, Reinaldo perdeu feio para Olavo, que se tornou campeão nessa aberração.
As fontes mais importantes para entender o comunismo são suas vítimas. As fontes mais importantes para entender o nazismo são suas vítimas. Por que deveria ser diferente no caso da Inquisição? Os judeus e os protestantes, que foram as principais vítimas da Inquisição, são as fontes mais confiáveis para entender essa máquina assassina.
Sobre Pepsi e bebês abortados, Olavo cometeu o erro de não citar fontes e não mencionar corretamente as informações que ele leu. Tal erro é fascinante em vista do fato de que, posando de filósofo, Olavo se gaba de precisão nas informações e ele xinga sem dó nem piedade quem não expressa com precisão informações importantes.
A esquerda errou em não investigar e apurar que Olavo apenas exagerou uma informação verdadeira.
Nesses anos todos, Olavo não veio a público para revelar a fonte de suas informações sobre Pepsi e bebês abortados. E nesses anos todos, a esquerda vem sustentando sua burrice num assunto que é facilimo de resolver mediante uma simples investigação.
Não quero estragar o prazer dos burros e exagerados, mas esse assunto todo já foi resolvido no meu blog em 2012. Por que continuar na burrice e ocultação das fontes?
Leitura recomendada sobre a Inquisição:

Um comentário :

Alexandre disse...

A esquerda só faz carnaval para aquilo que lhe convém, veja por exemplo se eles dão um único piu para o que acontece com a população lgbt nos países comunistas, sem falar que ao defenderem essas ideologias assassinas eles também se tornam cúmplices de genocídio.