5 de fevereiro de 2020

Cantora americana Taylor Swift diz que seu cristianismo pró-sodomia e pró-aborto é o verdadeiro Cristianismo


Cantora americana Taylor Swift diz que seu cristianismo pró-sodomia e pró-aborto é o verdadeiro Cristianismo

Julio Severo
A Netflix produziu “Miss Americana,” um documentário com a estrela pop Taylor Swift elogiando exageradamente suas próprias ideias progressistas e tentando definir o Cristianismo de acordo com essas idéias.
Depois que o presidente Trump foi eleito especialmente por evangélicos conservadores que rejeitam a agenda gay, Swift não apenas vem apoiando candidatos políticos de esquerda e atacando candidatos políticos conservadores, mas ela vem também usando sua música para promover a agenda gay. Por exemplo, o videoclipe de Swift em 2019 “You Need to Calm Down” (Você Precisa se Acalmar) é uma homenagem à agenda LGBTQ, criticando aqueles que não concordam com o estilo de vida homossexual.
Um trecho do filme da Netflix “Miss Americana” destaca como Swift abandonou sua imagem apolítica anterior para se tornar uma ativista de esquerda. Um clipe do filme mostra Swift explicando o que a levou a apoiar candidatos de esquerda contra candidatos conservadores.
Swift também se manifestou a favor do aborto em 2019, quando ela disse ao jornal britânico The Guardian: “Quero dizer, obviamente, sou a favor do aborto.”
Como Swift, outras celebridades dos EUA nos últimos anos vêm promovendo sua própria versão do Cristianismo e alegando que suas posturas esquerdistas são a definição real do que significa seguir a Cristo.
No entanto, parece que Swift está olhando mais para os eleitores de Trump, especialmente os evangélicos, do que para o próprio Trump, sem entender que, no que se refere a questões homossexuais, há enormes diferenças entre Trump e seus apoiadores evangélicos.
Por exemplo, Trump reconheceu junho de 2019 como Mês do Orgulho LGBT e lançou uma campanha internacional para legalizar a homossexualidade em todo o mundo. Tais medidas, que deveriam alegrar Swift, não agradaram aos eleitores evangélicos. Mas Swift não está feliz porque, apesar de não agradar aos evangélicos na questão homossexual, Trump tem agradado aos evangélicos em outras questões, especialmente questões pró-vida.
Trump fez várias concessões a ativistas LGBT, mas Swift se recusa a ver suas generosas concessões. Sua preocupação está focada nos evangélicos conservadores, que elegeram Trump e, no futuro, podem eleger candidatos mais conservadores, inclusive um candidato conservador real disposto a lutar contra a agenda LGBTQ.
Então, quando Swift ataca Trump, ela está pensando em seus apoiadores evangélicos, que têm opiniões bíblicas que ela vê como “abominação.” Se não fosse por esses apoiadores evangélicos, Swift seria uma das primeiras celebridades a celebrar a campanha de Trump para legalizar a homossexualidade em todo o mundo. Ela também elogiaria o silêncio de Trump em relação à perseguição LGBTQ contra Franklin Graham, o mais proeminente apoiador evangélico de Trump.
Se não fosse pelos evangélicos conservadores, Swift adoraria Trump e suas posturas LGBTQ.
Com informações da Rede de Televisão Cristã dos EUA.
Leitura recomendada:
Leitura recomendada sobre Trump e homossexualidade:

5 comentários :

Flávio disse...

Não sei se um dia os EUA elegerão um conservador tradicional. Pesquisas mostram que a maioria dos jovens republicanos apoiam o casamento gay. Crescer em um ambiente tomado pelo politicamente correto, pornografia e podridão destrói nossos jovens.

Anônimo disse...

Flávio, países como Cingapura, Rússia e Coreia do Sul são melhores países para as crianças crescerem saudável em ambiente mais conservador, pró-vida e pró-família. Isso sim são países sérios em defesa da família e da vida!

Cicero disse...

A colheita da sodomia é fogo! Exemplo é a Califórnia!

Unknown disse...

EUA são a grande Babilônia e o fato de cada vez mais se distanciarem do cristanismo verdadeiro só confirma que a queda se aproxima.

Unknown disse...

o "Documentário" da Dolly Parton no Netflix remete a mesma coisa. Gostava dela como cantora, quando olhei o segundo episódio, desisti....