6 de dezembro de 2019

Maomé é um dos 10 principais nomes de bebês pela primeira vez na história dos EUA


Maomé é um dos 10 principais nomes de bebês pela primeira vez na história dos EUA

Julio Severo
Pela primeira vez na história dos Estados Unidos, Maomé entrou para a lista dos 10 principais nomes de bebês de 2019, de acordo com o site para pais de bebês BabyCenter, que divulgou sua lista anual dos 100 nomes de bebês mais populares para meninas e meninos nos Estados Unidos.
O site online para pais e gestantes compilou os nomes de bebês nascidos com cerca de 600.000 usuários registrados nos EUA em 2019. Sua pesquisa revelou um aumento em nomes islâmicos, com Maomé para meninos e Aaliyah para meninas chegando aos 10 primeiros pela primeira vez.
Maomé é considerado o nome mais popular do mundo, e o site de notícias britânico Independent diz que foi “dado a cerca de 150 milhões de homens e meninos.”
“Maomé está subindo nas principais listas de nomes de bebês do mundo todo, por isso sabíamos que logo chegaria entre os 10 principais nomes nos EUA,” disse Linda Murray, editora-chefe global do BabyCenter, em comunicado à imprensa. “As famílias muçulmanas geralmente escolhem Maomé como primogênito para honrar o profeta e trazer bênçãos à criança. O nome também tem várias grafias, e isso ajuda um nome a entrar entre os 10 principais.”
Em 2018 e 2017, Maomé ficou em 14º lugar na lista do BabyCenter nos Estados Unidos. O nome Maomé entrou pela primeira vez na lista dos 100 principais nomes de bebês nos Estados Unidos em 2013 e vem subindo desde então. Agora, não há como voltar atrás. Maomé avançará furiosamente até atingir o número 1 entre os dez primeiros.
O aumento da popularidade de Maomé como nome de bebê nos Estados Unidos está diretamente ligado ao aumento natural de famílias e imigrantes islâmicos. Enquanto as famílias dos EUA geralmente têm dois bebês, as famílias e os imigrantes islâmicos têm muito mais bebês.
As famílias islâmicas são menos propensas a usar o controle de natalidade. As famílias cristãs são mais propensas a usar o controle de natalidade, embora haja versículos específicos na Bíblia sobre famílias numerosas e muitos filhos como bênçãos. Existe até mesmo um mandamento específico de Deus para aumentar e ser frutífero.
A consequência de os cristãos dos EUA não aumentarem o suficiente é que eles estão deixando os muçulmanos aumentarem mais do que o suficiente.
O aumento de imigrantes islâmicos e bebês islâmicos traz outras consequências. Desde 2014, a Pesquisa de Comunidades Americanas da Agência de Recenseamento vem revelando que o árabe é o idioma que mais cresce nos EUA entre mais de 60 milhões de residentes que não falam inglês.
Em muitos estados dos EUA, o islamismo é considerado a segunda religião mais dominante. Essa é uma realidade totalmente nova para os EUA. Enquanto no passado o evangelicalismo era dominante nos EUA e o catolicismo era frequentemente a segunda religião mais importante, agora o islamismo atinge cada vez mais o segundo lugar e, se os americanos continuarem rejeitando bebês e amando a contracepção e o aborto, os muçulmanos derrotarão os americanos apenas pelo grande número de seus bebês.
Os cristãos dos EUA também não entendem que a Estátua da Liberdade é um poderoso símbolo islâmico.
O nome Maomé está crescendo não apenas entre os bebês nos EUA, a maior nação evangélica do mundo. É muito popular também entre os bebês de Berlim, a capital da Alemanha, porque os cristãos alemães adotaram o controle de natalidade. E Maomé agora é o nome de bebê mais popular na Grã-Bretanha, uma nação tradicionalmente protestante.
As famílias islâmicas entendem que os bebês são o futuro de uma nação, civilização e religião. Quanto mais melhor. As famílias cristãs dos EUA simplesmente não entendem essa realidade. Para eles, quanto menor, melhor. Eles simplesmente não veem que o controle da natalidade destrói o futuro das famílias, nação, civilização e religião.
Os bebês são o futuro. O controle da natalidade destrói o futuro. Os muçulmanos estão apenas tirando proveito dessa realidade. Os cristãos dos EUA estão tolamente entregando o futuro dos EUA para aqueles que têm mais bebês.
Não é o islamismo que ameaça o futuro cristão dos EUA. É a rejeição americana de bebês através do controle de natalidade.
Se hoje os cristãos americanos tivessem tantos bebês quanto os peregrinos e os americanos da geração dos fundadores dos EUA tinham — cerca de oito filhos por família —, o nome Moamé nunca estaria entre os 100 principais nomes de bebês nos EUA, que não mais teriam necessidade de importar milhões de imigrantes, inclusive muçulmanos, que estão desfigurando os EUA em suas próprias origens, raízes e fundamentos espirituais.
Com informações de San Francisco Gate e WND.
Leitura recomendada:

5 comentários :

Flávio disse...

Ai esses imigrantes votam esmagadoramente nos democratas, destroem a economia, destroem a moral social ( com aborto e drogas) destroem as famílias e corpos de crianças ( com ideologia de gênero e feminismo) aumentam o crime, o antissemitismo, o terrorismo e quando surge alguém revoltado com essa bagunça toda ele é chamado de "facista" "extrema direita" "cristão fanático". Além é claro de que "validam" os argumentos daquelas que realmente são supremacistas brancos.

Marcelo Victor disse...

ESSE É UM CLARO SINAL DE QUE O IMPÉRIO ESTÁ RUINDO, ESTÁ COM OS DIAS CONTADOS...E, COM ELE, O MUNDO TODO VAI PRO ABISMO MORAL, PARA A APOSTASIA DECLARADA E GENERALIZADA.

Alexandre disse...

Provavelmente esse deve ser o nome do militar saudita que abriu fogo em base americana vitimando três pessoas.

Edgar disse...

Os EUA e o Reino Undoo escolheram apoiar a ditadura saudita desde a Primeira Guerra Mundial. Governos de direita e esquerda nos EUA mantem o mesmo apoio. A mesma coisa Israel, continua a ser apoaida pelos EUA. Enquanto isso os paises com cristaos no Oriente Medio: Siria, Libano e Iraque sao destruidos pelos EUA em guerras sem fim.

Marcelo Victor disse...

DAQUI A POUCO ESSA FEBRE COMEÇA NO BRASIL, POIS O PATRIOTA BOLSONARO TÁ ESCANCARANDO NOSSAS FRONTEIRAS PRA QUEM QUISER EM TROCA DE DINHEIRO.