15 de novembro de 2019

Trump diz que é um grande fã do presidente Erdogan enquanto a Turquia persegue cristãos


Trump diz que é um grande fã do presidente Erdogan enquanto a Turquia persegue cristãos

Julio Severo
O encontro de 13 de novembro de 2019 entre o presidente turco Recep Tayyip Erdogan e o presidente dos EUA Donald Trump na Casa Branca provocou preocupação com a passividade do governo dos EUA em relação à Turquia perseguindo cristãos.
Enquanto alguns esperavam que Trump dissesse verdades duras a Erdogan, em vez disso ele elogiou muito o homem forte turco.
“Sou um grande fã do presidente; tenho que lhe dizer isso,” disse Trump sobre Erdogan enquanto falava em uma entrevista coletiva na Casa Branca.
Durante a coletiva de imprensa, um repórter perguntou a Erdogan sobre a situação dos cristãos que estão sofrendo durante a invasão turca na Síria.
“Os que permanecerem no lado sírio do território verão suas práticas de culto restauradas e revividas de uma maneira especial, recebendo assistência médica; eles estão recebendo ajuda humanitária em todos os aspectos possíveis,” respondeu Erdogan.
No entanto, um pastor cristão na cidade síria de Kobane contou uma história diferente.
“Sob o pretexto de lutar contra os curdos, muitas igrejas foram alvo e destruídas, e muitos cristãos foram deslocados à força de suas cidades,” disse o pastor Omar Firaz ao noticiário da Rede de Televisão Cristã dos EUA.
“Temos tido um relacionamento econômico, um relacionamento militar, uma amizade genuína com a Turquia. mas não sabemos mais quem é a Turquia,” disse o senador James Lankford (R-OK).
Talvez Lankford não saiba, mas os cristãos, especialmente os cristãos armênios, sabem muito bem quem é a Turquia.
Um dos maiores genocídios modernos de cristãos foi cometido pela Turquia. Cerca de 100 anos atrás na Turquia, um número estimado de 1,5 milhão de cristãos armênios em 66 cidades e 2.500 vilas foram massacrados; 2.350 igrejas e monastérios foram saqueados e 1.500 escolas e colégios foram destruídos. Apesar disso, para aplacar a ira da Turquia, Trump tem evitado dizer que o Genocídio Armênio foi genocídio. Os EUA não reconhecem o Genocídio Armênio porque os muçulmanos turcos odeiam ouvir sobre seus crimes contra os cristãos.
Se o presidente russo Vladimir Putin dissesse “Sou um grande fã do presidente Erdogan,” os professores de Bíblia nos EUA proferiam imediatamente sermões apocalípticos sobre a Rússia e a Turquia em uma aliança Gogue e Magogue contra Israel.
Os EUA têm todos os motivos e poderes para condenar a Turquia por séculos de perseguição contra os cristãos e nenhum motivo para se preocupar: a Turquia não tem armas nucleares contra os EUA. Mas a Turquia tem 50 armas nucleares americanas contra a Rússia.
Na Guerra Fria, os EUA instalaram 50 bombas nucleares na Turquia para combater a União Soviética, tornando os dois países seqüestrados por interesses estranhos. Por causa desse seqüestro, os EUA passaram os últimos 70 anos “impedidos” de condenar a Turquia por seu genocídio contra os cristãos armênios.
A União Soviética não existe mais, mas bombas nucleares americanas continuam na Turquia, ameaçando a Rússia.
Quando a Rússia tenta melhores relações com a Turquia, seu objetivo é neutralizar a ameaça nuclear.
Portanto, a Turquia, que historicamente é uma ameaça genocida para os cristãos, não é ameaçada pelos EUA e seu enorme poderio nuclear. Pelo contrário, os EUA usam a Turquia para ameaçar a Rússia.
Os professores de Bíblia deveriam ter algumas mensagens apocalípticas sobre os EUA empoderarem nuclearmente a Turquia islâmica contra os cristãos, e a Rússia é hoje a maior nação cristã ortodoxa do mundo. Os cristãos armênios que sofreram genocídio por parte da Turquia também eram cristãos ortodoxos.
Não faz sentido os EUA, a maior nação evangélica do mundo, usarem uma nação islâmica com um histórico de genocídio cristão para ameaçar uma nação cristã ortodoxa.
Por que os EUA não ameaçam nuclearmente a Turquia islâmica e a Arábia Saudita islâmica, que são ameaças aos cristãos?
Com informações da Rede de Televisão Cristã dos EUA e Slate.
Leitura recomendada

2 comentários :

Alexandre disse...

Na verdade as motivações de Trump ou de qualquer outro governo dito cristão, e raríssimo são os casos em contrário, são motivações políticos, econômicas e militares, eu não me lembro, me corrijam se estiver errado, de alguma intervenção ou no mínimo pressão por motivação religiosa.

Thel disse...

Quando eu digo que Trump não tem caráter acham que estou exagerando...