5 de novembro de 2019

Este altar na Europa é o portal para Satanás?


Este altar na Europa é o portal para Satanás?

Scott Lively
Anos atrás, falei em uma conferência bíblica em Bournemouth, Inglaterra, que abriu inúmeras portas para aventuras missionárias para mim. Uma era uma área de estudo pessoal e viagens que expandiu muito meu entendimento de como Satanás e o reino demoníaco acessam e operam no mundo físico. Essa porta foi aberta durante uma pausa na conferência, quando um dos meus anfitriões exibiu “The Rape of Europe” (O Estupro da Europa), um documentário do evangelista britânico David Hathaway. O título adapta o mito grego do estupro que o deus Zeus cometeu contra a Europa como uma metáfora do estupro cultural que o islamismo vem cometendo contra a Europa. Esse mito, representado na moeda do euro, apresenta Zeus/Satanás na forma de um touro com chifres em forma de crescente sendo montado por uma mulher, Europa.
Altar de Pérgamo, chamado de Trono de Satanás em Apocalipse 2:13
“O Estupro da Europa” (de 2002) é um trabalho de bolsa de estudos convincente, documentando cuidadosamente as origens demoníacas da União Europeia, adaptado como o cumprimento da profecia bíblica. Lançado antes da agenda de Fronteiras Abertas de Soros se tornar política globalista, também é profética com relação às realidades geopolíticas de hoje.

Assista ao “O estupro da Europa”:

O filme inclui comentários sobre as duas principais exposições do Museu Pergamum, em Berlim. O primeiro é o Altar de Pérgamo, chamado de Trono de Satanás em Apocalipse 2:13. O segundo é o Portão Ishtar da Babilônia, historicamente chamado de “Portão do Inferno” porque é decorado com 337 imagens de Marduque, o deus serpente: 337 simbolizando o Sheol (inferno) na numerologia hebraica. Na demonologia, Marduque (também conhecido como Bel, Baal e Zeus) é Satanás, e Ishtar (também conhecida como Astarte, Astarte, Asterote e Europa) é o parceiro feminino de Satanás.
Significativamente, essas duas enormes exposições não são réplicas, mas as originais. O Trono de Satanás foi enviado em pequenas partes da Turquia para a Alemanha a partir da década de 1880 e o Portão de Ishtar a partir de 1913. Em 1902, o kaiser (César) Wilhelm II, último rei do Segundo Reich (Reino) do Sacro Império Romano, comemorou publicamente a reconstrução do Altar de Pérgamo em Berlim como sua maior conquista.
Hathaway argumenta persuasivamente que a Alemanha católica, ou mais especificamente sua criação política chamada União Européia (estabelecida através do Tratado de Roma), é o Império Romano reemergente previsto na profecia dos “quatro reinos” de Daniel 2. Poucos cristãos hoje percebem que o “Terceiro Reich” de Adolf Hitler foi a terceira repetição do Sacro Império Romano da Europa. Nem é amplamente conhecido que os planos para a formação da União Europeia foram originalmente elaborados por Hitler.
Hathaway também implicou fortemente que os dois artefatos em Berlim tiveram um papel de controle no florescimento da Alemanha como o centro do mal no mundo, tipificado pelas duas guerras mundiais conduzidas pela Alemanha e pelo Holocausto. Decidi testar essa teoria por mim mesmo.
Comecei presumindo que a Bíblia afirma uma verdade literal em Apocalipse 2:13 que Satanás habitava em Pérgamo e esse altar era o seu trono. Questionei primeiro se era realmente um portal que permitia acesso demoníaco ao mundo físico e, em caso afirmativo, se sua gama de influência era definida pelo território sob o controle legal na prática (propriedade) da nação em posse dele. Então questionei se existiam outros portais e se sua influência poderia ser claramente reconhecida.
O altar de Pérgamo foi construído pelo rei Eumenes II de Pérgamo, aproximadamente com a morte de Antíoco IV Epifânio, em 164 a.C. Antíoco é literalmente a figura do Anticristo no Livro de Daniel, cuja maldade é extensivamente registrada nos livros apócrifos de 1 e 2 Macabeus. Eumenes II foi seu patrono político e aliado militar que ajudou Antíoco a tomar o trono do Império Greco-Selúcida à força. A capital do Império Selucida era a “Babilônia,” que significa “Portal dos deuses,” um nome que agora acredito ser literalmente verdadeiro.
O rei Eumenes II parece ter construído o Trono de Satanás como um portal através do qual Satanás poderia voltar a possuir um hospedeiro humano substituto. Essa hipótese, por sua vez, sugere que houve uma longa série de “Anticristos” ao longo da história da humanidade — tanto antes quanto depois de Antíoco. Agora uso o termo “Anticristo” como a designação para qualquer ser humano em posse física do demônio Satanás, e percebo que ele sempre procura estar em posse de alguém: escolhendo quem possa melhor servir à sua agenda a qualquer momento determinado. É importante ressaltar que, enquanto a Bíblia ensina que os anjos podem assumir forma humana, todos os demônios — até o rei deles — precisam possuir um ser humano ou animal para operar no reino físico.
Identifiquei um grande número de homens que se encaixam claramente no perfil do personagem e na linha do tempo da sucessão do Anticristo, começando com a história da Bíblia nas Escrituras, mas continuando através da história secular até o presente. Todos de 164 a.C. até o final do terceiro século d.C., e desde sua escavação no final do século XIX até o presente, podem ser ligados ao altar de Pergamum.
O que é mais preocupante para mim é a linha do tempo de 1945 a 1961, quando os Estados Unidos tinham na prática a propriedade da Trono de Satanás como a potência dominante dos aliados ocupando a Alemanha até a construção do Muro de Berlim (que dava posse à União Soviética até a reunificação da Alemanha em 1990). Essa janela de 1945-61 é precisamente quando os Estados Unidos foram mudados por seu Supremo Tribunal sob o controle do juíz anticristão Hugo Black de uma fundação bíblica para humanista, e um exército de ateus militantes recém-empoderados legalmente começou a desmantelar sistematicamente a infraestrutura judaico-cristã dos EUA de costa a costa.
Durante minhas investigações em todo o mundo, tive o privilégio de fazer uma turnê pessoal ao Museu Pergamum conduzida pelo coronel Eugene Bird, ex-comandante da prisão de Spandau (que abrigava os criminosos de guerra nazistas condenados em Nuremberg), que também era o encarregado militar americano que oficiou o transição do poder sobre Berlim Oriental para os soviéticos. Curiosamente, dada a conexão islâmica deste artigo, nossa saída do museu foi interrompida por seguranças armados para dar lugar a Pervez Musharef, primeiro ministro do Paquistão, que passou perto de nós na passagem para a entrada principal.
É tudo o que posso colocar neste artigo, mas se você quiser mais, posso enviar uma amostra do meu livro em inglês que estou escrevendo, “A Dinastia das Trevas,” mediante solicitação.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Is this altar in Europe the portal for Satan?
Outros artigos de Scott Lively:

2 comentários :

Cicero disse...

Quem seria o anticristo hoje? creio que é um muçulmano. Talvez o Erdogan da Turquia.

Alexandre disse...

Na verdade na europa existem vários portais ou altares dedicados à satanás, que vão desde o pré histórico Stonehenge ao medieval Vaticano e por fim o moderníssimo e high tech colisor de hádrons.