5 de outubro de 2019

Quando os militares ignoram as diferenças entre homens e mulheres


Quando os militares ignoram as diferenças entre homens e mulheres

Bryan Fischer
A Bíblia nos diz que Deus criou dois sexos, masculino e feminino. Eles não são intercambiáveis. Eles são diferentes um do outro em cada célula de seus corpos.
As mulheres podem se tornar mães que amamentam seus filhos. Homens não podem. Homens podem se tornar pais, mulheres não. Os homens podem carregar cargas pesadas por longas distâncias, as mulheres não. Os homens têm muito mais força na parte superior do corpo, maior capacidade pulmonar e mais resistência do que as mulheres. Então, o que acontece quando os militares ignoram essas realidades biológicas e bíblicas e tentam integrar os sexos no serviço militar? Não é um cenário bonito
Passamos o tempo suficiente realizando esse exercício de futilidade para perceber a idiotice de ignorar a ordem criada por Deus. Essa ignorância afeta radicalmente os três componentes centrais do sucesso militar: recrutamento, retenção e prontidão.
Eis o que acontece quando você ignora as imensas diferenças entre homens e mulheres na força e resistência da parte superior do corpo:
As recrutas da Marinha e do Exército da Grã-Bretanha estão sofrendo machucados que ameaçam a carreira ao usar um sistema de transporte de kits projetado para homens.
O sistema de alta tecnologia Virtus, de 79 milhões de libras, está fazendo com que as mulheres que tentam se tornar as primeiras comandas e soldadas de infantaria da Grã-Bretanha sofram problemas agonizantes nas pernas e nos quadris, de acordo com os cientistas.
Em 2013, as recrutas da Força Aérea da Grã-Bretanha receberam US$ 123.000 em indenização para compensá-las depois de sofrerem fraturas pélvicas causadas pela tentativa de marchar com os colegas mais altos do sexo masculino durante o treinamento básico. Muitas das mulheres que tentaram ingressar em unidades de comando de elite sofreram lesões nos membros inferiores.
Os militares britânicos gastaram US$ 100 milhões desenvolvendo um novo kit de batalha de última geração, apenas para descobrir que a mochila é grande demais para a maioria das soldadas. As cartucheiras de munição usadas na cintura machucam os quadris das mulheres, os quais são mais largos que os dos homens. Existem diferenças acentuadas na altura, largura dos quadris e ângulo pélvico na fisiologia dos homens em comparação às mulheres.
A prontidão é afetada quando soldadas estão avançadas em programas de treinamento, mesmo que não sejam merecedoras, e mesmo que um homem com o mesmo registro de desempenho seja eliminado por completo.
Na primeira turma integrada da escola de elite de soldados especializados, nenhuma das 19 candidatas conseguiu passar pela primeira fase do curso. Oito delas puderam fazer repetição e nenhuma delas passou na segunda rodada. Três delas receberam uma terceira tentativa inédita.
As mulheres receberam notas de aprovação para desempenhos abaixo do padrão em missões de treinamento. Por exemplo, os sargentos de pelotão têm um trabalho principal: contabilizar todos os soldados no pelotão, para que nenhum seja deixado para trás. Uma sargenta de pelotão recebeu nota de aprovação, apesar de ter perdido um soldado que se separou tão completamente de seu pelotão que os instrutores tiveram de encerrar a missão inteira até encontrá-lo. O pelotão inteiro falhou em completar sua missão designada, mas a candidata, cujo fracasso acabou com a missão, recebeu inexplicavelmente uma nota de aprovação.
O candidato do sexo masculino que desapareceu foi eliminado do processo — procedimento padrão — enquanto a candidata que o perdeu de vista foi avançada para a fase seguinte, apesar de 90% do Relatório de Observação serem sobre as inúmeras falhas dessa candidata. Ela também levou seu pelotão a um incidente de “fogo amigo” e deixou a vítima para trás. No entanto, ela foi estranhamente a única candidata que recebeu uma nota de aprovação — quando deveria ter recebido um “grande sinal negativo.” Ela deveria ter sido removida.
Como escreve o ex-capitão do Exército dos EUA James Hasson (ele próprio se formou no curso de soldado especializado), aqueles que ele entrevistou “expressaram admiração pela coragem e perseverança das mulheres graduadas” e respeitaram seus esforços. Mas lamentaram que as pressões políticas estejam forçando mudanças no lendário curso de soldados especializados, mudanças que prejudicam sua integridade e reputação e deixam um exército enfraquecido em seu rastro.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês da Associação da Família Americana: When the Military Ignores the Differences Between Men and Women
Leitura recomendada:

Nenhum comentário :