14 de outubro de 2019

O Brasil deveria ou não entrar na OCDE?


O Brasil deveria ou não entrar na OCDE?

Julio Severo
Em sua reportagem intitulada “Um novo regime tributário mundial” na revista The New American em 2014, Alex Newman disse:
A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) — uma organização econômica internacional de 34 membros (atualmente) que trabalha para influenciar as operações financeiras mundiais — anunciou abertamente planos para avançar o sonho de longa data apoiado pelos socialistas de um regime de tributação planetária. Os planos exigem que governos legítimos e ditaduras em todo o mundo compartilhem todos os dados financeiros privados dos cidadãos… que, segundo os especialistas, em conjunto com outras maquinações relacionadas, como um plano emergente para forçar as empresas a pagar impostos corporativos igualmente altos em todas as jurisdições do mundo em vez de se estabelecer em países com impostos mais baixos, lançará as bases sobre as quais construir uma “Organização Tributária Mundial.”
E em sua reportagem intitulada “Cartel da OCDE financiado pelos EUA busca impostos globais mais altos” na revista The New American em 2011, Newman disse:
Os americanos que pagam impostos estão enviando mais de US$ 100 milhões por ano para uma burocracia internacional inchada que se transformou em um “fiscal de cartéis” para políticos do Estado de bem-estar social que buscam impedir a concorrência tributária, de acordo com um novo estudo. Intitulado “Cartelizando impostos: Entendendo a campanha da OCDE contra a ‘concorrência prejudicial de impostos,’” o documento examina a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico e sua campanha cada vez mais acirrada para “cartelizar” impostos globais. E a imagem que surge é preocupante, para dizer no mínimo, de acordo com especialistas.
Então, o presidente Jair Bolsonaro deveria ou não forçar o Brasil a entrar na OCDE? Do ponto de vista conservador, como mostra Newman, o Brasil e os Estados Unidos não deveriam fazer parte da OCDE, que é uma organização socialista e globalista.
No entanto, Bolsonaro tem pressionado tanto pela inclusão brasileira na OCDE que sua empolgação foi interpretada por seus apoiadores como um sinal de que o governo Trump concederia apoio para que o Brasil fosse incluído na OCDE em 2019. Quando essa inclusão imediata não aconteceu, as pessoas interpretaram que o governo Trump havia revogado seu apoio. Mas o próprio presidente dos EUA, Donald Trump, renovou o apoio, embora não tenha dado uma data específica para a inclusão.
Trump disse em 11 de outubro de 2019:
“A declaração conjunta divulgada com o presidente Bolsonaro em março deixa absolutamente claro que apoio o Brasil no início do processo de adesão plena à OCDE. Os Estados Unidos defendem essa declaração e defendem @jairbolsonaro. Esse artigo é NOTÍCIA FALSA! bloomberg.com/news/articles/…
Contudo, Trump está dando apoio a uma inclusão mais imediata da Argentina, cuja economia está em um atoleiro. Além disso, os eleitores argentinos estão escolhendo o socialismo novamente.
Embora usar a Argentina contra o Brasil seja um velho truque geopolítico dos estrategistas dos EUA, o não apoio do governo Trump à entrada brasileira na OCDE em 2019 não é uma má notícia. É uma boa notícia. E se o Brasil se recusar permanentemente a ingressar na OCDE, seria notícia alegre.
Alex Newman também gostaria que os EUA se juntassem a essa recusa conjectural. Sua opinião é que os EUA deveriam deixar a OCDE, que é uma organização socialista e globalista. Então, por que o governo dos EUA sob Trump apoiaria a inclusão do Brasil, considerando que Bolsonaro condena abertamente o socialismo?
Mas não apenas Trump está ajudando a OCDE. Quando Newman escreveu seus artigos para The New American, o ex-presidente dos EUA Barack Hussein Obama estava canalizando US$ 100 milhões anualmente de contribuintes de impostos dos EUA para a OCDE. Por que Trump está fazendo o que Obama teria feito é um mistério.
Um mistério maior é a empolgação e os esforços de Bolsonaro para forçar o Brasil a entrar na OCDE. Anos atrás, Bolsonaro confessou que sonegava todos os impostos que podia. Então ele odeia impostos altos, como todo brasileiro odeia.
Pelo fato de que Bolsonaro vem se pronunciando com força contra o socialismo na ONU e ele tem um histórico de defesa da sonegação de impostos, esperava-se que ele evitasse colocar o Brasil na OCDE ou em outras organizações socialistas.
Bolsonaro tem muita experiência ruim com impostos altos, porque ele nasceu no Brasil, que tem impostos historicamente altos, e o socialismo só piora o que já é muito ruim no Brasil há séculos. Com essa experiência brasileira, não é de admirar que Bolsonaro tenha sonegado impostos. Mas é de admirar sua empolgação atual em forçar o Brasil a entrar em uma organização socialista determinada a aumentar os impostos em todo o mundo.
Alex Newman disse que a principal agência para trazer um imposto global é exatamente a OCDE. Ele disse: “O regime global de informações fiscais da OCDE deve dar conta do recado,” acrescentando:
Como seria de esperar, quem também impulsiona esses planos é a Internacional Socialista, a principal aliança de partidos políticos socialistas e comunistas em todo o mundo. Essa poderosa coalizão, que se reuniu na África do Sul em 2012, novamente pediu impostos globais, uma moeda planetária e um regime global de compartilhamento de informações fiscais em uma de suas resoluções.
Newman observou:
“De acordo com uma declaração da OCDE, entre os dados que os governos compartilhariam entre si como parte do regime de ‘troca automática de informações’ estão várias categorias de renda, mudança de endereço, compra ou venda de propriedades e muito mais. Em vez de estar seguro em casa, nos documentos e nos bens imovéis sem uma causa provável e sem mandado, os governos e os autocratas de todo o mundo estarão livres para vasculhar” as informações mais sensíveis dos cidadãos do mundo à vontade.
Outras citações de Newman:
A chance de abuso de informações de indivíduos é de 100%. Considere que entre os primeiros participantes da trama está o implícito regime socialista que governa a Argentina — atualmente buscando freneticamente riquezas para saquear, à medida que a economia que ele governa mal está entrando em colapso. Está também a bordo o regime radical do Partido Comunista Sul-Africano e do Congresso Nacional Africano, que vem sendo implicado em genocídio na África do Sul pelo principal especialista mundial na área e que hoje tem mais pobreza do que quando o poder foi transferido do governo branco para o CNA. Os globalistas esperam acabar forçando todos os governos e ditadores do planeta a participar. Mais do que algumas autocracias brutais já estão se alinhando para participar.
Os principais líderes da OCDE também admitem que beneficiar os governantes, não aqueles que eles governam, é o objetivo das maquinações. “Estamos felizes em redobrar nossos esforços nessa área, trabalhando em estreita colaboração com países [governos] e partes interessadas para projetar soluções globais para problemas globais em benefício de governos e empresas em todo o mundo,” declarou a diretora da OCDE, Ángel Gurría, embora não esteja claro como os imensos custos e mandatos de conformidade impostos às empresas os beneficiariam.
“A OCDE começou a buscar impedir os países membros e os não membros de reduzir impostos e a incentivar as jurisdições com impostos mais baixos a elevar suas taxas,” explica o documento de 54 páginas, de autoria do estudioso de direito e economia da Universidade do Alabama, Andrew Morriss, e da pesquisadora econômica Lotta Moberg da Universidade George Mason. E a organização agora se transformou “em um cartel destinado a restringir a competição entre Estados.”
Alguns especialistas chegaram a afirmar que a OCDE pode estar entre os programas mais destrutivos financiados pelos americanos que pagam impostos em relação ao custo. “Não sou fã de burocracias internacionais… Mas a pior burocracia internacional, pelo menos quando medida em uma base gasta em dólares, deve ser a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico de Paris,” comentou Dan Mitchell, que critica a OCDE há muito tempo e é membro sênior do libertário Cato Institute. “Alguém consegue pensar em um item mais destrutivo no orçamento federal, pelo menos quando medido em uma base gasta por dólar? Eu não consigo.”
Então, se a OCDE é tão prejudicial à soberania das nações, inclusive com sua ambição de criar elevados impostos globais, por que o presidente dos EUA, Donald Trump, não retira os EUA dela? Por que ele está incentivando o Brasil a entrar nessa organização socialista e globalista?
Newman reconhece abundantemente que a OCDE é uma organização socialista e globalista. E ele também reconhece que a OCDE é financiada em grande parte por US$ 100 milhões anualmente de americanos que pagam impostos.
O fato de Trump estar apoiando Bolsonaro para forçar o Brasil a entrar na OCDE de nenhuma maneira faz da OCDE uma boa organização. Trump é muito melhor que Hillary Clinton, mas ele não é perfeito. Aliás, recentemente ele parabenizou a China pelo aniversário de 70 anos de sua revolução comunista, que matou cerca de 50 milhões de chineses.
Bolsonaro também não é perfeito. Ele honrou um homem que desonrou Trump. Steve Bannon, um homem homenageado por Bolsonaro e seu filho Eduardo, disse que Trump é “apenas mais um canalha” e trapaceiro.
Apesar de suas imperfeições mútuas, em vez de deixar que Trump o leve a forçar o Brasil a entrar em uma organização socialista e globalista como a OCDE, Bolsonaro deveria usar sua experiência passada como um homem que odeia e sonega impostos para incentiva Trump a deixar a OCDE.
Versão em inglês deste artigo: Should or Not Brazil Enter OECD?
Leitura recomendada:

Um comentário :

Cicero disse...

Nem a poderosa China quer saber da OCDE, ela prefere ficar recebendo os benefícios da OMC!